Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

INTEGRAÇÃO ENTRE SAÚDE OCUPACIONAL, ASSISTENCIAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE

3,609 views

Published on

Apresentação realizada pelo Sandro da Silva, médico do trabalho da HBSIS, na 8ª Conferência de Promoção da Saúde Corporativa.

Published in: Health & Medicine

INTEGRAÇÃO ENTRE SAÚDE OCUPACIONAL, ASSISTENCIAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE

  1. 1. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 2 Dr. Sandro da Silva Médico do Trabalho INTEGRAÇÃO ENTRE SAÚDE OCUPACIONAL, ASSISTENCIAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE
  2. 2. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 3 Agenda • Medicina do Trabalho • Medicina Assistencial • Integração Med. do Trabalho e Assistencial (Saúde Integral) • A promoção da Saúde • Case HBSIS • Conclusões e Reflexões
  3. 3. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 4 Histórico – Medicina Ocupacional • CLT – Decreto lei nº 5.452 de 01/05/43 • ANAMT – criada em 26/03/68 • Altos índices de Acidente de Trabalho • SESMT – Portaria nº 3.237 de 27/07/72 • NRs – Lei nº 6.514 de 22/12/77 • MT – reconhecida como especialidade em 2003 • Características da saúde e segurança no trabalho
  4. 4. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 5 Evolução – Medicina Ocupacional • Análise mais ampla e profunda sobre os impactos da “saúde” nos resultados das organizações • Saúde Corporativa
  5. 5. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 6 Modelo Atual – Medicina Assistencial • Características atuais: – atende condições agudas – trata o indivíduo de forma genérica – funciona de modo reativo – tem ênfase em ações curativas e de reabilitação – é de entrada aberta – centralizada no profissional médico – tem gestão na oferta e pagamento de serviços – não tem gestão por melhores resultados Fonte: OMS, 2004
  6. 6. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 7 Modelo Atual – Medicina Assistencial • Dificuldades na Gestão da Saúde: – Escopo da saúde é amplo – Consumo em saúde – Impacto na vida – Relevância social grande, é considerada um bem social – Relevância econômica – Setor intensivo em conhecimento – Cadeia de valor fragmentada Fonte: Pedroso MC, Malik AM, As quatro dimensões da Saúde.
  7. 7. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 8 Medicina Assistencial 40% 60% Gastos em Saúde Público Privado 4,9% PIB (IBGE, 2009) 3,6% PIB (IBGE, 2009)
  8. 8. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 9 Medicina Assistencial VCMH = Variação do Custo Médico Hospitalar IESS = Instituto de Estudos de Saúde Suplementar
  9. 9. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 10 Medicina Assistencial – Mudanças • Mudanças Epidemiológicas e Demográficas • Pop. > 60 anos = 09% / 2013 • Pop. > 60 anos = 15% / 2025 (40MM pessoas) • 80% das pessoas > 60anos tem alguma doença crônica (IBGE) • Prevalência de DM e HAS estão subindo • Carga de Doença, índice DALY (Disability Adjusted Life of Years), doenças crônicas = 66% do total de DALY • 19% neuropsiquiatrias • 13% cardiovasculares • 8% respiratórias crônicas • 6% câncer • 6% musculoesqueléticas • 5% diabetes • Em 2007, 72% das mortes no Brasil estão relacionadas a doenças crônicas Fontes: IBGE / The Lancet, Volume 377, Issue 9781, Pages 1949 - 1961, 4 June 2011
  10. 10. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 11 Medicina Assistencial MODELO ATUAL NOVAS PERSPECTIVAS ELEVAÇÃO DOS CUSTOS
  11. 11. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 12 Medicina Assistencial PÚBLICO BR (40%) FAMÍLIAS PRIVADO BR (60%) EMPRESAS PÚBLICO BR (40%) FAMÍLIAS PRIVADO BR (60%) EMPRESAS CUSTO EM “SAÚDE” Gerenciamento custo Gerenciamento clínico Altera a proporção da fonte de financiamento Diminui o tamanho do financiamento
  12. 12. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 13 Medicina Assistencial 1 – 5% (alta complexidade) 20 – 30% (cond. complexas) 70 – 80% (cond. simples) Fatores de risco Pirâmide de Riscos X Custos FONTE: Department of health (2005); Kellogg (2007) Nível 1 Nível2 Nível 3 Alto custo Baixo custo por caso Promoção da Saúde
  13. 13. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 14 Medicina Assistencial Investimento preventivo focado na base pirâmide (Fatores de risco e hábitos de vida) – Melhora qualidade de vida – Reduz internações hospitalares – Reduz taxa de permanência na internação hospitalar – Melhora fatores de risco ligados ao comportamento e estilo de vida – Reduz custos de atenção à saúde FONTE: Wallace (2005); Singh (2005); Department of Health/NHS (2005); Singh & Ham (2006); Porter & Kellogg (2008)
