Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Dom bosco

2,650 views

Published on

  • Be the first to comment

Dom bosco

  1. 2. Estamos em 1800. Na Europa constroem-se muitas fábricas. Procura-se muita gente para trabalhar, sobretudo os mais jovens que se encontram na miséria, sem casa nem família. Aos patrões, pouco lhes interessa a saúde ou as condições em que os jovens trabalham. Mas Deus vai inspirar uma pessoa especial para cuidar destes jovens: O seu nome é João Bosco!
  2. 3. Joãozinho nasce a 16 de Agosto de 1815 numa quinta de I Becchi. Todos o acolhem com alegria e ternura, mas também com temor, pois os tempos eram difíceis. O seu pai era agricultor e a família era bastante pobre.
  3. 4. O pai do João morre quando ele tem apenas 2 anos. A mãe, Margarida, é uma mulher valente e trabalhadora, a chefe da família depois da morte de Francisco. Cada um dos filhos tinha de fazer a sua parte para ajudar. Também João começou a fazer pequenos trabalhos em casa e a levar as vaquinhas a pastar.
  4. 5. Quando João tinha 9 anos, teve um sonho: estava num prado cheio de rapazes que diziam muitas asneiras e andavam à pancada. João lançou-se no meio deles para terminar com aquilo. De repente apareceu uma pessoa de aspecto luminoso que lhe disse: “João, não é com pancadas mas com amor que vais ganhar os teus amigos. Eu te darei a mestra”.
  5. 6. Naquele momento apareceu uma Senhora muito bonita. Em lugar dos rapazes estavam agora animais selvagens. A Senhora levou o Joãozinho pela mão, apontou para eles e estes transformaram-se em ovelhinhas. Ela disse então: “Isto é o que deves fazer com os meus filhos! A seu tempo tudo compreenderás!”… Neste momento João acordou.
  6. 7. Graças àquele sonho, João compreendeu que podia fazer muito mais com o carinho e a alegria do que com a força e o castigo. Inventou mil e uma maneiras de fazer amigos e ocupá-los em fazer o bem e amar a Deus. Começou a estudar, a fazer truques de magia e saltos de equilibrismo. Mas os espectáculos que fazia tinham sempre pelo meio momentos de oração ou uma narrativa do Evangelho. Com muitas brincadeiras, João semeava o bem e o amor de Deus no coração de todos.
  7. 8. João acredita que Deus o chama a ser padre. Por isso, aproveita o pouco tempo que tem para aprender a ler e a escrever. Durante as longas tardes de inverno, lia histórias aos amigos e família. O seu irmão mais velho, o António, não sabia ler nem escrever e tinha de trabalhar muito, pelo que não gostava nada de ver o João agarrado aos livros.
  8. 9. A relação entre o João e o António foi piorando. António dizia que o João apenas lia e nada trabalhava. Para evitar mais complicações em família, a Mãe Margarida, decidiu mandar o seu pequeno João para casa de uma família amiga e aí poder trabalhar.
  9. 10. João foi bem recebido na quinta da família Moglia. Entre os diferentes trabalhos arranjava tempo para estudar. Voltou a reunir as crianças e jovens. Com eles fazia jogos, magia, contava histórias e rezava. Foi uma boa preparação para o que iria fazer mais tarde na vida.
  10. 11. Quando tinha 15 anos, João voltou para a sua casa. António, prestes a casar-se, estava mais tranquilo. Conheceu o padre José Calosso, um homem já de certa idade que o encorajou a estudar para vir a ser padre. Ajudou-o bastante mas por pouco tempo, pois morreu repentinamente. Os sonhos do João voltavam ao ponto de partida.
  11. 12. João Bosco queria muito estudar, mas a escola de Castelnuovo ficava muito longe. Todos os dias tinha que caminhar vinte quilómetros. Os colegas da escola gozavam com ele pela forma pobre como se vestia. E não compreendiam como é que um rapaz do campo tinha tanto empenho em estudar.
  12. 13. A mãe Margarida não tinha dinheiro para lhe pagar os estudos em Chieri. Com humildade João pegou num saco e foi pedir ajuda pelas portas dos seus vizinhos. Eles, que também eram pobres, partilhavam com ele uvas, milho, trigo… E foi assim que, durante o tempo dos seus estudos, João conseguiu poupar para o alojamento e alimentação.
  13. 14. Apesar de ter que trabalhar muito durante o dia para pagar o alojamento, à noite era sempre fiel ao estudo e a rezar. Bem vemos que o João só podia deitar-se muito tarde.
  14. 15. O seu interesse e empenho pelos amigos deu logo bons frutos. Como era bom aluno, João ajudava os seus colegas e, por isso, começou a ter muitos amigos. Ensinava-lhes a fazer o bem e a serem bons amigos de todos. O grupo que formaram chamava-se “Sociedade da Alegria”. Quando João acabou os seus estudos entrou para Seminário: começava a realizar o seu sonho.
  15. 16. Finalmente, no dia 5 de Junho de 1841 foi ordenado sacerdote. Desde aquele dia todos o tratavam por Dom Bosco. O padre Cafasso, um grande amigo seu, quis mostrar-lhe a miséria em que viviam os jovens de Turim: sem casa, sem comida, sem trabalho, sem família.
