Violencia Conjugal - Formação

11,754 views

Published on

1 Comment
3 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
11,754
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,073
Actions
Shares
0
Downloads
253
Comments
1
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Violencia Conjugal - Formação

  1. 1. Violência DomésticaViolência Conjugal<br />
  2. 2. Objectivos Específicos:<br /><ul><li>Definir o conceito de Violência Conjugal
  3. 3. Principais factores que levam á Violência conjugal
  4. 4. Identificar os tipos de violência Conjugal
  5. 5. Identificar os principais mitos da violência Conjugal
  6. 6. Identificar as principais Políticas Sociais para a prevenção e protecção da violência Conjugal </li></li></ul><li>VIOLÊNCIA CONJUGAL <br /> “Por esta se entende toda a agressão (verbal, física e/ou sexual) exercida contra o/a cônjuge ou companheiro/a com o intuito de obter poder e controlo sobre o mesmo.”<br />
  7. 7. Factores de Risco:<br /><ul><li>Más condições habitacionais
  8. 8. Encarar a mulher como objecto
  9. 9. Desemprego
  10. 10. Baixos rendimentos
  11. 11. Alcoolismo
  12. 12. Toxicodependência etc. </li></ul>GLOBALIZAÇÃO<br />VIOLÊNCIA<br />CONJUGAL<br />FAMÍLIA<br />MODERNA<br />SOCIEDADE DE <br />RISCO<br />
  13. 13. Roda da violência<br />
  14. 14. tipos de violênciaViolência Emocional, Psicológica<br /><ul><li>Criticar negativamente atributos físicos ou comportamentos;
  15. 15. Humilhar em público ou privado;
  16. 16. Difamar a vítima acusando-a de ser infiel;
  17. 17. Insultar a vítima;
  18. 18. Gritar de forma a meter medo á vítima;
  19. 19. Perseguir a vítima na rua e ou trabalho;
  20. 20. Destruir objectos de valor da vítima;
  21. 21. Ameaçar ou maltratar familiares ou amigos da vítima; etc.</li></li></ul><li>Tipos de violência Violência Física<br /><ul><li>Empurrar, puxar o cabelo;
  22. 22. Estalos, murros, pontapés;
  23. 23. Apertar o pescoço;
  24. 24. Queimar a vítima;
  25. 25. Bater com a cabeça da vítima na parede;
  26. 26. Bofetadas;
  27. 27. Cuspir;
  28. 28. Bater com um objecto;
  29. 29. Agredir com armas ou objectos (pau, régua, cinto, chicote, faca, etc.)
  30. 30. Tentativas de homicídio…</li></li></ul><li>Tipos de violência Violência Sexual<br /><ul><li>Forçar relações sexuais contra a vontade da vítima;
  31. 31. Forçar actos sexuais não desejados;
  32. 32. Obrigar a vítima a praticar ou assistir a actos sexuais com terceiros;
  33. 33. Torturas sexuais; etc.</li></li></ul><li>Tipos de violência Violência económica<br /><ul><li>Tirar o dinheiro (ordenado, subsídios e pensões)
  34. 34. Esconder a situação financeira do casal, negar o acesso à conta bancária
  35. 35. Obrigar a pedir dinheiro e a prestar contas
  36. 36. Controlar as despesas (o que comprou, quanto gastou, o uso do carro, o uso do telefone)</li></li></ul><li>CICLO DA VIOLÊNCIA<br />A violência doméstica funciona como um sistema circular – o chamado ciclo da violência doméstica – que apresenta, regra geral, três fases:<br />
  37. 37. O CICLO DA VIOLÊNCIA<br />Fase de Aumento de Tensão:A tensão do agressor aumenta por diversas razões e o seu comportamento torna-se bastante agressivo e indiferente ao esforço da vítima em acalmá-lo. Na relação violenta o aumento de tensão leva quase sempre ao uso de violência física e psicológica. <br />Fase de Explosão:A violenta explosão ocorre no seguimento de um ataque de raiva, ou durante uma discussão. Estas explosões tendem a aumentar a intensidade com o passar dos anos.<br />Fase de “Lua-de-mel”:Se a reconciliação ocorre o casal pode passar por momentos muito íntimos, onde nenhuma das partes recordará a violência passada. O agressor pode ser comunicativo e responder às necessidades da vítima, acreditando na mudança deste. Infelizmente nas relações violentas o ciclo decisivamente continua, reaparecendo as relações de controlo, aumentando a tensão dentro do casal e inevitavelmente recrudesce a violência.<br />http://www.portalseguranca.gov.pt<br />
