Abordagem crítica ao sistema toyota de produção

7,460 views

Published on

Trabalho apresentado na aula do mestrado PPGEPS Unisinos, disciplina de Gerência de Operações I - 2011, ministrada pelo prof. Dr. Junico Antunes.

Published in: Education, Technology, Sports
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
7,460
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
144
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Abordagem crítica ao sistema toyota de produção

  1. 1. ABORDAGEM CRÍTICA AO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO Ariel Peixoto Possebon Douglas Rafael Veit Priscila Paraboni Rafael Pieretti de Oliveira
  2. 2. ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO <ul><ul><li>MODELO AMERICANO DE ORGANIZAÇÃO; </li></ul></ul><ul><ul><li>MODELO JAPONÊS DE ORGANIZAÇÃO; </li></ul></ul><ul><ul><li>MODELO BRASILEIRO DE ORGANIZAÇÃO; </li></ul></ul><ul><ul><li>COMPARAÇÃO ENTRE OS MODELOS E DISCUSSÕES; </li></ul></ul><ul><ul><li>CAPITALISMO x COMUNISMO; </li></ul></ul>
  3. 3. MODELO AMERICANO DE ORGANIZAÇÃO
  4. 4. MODELO AMERICANO DE ORGANIZAÇÃO <ul><ul><li>CONTEXTO HISTÓRICO: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL TROUXE UMA PRODUÇÃO ACELERADA, PORÉM FALTAVA ORGANIZAÇÃO E MÉTODO; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>RECURSOS ABUNDANTES; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>MOVIMENTO DOS CAMPONESES PARA AS CIDADES; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>OFERTA GLOBAL < DEMANDA GLOBAL. </li></ul></ul></ul>
  5. 5. MODELO AMERICANO DE ORGANIZAÇÃO <ul><ul><li>PRINCIPAIS FIGURAS: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>TAYLORISMO: FREDERICK WINSLOW TAYLOR; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>O FUNCIONÁRIO DEVERIA APENAS EXERCER SUA FUNÇÃO/TAREFA EM UM MENOR TEMPO POSSÍVEL DURANTE O PROCESSO PRODUTIVO, NÃO HAVENDO NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DA FORMA COMO SE CHEGAVA AO RESULTADO FINAL; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>ABORDAGEM CIENTÍFICA DA PRODUÇÃO EM SUBSTITUIÇÃO AO EMPIRISMO E EXPERIMENTALISMO. </li></ul></ul></ul>
  6. 6. MODELO AMERICANO DE ORGANIZAÇÃO <ul><ul><ul><li>OBJETIVO: SISTEMATIZAR A PRODUÇÃO, AUMENTAR A PRODUTIVIDADE, ECONOMIZAR TEMPO E SUPRIMIR GASTOS DESNECESSÁRIOS NO INTERIOR DO PROCESSO PRODUTIVO; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>COMO: ELIMINANDO OS MOVIMENTOS MUITO LONGOS E INÚTEIS E TRABALHANDO COM A MOTIVAÇÃO DOS TRABALHADORES; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>CONSEQÜÊNCIAS: EXPRESSIVO AUMENTO NA PRODUTIVIDADE; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>“ NÓS TEMOS QUE ORGANIZAR, TABULAR E CATALOGAR TODO O CONHECIMENTO DOS OPERADORES E DIVIDIR EM PEQUENAS PARTES”. </li></ul></ul></ul>
