Second life, Web, Primeira Vida Sjeec 2010

429 views

Published on

Power Point da apresentação "Second Life, Web, Primeira vida: transformações 2.0", no VI Seminário Jogos Eletrônicos, Educação e Comunicação, ocorrido na UNEB. Salvador, BA. (Maio,2010) Link pro artigo: http://realidadesintetica.com/seminario/files/GT3artigo1.pdf

Published in: Education, Technology, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
429
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Second life, Web, Primeira Vida Sjeec 2010

  1. 1. SecondLife, Web, Primeira Vida: transformações 2.0<br />Renato Teixeira Bressan<br />Bolsista CAPES, Mestrando do PpgCom/UFJF<br />@renatobressan<br />renato.bressan@yahoo.com.br<br />
  2. 2. Introdução<br />
  3. 3. Introdução<br /><ul><li>“Redes” como metáfora contemporânea</li></li></ul><li>Introdução<br /><ul><li>“Redes” como metáfora contemporânea
  4. 4. SecondLife: rede imanente ou transcendente?</li></li></ul><li>Introdução<br /><ul><li>“Redes” como metáfora contemporânea
  5. 5. SecondLife: rede imanente ou transcendente?
  6. 6. Relação: Secondlife x Cotidiano</li></li></ul><li>Introdução<br /><ul><li>“Redes” como metáfora contemporânea
  7. 7. SecondLife: rede imanente ou transcendente?
  8. 8. Relação: Secondlife x Cotidiano
  9. 9. “Carnavais, Malandros e Heróis” (DaMatta, 1979)</li></li></ul><li>Introdução<br /><ul><li>“Redes” como metáfora contemporânea
  10. 10. SecondLife: rede imanente ou transcendente?
  11. 11. Relação: Secondlife x Cotidiano
  12. 12. “Carnavais, Malandros e Heróis” (DaMatta, 1979)
  13. 13. Reforço</li></li></ul><li>Introdução<br /><ul><li>“Redes” como metáfora contemporânea
  14. 14. SecondLife: rede imanente ou transcendente?
  15. 15. Relação: Secondlife x Cotidiano
  16. 16. “Carnavais, Malandros e Heróis” (DaMatta, 1979)
  17. 17. Reforço
  18. 18. Inversão</li></li></ul><li>Introdução<br /><ul><li>“Redes” como metáfora contemporânea
  19. 19. SecondLife: rede imanente ou transcendente?
  20. 20. Relação: Secondlife x Cotidiano
  21. 21. “Carnavais, Malandros e Heróis” (DaMatta, 1979)
  22. 22. Reforço
  23. 23. Inversão
  24. 24. Neutralização</li></li></ul><li>Introdução<br /><ul><li>“Redes” como metáfora contemporânea
  25. 25. SecondLife: rede imanente ou transcendente?
  26. 26. Relação: Secondlife x Cotidiano
  27. 27. “Carnavais, Malandros e Heróis” (DaMatta, 1979)
  28. 28. Reforço
  29. 29. Inversão
  30. 30. Neutralização
  31. 31. Contexto Web 2.0</li></li></ul><li>SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />
  32. 32. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br /><ul><li>Análise: http:secondlife.com</li></li></ul><li>SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br /><ul><li>Análise: http:secondlife.com
  33. 33. Fonte: http://www.archive.org/web/web.php</li></li></ul><li>SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br /><ul><li>Análise: http:secondlife.com
  34. 34. Fonte: http://www.archive.org/web/web.php
  35. 35. Domínio existe desde 2001</li></li></ul><li>SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br /><ul><li>Análise: http:secondlife.com
  36. 36. Fonte: http://www.archive.org/web/web.php
  37. 37. Domínio existe desde 2001</li></li></ul><li>SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />
  38. 38. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />- 09/2002 “Linden World”<br />
  39. 39. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />SecondLife– ano do lançamento (02/2003)<br />
  40. 40. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />06/2003<br />
  41. 41. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />
  42. 42. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />
  43. 43. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />2004 – Design Clean<br />
  44. 44. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />01/2005 <br />
  45. 45. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />05/2005<br />
  46. 46. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />
  47. 47. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />10/2005 <br />SL = free<br />SL teen<br />
  48. 48. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />12/2005<br />100 mil res.<br />+ dinâmico<br />