  14. 14. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 15 Vigitel (2006 – 2011) Loeppke R, IJWHM, vol. 1, nº 2, pp. 95-108, 2008 IBGE (1974-1975; 1989; 2002-2003 e 2008-2009) R. Bras. Estudos de População, v. 29, pp.133-145, jan-jun 2012 Principais fatores de risco: NãoOcupacionais Sobrepeso e Obesidade Alimentação inadequada Inatividade física Dislipidemias Consumo álcool em excesso Tabagismo Envelhecimento HAS/hist. genético familiar DM/hist. genético familiar Ergonômico Estresse Acidentes Ocupacionais Físico Biológico Ergonômico Acidentes Estresse Integração Assistencial e Ocupacional
  15. 15. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 16 Medicina Assistencial • Classificação de risco: – 0 a 2 fatores de risco = baixo risco – 3 a 4 fatores de risco = médio risco – 5 ou > fatores de risco = alto risco • Quanto maior o número de fatores de risco por pessoa, maior são os gastos em saúde. Fonte: Edington, PhD, University Michigan Health Managemant Reserch Center.
  16. 16. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 17 Integração: Assistencial e Ocupacional • As pessoas não deixam os impactos de seus riscos em casa quando vão ao trabalho, assim como não deixam no trabalho os impactos da exposição aos riscos ocupacionais. • Melhorar a saúde não só controla despesas, mas também protege, dá suporte e melhora o capital humano. • Líderes empresariais estão percebendo que a saúde da força de trabalho está diretamente ligada a saúde das organizações (competitividade, produtividade, etc). • Saúde e força de trabalho andam juntos, empresários estão chegando a conclusão de que a saúde não é um custo a ser administrado e sim um investimento que precisa ser alavancado. Fonte: Loeppke R, 2008.
  17. 17. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 18 Integração: Assistencial e Ocupacional • Ações limitando o uso de planos de saúde (mensalidades, coparticipação) podem inibir a procura antecipada pelo atendimento médico, diagnóstico precoce e tratamento, deixando apenas para usar nas complicações (onde o custo é bastante elevado). Além disto aumentam o presenteísmo, absenteísmo e reabilitação. Fazendo com que o custo total da saúde aumente e provoque mais impactos na produtividade/competitividade das empresas. • Nas empresas, ações gerenciando os custos podem levar a tratamentos ineficientes, provocando consequências à saúde e à força de trabalho (presenteísmo, sequelas/reabilitação). O que realmente vai agregar valor em saúde e minimizar custos e melhorar a produtividade? • Precisamos ter uma visão global e integral da saúde das pessoas para responder esta questão. Há necessidade de incorporar a Saúde como estratégia do negócio na cultura da empresa. Saúde como Valor da empresa, conscientizar e disseminar a cultura da saúde. Loeppke R, 2008.
  18. 18. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 19 Case HBSIS
  19. 19. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 20 Case HBSIS – Histórico Problemas e dificuldades: • Saúde ocupacional terceirizada • Informações sobre causas dos afastamentos do trabalho desconhecidas • Informações sobre gastos do plano de saúde inexistentes (sigilo médico) • Aumento da fatura plano de saúde a cada ano • Informações sobre hábitos de vida e adoecimento dos colaboradores inexistente
  20. 20. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 21 Case HBSIS – Histórico • Primeiras ações: – Implantação de ambulatório próprio – Contratação de Médico do Trabalho – Coleta de informações nos exames periódicos (ASOs) – Identificação dos riscos ocupacionais (LTCAT/PPRA) – Coleta de informações sobre atestados, afastamentos, acidentes, etc (questionário e exames periódicos) – Coleta de informações sobre gastos com plano de saúde – Aplicação de questionários sobre hábitos de vida, adoecimentos, uso de medicamentos, atividade física, etc (perfil população)
  21. 21. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 22 Case HBSIS – Informações encontradas • Risco ocupacional: ergonômico / estresse • Riscos não ocupacionais (fatores de risco): – História familiar HAS = 58% – História familiar DM = 42% – História Familiar HAS + DM = 30% – 48% fazem pouca atividade física – 50% com IMC > 25,1 – 50 a 70% com hábitos alimentares ruins – 16% tabagistas – 15% com queixa de Insônia – 10% consomem álcool em excesso frequentemente • Doenças frequentes: – DM = 2-4% – HAS = 7-14% – Depressão = 3-13% – Absenteísmo (Osteomusculares, Respiratórios – sazonal e Digestivos)
  22. 22. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 23 Case HBSIS – Ações Ampliação da estrutura na área de saúde: • Ambulatório (atendimento clínico e ocupacional) • Médico do Trabalho – Consultas clínicas – Avaliação atestados e acompanhamento de afastamentos • Criação dos programas preventivos • Plano de saúde UNIMED (sem custos/sem coparticipação) • Ergonomista • Educadora Física (Ginástica Laboral)