  7. 7. MODELO AMERICANO DE ORGANIZAÇÃO GERENCIA TRABALHADOR = MÃO-DE-OBRA
  8. 8. MODELO AMERICANO DE ORGANIZAÇÃO <ul><ul><li>PRINCIPAIS FIGURAS: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>FORDISMO: HENRY FORD; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>SINÔNIMO DE TAYLORISMO + PRODUÇÃO EM MASSA + LINHA DE MONTAGEM; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>PROPOSTA DE INCORPORAÇÃO DA MASSA TRABALHADORA AOS HÁBITOS DE CONSUMO; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>ELEMENTOS DA PRODUÇÃO EM MASSA: MECANIZAÇÃO E CONCENTRAÇÃO DA PRODUÇÃO. </li></ul></ul></ul>
  9. 9. MODELO AMERICANO DE ORGANIZAÇÃO <ul><ul><li>CONCEITO BÁSICO PROPOSTO POR FORD </li></ul></ul>
  10. 10. MODELO AMERICANO DE ORGANIZAÇÃO <ul><ul><li>O MODELO ECONÔMICO FORDISTA </li></ul></ul>
  11. 11. MODELO AMERICANO DE ORGANIZAÇÃO <ul><ul><li>MODELO DE RELAÇÕES TRABALHISTAS: </li></ul></ul><ul><li>ESPÍRITO: PAGAR ALTOS SALÁRIOS PARA INCLUIR OS HÁBITOS DE CONSUMO À MASSA TRABALHADORA </li></ul><ul><li>REGRAS: QUALQUER PESSOA ERA FACILMENTE TRANSFORMADA EM FUNCIONÁRIO (INTERCAMBIABILIDADE FUNCIONAL); </li></ul><ul><li>RELAÇÕES INDUSTRIAL E SALARIAL: FORÇADO A OFERECER MELHORES SALÁRIOS ( JORNADA DE 5 DOLARES POR DIA); </li></ul><ul><li>SUBCONTRATAÇÃO: VERTICALIZAÇÃO E COLOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS EM TERCEIROS. </li></ul>
  12. 12. MODELO AMERICANO DE ORGANIZAÇÃO <ul><ul><li>MODELO METODOLÓGICO: </li></ul></ul><ul><li>MÁQUINAS ALINHADAS E RITMO ACELERADO: </li></ul><ul><li>- A SEQÜÊNCIA LÓGICA DAS MÁQUINAS NA LINHA DE MONTAGEM REPRESENTARAM UMA ECONOMIA DE TEMPO E ESPAÇO, REVOLUCIONANDO O AMBIENTE DE TRABALHO. </li></ul>
  13. 13. MODELO AMERICANO DE ORGANIZAÇÃO <ul><ul><li>VÍDEO </li></ul></ul>
  14. 14. FORDISMO E TOYOTISMO NA CIVILIZAÇÃO DO AUTOMÓVEL <ul><ul><li>THOMAS GOUNET </li></ul></ul>
  15. 15. FORDISMO E TOYOTISMO - GOUNET CONCORRÊNCIA E ESTRATÉGIA DE ACUMULAÇÃO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA PENSAR PELO AVESSO O CAPITALISMO FORDISMO TOYOTISMO FORDISMO MODELO JAPONÊS DE DESENVOLVIMENTO A DEMOCRACIA SALARIAL
  16. 16. PORQUE ESTUDAR A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA <ul><li>REPRESENTA 10% DO EMPREGO; 10% PRODUTO NACIONAL BRUTO; 15% DO MERCADO INTERNO </li></ul><ul><li>PIONEIRA EM MATÉRIA DE ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO (ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO); </li></ul>
  17. 17. <ul><ul><li>FENÔMENOS QUE AFETAM A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: </li></ul></ul><ul><li>A CRISE ECONÔMICA ESTRUTURAL (QUEDA DE PRODUÇÃO DE 21% EM 1998); </li></ul><ul><li>PASSAGEM DO MODELO DE ORGANIZAÇÃO BASEADO NO FORDISMO PARA O MODELO FUNDADO NO TOYOTISMO </li></ul><ul><li>PARA GOUNET, “ O BRASIL E SEUS TRABALHADORES SÃO PARTICULARMENTE VÍTIMAS ” </li></ul>FORDISMO E TOYOTISMO - GOUNET