  49. 49. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />
  50. 50. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />Clipping<br />+260<br />citações<br />
  51. 51. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />2007 <br />+ FAQ<br />+ Guias<br />+ User<br />
  52. 52. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />2008<br />+ Parcerias<br />+Educação<br />+Negócios<br />+Ongs<br />
  53. 53. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />
  54. 54. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />2010 <br />
  55. 55. SecondLife na Web: passagens técnicas e conceituais<br />O que é SecondLife? Um lugar para se conectar, um lugar para fazer compras, um lugar para trabalhar, um lugar para amar, um lugar para explorar, um lugar para ser. Seja diferente. Seja você mesmo. Liberte-se. Abra sua mente. Mude sua mente. Mude seu visual. Ame seu visual, Ame sua vida. SecondLife: entre agora.<br /> (video, 80 seg.)<br />
  56. 56. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Contexto Web 2.0<br />
  57. 57. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Contexto Web 2.0<br />Qual a relação entre SL, Web e a Primeira Vida?<br />
  58. 58. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Conceitos sobre Web 2.0<br />
  59. 59. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br /> O termo Web 2.0 surgiu oficialmente pela primeira vez em outubro de 2004, durante uma “conferência de ideias”, entre a O’Reilly Media e a MediaLiveInternational, ambas empresas produtoras de eventos, conferências e conteúdos relacionados principalmente às tecnologias da informação. Os objetivos principais dos organizadores deste evento eram analisar as recentes características da rede, reconhecer tendências, e prever as possíveis inovações que iriam prevalecer no mundo virtual nos próximos anos. A partir de então, a expressão se tornou popular, nomeou uma série de conferências sobre o tema e chamou a atenção de pesquisadores, jornalistas, programadores, empresas de softwares, usuários, entre outros, no mundo inteiro (BRESSAN, 2007).<br />
  60. 60. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (O’Reilly,2005)<br />
  61. 61. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (O’Reilly,2005)<br /><ul><li>Web como plataforma</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (O’Reilly,2005)<br /><ul><li>Web como plataforma
  62. 62. Controle de dados pelos próprios usuários</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (O’Reilly,2005)<br /><ul><li>Web como plataforma
  63. 63. Controle de dados pelos próprios usuários
  64. 64. Serviços independentes de pacotes de softwares</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (O’Reilly,2005)<br /><ul><li>Web como plataforma
  65. 65. Controle de dados pelos próprios usuários
  66. 66. Serviços independentes de pacotes de softwares
  67. 67. Flexibilidade de dados e fontes (facilidade de remix)</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (O’Reilly,2005)<br /><ul><li>Web como plataforma
  68. 68. Controle de dados pelos próprios usuários
  69. 69. Serviços independentes de pacotes de softwares
  70. 70. Flexibilidade de dados e fontes (facilidade de remix)
  71. 71. Software para além de dispositivo único</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (O’Reilly,2005)<br /><ul><li>Web como plataforma
  72. 72. Controle de dados pelos próprios usuários
  73. 73. Serviços independentes de pacotes de softwares
  74. 74. Flexibilidade de dados e fontes (facilidade de remix)
  75. 75. Software para além de dispositivo único</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (O’Reilly,2005)<br /><ul><li>Web como plataforma
  76. 76. Controle de dados pelos próprios usuários
  77. 77. Serviços independentes de pacotes de softwares
  78. 78. Flexibilidade de dados e fontes (facilidade de remix)
  79. 79. Software para além de dispositivo único
  80. 80. Incentivo à inteligência coletiva</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (O’Reilly,2005)<br /><ul><li>Web como plataforma
  81. 81. Controle de dados pelos próprios usuários
  82. 82. Serviços independentes de pacotes de softwares
  83. 83. Flexibilidade de dados e fontes (facilidade de remix)
  84. 84. Software para além de dispositivo único
