Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Aula 01 - Planeamento de Sistemas de Informação

3,021 views

Published on

Primeira aula no mestrado de Informação Empresarial da ESEIG, na disciplina de Planeamento de Sistemas de Informação

Published in: Technology
  • Caro Pedro, Isto é o resultado da revisão de várias apresentações anteriores, criadas quer por mim quer por outros docentes. Posso dizer-lhe que grande parte é do célebre Somerville, Ian (2010). Software Engineering. 9 ed, Addison Wesley, e um pouco de Lopes, Filomena; Morais, Maria e Carvalho, Armando (2009). Desenvolvimento de Sistemas de Informac ̧ ̃ao. 2 ed, FCA. Espero que ajude.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Agradeço a partilha.
    Sou candidato a Phd na área da visualização da informação. É possível partilhar a bibliografia.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • material muito bom ...parabéns!
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here

Aula 01 - Planeamento de Sistemas de Informação

  1. 1. Sistemas de Informa¸˜o ca Alberto Sim˜es o alberto.simoes@eu.ipp.ptPlaneamento de Sistemas de Informa¸˜o ca Mestrado em Informa¸˜o Empresarial ca 2012/2013 Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 1/52
  2. 2. Parte IInforma¸˜o e Sistemas de Informa¸˜o ca ca Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 2/52
  3. 3. Informa¸˜o ca O que ´ a informa¸˜o? e ca O que a distingue de dados? E em que diferem do conhecimento? Conhecimento e sabedoria s˜o coisas diferentes? a Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 3/52
  4. 4. Informa¸˜o caDados Conhecimento Factos num estado bruto que pode Combina¸˜o de instintos, ideias, ca ser moldado para criar informa¸˜o. ca regras, e procedimentos que guiam as ac¸˜es e decis˜es dos gestores. co o Consistem em n´meros, palavras, u s´ ımbolos relacionados com os ´ E a aplica¸˜o da informa¸˜o. ca ca eventos e processos de neg´cio. o Pode ser usado para responder aInforma¸˜o ca “como”. Obt´m-se pela sele¸˜o, e ca Sabedoria sumariza¸˜o e apresenta¸˜o de ca ca Processo extrapolativo, n˜o a dados de uma forma que seja util. ´ determin´ ıstico e probabil´ ıstico. Resultam de se atribuir um Processo de distinguir o correto do significado ou sentido aos dados. errado. Pode ser usada responder a Pode ser usada para responder a “quem” “o quˆ” “onde” e “quando” , e, ; “porquˆ” e. Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 4/52
  5. 5. Informa¸˜o ca Sabedoria Discernimento Conhecimento Significado Informação Contexto Dados Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 5/52
  6. 6. Informa¸˜o ca Informa¸˜o ´ o resultado do processamento, manipula¸˜o ca e ca e organiza¸˜o de dados, de tal forma que represente uma ca modifica¸˜o (quantitativa ou qualitativa) no ca conhecimento do sistema (pessoa, animal ou m´quina) a que a recebe. Serra, J. Paulo. Manual de Teoria da Comunica¸˜o ca Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 6/52
  7. 7. Sistema de Informa¸˜o ca O que ´, ent˜o, um Sistema de Informa¸˜o? e a ca Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 7/52
  8. 8. Sistema de Informa¸˜o ca Sistema tecnol´gico que manipula, armazena e dissemina o s´ ımbolos (representa¸˜es) que tˆm, ou s˜o supostos ter, co e a relevˆncia e impacto no comportamento humano a organizado socialmente Hirschheim, 1996 Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 8/52
  9. 9. Sistema de Informa¸˜o ca ´ E o meio que providencia os meios de armazenamento, gera¸˜o e distribui¸˜o de informa¸˜o com o objectivo de ca ca ca suportar as fun¸˜es de opera¸˜o e gest˜o de uma co ca a organiza¸˜o ca Layzell & Loucoupolus (1987) Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 9/52
