Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais

24,551 views

Published on

Biologia Vegetal e as Algas (Proctista)

Published in: Education
2 Comments
20 Likes
Statistics
Notes
  • Os restos da parede celular das diatomáceas mortas podem se depositar no fundo do ambiente aquático e, com o tempo, formar uma material rico em sílica conhecido como diatomito. Esse material pode ter várias aplicações comerciais, como: confecção de certos cosméticos e pastas de dente; abrasivo fino para polimento de objetos de prata, por exemplo; fabricação de tijolos usados em construção civil.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • A pasta de dente em sua composição leva uma porcentagem de sílica?! Não entendi
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
24,551
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
451
Comments
2
Likes
20
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Taxonomia, sistemática e principais grupos de algas e vegetais

  1. 1. 15/07/2013 Prof: Msc. Heitor de Oliveira Braga TAXONOMIA/ FILOGENIA/ VEGETAIS
  2. 2. ORGANIZAÇÃO DO AULA :  Principais grupos de Vegetais  Introdução à Sistemática e Taxonomia Vegetal (Definição, Histórico e Sistemas de classificação)  Principais grupos de Algas  Atividade diagnóstica
  3. 3. SISTEMÁTICA  Ramo da biologia que estuda a diversidade biológica  Tipos e as variações entre os seres vivos  Principais objetivos: • descrever a diversidade biológica • desenvolver catálogos: caracterizar cada espécie • critérios de organizar a diversidade e agrupar os seres vivos • compreender processos da diversidade biológica
  4. 4. SISTEMÁTICA  Apresentam resultados por meio da: • Classificação Biológica ou TAXONOMIA Categorias taxonômicas ou táxons: categorias menores incluídas em categorias maiores Sistema sintético Organiza os seres vivos- categorias hierárquicas
  5. 5. HISTÓRICO DA TAXONOMIA VEGETAL  Diversidade dos organismos (1,5 milhão descritos): ampla variedade biológica forma, dimensão e estrutura – Primeiras constatações a impressionar  Tentativa de melhor compreender  Classificação dos seres vivos CONSTITUIÇÃO DE UNIDADES DISTINTAS: ESPÉCIES Mundo Natural critérios científicos
  6. 6. HISTÓRICO DA TAXONOMIA  Diversos sistemas de classificação foram elaborados  Ordenação das espécies em grupos  Diferentes conjuntos de atributos
  7. 7. HISTÓRICO DA TAXONOMIA • Morfologia externa ou Organografia • Caracteres de fácil reconhecimento Início • Contribuição da anatomia • Genética e Quimíca • Paleontológicos, Embriológicos e fitogeográficos Posterior  Delimitação e separação dos grupos atuais
  8. 8. HISTÓRICO DA TAXONOMIA  Histórico : descritivo (1) e de sistematização (2)  (1) - Sistemas fundamentados no hábito das plantas - arbóreas, arbustivas, subarbustivas e herbáceas • PAI DA BOTÂNICA (ARISTÓTELES) - Outros cientistas da época: Dioscórides, Albertus e Magnus
  9. 9. HISTÓRICO DA TAXONOMIA  Idade Média: Herbalistas (Brunfels, Bock, Fuchs)  Propriedades medicinais das plantas  Fornecem descrições e ilustrações: Facilitar a identificação
  10. 10. HISTÓRICO DA TAXONOMIA  (2) - Sistemas pouco elaborados deram lugar aos artificiais • Século XVIII: Os Sistemas Naturais (Jussieu, Lamarck, Bown ...) • Número de informações acumuladas: Morfologia vegetal • Reconheceu 15 classes e 100 ordens • Karl Linné: caracteres florais / nomenclatura binária das ssp
