Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Mobile Identity:  Youth, Identity, and Mobile Comunication Media de Gitte Stald Contributos para uma síntese e reflexão Me...
<ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>O telemóvel, </li></ul><ul><li>começando por ser  </li></ul><ul><li>um raro e excitan...
<ul><li>telemóvel e mobilidade </li></ul>The Mobile Phone and Mobility -  The Mobile Phone and Mobility - The Mobile Phone...
<ul><li>a mobilidade e os jovens </li></ul>Mobility and Young People - Mobility and Young People - Mobility and Young Peop...
<ul><li>o telemóvel na cultura contemporânea dos jovens </li></ul><ul><li>Facilita a mobilidade de identidade porque é ubí...
<ul><li>o telemóvel na cultura contemporânea dos jovens </li></ul><ul><li>O uso de variadas comunicações digitais combinad...
<ul><li>a importância do telemóvel </li></ul>The Importance of The Mobile - The Importance of The Mobile - The Importance ...
<ul><li>Os jovens fazem um uso básico do telemóvel, devido aos baixos níveis de literacia tecnológica, reflexo de pouco in...
<ul><li>A variedade de usos e as formas de adaptação  ao telemóvel não são apenas ditadas pela funcionalidade e pelas nece...
<ul><li>Os adolescentes raramente desligam o telemóvel, põem-no em silêncio. Estar sempre disponível denota confiança, fun...
<ul><li>A comunicação fática assume diversas formas, do toque único aos vários toques, e a forma como é compreendida depen...
Phatic Communication - Phatic Communication - Phatic Communication - Phatic Communication - Phatic Communication - Phatic ...
<ul><li>Outro aspecto relevante é que com o telemóvel (juntamente com Messenger, mail e chat) não há momentos livres nem p...
<ul><li>stress </li></ul><ul><li>A utilização dos telemóveis é causadora de stress pela necessidade de disponibilidade per...
<ul><li>a percepção de presença num  </li></ul><ul><li>espaço partilhado </li></ul><ul><li>A presença adquire contornos di...
<ul><li>a percepção de presença num  </li></ul><ul><li>espaço partilhado </li></ul><ul><li>Existe uma distinção entre a pr...
<ul><li>a percepção de presença num  </li></ul><ul><li>espaço partilhado </li></ul><ul><li>Os jovens utilizam o telemóvel ...
<ul><li>estar simultaneamente presente  </li></ul><ul><li>em vários espaços </li></ul>Being Simultaneously Present in Sver...
<ul><li>o telemóvel como diário de bordo </li></ul>The Mobile as Personal Log - The Mobile as Personal Log - The Mobile as...
<ul><li>o telemóvel como duplo informacional </li></ul>The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double - The...
<ul><li>o telemóvel como duplo informacional </li></ul>The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double - The...
<ul><li>o telemóvel como duplo informacional </li></ul>The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double - The...
<ul><li>aprendizagem social </li></ul>Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learn...
<ul><li>aprendizagem social </li></ul>Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learn...
<ul><li>conclusão </li></ul>Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Con...
<ul><li>conclusão </li></ul>Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Con...
<ul><li>comentários e reflexão </li></ul>Comments  and  Reflection - Comments  and  Reflection - Comments  and  Reflection...
<ul><li>comentários e reflexão </li></ul>Comments  and  Reflection - Comments  and  Reflection - Comments  and  Reflection...
<ul><li>comentários e reflexão </li></ul>Comments  and  Reflection - Comments  and  Reflection - Comments  and  Reflection...
<ul><li>bibliografia </li></ul>Bibliography -  Bibliography -  Bibliography -  Bibliography -  Bibliography -  Bibliograph...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×
Upcoming SlideShare
Bucharest Biennale 2010
Next
Download to read offline and view in fullscreen.