  10. 10. Sistema de Informa¸˜o ca ´ E um sistema que recolhe, processa, armazena e distribui informa¸˜o relevante para a organiza¸˜o [. . . ], de modo a ca ca que a informa¸˜o seja acess´ e util para aqueles que ca ıvel ´ dela necessitam, incluindo gestores, funcion´rios, clientes, a [. . . ]. Buckingham (1987) Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 10/52
  11. 11. Sistema de Informa¸˜o ca Meio Ambiente Organização Entrada Processamento Saída Experiência Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 11/52
  12. 12. Sistema de Informa¸˜o ca Exemplo: Reservas num Hotel Computador Base de Dados Reservas Sistema Computador Relatórios Computacional Computador Entrada Processamento Saída Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 12/52
  13. 13. Sistema de Informa¸˜o caCaracter´ ısticas Objetivo: orientar a tomada de decis˜es. o Componentes: dados, m´dulos de processamento de dados, o canais de comunica¸˜o. ca Estrutura: forma como os diferentes m´dulos de o processamento de dados est˜o ligados entre si. a Comportamento: conjunto de procedimentos necess´rios para a obter, processar e difundir os dados. Ciclo de Vida: altera¸˜es ao SI ocorrem de acordo com as co mudan¸as na organiza¸˜o (ou no ambiente). c ca Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 13/52
  14. 14. Sistemas de Informa¸˜o caTaxonomia Sistema de Processamento de Transa¸˜es co Recolhe e mant´m informa¸˜o sobre transa¸˜es e controla pequenas e ca co decis˜es que fazem parte das transa¸˜es. o co Sistema de Informa¸˜o de Gest˜o ca a Converte informa¸˜o sobre transa¸˜es em informa¸˜o para a gest˜o ca co ca a da organiza¸˜o. ca Sistema de Apoio ` Decis˜o a a Ajuda os utilizadores na tomada de decis˜es n˜o estrutur´veis, o a a fornecendo-lhes informa¸˜o, modelos e ferramentas para analisar a ca informa¸˜o. ca Sistema Pericial Suporta os profissionais do desenho, diagn´stico e avalia¸˜o de o ca situa¸˜es complexas que requerem conhecimento especializado em co ´reas bem definidas. a Sistema de Automa¸˜o de Escrit´rio ca o Mant´m as tarefas de comunica¸˜o e processamento de informa¸˜o. e ca ca Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 14/52
  15. 15. Parte IIEngenharia de Software Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 15/52
  16. 16. Software O software ´ um elemento l´gico e n˜o f´ e o a ısico; O software ´ projetado e desenvolvido, mas n˜o ´ e a e manufaturado; O software n˜o se desgasta: a n˜o necessita de substitui¸˜o per se; a ca mas deteriora-se devido ` mudan¸a; a c a manuten¸˜o ´ mais complexa do que no HW; (por vezes ´ ca e e for¸ada pela manuten¸˜o do HW) c ca no software raramente existe a possibilidade de substituir pe¸as c deterioradas; A maior parte do software continua a ser feito ` medida, e n˜o a a produzido a partir de componentes j´ existentes; a mas a industria de software est´ a mover-se para o uso de a componentes reutiliz´veis (Component Based Assembly); a Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 16/52
  17. 17. Caracter´ ısticas Desej´veis no Software a Flexibilidade F´cil evolu¸˜o face aos requisitos ou altera¸˜es do modelo de a ca co neg´cio; o Fiabilidade Os problemas devem ser minimizados para n˜o por em causa a o funcionamento das organiza¸˜es; co Funcionalidade Implementa¸˜o das necessidades das organiza¸˜es; ca co Desempenho N´ adequado de desempenho (respostas na altura certa); ıvel Usabilidade Interface amig´vel, intuitiva e ergon´mica. a o Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 17/52
  18. 18. Problemas no Desenvolvimento de Software O software ´ cada vez mais complexo e usado por um n´mero e u cada vez maior de pessoas; As falhas de software provocam preju´ ızos incalcul´veis; a quanto mais tarde surge um erro mais caro ´ corrigi-lo e Grande parte dos projectos de software falham: Funcionalidades desej´veis n˜o implementadas; a a Custos mais elevados que o estipulado; Entrega muito al´m do prazo previsto; e Falta de recursos especializados. A qualidade do software nem sempre ´ a adequada; e O software (existente) ´ muito dif´ de manter; e ıcil Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 18/52