  23. 23. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 24 Case HBSIS – Ações Principais atuações em Saúde: • Cumprimento da legislação referente medicina do trabalho (LTCAT/PPRA, PCMSO, ASOs, etc) • Ergonomia no trabalho e postural (mobiliário e treinamento individual) • Ginástica Laboral • Vacinação anti-gripal • Programa prevenção DM e HAS (HB.Prever) Orientações preventivas secundárias e terciárias • Eventos sobre saúde assistencial/preventiva em parceria com a CIPA e ARCHBSIS • Dia da fruta, convênio com academias, palestras (alimentação e atividade física), etc
  24. 24. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 25 Case HBSIS HB.Prever (DM e HAS) Base de dados individual (estilo de vida): • Questionários que abordam hábitos alimentares, atividades física, doenças e tratamentos, histórico genético familiar, gerenciamento do estresse, consumo álcool, etc. • Inicialmente foi distribuído a todos colaboradores (todos responderam) • Para seguimento, o questionário é respondido já na admissão. Avaliação com Médico do Trabalho: • Complementa o questionário, resolve dúvidas • Peso, altura, PA, circ unferência abdominal, etc • Avalia necessidade de exames laboratoriais
  25. 25. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 26 Case HBSIS: HB.Prever (DM e HAS) Os fatores de risco detectados definem em qual programa o colaborador será inserido: • Básico (sem fatores de risco) • Diabetes • Hipertensão • Ambos Os fatores de risco também são pontuados e a soma define a gravidade/frequência das reavaliações médicas (programa permanente): • Leve (revisão médica semestral) • Moderado (revisão médica quadrimestral) • Grave (revisão médica trimestral) Programa Básico (revisão médica anual)
  26. 26. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 27 Case HBSIS: HB.Prever (DM e HAS) Na avaliação com Médico do Trabalho, fazemos uma análise individual da saúde do colaborador: • Informação e sensibilização sobre os riscos de adoecimento e suas consequências. • Orientação e apoio às mudanças para correção dos maus hábitos de vida. • Formulação de uma proposta de mudança no estilo de vida com objetivos claros e possíveis, dentro de um período de tempo. • Reavaliação a qualquer momento durante a concretização das ações (apoio técnico e social). • Explicação de como funciona o processo de mudança (fases) e os possíveis percalços, motivar, prevenir recaídas e chamar atenção para a responsabilidade pessoal com a saúde. Nas revisões de acompanhamento aplicamos novamente o questionário sobre hábitos de vida, pesamos, medimos PA, circunferência abdominal e altura. Confrontamos as orientações/proposta de ações da consulta anterior com aquilo que foi realizado, importante “lidar com os retrocessos”.
  27. 27. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 28 Case HBSIS: Resultados / Distribuição Jun/13 Jun/12
  28. 28. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 29 Case HBSIS: Programas Preventivos
  29. 29. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 30 Case HBSIS: Histórico Familiar e Doenças
  30. 30. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 31 Case HBSIS: Evolução Fatores de Risco
  31. 31. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 32 Case HBSIS: Evolução Fatores de Risco
  32. 32. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 33 Case HBSIS: Evolução Fatores de Risco
  33. 33. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 34 Case HBSIS: Outros Resultados • Avaliação (pesquisa clima) da área de Saúde: nota 8,3 • Desconto de 30% na fatura plano de saúde • Estamos abaixo da meta de sinistralidade (75%) – Um dos maiores gastos foi com cirurgia bariátrica – Outro grande gasto foram com “dependentes” (internações e procedimentos) • Reajuste plano de saúde anual (2013) ficou 50% abaixo do índice VCMH/IESS
  34. 34. Copyright© 2013 HBSIS. Todos os direitos reservados. 35 Case HBSIS: Conclusões e Reflexões • Melhorias na qualidade da alimentação, incremento na atividade física regular e tabagismo, principalmente entre as mulheres, também houve queda no consumo de álcool. • Todos os colaboradores mapeados (fatores de risco) e em acompanhamento permanente. • Grande desafio a ser enfrentado é a “mudança de comportamento das pessoas/hábitos de vida” = futuras ações com foco no estímulo à mudança comportamental e manutenção destes hábitos. • Quem já tem comportamento preventivo melhorou muito, quem a ainda não tem precisa ser estimulado. • Atualmente a SAÚDE é considerada um VALOR para a HBSIS, faz parte da ESTRATÉGIA DO NEGÓCIO e tem APOIO TOTAL DA DIRETORIA e está se tornando uma CULTURA da empresa.

×