Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Adm RelaçãO Homem E Trabalho

7,025 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Adm RelaçãO Homem E Trabalho

  1. 1. UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP - SOROCABA 1 COMPORTAMENTO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕE - LEONOR CORDEIRO BRANDÃO Identidade e Relação Homem-Trabalho Cida Sanches & Leonor Bandão Para analisar a relação existente entre a identidade e a relação homem- trabalho, primeiramente analisaremos cada parâmetro individualmente, a fim de facilitar a compreensão e a determinação da relação existente entre ambos. O primeiro aspecto refere-se à Identidade do homem, ao diferencial do homem, e o segundo a forma como a sociedade exige do homem no campo profissional. A origem de uma identidade parte da existência da vida social ou ainda da vida individual, Beck (2000:169) afirma que a identidade aparece da intercessão e da combinação e consequentemente do conflito entre outras identidades. Intercessão e combinação são atitudes que as identidades assumem quando em contato com outras identidades, observa-se que para determinar a existência de uma identidade é necessário a existência de outras identidades que permitam a comparação. Sennet (2000:177) destaca que uma identidade tem origem precisamente do conflito entre a forma como os outros nos vêem e como nós nos vemos. Este conflito entre o eu e o outro é o que determina a existência da identidade, assim, a identidade é a forma como o indivíduo se apresenta perante a sociedade e perante a si mesmo, é uma fonte de significado e experiência de um povo, com base em atributos culturais relacionados que prevalecem sobre outras fontes, a identidade organiza significados e predicados. Observe que predicado representa uma qualidade, atributo da identidade que esta apresenta em determinado momento histórico, permitindo que se assemelhe ou se diferencie de outra identidade, para Sennet (2000:189), a identidade é um processo de negociação de uma self-image com o mundo, variável, porém, fixa internamente uma atividade diplomática que ocorre simultaneamente em diversas áreas. A apresentação de uma identidade exige que esta passe por um processo de maturação, passando a ter predicados que a revelem como identidade e ao mesmo tempo elementos capazes de acelerar a cristalização dessa identidade, dessa singularidade, o processo de negociação da self- image (Sennet,2000) citado anteriormente caracteriza a identidade como uma singularidade constituída por um conjunto de predicados, qualidades que o indivíduo apresenta, que permitem a sua vida social. Viver socialmente determina a mobilidade da identidade, caracteriza a flexibilidade do indivíduo perante as adversidades que este encontra para manter a sua identidade. Viver socialmente significa reformular a identidade de acordo com as circunstâncias. Essa flexibilidade aliada a uma estabilidade permite que a identidade seja reconhecida a todos os momentos de sua existência. Sotto (1998: 70) confirma que uma identidade necessita de ser específica e estável para ser reconhecida como uma identidade em todos os momentos de sua existência.
  2. 2. UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP - SOROCABA 2 COMPORTAMENTO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕE - LEONOR CORDEIRO BRANDÃO Há, portanto que se ressaltar que os predicados não são fixos, mas sim mutáveis e se adequam às relações com o outro, e são construídos de acordo com as atitudes, com as atividades da identidade perante as igualdades e diferenças. A identidade é uma característica própria do indivíduo que permite que este tenha uma vida social, e que este seja reconhecido como um indivíduo que vive para si, mas ao mesmo tempo vive para os outros. Vive só, mas vive socialmente, o que denota a existência de identidades coletivas que surgem da união de várias identidades individuais em busca de uma representação de grupo, de força social para serem reconhecidas e atuantes no meio social. A sociedade exige a individualidade aliada à coletividade, através do coletivo o indivíduo alavanca a sua identidade, molda a sua vida e procura alcançar os seus objetivos; as falhas ou o possível sucesso pertencem ao indivíduo e não à coletividade, o indivíduo busca a auto-suficiência, a sociedade exige isto, como pode ser observado em BecK (2000:165) nós vivemos numa era em que a ordem social, o governo, as classes, as etnias e as famílias tradicionais estão em declínio, a ética do indivíduo auto-suficiente e da realização pessoal são os principais destaques da sociedade atual. A escolha, a decisão de formar homens que aspiram serem os autores se suas próprias vidas, criadores de uma identidade individual é o principal personagem do nosso tempo. A facilidade e a forma com que a nova sociedade traz à tona a identidade mutante leva o indivíduo a apresentar características variáveis e formas diferentes de atuação perante a sociedade, de maneira que, segundo Beck (2000:166) os indivíduos se tornam atores, construtores, malabaristas, administradores de suas próprias biografias e identidades, mas também de seus relacionamentos sociais. O indivíduo não pode ser passivo ao passar dos dias e de seus problemas, mas deve-se apresentar como um ator que pretende alcançar o sucesso pessoal e consequentemente coletivo.O indivíduo coordena os próprios passos, tendo a sua identidade como ponto de apoio, mesmo que esta tenha que ser alterada de acordo com as adversidades, é por meio da identidade que ele se reconhece e permite que a sociedade o reconheça. Beck (2000:167) afirma que a identidade corresponde a um desenho da sociedade em que cada indivíduo atua e que não é um reflexo passivo das circunstâncias, mas um formador ativo de sua vida, com diversos degraus de limitação. A limitação que Beck destaca é imposta pela sociedade e pelo próprio indivíduo, a sociedade permite que o indivíduo molde a sua vida e busque os seus desejos desde que a identidade do indivíduo esteja adequada ao contexto social, eis que este é um dos momentos mais importantes para o indivíduo: ter e manter a sua identidade aliada á sociedade moderna.