  11. 11. HISTÓRICO DA TAXONOMIA - Século XIX: Sistemas filogenéticos sucederam os naturais (Eichler, Engler, Wettstein …) • impulsionada por Charles Darwin: evolução biológica • estabeleceu relações de semelhança entre eles: ANCESTRALIDADE DESCENDÊNCIA • formas primitivas (mais simples): dá origem a outras formas evoluídas (mais complexas) • Atuais: • morfologia externa, anatomia, citologia, embriologia, ecologia, genética, química e estatística • informação disponível para caracterizar táxons (taxa)
  12. 12. PRINCIPAIS GRUPOS DE ALGAS - Organismos fotossintetizantes pertencentes ao Reino Protoctista - Seres Eucariontes, autotróficos, uni ou pluricelulares - Não possuem tecidos organizados em órgãos TALOS - Divididos de acordo com pigmentos intracelulares Verdes  Chlorophyta e Euglenophyta Douradas  Chrisophyta ou diatomáceas Vermelhas  Pyrrophyta e Rhodophyta Pardas  Phaeophyta
  13. 13. - Organização: • Euglenófitas • Pirrófitas • Crisófita ou Diatomáceas Unicelulares • Clorófitas • Feófitas • Rodófitas Pluricelulares  Chlorophyta  Algas verdes (Uni e pluricelulares)  Reprodução: Assexuada (Divisão binária)  Presença de clorofilas A e B e carotenóides  Reserva de amido  Parede celular celulósica  Dulcícolas e Marinhos Genêro: Acetabularia e Codium
  14. 14.  Euglenophyta  Algas verdes unicelulares flageladas  ESTIGMA: Organela fotossensível que orienta o organismo em direção à luz  Presença de clorofilas A e B e carotenóides  Reserva de Paramilo e sem parece celular  Maioria: Dulcícolas  Reprodução assexuada (Divisão binária)  FOTOSSÍNTE – Ausência de condições  Nutrição heterotrófica  Euglena sp.
  15. 15.  Chrysophyta ou Diatomácea  Algas douradas ou Diatomáceas  Quando morrem, as carapaças de sílica se depositam no fundo do oceano, formando um solo chamado DIATOMITO ou TERRA DE DIATOMÁCEAS  Fabricação de tijolos, abrasivos, substâncias polidoras, pastas de dentes e dinamite.  Presença de clorofilas A e C e carotenóides  Reserva de crisolaminarina  Parede celular de sílica
  16. 16.  PYRROPHYTA  Algas unicelulares vermelhas / Dinoflagelados  Presença de clorofilas A e C e carotenóides  Reserva de Amido  Presença de dois flagelos  Noctiluca sp.  Bioluminescência  Bioluminescência (Algumas espécies)  Maré Vermelha: Floração excessiva de algas devido ao aumento da temperatura da água ou excesso de sais devido ao despejo de esgoto doméstico  Possuem placas de celulose e sílica
  17. 17.  PYRROPHYTA  Ceratium sp. ao microscópio eletrônico  Cor vermelha da água: Liberação de substâncias tóxicas que contaminam e matam peixes e moluscos Ser humano: diarréias, problemas respiratórios e cardiovasculares
  18. 18.  Rhodophyta  Algas pluricelulares vermelhas  Presença de clorofilas A e D - ficocianina (azul) e ficoeritrina (vermelho)  Reserva de Amido  Maioria Marinhas  Uso na alimentação (Japonesa) – Algas comestíveis  Ágar: Substância gelatinosa - Meio de cultura para bactérias e fungos - Gelatinas e doces
  19. 19.  Phaeophyta  Algas pluricelulares PARDAS  Presença de clorofilas A e D, Carotenóides e Fucoxantina  Parede Celular com Algina: extração de CARRAGENINA e ALGINATO - Modelos odontológicos (Alginato) - Espessante de sorvetes/cremes  Podem formar bolsas de ar - Flutuação: Mar de sargaço (Sargassum sp)  Podem ser de grande porte: “floresta de litoral”  Bahamas – Registro: “Sequóias dos mares” com 100m