1

Share

Download to read offline

Mobile Identity

Download to read offline

Desenvolvimento da identidade dos jovens

Related Books

Free with a 30 day trial from Scribd

See all

Related Audiobooks

Free with a 30 day trial from Scribd

See all

Mobile Identity

  1. 1. Mobile Identity: Youth, Identity, and Mobile Comunication Media de Gitte Stald Contributos para uma síntese e reflexão Media digitais e socializ@ção Docente: Lúcia Amante Alunas: Etelvina Lamas, Isabel Pardal, Maritza Dias e Zélia Delgado Mestrado em Gestão da Informação e Bibliotecas Escolares
  2. 2. <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>O telemóvel, </li></ul><ul><li>começando por ser </li></ul><ul><li>um raro e excitante objecto de alguns privilegiados, </li></ul><ul><li>t ornou-se </li></ul><ul><li>a mais importante, popular e óbvia ferramenta para c omunicar, i nformar e e ntreter. </li></ul>Mobile Identity: Youth, Identity, and Mobile Comunication Media - Mobile Identity: Youth, Identity, and Mobile Comunication Media - Mobile Identity: Youth, Identity, and Mobile Comunication Media
  3. 3. <ul><li>telemóvel e mobilidade </li></ul>The Mobile Phone and Mobility - The Mobile Phone and Mobility - The Mobile Phone and Mobility - The Mobile Phone and Mobility - The Mobile Phone and Mobility - The Mobile Phone and <ul><li>As suas vantagens mais óbvias são: </li></ul><ul><ul><li>Ser portátil. </li></ul></ul><ul><ul><li>Ser eficaz e vantajoso, independente do tempo e do espaço. </li></ul></ul><ul><ul><li>Em qualquer lugar o telemóvel transmite e recebe informação. </li></ul></ul><ul><ul><li>A mobilidade combinada com o uso social, coordena e actualiza de modo imediato e ubíquo a informação. </li></ul></ul>
  4. 4. <ul><li>a mobilidade e os jovens </li></ul>Mobility and Young People - Mobility and Young People - Mobility and Young People - Mobility and Young People - Mobility and Young People - Mobility and Young People - Mobility and Young O telemóvel permite aos jovens moverem-se, em espaços virtuais e num contexto global. Liberta o utilizador do constrangimento físico da proximidade e da mobilidade espacial. “ Somos móveis, o “invento” move-se connosco”. É um meio para constantes updatings (actualizações), coordenação, acesso à informação e documentação. Duplamente articulado, o seu valor depende do uso contextualizado e da experiência.
  5. 5. <ul><li>o telemóvel na cultura contemporânea dos jovens </li></ul><ul><li>Facilita a mobilidade de identidade porque é ubíquo no contexto cultural jovem, como meio para constantes updatings (actualizações), coordenação, acesso à informação e documentação. </li></ul><ul><li>É necessário no reflexivo processo da construção da identidade. </li></ul><ul><li>Os mais novos apenas discutem a sua importância e significado no contexto social, assumindo maior importância e valências para os mais velhos. </li></ul>The Mobile Phone in Contemporary Youth Culture - The Mobile Phone in Contemporary Youth Culture - The Mobile Phone in Contemporary Youth Culture - The Mobile Phone in Contemporary
  6. 6. <ul><li>o telemóvel na cultura contemporânea dos jovens </li></ul><ul><li>O uso de variadas comunicações digitais combinadas com informações média, reflectem o estado do fluxo da informação que existe entre diferentes esferas da vida moderna, entre o tempo de trabalho e o tempo de lazer, entre o privado e o espaço público, entre campos físicos e virtuais e a interdependência do tempo e do espaço. </li></ul><ul><li>É uma mais-valia do grupo e da sua identidade para as trocas entre amigos. </li></ul><ul><li>“ Seremos capazes de trabalhar em qualquer lugar,.., os nossos telemóveis conectar-nos-ão” </li></ul>The Mobile Phone in Contemporary Youth Culture - The Mobile Phone in Contemporary Youth Culture - The Mobile Phone in Contemporary Youth Culture - The Mobile Phone in Contemporary
