Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Africanidades, mais que uma herança, um legado.

129 views

Published on

Projeto Classificado para Feira da 6ª CREDE

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Africanidades, mais que uma herança, um legado.

  1. 1. INTRODUÇÃO/PROBLEMA Com a aprovação da Lei 1.639/2003, que obriga todas as escolas a inserir em seus currículos o ensino da cultura africana e afro- brasileira, pensou-se que bastaria para sanar a dívida histórica com os povos negros que foram escravizados durante o período colonial no Brasil. Só a aprovação da Lei não bastou e não bastará para se resolver o problema do racismo entre nós. Africanidades, mais que uma herança, um legado. Estudantes: ¹ Deana Vandessa Braz e ² Ana Tamires O. Canafístula Professor: ³ Paulo Roberto Sales Neto ¹ e ² Estudantes do 3º ano do curso de Agroindústria. ³ Professor de História. E-mail: pauloro123@gmail.com IMPACTO DO PROJETO Cada vez mais um número maior de estudantes têm se interessado pelos estudos da cultura africana e afro-brasileira. Durante toda a execução do projeto, ouvimos depoimentos de estudantes negros e negras que passaram a ter uma atitude positiva sobre si mesmos, além de outros que passaram a olhar com mais cuidado os comportamentos racistas tidos como “normais”. CONSIDERAÇÕES FINAIS A experiência em trabalhar a temática na escola tem sido rica para professores e estudantes. No entanto, para se transformar o olhar preconceituoso que carregamos, demandarão ainda muitas ações como as propostas neste projeto. Porém, é salutar a necessidade de se problematizar a temática do negro e suas diversas nuances em nossa sociedade, para que se crie as condições mínimas necessárias às mudanças. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CARNEIRO, Suely. Gênero, Raça e Ascensão Social, Teoria e Pesquisa – IFCS, UFERJ, PPICIS/UERJ, Rio de Janeiro 1995. D’ AKESKY, Jacques. Anti-racismo: liberdade e reconhecimento. Rio de Janeiro: Daudt, 2006. GOMES, N. Lino. A questão racial na escola: desafios colocados pela implementação da Lei 10.639/03. In: MOREIRA, A.F.e CANDAU, V.M. Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis : Vozes. p. 67-89. GUERTZ, C. A interpretação das Culturas. Editora Guanabara Koogan S.A., Rio de Janeiro, 1989. MUNANGA, Kabengele (org) Superando o racismo na escola. Brasília : MEC/SECAD, 2005. _______. Estratégias de combate à discriminação racial. Editora da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996. _______. Negritude: usos e sentidos. São Paulo: Ática,1988. METODOLOGIA Através de discussão permanente em um grupo de estudos que se reúne semanalmente, alunos e professores dialogam sobre os diversos aspectos da cultura africana e afro-brasileira, com auxílio de textos, vídeos, músicas e poesias. Além DISSO, REALIZAMOS aulas de campo NA cidade de Salvador/Bahia, uma vez por ano, para dialogar SOBRE a temática NO museu Afro-brasileiro – MAFRO. . RELEVÂNCIA DO PROJETO A negação do negro nos diversos espaços da sociedade brasileira foi, durante muitas décadas, uma prática comum, isso devido aos resquícios da escravidão negra criada pelos colonizadores brancos. Dessa forma, é bastante relevante colocar essa discussão sempre viva para quebrar tabus e preconceitos que se tem quanto à cultura do outro, diminuindo assim os índices de racismo e bullyng na escola. Foto 02: Museu MAFRO faz doação de material de pesquisa aos estudantes e professores. Foto 03: Peça teatral sobre mito africano, em evento no dia da consciência negra de 2014, no auditório da escola. Foto 01: Oficina de sgrafitto ministrada pela estudante de artes plásticas, Aislane Nobre. Governo do Estado do Ceará Secretaria da Educação Santana do Acaraú-CE EEEP FRANCISCO DAS CHAGAS VASCONCELOS

×