  19. 19. Engenharia de Software A Engenharia de software ´ uma ´rea do conhecimento e a da Engenharia Inform´tica e das Ciˆncias da a e Computa¸˜o, voltada para a especifica¸˜o, ca ca desenvolvimento, teste e manuten¸˜o de sistemas de ca software aplicando tecnologias e pr´ticas de gest˜o de a a projetos e outras disciplinas. Adaptado da Wikipedia (2011) Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 19/52
  20. 20. Engenharia de Software “Engenharia de Software ´ a cria¸˜o e a utiliza¸˜o de e ca ca s´lidos princ´ o ıpios de engenharia a fim de obter software de maneira econ´mica, que seja fi´vel e que trabalhe o a eficientemente em m´quinas reais” a Friedrich Ludwig Bauer Adaptado da Wikipedia (2011) Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 20/52
  21. 21. Princ´ ıpios na Engenharia de Software Rigor e Formalidade: maior objetividade e redu¸˜o de focos de ambiguidade; ca Separa¸˜o dos assuntos: ca v´rias perspetivas do sistema; a Modularidade: divis˜o por m´dulos para maior reutiliza¸˜o e compreens˜o; a o ca a Abstra¸˜o: ca imprescind´ para compreender e analisar problemas ıvel complexos; Antecipa¸˜o da mudan¸a: ca c maior capacidade de evolu¸˜o, logo mais tempo de vida; ca Generaliza¸˜o: ca garantia de maior flexibilidade e reutiliza¸˜o; ca Desenvolvimento Incremental: maior rapidez na dete¸˜o de erros; ca Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 21/52
  22. 22. Parte IIIModelos de Desenvolvimento de Software Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 22/52
  23. 23. Modelos de Desenvolvimento de Software Modelos de Desenvolvimento de Software definem sequˆncia de processos para o desenvolvimento de e software; definem modelo de intera¸˜o entre estes processos; ca tipicamente compostos pelas etapas: Planeamento An´lise a Desenho Implementa¸˜o ca Verifica¸˜o ca Manuten¸˜o ca Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 23/52
  24. 24. Modelos de Desenvolvimento de Software Planeamento Or¸amenta¸˜o, defini¸˜o da equipa, c ca ca planeamento temporal pelas etapas seguintes; An´lise Recolha e defini¸˜o dos requisitos do sistema, a ca restri¸˜es, requisitos de hardware, etc; co Desenho Planeamento do sistema, defini¸˜o das estruturas de ca dados, defini¸˜o do fluxo de dados dentro do sistema; ca Implementa¸˜o Codifica¸˜o do sistema desenhado numa ou ca ca mais linguagens de programa¸˜o; ca Verifica¸˜o Testes do sistema com os utilizadores, e em ca situa¸˜es pseudo-reais. Verifica¸˜o de consistˆncia de dados e co ca e das opera¸˜es; co Manuten¸˜o Instala¸˜o do sistema na organiza¸˜o, forma¸˜o ca ca ca ca de utilizadores. Manuten¸˜o do sistema ao longo do tempo, ca corrigindo erros, adicionando pequenas funcionalidades ou simplesmente garantindo o seu bom funcionamento. Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 24/52
  25. 25. Modelos Lineares e Incrementais Modelo Sequencial Linear (Cascata cl´ssico) a Modelo Cascata Modificado Modelo baseado em Prototipagem Modelo Incremental (Cascata Incremental) Modelo em Espiral Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 25/52
  26. 26. Modelo Sequencial Linear Planeamento Análise Desenho Implementação Verificação Sistema Manutenção Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 26/52
  27. 27. Modelo Sequencial LinearOrigem Desvantagens Modelo proposto por Winston ´ E impens´vel que se consigam a Royce em 1970 e o mais usado definir corretamente os at´ meados de 1980; e requisitos no in´ do projeto; ıcio ´ imposs´ realizar altera¸˜es E ıvel coVantagens ao longo do seu curso; Torna o desenvolvimento O sistema s´ existir´ no final do o a estruturado (estrutura simples, projeto; linear) e disciplinado; Se durante uma fase se Eficiente quando os requisitos encontra um problema, n˜o ´ a e s˜o claros e bem entendidos; a poss´ tˆ-lo em conta; ıvel e F´cil previsibilidade de custos e a Qualquer atraso numa das fases prazos, permitindo o leva a um atraso geral de todo planeamento do projeto. o projeto. Modelo demasiado r´ ıgido. Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 27/52