  7. 7. <ul><li>a importância do telemóvel </li></ul>The Importance of The Mobile - The Importance of The Mobile - The Importance of The Mobile - The Importance of The Mobile - The Importance of The Mobile - The Importance of The Mobile - The “ Entrou na vida quotidiana”. É usado para gerir a vida em geral. É indispensável e tem que estar sempre perto: “… Sempre comigo. Eu transporto tudo o que preciso e a flexibilidade disso é absolutamente fantástica” (Dany, 20 anos). A sua forma e tamanho fazem-no parecer parte do próprio corpo. É fácil de transportar em qualquer lugar, de tê-lo perto e pronto a pegar (nem se sente até se ser alertado por uma mensagem ou chamada). É um invento físico, um meio através do qual comunicamos e com o qual mantemos contactos sociais.
  8. 8. <ul><li>Os jovens fazem um uso básico do telemóvel, devido aos baixos níveis de literacia tecnológica, reflexo de pouco interesse nas potencialidades desta tecnologia e respectivo software. </li></ul><ul><li>Factores culturais (tradições, normas, tendências), sociais (legislação, regulamentação, necessidades e normas) e restrições práticas (acesso, economia, infra estruturas, trabalho/estudo) afectam o ritmo de adaptação a esta tecnologia, assim como o seu uso corrente e os usos inesperados. </li></ul>Use and Adaptation - Use and Adaptation - Use and Adaptation - Use and Adaptation - Use and Adaptation - Use and Adaptation - Use and Adaptation - Use and Adaptation - Use and Adapta Uso e adaptação
  9. 9. <ul><li>A variedade de usos e as formas de adaptação ao telemóvel não são apenas ditadas pela funcionalidade e pelas necessidades. </li></ul><ul><li>A escolha do equipamento e o uso de serviços são igualmente determinados pelas tendências que marcam as culturas juvenis. </li></ul>Use and Adaptation - Use and Adaptation - Use and Adaptation - Use and Adaptation - Use and Adaptation - Use and Adaptation - Use and Adaptation - Use and Adaptation - Use and Adapta Uso e adaptação
  10. 10. <ul><li>Os adolescentes raramente desligam o telemóvel, põem-no em silêncio. Estar sempre disponível denota confiança, fundamental nos verdadeiros relacionamentos, segundo os adolescentes. </li></ul><ul><li>O telemóvel é um mediador/elo entre a identidade social e a pessoal. Ausências ou zonas em que não se faz uso do telemóvel são um luxo a que apenas se podem dar os muito seguros da sua posição na respectiva rede social. </li></ul><ul><li>Não ter telemóvel, por opção, por falta de dinheiro, por roubo ou por se estragar, é uma ameaça à importante actualização da respectiva rede social e, logo, para a própria posição, para a capacidade de participar em actividades sociais e, em último caso, para a percepção de si mesmo ou identidade. </li></ul>Availability - Availability - Availability - Availability - Availability - Availability - Availability - Availability - Availability - Availability - Availability - Availability - Availability - Availability - Availability - Availabi disponibilidade
  11. 11. <ul><li>A comunicação fática assume diversas formas, do toque único aos vários toques, e a forma como é compreendida depende de aspectos culturais e dos códigos com que o grupo se rege, sendo essencial aprendê-los e às regras de significado não escritas, à linguagem e ao comportamento normativo, para que a comunicação seja significativa. </li></ul>Phatic Communication - Phatic Communication - Phatic Communication - Phatic Communication - Phatic Communication - Phatic Communication - Phatic Communication - Phatic Communication - comunicação fática
  12. 12. Phatic Communication - Phatic Communication - Phatic Communication - Phatic Communication - Phatic Communication - Phatic Communication - Phatic Communication - Phatic Communication - comunicação fática Manter o contacto social pode ser um motivo essencial para a comunicação fática, bem como: pertença a um grupo, confirmação, estatuto, presença, entretenimento, motivos relacionados com ser capaz de reflectir e de testar a identidade pessoal por comparação com a do grupo.