  18. 18. <ul><ul><li>O BRASIL NO CONTEXTO DESCRITO POR GOUNET </li></ul></ul><ul><li>MERCADO COM POSSIBILIDADE DE CRESCER MAIS RÁPIDO QUE O DOS PAÍSES RICOS ; </li></ul><ul><li>EMPRESÁRIOS CORRENDO PARA A REGIÃO (FIAT, FORD, GM E VW COM PROJETOS), RENAULT INAUGURA FÁBRICA EM CURITIBA E PEUGEOT, MERCEDES, TOYOTA E HONDA PENSAM EM FAZER IGUAL; </li></ul><ul><li>NESTE RITMO, EM 2010, A CAPACIDADE DE PRODUÇÃO ATINGIRÁ 4,5MILHÕES DE VEÍCULOS POR ANO </li></ul><ul><li>MAS QUEM COMPRARÁ ESSES VEÍCULOS EM UM PAÍS QUE NUNCA “CONSUMIU” MAIS DE 2 MILHÕES DE VEÍCULOS NOVOS POR ANO? </li></ul>
  19. 19. <ul><ul><li>GOUNET TINHA RAZÃO ? </li></ul></ul><ul><li>A EDIÇÃO ORIGINAL DO LIVRO É DE 1992 E O PREFÁCIO DA EDIÇÃO BRASILEIRA DATA DE 1999; </li></ul><ul><li>COMO FICARAM OS NÚMEROS REALMENTE NO ANO DE 2010? </li></ul><ul><li>VEJAMOS OS DADOS REAIS DE PRODUÇÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NO ANUÁRIO DA ANFAVEA DE 2010 </li></ul>
  20. 22. FORDISMO <ul><li>APOIO EM CINCO TRANSFORMAÇÕES PRINCIPAIS: </li></ul><ul><ul><ul><li>PRODUÇÃO EM MASSA; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>TRADIÇÃO TAYLORISTA: UM HOMEM UMA MÁQUINA; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>CONCEITOS DE LINHA DE MONTAGEM; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>PADRONIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO VERTICAL; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>AUTOMAÇÃO DAS FÁBRICAS </li></ul></ul></ul><ul><li>RESULTADOS DESSAS TRANSFORMAÇÕES: TEMPO PARA PRODUZIR UM CARRO </li></ul><ul><li>MODELO ANTIGO (ARTESANAL): 12:30 HORAS </li></ul><ul><li>FORDISMO: 1:30 HORAS </li></ul>
  21. 23. CARACTERÍSTICAS DO FORDISMO <ul><li>NOVA ORGANIZAÇÃO NA PRODUÇÃO E NO TRABALHO; </li></ul><ul><li>SALÁRIO A $ 5 FOI UMA MEDIDA PARA ARREBANHAR MÃO-DE-OBRA (RUPTURA DO MODELO ARTESANAL); </li></ul><ul><li>CRIAÇÃO SERVIÇO SOCIAL PARA CONTROLAR OS TRABALHADORES. APENAS OS “BONS TRABALHADORES” RECEBEM O SALÁRIO DE $ 5. NO PRIMEIRO ANO 28% NÃO O RECEBEM; </li></ul><ul><li>COM O NOVO MODELO PRODUTIVO, EM 1921, A FORD OBTÉM 53% DO MERCADO MUNDIAL; </li></ul><ul><li>O NOVO MODELO É APLICADO POR TODAS AS EMPRESAS DO RAMO E EM 1926 A GM ULTRAPASSA A FORD, ATRAVÉS DA DIVERSIFICAÇÃO DE MODELOS. </li></ul>
  22. 24. TOYOTISMO <ul><li>NOVO MODELO DE PRODUÇÃO PODE SER RESUMIDO EM SEIS PONTOS: </li></ul><ul><ul><ul><li>PRODUÇÃO PUXADA PELA DEMANDA; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>COMBATE A TODO O DESPERDÍCIO; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>FLEXIBILIDADE DA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO – MULTIFUNCIONALIDADE DO TRABALHADOR; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>SE PROPÕEM A PRODUZIR MUITOS MODELOS EM BAIXA QUANTIDADE; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>FABRICAS ENXUTAS FORNECEDORES PARCEIROS. </li></ul></ul></ul>
