Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Urupês

17,549 views

Published on

Published in: Business, Technology

Urupês

  1. 1. Urupês Monteiro Lobato
  2. 2. Monteiro Lobato Um mestre na literatura • Nasceu em 18 de abril de 1882, em Taubaté (SP). • Formou-se em Direito sem nenhum entusiasmo, trabalhou como promotor até virar fazendeiro após receber herança de seu avô • Em 1907 criou o polêmico Jeca – Tatu. • Em 1918 lançou, com sucesso, seu primeiro livro de contos “ Urupês ”. • Em 1920 lançou “A menina do nariz arrebitado”. • Morreu em 4 de julho de 1948 num acidente vascular. • Suas obras completas são constituídas por 17 volumes dirigidos às crianças e 17 para adultos englobando contos, ensaios, artigos e correspondências.
  3. 3. Monteiro Lobato Influências Lobato ostensivamente revelava, em seus livros, as influências que recebeu diretamente dos autores de obras infantis, desde os fabulistas clássicos, como Esopo e La Fontaine, aos personagens dos desenhos animados que então surgiam nas telas do cinema, como Popeye e sua trupe, o Gato Félix e outros e também Peter Pan.
  4. 4. Monteiro Lobato Principais obras • Urupês (1918) • Cidades mortas (1919) • Negrinha (1920) • O choque das Raças (1926) • A menina do narizinho arrebitado (1920) • A Barca de Gleyre (1944) • Escândalo do Petróleo. (1936)
  5. 5. Urupês Urupês é um livro de contos, escrito por Monteiro Lobato e publicado em 1918. Este livro é considerado a obra-prima de Monteiro Lobato, e é um clássico da literatura brasileira. O livro é composto por 14 contos, que mostram a vida cotidiana e mundana do caboclo do interior de São Paulo, através de suas crenças, costumes e tradições, com destaque para o conto que se dá o nome do livro “Urupês” que retrata a história do famoso personagem “Jeca-Tatu”.
  6. 6. Urupês Os contos
  7. 7. Urupês Conto: O engraçado arrependido Um rapaz chamado Pontes, com fama de ser um grande comediante e tirador de sarro, resolve se tornar um homem sério. Pensando se tratar de mais uma piada do rapaz, negavam-lhe emprego. Pontes resolve então recorrer a um primo de influência no governo, que lhe promete o posto da coletoria federal, já que o titular, major Bentes, estava com sérios problemas cardíacos e não duraria muito tempo. A solução era matar o homem mais rápido possível, e com aquilo que Pontes fazia de melhor: contar piadas. Aproxima-se do major e, após várias tentativas, consegue o intento. Morte, porém inútil: Pontes se esquece de avisar o primo da morte, e o governo escolhe outra pessoa para o cargo.
  8. 8. Urupês Conto: A colcha de retalhos Um sujeito (o narrador) vai até o sítio de um homem chamado Zé Alvorada para contratar seus serviços. Zé está fora e, enquanto não chega, o narrador trata com a mulher (Sinhá Ana), sua filha de quatorze anos (Pingo d'Água) e a figura singela da avó, Sinhá Joaquina, no auge dos seus setenta anos. Joaquina passava a vida a fazer uma colcha de retalhos com pedacinhos de tecido de cada vestido que Pingo d'Água vestia desde pequenina. O último pedaço haveria de ser o vestido de noiva. Passado dois anos, o narrador fica sabendo da morte de Sinhá Ana e a fuga de Pingo d'Água com um homem. Volta até aquela casa e encontra a velha, tristonha, com a inútil colcha de retalhos na mão. Em pouco tempo morreria.
  9. 9. Urupês Conto: O mata-pau Dois homens conversam na mata sobre uma planta chamada mata-pau, que cresce e mata todas as outras árvores ao seu redor. O assunto termina no trágico caso de um próspero casal, Elesbão e Rosinha, que encontram um bebê em suas terras e resolvem adotá-lo. Crescido o menino, se envolve com a mãe e mata o pai. Com os negócios paternos em ruína, resolve vendê-los, o que vai contra os gostos da mãe-esposa. Esta quase acaba vítima do rapaz e vai parar num hospital, enlouquecida.
  10. 10. Urupês Conto: Urupês Principal conto do livro. Aqui, Monteiro Lobato personifica a figura do caboclo, criando o famoso personagem Jeca Tatu, apelidado de urupê (uma espécie de fungo parasita). Vive "e vegeta de cócoras", à base da lei do menor esforço, alimentando-se e curando-se daquilo que a natureza lhe dá, alheio a tudo o que se passa no mundo, menos do ato de votar. Representa a ignorância e o atraso do homem do campo. Jeca-Tatu
  11. 11. Imagens
  12. 12. Bruno de Andrade nº 02 Gustavo Henrique nº 10 Natan Carvalho nº 18

×