  85. 85. Incentivo à inteligência coletiva
  86. 86. Confiança nos usuários</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (O’Reilly,2005)<br /><ul><li>Web como plataforma
  87. 87. Controle de dados pelos próprios usuários
  88. 88. Serviços independentes de pacotes de softwares
  89. 89. Flexibilidade de dados e fontes (facilidade de remix)
  90. 90. Software para além de dispositivo único
  91. 91. Incentivo à inteligência coletiva
  92. 92. Confiança nos usuários
  93. 93. Emergência: comportamento imprevisível por parte do usuário</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (O’Reilly,2005)<br /><ul><li>Web como plataforma
  94. 94. Controle de dados pelos próprios usuários
  95. 95. Serviços independentes de pacotes de softwares
  96. 96. Flexibilidade de dados e fontes (facilidade de remix)
  97. 97. Software para além de dispositivo único
  98. 98. Incentivo à inteligência coletiva
  99. 99. Confiança nos usuários
  100. 100. Emergência: comportamento imprevisível por parte do usuário
  101. 101. “Alguns direitos reservados”</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (O’Reilly,2005)<br /><ul><li>Web como plataforma
  102. 102. Controle de dados pelos próprios usuários
  103. 103. Serviços independentes de pacotes de softwares
  104. 104. Flexibilidade de dados e fontes (facilidade de remix)
  105. 105. Software para além de dispositivo único
  106. 106. Incentivo à inteligência coletiva
  107. 107. Confiança nos usuários
  108. 108. Emergência: comportamento imprevisível por parte do usuário
  109. 109. “Alguns direitos reservados”
  110. 110. Entre outros.</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (Cormode;Krishnamurthy, 2008)<br />
  111. 111. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (Cormode;Krishnamurthy, 2008)<br /><ul><li>Separação entre sites: 1.0 x 2.0</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (Cormode;Krishnamurthy, 2008)<br /><ul><li>Separação entre sites: 1.0 x 2.0
  112. 112. Nível Tecnológico - em termos de tecnologias de script e apresentação usadas para manter os sites e permitir a interação do usuário </li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (Cormode;Krishnamurthy, 2008)<br /><ul><li>Separação entre sites: 1.0 x 2.0
  113. 113. Nível Tecnológico - em termos de tecnologias de script e apresentação usadas para manter os sites e permitir a interação do usuário
  114. 114. Nível Estrutural - propósito e layout dos sites</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (Cormode;Krishnamurthy, 2008)<br /><ul><li>Separação entre sites: 1.0 x 2.0
  115. 115. Nível Tecnológico - em termos de tecnologias de script e apresentação usadas para manter os sites e permitir a interação do usuário
  116. 116. Nível Estrutural - propósito e layout dos sites
  117. 117. Nível Sociológico - noções de amigos e grupos </li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características da Web 2.0 (Cormode;Krishnamurthy, 2008)<br /> Ainda segundo os autores, a Web 2.0 é tanto uma plataforma sobre a qual inovadoras tecnologias têm sido construídas quanto um espaço onde usuários são tratados como objetos de primeira classe; nela há um incentivo à postagem, criação e troca de conteúdo (texto, imagem, áudio etc.); a utilização de diversas inovações tecnológicas como APIs públicos, mash-ups, incorporação de vários conteúdos e possibilidade de interação em diversos meios de comunicação e dispositivos (p.ex: celular) etc.<br />
  118. 118. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características das plataformas Web 2.0 (Langloiset al.,2009)<br />
  119. 119. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Características das plataformas Web 2.0 (Langloiset al.,2009)<br /> preocupação em estabelecer condições tecnoculturais com as quais os usuários possam produzir conteúdo e a partir das quais conteúdo e usuários possam ser re-canalizados (re-conduzidos) através de redes e canais tecno-comerciais.<br />
  120. 120. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Contemporânea era das redes: (Geert Lovink e Ned Rossiter ,2009)<br />