  28. 28. Modelo Cascata Modificado Planeamento Análise Desenho Implementação Verificação Sistema Manutenção Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 28/52
  29. 29. Modelo Cascata ModificadoOrigem Vantagens Surgiu na sequˆncia dos problemas e Permite agilizar o desenvolvimento identificados no modelo em de partes do sistema mais simples; cascata tradicional; ´ E poss´ retroceder e resolver ıvel Principal diferen¸a ´ a c e problemas de fases anteriores; possibilidade de sobrepor as etapas do modelo, e poder retroceder para Devido ` continuidade entre fases, a uma etapa anterior; a documenta¸˜o pode ser ca substancialmente reduzida;Desvantagens Permite uma abordagem mais Sistema s´ dispon´ no final do o ıvel relaxada dos procedimentos projeto; formais; Atividades paralelas sujeitas a Resolve praticamente todas as falhas de comunica¸˜o; ca desvantagens do modelo em A equipa pode ser tentada a cascata linear. avan¸ar e recuar nas fases, c conduzindo a atrasos; Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 29/52
  30. 30. Modelo Incremental Planeamento Análise Análise Desenho Implementação Análise Verificação Versão do Desenho Sistema Implementação Verificação Análise Versão do Desenho Sistema Implementação Verificação Versão do Sistema Manutenção Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 30/52
  31. 31. Modelo IncrementalOrigem Vantagens Tentativa de tornar o modelo O cliente recebe Feedback a tradicional num modelo cada incremento; incremental; Disponibilidade de partes N˜o ´ mais que a repeti¸˜o do a e ca prontas do sistema mais cedo; modelo tradicional, adicionando Facilidade nos testes, uma vez requisitos a cada itera¸˜o; ca que se testa cada incremento;Desvantagens Menor custo e menos tempo Dif´ or¸amenta¸˜o do projeto; ıcil c ca para a entrega da primeira Nem todo o sistema pode ser vers˜o; a dividido por etapas; Riscos associados aos Se os requisitos n˜o est˜o bem a a incrementos s˜o menores; a definidos, alguns incrementos podem levar ` sua a reimplementa¸˜o. ca Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 31/52
  32. 32. Modelo Baseado em Prototipagem Planeamento Análise Desenho Implementação Protótipo Implementação Validação Validação Sistema Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 32/52
  33. 33. Modelo Baseado em PrototipagemOrigem Vantagens Uma reorganiza¸˜o do modelo ca Valida requisitos rapidamente; iterativo; Atenua riscos numa fase avan¸ada c Em vez de se basear em vers˜es o de desenvolvimento; do sistema, baseia-se em Forma efetiva de desenvolver prot´tipos; o interfaces com o utilizador;Desvantagens Permite demonstrar ` a O prot´tipo nem sempre pode o administra¸˜o a utilidade e ca ser aproveitado no praticabilidade do sistema; desenvolvimento do sistema Prot´tipo pode ser usado para o final; treinar utilizadores mesmo antes Esta reimplementa¸˜o pode ca do sistema estar dispon´ıvel; levar a um aumento dos custos; Muitas vezes partes dos prot´tipos o podem ser reutilizadas no desenvolvimento do sistema final. Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 33/52
  34. 34. Modelo em Espiral 1.Determine 2. Identify and objectives resolve risks Requirements Operational plan Prototype 1 Prototype 2 prototype Concept of Concept of operation requirements Detailed Requirements Draft design Development Verification Code plan & Validation Integration Test plan Verification & Validation Test 4. Plan the next iteration Implementation 3. Development Release and Test Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 34/52