  13. 13. <ul><li>Outro aspecto relevante é que com o telemóvel (juntamente com Messenger, mail e chat) não há momentos livres nem pausas, excepto em situações muito raras. </li></ul><ul><li>Muitos jovens são constantemente recordados da presença dos outros, sendo interrompidos por um ou mais meios digitais, a que acresce o uso corrente da televisão e da Internet, a música e os jogos, o que levanta questões acerca das capacidades cognitivas necessárias para se concentrar, para realizar multitarefas e gerir grandes quantidades de informação de todos os tipos. </li></ul>No Free Momments - No Free Momments - No Free Momments - No Free Momments - No Free Momments - No Free Momments - No Free Momments - No Free Momments - No Free Momments - sem momentos livres
  14. 14. <ul><li>stress </li></ul><ul><li>A utilização dos telemóveis é causadora de stress pela necessidade de disponibilidade permanente, o ritmo e a quantidade de informação a que é preciso dar resposta e a necessidade de contextualização e rápida apreensão do conteúdos das mensagens. </li></ul><ul><li>A privação do telemóvel é igualmente causadora de stress, dado que, periga as relações/redes sociais estabelecidas. </li></ul><ul><li>O stress é uma condição permanente da vida dos jovens, que o telemóvel agrava, quer pela presença, quer pela ausência, quer ainda, pelo exacerbamento da fluidez do tempo e da programação e definição da sua vida quotidiana. </li></ul>Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress - Stress -
  15. 15. <ul><li>a percepção de presença num </li></ul><ul><li>espaço partilhado </li></ul><ul><li>A presença adquire contornos diferenciados: presença física ou virtual e interrupção da presença física pela necessidade de uma presença virtual. O telemóvel promove o alheamento da presença num contexto/espaço físico para permitir a presença num contexto/espaço virtual. </li></ul><ul><li>Estar igualmente presente em vários contextos (físico e virtual) ao mesmo tempo é impossível. </li></ul>The Perception of Presence in a Shared Space - The Perception of Presence in a Shared Space - The Perception of Presence in a Shared Space - The Perception of Presence in a Shared Space -
  16. 16. <ul><li>a percepção de presença num </li></ul><ul><li>espaço partilhado </li></ul><ul><li>Existe uma distinção entre a presença física e a presença social: um indivíduo pode estar fisicamente presente num determinado lugar e contexto e, através do uso do telemóvel, estar socialmente presente num outro espaço e contexto partilhado com o interlocutor. </li></ul><ul><li>Em função do contexto e da comunicação, o uso do telemóvel contribui para a criação de uma sensação de presença num espaço social partilhado, dando lugar a sensações de proximidade e intimidade, ou pode ser visto como um meio que permite a alienação do individuo do espaço físico em que se encontra . </li></ul>The Perception of Presence in a Shared Space - The Perception of Presence in a Shared Space - The Perception of Presence in a Shared Space - The Perception of Presence in a Shared Space -
  17. 17. <ul><li>a percepção de presença num </li></ul><ul><li>espaço partilhado </li></ul><ul><li>Os jovens utilizam o telemóvel para comunicar sobre os mais diversos assuntos, no entanto, para o tratamento de problemas mais sérios preferem o contacto presencial. </li></ul>The Perception of Presence in a Shared Space - The Perception of Presence in a Shared Space - The Perception of Presence in a Shared Space - The Perception of Presence in a Shared Space -
  18. 18. <ul><li>estar simultaneamente presente </li></ul><ul><li>em vários espaços </li></ul>Being Simultaneously Present in Sveral Spaces - Being Simultaneously Present in Sveral Spaces - Being Simultaneously Present in Sveral Spaces - Being Simultaneously Present in Sveral Spa O telemóvel permite uma “presença ausente”, ao possibilitar estar fisicamente num espaço físico e mentalmente num outro lugar. Em determinadas situações o telemóvel assume a função de “guarda-costas simbólico” permitindo ao utilizador demonstrar que apesar de estar só num determinado espaço físico está virtualmente acompanhado por outros.