  121. 121. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Contemporânea era das redes: (Geert Lovink e Ned Rossiter ,2009)<br /><ul><li>Social não está separado da tecnologia</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Contemporânea era das redes: (Geert Lovink e Ned Rossiter ,2009)<br /><ul><li>Social não está separado da tecnologia
  122. 122. Mudança de focos:</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Contemporânea era das redes: (Geert Lovink e Ned Rossiter ,2009)<br /><ul><li>Social não está separado da tecnologia
  123. 123. Mudança de focos:
  124. 124. Desincorporação (1990) -> Materialidade da comunicação (2000)</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Contemporânea era das redes: (Geert Lovink e Ned Rossiter ,2009)<br /><ul><li>Social não está separado da tecnologia
  125. 125. Mudança de focos:
  126. 126. Desincorporação (1990) -> Materilaidade da comunicação (2000)
  127. 127. Natural x Artificial (1990) -> Complexidades, articulações (2000)</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Contemporânea era das redes: (O’Reilly e John Battelle,2009)<br />
  128. 128. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Contemporânea era das redes: (O’Reilly e John Battelle,2009)<br /><ul><li>Web 2.0 -> Web² (web ao quadrado)</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Contemporânea era das redes: (O’Reilly e John Battelle,2009)<br /><ul><li>Web 2.0 -> Web² (web ao quadrado)
  129. 129. Quando a web encontra o mundo</li></li></ul><li>SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Contemporânea era das redes: (O’Reilly e John Battelle,2009)<br />Web = mundo, através de dispositivos móveis, tecnologias de monitoramento e redução de energia, intervenções políticas online, novos modelos de economia e sustentabilidade, inteligência coletiva através da troca de informações de interesse social, humanitário, em plataformas como Twitter etc.<br />
  130. 130. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Contemporânea era das redes:<br /> E o SecondLife?<br />
  131. 131. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Contemporânea era das redes:<br /> E o SecondLife?<br />Além?<br />
  132. 132. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Contemporânea era das redes:<br /> E o SecondLife?<br />Além?<br />Aquém?<br />
  133. 133. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Contemporânea era das redes:<br /> E o SecondLife?<br />Além?<br />Aquém?<br />Entre?<br />
  134. 134. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />
  135. 135. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Carnavais, Malandros e Heróis”(DaMatta, 1979)<br />
  136. 136. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Carnavais, Malandros e Heróis”(DaMatta, 1979)<br />Inversão (Ex: Carnaval)<br />
  137. 137. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Carnavais, Malandros e Heróis”(DaMatta, 1979)<br />Inversão (Ex: Carnaval)<br />Reforço (Ex: Dia da Pátria)<br />
  138. 138. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Carnavais, Malandros e Heróis”(DaMatta, 1979)<br />Inversão (Ex: Carnaval)<br />Reforço (Ex: Dia da Pátria)<br />Neutralização (Ex: Procissão religiosa)<br />
  139. 139. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />Carnavais, Malandros e Heróis”(DaMatta, 1979)<br />Inversão (Ex: Carnaval)<br />Reforço (Ex: Dia da Pátria)<br />Neutralização (Ex: Procissão religiosa)<br />Obs: Festa/Evento/Jogo X Cotidiano<br />
  140. 140. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />SecondLife X Web X Primeira Vida?<br />
  141. 141. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />SecondLife X Web X Primeira Vida?<br />SecondLife X Cotidiano (Web + Primeira Vida)<br />
  142. 142. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />
  143. 143. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />
  144. 144. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />
  145. 145. SL, Web 2.0 e “Primeira Vida”: transformações e conexões possíveis<br />
  146. 146. Considerações finais<br />
  147. 147. Considerações finais<br /><ul><li>SecondLife= reforço, inversão, neutralização do cotidiano</li></li></ul><li>Considerações finais<br /><ul><li>SecondLife= reforço, inversão, neutralização do cotidiano