  23. 25. CARACTERÍSTICAS DO TOYOTISMO <ul><ul><ul><li>GERENCIAMENTO “BY STRESS” SISTEMA PRODUTIVO SEMPRE NO LIMITE DAS CAPACIDADES PARA REDUÇÃO CONSTANTES DOS DESPERDÍCIO – ELEVADO ÍNDICE DE STRESS; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>POLÍTICA BÁSICA DE QUANTIDADE MÍNIMA DE OPERÁRIOS – MÁXIMO DE HORAS EXTRAS; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>RUPTURA COM O SINDICATO ATIVO E CRIAÇÃO DO CHAMADO SINDICATO-CASA COM A PARTICIPAÇÃO DAS EMPRESAS NA CONDUÇÃO DOS MESMOS: CENOURA E CHICOTE – EMPREGO VITALÍCIO E SINDICATO ATRELADO AO PATRÃO. </li></ul></ul></ul>
  24. 26. <ul><ul><li>CONCORRÊNCIA E ESTRATÉGIA DE ACUMULAÇÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA </li></ul></ul><ul><li>UMA ANÁLISE MARXISTA ; </li></ul><ul><li>A LÓGICA DE ACUMULAÇÃO INDIVIDUAL DAS EMPRESAS: </li></ul><ul><li>D = CAPITAL-DINHEIRO (INVESTIMENTO INICIAL VISANDO PRODUZIR; </li></ul><ul><li>M = MEIOS DE PRODUÇÃO E FATOR TRABALHO; </li></ul><ul><li>P = PRODUTO FABRICADO A PARTIR DOS FATORES D E M </li></ul><ul><li>M’ = NOVO PRODUTO (FRUTO DA TRANSFORMAÇÃO PRODUTIVA </li></ul><ul><li>ESSE PRODUTO É VENDIDO E EM TROCA O EMPRESÁRIO RECEBE DINHEIRO AUMENTADO EM RELAÇÃO AO CAPITAL INICIAL PELA MAIS VALIA. </li></ul>D – M {...P ... M’ – D’
  25. 27. <ul><ul><li>CONCORRÊNCIA E ESTRATÉGIA DE ACUMULAÇÃO DA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA </li></ul></ul><ul><li>O OBJETIVO DAS EMPRESAS É ACUMULAR, E INCLUSIVE ACUMULAR CADA VEZ MAIS DEPRESSA; </li></ul><ul><li>EXTRAIR O MÁXIMO DE MAIS VALIA DA PRODUÇÃO DE SUAS FÁBRICAS E INCLUSIVE DE TODA A CADEIA QUE DEPENDE DELAS; </li></ul><ul><li>O “CÍRCULO VIRTUOSO” FAZ COM QUE A EMPRESA POSSA ACUMULAR MAIS DEPRESSA; </li></ul><ul><li>COMO A DEMANDA NÃO É FLEXÍVEL (É LIMITADA PELA RIQUEZA DA POPULAÇÃO), ELAS REALIZAM COMPETIÇÃO UMAS COM AS OUTRAS; </li></ul>
  26. 28. <ul><ul><li>O CÍRCULO VIRTUOSO JAPONÊS </li></ul></ul>
  27. 29. <ul><ul><li>ALGUNS QUESTIONAMENTOS IMPORTANTES </li></ul></ul><ul><li>TODAS AS ECONOMIAS PODEM ALCANÇAR O CÍRCULO VIRTUOSO? </li></ul><ul><li>PODEM TODAS AS ECONOMIAS DECOLAR? </li></ul><ul><li>ALCANÇAR O CÍRCULO VIRTUOSO ASSEGURA UMA SAÍDA PARA A CRISE? </li></ul>
  28. 30. <ul><ul><li>OS PRINCÍPIOS QUE “ANIMAM” O PATRÃO </li></ul></ul><ul><li>A EXPLORAÇÃO DE SEUS TRABALHADORES; </li></ul><ul><li>VENCER A COMPETIÇÃO. </li></ul>A EXPLORAÇÃO NÃO É SINÔNIMO DE BAIXOS SALÁRIOS. É A DIFERENÇA ENTRE O QUE O OPERÁRIO CUSTA (SEU SALÁRIO) E O QUE ELE TRAZ (SUA PRODUTIVIDADE). A COMPETIÇÃO ENTRE AS EMPRESAS É O QUE LEVA CADA PATRÃO A APLICAR EM SE NEGÓCIO OS MÉTODOS MAIS EFICAZES.