  3. 3. UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP - SOROCABA 3 COMPORTAMENTO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕE - LEONOR CORDEIRO BRANDÃO Identidade e a relação homem-trabalho A partir deste ponto é que surge a relação entre a identidade e a relação homem-trabalho, o homem necessita de criar raízes, de pertencer a algum lugar, precisa trabalhar para criar envolvimento, para competir, para impor a sua identidade. O homem não só muda o seu mundo externo como simultaneamente se transforma de maneira autoconsciente pelo seu trabalho. No nível individual, ao optar pela sobrevivência opta pelo trabalho. No nível de espécie, o homem se fez homem ao transformar o mundo pelo seu trabalho. De acordo com Freitas (1999:76) o controle exterior passa para o próprio sujeito; ele é quem define suas metas e se compromete a atingi-las... o processo decisório se dá de maneira mais participativa. Essa é uma exigência da nova sociedade, e das organizações em geral. Exigência de que o indivíduo tenha um papel participativo no caminho que pretende seguir, nas decisões que pretende assumir e das conseqüências que estas acarretam, o que confirma a necessidade de uma identidade maleável mais estável. Freitas (1999:76) acrescenta que se antes era a figura do superego, como instância da crítica e do medo do castigo, que compelia o indivíduo a trabalhar mais, agora é o ideal de ego, daquele que almeja realizar um projeto e receber os aplausos e as gratificações indispensáveis aos seus anseios narcísicos. A obediência passiva dá lugar ao ativo investimento amoroso, o corpo dócil dá lugar ao coração ativo e cativo. O medo de fracassar se alia ao desejo de ser reconhecido, e quanto mais indivíduo acredita que ele e a empresa são partes do mesmo projeto nobre, mas essa aliança tende a fortalecer-se. O indivíduo inventa, cria e re-cria a sua própria realidade no momento em que se percebe um ser social com o poder de transformar. Chanlat (1996:29) diz que em todo sistema social, o ser humano dispõe de uma autonomia relativa. Marcado pelos seus desejos, suas aspirações e suas possibilidades, o indivíduo dispõe de um grau de liberdade, sabe o que pode atingir e que preço estará disposto a pagar para consegui-lo no plano social. Toledo (apud Jacques, 1988) nos diz que “o trabalho não se converte em trabalho propriamente humano a não ser quando começa a servir para a satisfação não só das necessidades físicas, e fatalmente circunscritas à vida animal, como também do ser social, que tende a conquistar e realizar plenamente a sua liberdade (...)”. De acordo com Zavattaro (1999), o Trabalho é essencialmente uma ação própria do homem mediante a qual transforma e melhora os bens da natureza, com a qual vive historicamente em insubstituível relação. O primeiro fundamento do valor do trabalho é o próprio homem, seu sujeito - o trabalho
  4. 4. UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP - SOROCABA 4 COMPORTAMENTO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕE - LEONOR CORDEIRO BRANDÃO está em função do homem e não o homem em função do trabalho. O valor do trabalho não reside no fato de que se façam coisas, mas em que coisas são feitas pelo homem e, portanto, as fontes de dignidade do trabalho devem buscar-se, principalmente, não em sua dimensão objetiva, mas em sua dimensão subjetiva. A nova relação entre o homem e o trabalho determina que este homem possua uma identidade e que responde por esta, que essa identidade leva-o a almejar e a responder às suas necessidades, principalmente em relação ao trabalho. O fato de o homem dedicar a maior parte do seu dia útil ao trabalho denota a força que essa relação apresenta, o trabalho chega a ser mais importante que a família, pois