  38. 38. Consequências Psicológicas da Violência<br /><ul><li>Baixa auto-estima
  39. 39. Vergonha, culpa
  40. 40. Ansiedade, angústia, raiva
  41. 41. Fobias/ataques de pânico
  42. 42. Depressão
  43. 43. Disfunções sexuais
  44. 44. Confusão mental/dificuldade de concentração
  45. 45. Perturbação do sono/alimentares
  46. 46. Pensamentos suicidas </li></li></ul><li>Consequências Físicas da Violência<br /><ul><li>Traumatismos resultantes das agressões
  47. 47. Dores crónicas
  48. 48. Cansaço crónico
  49. 49. Problemas ao nível da saúde reprodutiva
  50. 50. Lesões e doenças do foro ginecológico (doenças sexualmente transmissíveis)
  51. 51. Suicídio, homicídio </li></li></ul><li>
  52. 52.
  53. 53.
  54. 54. Perfil da Vitima e do agressor<br /> VÍTIMA:<br /><ul><li> Maioritariamente do sexo feminino
  55. 55. Idades entre 26 e 45 anos
  56. 56. Casada
  57. 57. Desempregada/empregada em serviços domésticos
  58. 58. Cursos secundários ou superiores
  59. 59. Sem dependências</li></ul>AGRESSOR:<br /><ul><li> Essencialmente do sexo masculino
  60. 60. Idades entre 26 e 45 anos
  61. 61. Casado
  62. 62. Empregado nas indústrias extractivas e na construção
  63. 63. Sem dependências ou quando muito dependência do álcool</li></li></ul><li>Vitima – relação violenta<br />Diagrama 1: factores que contribuem para a aceitação de uma relação violenta<br />
  64. 64. POLÍTICAS SOCIAIS<br />
  65. 65. POLÍTICAS SOCIAIS<br />III Plano Nacional Contra a Violência Doméstica<br />2007-2010<br />O III Plano contra a Violência Doméstica, tal como é definido no Programa do XVII Governo Constitucional (2005-2009), aponta claramente para uma consolidação de uma política de prevenção e combate à violência doméstica, através da promoção de uma cultura para a cidadania e para a igualdade, do reforço de campanhas de informação e de formação, e do apoio e acolhimento das vítimas numa lógica de reinserção e autonomia.<br />
  66. 66. POLÍTICAS SOCIAIS<br />III Plano Nacional Contra a Violência Doméstica<br />2007-2010<br />Prioridades e Orientações Estratégicas:<br />Informar, Sensibilizar e Educar;<br />Proteger as Vítimas e Prevenir a Revitimação;<br />Capacitar e Reinserir as Vítimas de Violência Doméstica; <br />Qualificar os Profissionais;<br />Aprofundar o conhecimento sobre o fenómeno da Violência Doméstica.<br />
  67. 67. Denunciar: onde?<br /> Autoridades regulares que recebem as queixas e as denúncias:<br /><ul><li> PSP – Polícia de Segurança Pública
  68. 68. GNR – Guarda Nacional Republicana
  69. 69. PJ – Polícia Judiciária
  70. 70. Ministério Público
  71. 71. APAV- Associação Portuguesa de Apoio à Vítima
  72. 72. UMAR - União das Mulheres Alternativa e Resposta
  73. 73. AMCV – Associação de Mulheres Contra a Violência</li></li></ul><li>Casas Abrigo<br />São estruturas de acolhimento residencial:<br /><ul><li>Temporário;
  74. 74. Prestam serviço gratuito;
  75. 75. Disponibilizam apoio social, psicológico e jurídico.</li></ul>Existem perto de 30 casas abrigo em Portugal.<br />A sua localização é confidencial.<br />Casas Abrigo<br />Surgem com a Lei nº 107/99 de 3 de Agosto. <br />
  76. 76. Legislação sobre a violência doméstica<br />Casas Abrigo<br />
  77. 77. CAMPANHAS DE PREVENÇÃO<br />

×