  20. 20. - IMPORTÂNCIA DAS ALGAS:  Importante para o Ecossitema: o Formação do fitoplâncton o Sustentam direta e indiretamente as teias alimentares aquáticas  Atmosfera: o São responsáveis por 90% da fotossíntese o São os maiores produtores de oxigênio  Econômica: o Indústria alimentícia, construção civil e produtos diversos
  21. 21. O UNIVERSO VEGETAL “Na Floresta, descobrem-se inúmeras estratégias de vida do mundo vegetal” • Samanbaias, árvores de grande porte, musgos …
  22. 22. ORGANIZAÇÃO DAS PLANTAS • Ocupa o solo (raízes)  Ipê-Roxo • Meio áreo (caule e ramos) • Adulta: Flores (sépalas e pétalas: reprodução) • Frutos, sementes, embrião (novo indivíduo)
  23. 23. CLASSIFICAÇÃO VEGETAL • Reino Plantae/Metaphyta/ Embryophytes  Característica dos vegetais: • Algas: Retiradas do Reino Plantae (Liberam seu zigoto no ambiente e o novo ser se desenvolve independentemente do organismo genitor) • Ciclo de vida: Possuem embriões multicelulares maçicos • frutos, sementes, embrião (novo indivíduo)
  24. 24. • 320 mil espécies de planta (tamanho, forma e organização corporal) • Espécies com organização simples (Musgos/Briófitas) • Organismo complexos: (Frutíferas/Angiospermas) • Eucarióticos • Multicelulares • Autótroficos • Parede celular celulósica • Plastídeos (plastos): cloroplastos nas folhas • Presença de vacúolos VEGETAIS
  25. 25. GRANDE GRUPOS DE VEGETAIS  Classificação em 12 filos  3 deles - plantas avasculares: - Sem tecidos condutores de seivas - FILO BRYOPHYTA MUSGOS - FILO HEPATHOPHYTA HEPÁTICAS • BRIÓFITAS
  26. 26. - FILO ANTHOCEROPHYTA ANTÓCEROS  Características gerais das BRIÓFITAS: • AVASCULARES (AUSÊNCIA DE XILEMA E FLOEMA) • AUSÊNCIA DE RAIZ, CAULE E FOLHAS - Apresentam as seguintes estruturas:  Rizóide: fixação e absorção  Caulóide: absorção e sustentação  Filóide: fotossíntese e trocas gasosas MUSGO • AUSÊNCIA DE CUTÍCULA • TRANSPORTE DE ÁGUA POR DIFUSÃO: CRESCIMENTO LENTO
  27. 27. • CICLO DIPLOBIONTE (ALTERNÂNCIAS DE GERAÇÕES)  Observações: I. O esporófito é aclorofilado e dependente do gametófito II. Após a liberação dos esporos, o esporófito degenera-se III. O esporófito sempre está presente sobre o gametófito feminino
  28. 28. Gametófito Esporófito Haplóide (n) Diplóide (2n) Fase sexuada Fase assexuada Clorofilado Aclorofilado Fase duradoura Fase temporária - IMPORTÂNCIA DAS BRIÓFITAS: I. São organismos pioneiros no processo de sucessão ecológica IV. São bioindicadores da qualidade do ar e do solo II. São organismos produtores de cadeias alimentares III. Criam micro habitats para várias espécies de microrganismo
  29. 29. GRANDE GRUPOS DE ALGAS - Vasos condutores de seiva: formados por células tabulares  9 restante - plantas vasculares ou traqueófitas - PTERIDÓFITAS : AUSÊNCIA DE SEMENTE/FLORES SAMANBAIA AVENCA
  30. 30.  Características gerais das PTERIDÓFITAS: • VASCULARES (PRESENÇA DE XILEMA E FLOEMA) • CICLO DIPLOBIONTE (ALTERNÂNCIA DE GERAÇÕES) • FECUNDAÇÃO DEPENDENTE DA ÁGUA