o fracasso no trabalho acarreta em fracasso familiar. A identidade serve como um mediador que permite ao homem se ajustar a cada fase – trabalho, família – evidenciando as múltiplas identidades e a necessidade de saber usá-las, de saber renová-las e mantê-las. A empresa moderna...precisa mobilizar todas as energias do sujeito – intelectuais, físicas, espirituais, afetivas, morais - ... no interior desse tipo organizacional é um estranho casamento de várias contradições, levando o indivíduo a uma procura incessante de um parco (baixo) equilíbrio psicológico. (Freitas,1999: 77) Observe a importância e a dimensão que o trabalho passa a exercer sobre o homem, é necessário que o indivíduo mobilize todas as suas energias para que possa manter o vínculo com o trabalho, alcançar o equilíbrio, a estabilidade, viver a sua identidade, para que possa se ver como ele verdadeiramente é. O trabalho é um ponto de conexão entre o homem e sua identidade, entre o homem e o EU. Segundo Sucesso (2002:12) a história de vida, as características pessoais, os valores, os anseios e expectativas configuram no nível individual, uma forma de viver e de sentir, definindo fatores básicos para a satisfação. Mais que o trabalho em si, as expectativas individuais e as situações de vida específicas determinam a percepção sobre o trabalho. Freitas (1999: 80) destaca ainda que a empregabilidade é a capacidade de tornar-se necessário ou de possuir o conhecimento raro e reciclável que as empresas hoje necessitam. Mais que a profissão, valoriza-se um elenco de repertórios variados que habilitem o indivíduo a lidar com esse mundo complexo e mutável. Esta é a relação entre a identidade e o homem no trabalho, a identidade dá ao indivíduo, ao homem as armas para se impor, para se igualar, para se diferenciar e para assumir o seu papel no trabalho, na família, na sociedade, na vida. A identidade é o conjunto de predicados, de significados, que permite ao homem ver-se como homem, e que permite que os outros também o vejam. A identidade é o diferencial que permite a ascensão ou a queda na vida do homem, seja no trabalho ou em qualquer outro aspecto. É o que permite ao homem mudar os compromissos, mudar suas características, renovar e buscar
  5. 5. UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP - SOROCABA 5 COMPORTAMENTO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕE - LEONOR CORDEIRO BRANDÃO novas soluções, novas identidades para sobreviver a esta sociedade em constante evolução. Bibliografia BECK, Ulrich. Living Your Own Life in a Runaway World: Individualisation, Globalization and Politics. In Will & Anthony Giddens. On The Edge. UK; Jonathan Cape, 2000. BOM SUCESSO, Edina de Paula. Relações interpessoais e qualidade de vida no trabalho. Rio de Janeiro, Qualitymark,2002. BORZEIX, Anni e LINHART, Danièle. Identidades e Práticas Lingüisticas na Empresa. In Chanlat, Jean-François (Coordenador). O Indivíduo na Organização; Dimensões Esquecidas Vol. III. São Paulo; Atlas, 1996. FREITAS, Maria Ester. Cultura Organizacional: identidade, sedução e carisma. RJ; FGV, 1999. JACQUES, Maria da Graça Corrêa. Por que psicologia do trabalho? Em busca de dimensões substantivas e totalizantes. PSICO, Porto Alegre, v.15, n.1, p.71-76, Jan-Jun ,1988. SENNET, Richard. Street and Office: Two Sources of Identity. In Will & Anthony Giddens. On The Edge. UK; Jonathan Cape, 2000. SOTTO, Richard. The Virtualization of he Organizational Subject. In Chia, Robert C. (Editor). Organized Worlds. London; Sage, 1998. ZAVATTARO, Hely Aparecida. Qualidade de Vida no Trabalho de profissionais da área de informática: um estudo exploratório. São Paulo, USP, Departamento de Psicologia Social e do Trabalho, dissertação de mestrado, 1999.

×