  16. 17. D. Bosco ainda conhecia muito pouco essa realidade. O padre Cafasso convidou D. Bosco a visitar as prisões de Turim. Havia tantos jovens na prisão! João Bosco sentia o coração apertado só de pensar que estes rapazes roubavam para poder comer e que a consequência era irem parar à cadeia. Decidiu que tinha de fazer alguma coisa por eles. A prisão não era sítio para os jovens!
  17. 18. A 8 de Dezembro de 1841, festa da Imaculada, o padre João Bosco estava a preparar-se para celebrar a Missa. Chega à sacristia um garoto, maltrapilho, fugido do sacristão. Para defender o rapaz, D. Bosco disse ao sacristão: “É meu amigo”. Depois da missa começou a falar com ele e soube que se chamava Bartolomeu. O rapaz prometeu voltar no domingo seguinte com alguns amigos. Terminaram a conversa rezando uma Avé Maria
  18. 19. Os amigos de Bartolomeu Garelli começaram a aparecer para estar com D. Bosco. Primeiro, na Missa e depois a jogar no pátio. A amizade de D. Bosco atraiu outros rapazes e jovens. Chegaram a ser tantos que não havia lugar com espaço suficiente para estarem juntos. Felizmente, apareceu um tal senhor Pinardi que ofereceu ao padre João Bosco um pátio e um lugar coberto por uma quantia acessível.
  19. 20. Naquele pequenino espaço coberto construíram uma capela e alguns lugares para dormirem. Depois, aos poucos, foram transformando outros espaços em lugares para aprender uma profissão e em salas de estudo. Começou uma oficina de sapateiro, de alfaiate e até a imprensa. D. Bosco queria mesmo preparar aqueles jovens para serem alguém na vida.
  20. 21. D. Bosco ia pela cidade de Turim ver como é que estavam a ser tratados os jovens nos trabalhos mais pesados, procurando defender os seus direitos. Preocupava-se muito com aqueles que saíam da prisão, pois não tinha muitas oportunidades para encontrar trabalho.
  21. 22. Nem todas as pessoas viam com bom olhos a missão de D. Bosco. Alguns tornaram-se inimigos dele e tentaram matá-lo. Mas felizmente, quando a situação era grave, aparecia um cão que o defendia contra esses atacantes: D. Bosco chamava-lhe grigio . Esse cão salvou a sua vida várias vezes e depois desaparecia de repente, tal como tinha aparecido.
  22. 23. Com tanto trabalho, pouco descanso e muita pressão D. Bosco adoeceu gravemente, ficando às portas da morte. O médico mostrou-se muito pessimista… mas centenas de rapazes estiveram a rezar durante vários dias para que ele melhorasse. Quando D. Bosco recuperou a saúde, exclamou com gratidão e alegria aos seus jovens: “Asseguro-vos que a partir de agora, a minha vida pertence-vos por completo”.
  23. 24. D. Bosco tinha muitos projectos em mente, mas não podia realizá-los sozinho. A 23 de Janeiro de 1854 convidou alguns jovens a seguir o mesmo estilo de vida dele, toda de Deus e dedicada aos jovens. Aqueles que disseram SIM formaram uma comunidade de consagrados: Os Salesianos.
  24. 25. Um dos rapazes que esteve no oratório com D. Bosco, para viver e estudar, foi Domingos Sávio. Foi um rapaz extraordinário, que dedicou a vida a ajudar outros rapazes. Mas Domingos tinha uma saúde muito frágil e morreu com 15 anos. Deixou um rasto de luz para todos os que o conheciam. O papa Pio XII proclamou-o santo em 1954!
  25. 26. Mas não eram só os rapazes que procuravam por Dom Bosco. Vinham muitas pessoas de diversas regiões e países para falar com ele, para confessar-se, para procurar respostas para as suas grandes questões.
  26. 27. E Dom Bosco não se preocupou apenas com os rapazes. Quando conheceu Maria Domingas Mazarello e outras jovens de Mornese, decidiu-se a reuni-las e convidá-las a formarem a missão salesiana de educar em favor das meninas pobres. Fundaram juntos o Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora, Irmãs que também se chamam Salesianas.
  27. 28. Os anos voam e Dom Bosco fica velhinho e cada vez mais “gasto”. Um homem que se deu por completo. Faleceu no dia 31 de Janeiro de 1888 depois de ter dito aos Salesianos: “ Dizei aos meus jovens que os espero a todos no Paraíso”.
  28. 29. Durante toda a sua vida, D. Bosco esteve sempre entre os jovens. Era aí que o seu sonho se cumpria: ajudar os jovens a serem bons cristãos e honestos cidadãos. O seu estilo de educar chama-se “Sistema Preventivo” .
  29. 30. Dom Bosco foi declarado santo em 1934. A missão educativa ao jeito de D. Bosco é conhecida em todo o mundo. Há Salesianos, Salesianas e outros membros da Família Salesiana em mais de 120 países. O sonho de D. Bosco continua a ser colorido na educação de milhares de jovens.
  30. 31. Viva Dom Bosco FIM Pai e Mestre dos Jovens

×