  35. 35. Modelo em EspiralOrigem Desvantagens Definido por Barry Boehm em Complexidade do modelo; 1986; Dificuldade em seguir de forma Abordagem cascata intercalada estrita; com prot´tipos; o A an´lise de risco global do aVantagens projeto exige treino, aptid˜es o Evolu¸˜o do software e dos ca pr´prias e um esfor¸o o c requisitos ao longo do tempo; consider´vel; a V´rias itera¸˜es com o cliente a co Apenas adequado a grandes diminuem riscos de m´ an´lise; a a projetos; Mant´m uma abordagem e sistem´tica por etapas, a incorporando o modelo de ciclo de vida cl´ssico num quadro a iterativo; Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 35/52
  36. 36. Parte IVArquiteturas de Software Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 36/52
  37. 37. Arquitetura de Software A arquitetura de software de um sistema ´ um conjunto e de estruturas necess´rias para refletir sobre o sistema, a que incorpora elementos de software, rela¸˜es entre eles, co e respetivas propriedades. Existe um conjunto de padr˜es, ou arquiteturas modelo, o que orientam o desenvolvimento de sistemas de acordo com a sua fun¸˜o e requisitos. ca Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 37/52
  38. 38. Arquitetura de SoftwareSistemas Embebidos Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 38/52
  39. 39. Arquitetura de SoftwareSistemas Embebidos ´ E um sistema computacional desenhado para fazer um n´mero u limitado de fun¸˜es; co Habitualmente tˆm restri¸˜es temporais (real-time); e co ´ embebido como parte de um sistema completo, que E habitualmente inclui partes mecˆnicas; a Os sistemas embebidos controlam aparelhos usados todos os dias: micro-ondas, frigor´ ıficos, monitores, autom´veis, GPS, etc. o Depois de instalado o sistema embebido pode n˜o ser pass´ a ıvel de ser substitu´ ıdo; (mas muitas vezes parte do seu software por ser atualizado) Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 39/52
  40. 40. Arquitetura de SoftwareSistemas Embebidos Sistema Real-Time ´ E um sistema de software cujo funcionamento correto depende dos resultados produzidos e do instante em que s˜o a produzidos. Os sistemas podem ser considerados soft-real-time, se o sistema se degradar quando os resultados n˜o s˜o produzidos a a nos requisitos temporais definidos; Ou sistemas hard-real-time, se o sistema falhar completamente quando os resultados n˜o s˜o produzidos nos a a requisitos temporais definidos; Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 40/52
  41. 41. Arquitetura de SoftwareSistemas Monol´ ıticos Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 41/52
  42. 42. Arquitetura de SoftwareSistemas Monol´ ıticos Aplica¸˜o unica, em que a interface e o acesso aos dados est˜o ca ´ a combinados num unico programa, numa unica plataforma; ´ ´ Aplica¸˜o auto-contida, e independente de outras aplica¸˜es ca co computacionais; A filosofia ´ que a aplica¸˜o ´ respons´vel por tudo, n˜o e ca e a a dependendo de quaisquer resultados de outras aplica¸˜es ou co bases de dados; Esta era a grande filosofia dos anos 70/80; Muitas aplica¸˜es banc´rias usadas atualmente ainda s˜o co a a resultado de um sistema monol´ıtico (em que se abriram algumas funcionalidades de interoperabilidade); Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 42/52
  43. 43. Arquitetura de SoftwareSistemas Cliente–Servidor Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 43/52
  44. 44. Arquitetura de SoftwareSistemas Cliente–Servidor Estrutura de aplica¸˜es distribu´ co ıdas, dividindo as tarefas entre os fornecedores do servi¸o (habitualmente designados por c servidores) e os requisitantes do servi¸o (habitualmente c designados por clientes). Habitualmente os clientes e servidores funcionam em hardware separado, e comunicam atrav´s de uma infraestrutura de rede. e (no entanto, ´ poss´ ter servidor e clientes a funcionar no e ıvel mesmo hardware) A m´quina de um servidor executa um ou mais programas a servidores que partilham os seus recursos com os clientes; Um cliente n˜o partilha nenhum dos seus recursos, mas envia a pedidos de conte´do ou funcionalidades do servidor; u Ou seja, a comunica¸˜o ´ sempre iniciada pelos clientes; ca e Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 44/52