  148. 148. SecondLifecontribuiu no desenvolvimento da “Cultura 2.0”</li></li></ul><li>Considerações finais<br /><ul><li>SecondLife= reforço, inversão, neutralização do cotidiano
  149. 149. SecondLifecontribuiu no desenvolvimento da “Cultura 2.0”</li></li></ul><li>Considerações finais<br /><ul><li>SecondLife= reforço, inversão, neutralização do cotidiano
  150. 150. SecondLifecontribuiu no desenvolvimento da “Cultura 2.0”
  151. 151. Há uma continuidade entre SL, RL e Web</li></li></ul><li>Considerações finais<br /><ul><li>SecondLife= reforço, inversão, neutralização do cotidiano
  152. 152. SecondLifecontribuiu no desenvolvimento da “Cultura 2.0”
  153. 153. Há uma continuidade entre SL, RL e Web
  154. 154. SL = Web = Mundo(nosso mundo fica tanto mais “cotidiano” quanto mais “artificial” se propõe a ser, e vice-versa). </li></li></ul><li>referências<br />BARABÁSI, Albert-L. Linked. Cambridge: Plume, 2003.<br />BRESSAN, R.T. Dilemas da rede: Web 2.0, conceitos, tecnologias e modificações. Anais do XXX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Intercom/Eventos especiais – Intercom Júnior. Santos: Universidade Católica de Santos, 2007.<br /> _______. Sinequismo, humano e interatividade. Anais do XII Colóquio Internacional sobre a Escola Latino-Americana de Comunicação – Celacom. São Bernardo do Campo: Metodista/Cátedra UNESCO, 2008.<br />CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede - a era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999.<br />CORMODE, G.; KRISHNAMURTHY, B. Keydifferencesbetween Web 1.0 and Web 2.0. [online] Estados Unidos: FirstMonday, V.13, n. 6, 2008. [citado em 09/01/2010]. <http://www.uic.edu/htbin/cgiwrap/bin/ojs/index.php/fm/article/viewArticle/2125/1972><br />DAMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis. 6ª ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.<br />HUIZINGA, Johan. Homo ludens. São Paulo: Perspectiva, 5a ed., 2004.<br />INTERNET ARCHIVE, Wayback Machine. http://secondlife.com [online]. San Francisco: 2010 [citado em 08/01/2010]. <http://web.archive.org/web/*/http://secondlife.com>. <br />LANGLOIS, Ganaeleet al. MappingCommercial Web 2.0 Worlds: Towards a NewCriticalOntogenesis. [online] Australia: FibrecultureJournal, V.14, 2009. [citado em 09/01/2010]. <http://journal.fibreculture.org/issue14/issue14_langlois_et_al_print.html> <br />LEMOS, André. Cultura das Redes. Salvador: EDUFBA, 2002.<br />
  155. 155. referências<br />LÉVY, Pierre. As Tecnologias da Inteligência. Rio de janeiro: Editora 34, 1993.<br />_______. O que é o Virtual?. São Paulo: Editora 34, 1996.<br />_______. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.<br />LOVINK, Geert; ROSSITER, Ned. UrgentAphorisms: Notes onOrganized Networks for theConnectedMultitudes. [online] Amsterdam, 2009. [citado em 09/01/2010]. <http://networkcultures.org/wpmu/geert/urgent-aphorisms-notes-on-organized-networks-for-the-connected-multitudes/>.<br />MAGNO, MD. AmaZonas: a psicanálise de A a Z [online] Rio de Janeiro: Tranz – revista de estudos transitivos do contemporâneo, 2006. [citado em 11/01/2010]. <http://www.tranz.org.br/1_edicao/pdf/md_magno_amazonas.pdf><br />MITCHELL, William J.. Me++: thecyborgselfandthenetworked city. Cambridge, London:MIT Press, 2003.<br />O’REILLY, Tim. What is Web 2.0: design patternsand business models for thenextgenerationof software.[online] Estados Unidos, 2005. [citado em 28/03/2007].<http://www.oreillynet.com/pub/a/oreilly/tim/news/2005/09/30/what-is-web-20.html>.<br />O'REILLY,Tim; BATTELLE,John. Web Squared: Web 2.0 Five YearsOn. [online]. Estados Unidos, 2009. [citado em 09/01/2010]. <http://www.web2summit.com/web2009/public/schedule/detail/10194>.<br />PEIRCE, Charles S. CollectedPapers. Cambridge: Harvard UniversityPress, (1931-1958), 8v. 1 CD-ROM.<br />SILVEIRA Jr., Potiguara Mendes da. Artificialismo Total. Ensaios de Transformática.Comunicação e Psicanálise. Rio de Janeiro: NovaMente, 2006.<br />SOARES, Letícia Perani. Interfaces gráficas e os seus elementos lúdicos: aproximações para um estudo comunicacional. Rio de Janeiro: UERJ, 2008. Dissertação de Mestrado.<br />
  156. 156. Maio, 2010<br />Trabalho apresentado no VI Seminário Jogos Eletrônicos, Educação e Comunicação, UNEB – Salvador. GT03 – Jogos e Redes.<br /> Renato T. Bressan<br />http://migre.me/m3PV (CV)<br />

×