  31. 31.  Observações:  O esporófito no início é aclorofilado e dependente do gametófito  O esporófito ao se desenvolver suga as reservas nutritivas do gametófito  O gametófito degenera-se e o esporófito torna-se clorofilado Gametófito Esporófito Haplóide (n) Diplóide (2n) Fase sexuada Fase assexuada Clorofilado Inicialmente aclorofilado e depois torna-se clorofilado Fase temporária Fase duradoura
  32. 32. - IMPORTÂNCIA DAS PTERIDÓFITAS:  Organismo produtor das cadeias alimentares  Ornamentação  Obtenção do xaxim (caule de samambaiaçu) o Cultivo de orquídeas o Risco de extinção do samambaiaçu (Mata Atlântica) o Alternativa: coxim (feito com fibras do coco) Samambaiaçu SamambaiaCoxim
  33. 33.  GMINOSPERMAS: - Surgimento do tubo polínico (Sifonógamas) - Independência total da água para a reprodução - Qual a vantagem ??? - Principais representantes: Pinheiros, sequóias, araucárias e ciprestres - Possuem sementes Espermatófitas - Presença de estróbilos
  34. 34. - Quais as vantagens de serem Espermatófitas ??? Aumento da dispersão Colonização de ambientes variados Proteção ao embrião - Redução extrema da fase gametofítica: • Gametófito masculino imaturo: grão de pólen ---- Tubo polínico • Gametófito feminino: saco embrionário (megaprotálo)
  35. 35. Polinização: (Anemofilia) • Transporte dos grãos-de-pólen até a abertura (micrópila) do óvulo • Grãos-de-polén ALADOS que facilitam a dispersão • Composto por: tegumento do óvulo (Casca), zigoto (Embrião), Saco embrionário (Endosperma primário ou albume) - Desenvolvimento do óvulo:
  36. 36. - IMPORTÂNCIA DAS GMINOSPERMAS:  Indústria madeireira/ celulose e farmacêutica  Alimentação (pinhão), semente do Pinheiro-do-Paraná.  Ornamentação
  37. 37.  ANGIOSPERMAS: - Grupo mais diversificado do Reino Plantae (cerca de 350.000 espécies) - Apresentam flores verdadeiras, contendo ovários - Único grupo que possui frutos (importante para a dispersão das sementes) o Pétalas coloridaso Nectárioso Aromas - Muitas angiospermas possuem flores com estruturas que atraem animais
  38. 38. Pedúnculo/Pedicelo floral: Haste que fixa a flor no ramo. Receptáculo floral: Região da flor onde se inserem os elementos florais Sépala: Folha modificada estéril (verde)  conjunto: cálice Pétala: Folha modificada estéril (colorida)  conjunto: corola Verticílios florais: conjunto de folhas modificadas - Estrutura da FLOR: • Pistilos ou Carpelos (Feminino) • Estames (Masculino)
  39. 39. I) Oosfera (n) + Célula espermática (n)  Zigoto (2n) II) Núcleo polar (n) + Núcleo polar (n) + Célula espermática (n)  Célula (3n) - Desenvolvimento do tubo polínico e a dupla fecundação:
  40. 40. - Dupla fecundação e a formação do fruto: Fruto o Protege as sementes em seu interior o Os animais ao se alimentarem dos frutos e realizam a dispersão das sementes
  41. 41. - CLASSIFICAÇÃO DAS ANGIOSPERMAS:  Monocotiledôneas/Dicotiledôneas  Cotilédone: Reserva nutritiva • Monocotiledôneas: Milho, gramíneas, palmeiras, orquídeas • Dicotiledôneas: Mamona, feijão, ervilha, goiaba
  42. 42. REFERÊNCIAS BIBLOGRÁFICAS: • AMABIS & MARTHO. Biologia dos Organismos. Volume 2. São Paulo: Editora Moderna. 2ª edição, 2004. • RAVEN, PETER H.; Et al. Biologia Vegetal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001. • AMABIS & MARTHO. Fundamentos da Biologia Moderna. Volume único. São Paulo: Editora Moderna, 2003 • AVANCINI & FAVARETT. Biologia; Uma abordagem evolutiva e ecológica .Volume 3. São Paulo: Editora Moderna.1ª Edição, 1997.

×