  45. 45. Arquitetura de SoftwareSistemas Cliente–Servidor Habitualmente cada cliente usa uma aplica¸˜o espec´ ca ıfica para aceder a servi¸o em causa; c A implementa¸˜o de um sistema baseado numa arquitetura ca cliente–servidor obriga (habitualmente) ao desenvolvimento de duas aplica¸˜es (servi¸o, e cliente); co c A maioria dos servi¸os na Internet usam esta arquitectura: c Servidores de e-mail (SMTP, POP3, IMAP), servidores de p´ginas (HTTP), servidores de ficheiros (FTP) entre outros; a Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 45/52
  46. 46. Arquitetura de SoftwareSistemas Peer-to-peer Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 46/52
  47. 47. Arquitetura de SoftwareSistemas Peer-to-peer Particiona tarefas ou cargas entre colegas/parceiros; Cada um destes parceiros tem privil´gios equivalentes; e S˜o participantes equipotentes na aplica¸˜o; a ca Diz-se que constituem uma rede peer-to-peer de nodos; Cada nodo partilha parte dos seus recursos, seja poder computacional, espa¸o em disco ou largura de banda, com os c restantes participantes; Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 47/52
  48. 48. Arquitetura de SoftwareSistemas Peer-to-peer N˜o existe (nem h´ necessidade) de um nodo central que a a coordene esta partilha (que ´ contratada nodo a nodo); e Cada nodo ´, ao mesmo tempo, consumidor e produtor de e recursos (o que contrasta com o modelo cliente–servidor onde apenas os servidores produzem, e os clientes consomem); S˜o usadas essencialmente em aplica¸˜es de partilha de a co ficheiros, como Napster ou Torrent (embora este ultimo seja ´ h´ ıbrido com a arquitetura cliente–servidor). Algumas aplica¸˜es de comunica¸˜o, como o Skype, tamb´m co ca e usam este tipo de abordagem. Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 48/52
  49. 49. Arquitetura de SoftwareSistemas Distribu´ ıdos Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 49/52
  50. 50. Arquitetura de SoftwareSistemas Distribu´ ıdos Modelo gen´rico onde modelos P2P e C/S se inserem; e Uma rede em que sistemas de base de dados possam sincronizar de modo P2P ou C/S; Um conjunto de servidores que s˜o clientes dos sistemas de a base de dados, e que podem funcionar entre si em modo P2P, para distribuir cargas; Este n´cleo funciona como um servidor para atender um u n´mero grande de clientes; u Abordagem para grandes sistemas de computa¸˜o, com ca muitos clientes, e necessidade de distribui¸˜o de cargas; ca Principal problema ´ como proceder ` replica¸˜o das bases de e a ca dados paralelas; Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 50/52
  51. 51. Arquitetura de SoftwareSistemas baseados em Barramento BUS de Comunicação Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 51/52
  52. 52. Arquitetura de SoftwareSistemas baseados em Barramento Outra arquitetura distribu´ foca o modelo de comunica¸˜o; ıda, ca A comunica¸˜o ´ feita de todos para todos; ca e No entanto n˜o ´ baseada em Peer-to-Peer: a e cada cliente envia um pedido para um barramento ou quadro preto; cada servidor capaz de satisfazer esse pedido, recolhe o pedido do barramento, e volta a colocar a resposta no barramento; o cliente monitoriza o barramento e espera resposta; Esta abordagem permite facilmente aumentar o n´mero de u servidores de forma simples; ´ E poss´ introduzir n´ ıvel ıveis de indire¸˜o: um servidor pode ser ca cliente de outro servi¸o! c Alberto Sim˜es o Sistemas de Informa¸˜o ca 52/52

×