  29. 31. UMA ANÁLISE MARXISTA <ul><ul><ul><li>AS EMPRESAS INDUSTRIAIS SEGUEM LÓGICAS DE ACUMULAÇÃO INDIVIDUAIS (EXTRAI O MÁXIMO DE MAIS VALIA DA PRODUÇÃO); </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>LEI DE TENDÊNCIA À QUEDA DA TAXA DE LUCRO – AUMENTO DAS DESPESAS COM INVESTIMENTOS (AUTOMAÇÃO) SEM AUMENTO EQUIVALENTE NAS MARGENS DE LUCRO (CAPITALISMO ESTÁ HISTORICAMENTE CONDENADO). </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>POR QUE O CAPITALISMO AINDA SOBREVIVE? NA INDUSTRIA AUTOMOBILÍSTICA, A EMPRESA QUE SE TORNA LÍDER, CONSEGUE ELEVAR A MAIS-VALIA. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>OS CONCORRENTES BUSCA IGUALAR O NÍVEL DO CONCORRENTE AUMENTO SEUS NÍVEIS DE ENDIVIDAMENTO. O MERCADO VOLTA A FICAR SATURADO (QUESTÃO SOBREVIVÊNCIA). </li></ul></ul></ul>
  30. 32. UMA ANÁLISE MARXISTA <ul><ul><ul><li>A ELEVAÇÃO DAS CONDIÇÕES DOS TRABALHADORES (SALÁRIO, BEM-ESTAR) É APENAS UMA ESTRATÉGIA PARA VENCER OS CONCORRENTES; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>NÃO EXISTE NENHUMA ESPERANÇA DE PROGRESSO SOCIAL EFETIVO: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>O JUST-IN-TIME (STP) AUMENTA A CARGA DE TRABALHO; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>O TOYOTISMO SE BASEIA NO AUMENTO DE SUBCONTRATAÇÕES; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>PARA A IMPLANTAÇÃO DE NOVOS MÉTODOS É NECESSÁRIO UMA ISCA (SALÁRIOS $ 5 (16 ANOS SEM REAJUSTES), EMPREGO VITALÍCIO,ETC) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>A CRISE DO SISTEMA FORDISTA FOI FRUTO DA DEGENERAÇÃO DO SISTEMA CAPITALISTA. </li></ul></ul></ul>
  31. 33. QUESTÕES PARA DISCUSSÃO <ul><ul><ul><li>THOMAS GOUNET PREDIZ EM SEU LIVRO QUE O SISTEMA TOYOTA SERÁ DESTRONADO PELA MESMA LÓGICA QUE DESTRUIU O FORDISMO A DEGENERAÇÃO (TENDÊNCIA DA QUEDA DAS MARGENS DE LUCRO) AINDA PREGA QUE A INDÍCIOS QUE O SISTEMA SERÁ MENOS DURADOURA QUE FORDISMO: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>OS MODELOS SE GENERALIZAM (SÃO COPIADOS) COM MUITO MAIS RAPIDEZ: GLOBALIZAÇÃO; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>A CONCORRÊNCIA ACONTECE DE MODO MUITO MAIS VASTO; </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>A CONCORRÊNCIA SE INSERE EM UM QUADRO DE CRISE ECONÔMICA E SATURAÇÃO. </li></ul></ul></ul></ul>
  32. 34. <ul><ul><li>VOCÊS CONHECEM ESTE HOMEM? </li></ul></ul>PARA DESCONTRAIR

×