  19. 19. <ul><li>o telemóvel como diário de bordo </li></ul>The Mobile as Personal Log - The Mobile as Personal Log - The Mobile as Personal Log - The Mobile as Personal Log - The Mobile as Personal Log - The Mobile as Personal Log - The Mobile as P O telemóvel é utilizado pelos jovens como um “diário de bordo” onde armazenam, sob diversas formas as experiências e emoções do quotidiano. A informação armazenada é geralmente partilhada com outros estreitando, assim, as relações interpessoais e contribuindo para a afirmação da identidade pessoal dos utilizadores. Como “diário de vida” comporta informação que não é partilhada e que se destina apenas a ser visualizada pelo utilizador como forma de recuperar emoções, sentimentos e estado s de espírito.
  20. 20. <ul><li>o telemóvel como duplo informacional </li></ul>The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double O telemóvel funciona como uma espécie de diário digital que é compartilhado com amigos, mas também pode ser entendido como um “data double,” extensão amovível do corpo e mente, ou uma espécie “de extensão do próprio”. O telemóvel está sempre perto das mãos, orelhas, ou olhos: representa uma espécie de auto-percepção, um meio de documentação da vida social, exprime preferências e é uma forma de criar redes e de partilha de experiências.
  21. 21. <ul><li>o telemóvel como duplo informacional </li></ul>The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double Os jovens experimentam uma espécie de simbiose com o seu telemóvel, em que os dispositivos físicos são entendidos como uma representação pessoal da identidade. Para os usuários, o próprio dispositivo tem pouco ou nenhum valor afectivo — pode ser trocado por um modelo mais novo. É principalmente o conteúdo e as representações que ele contém que estabelecem a sua importância.
  22. 22. <ul><li>o telemóvel como duplo informacional </li></ul>The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double - The Mobile as the Data Double A identificação do utilizador com o telemóvel estende-se ao número telefónico. Os números telefónicos funcionam como códigos para as relações sociais e íntimas, como códigos para aceder a redes sociais e o facto de outras pessoas o saberem dá uma sensação de segurança.
  23. 23. <ul><li>aprendizagem social </li></ul>Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - <ul><li>A relação entre o telemóvel e a aprendizagem social pode ser entendida de dois modos: </li></ul><ul><li>- como aprendizagem por interacção social; </li></ul><ul><li>como aprendizagem de normas sociais. </li></ul><ul><li>As normas do comportamento social com o telemóvel são constantemente testadas e modificadas pelos jovens. </li></ul><ul><li>Esta modificação realiza-se através: </li></ul><ul><li>- dos modelos do uso </li></ul><ul><li>- da modificação e desenvolvimento do significado do telemóvel na vida diária. </li></ul>
  24. 24. <ul><li>aprendizagem social </li></ul>Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - Social Learning - As normas modificam-se constantemente e não são as mesmas para todos os grupos sociais. Para ser incluído no grupo, o jovem deve comportar-se segundo os códigos normativos desse grupo.   O telemóvel é muitas vezes considerado potencialmente perturbador em situações de comunicação cara a cara e em lugares públicos (cinema, restaurantes, cafés, transportes).
  25. 25. <ul><li>conclusão </li></ul>Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - <ul><li>O telemóvel funciona como: </li></ul><ul><li>- uma espécie de diário digital </li></ul><ul><li>extensão amovível do corpo e da mente – os jovens parecem experimentar uma espécie de simbiose com eles </li></ul><ul><li>O telemóvel permite: </li></ul><ul><li>- criar redes </li></ul><ul><li>- partilhar experiências </li></ul><ul><li>estabelecer uma identidade </li></ul>
  26. 26. <ul><li>conclusão </li></ul>Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - Conclusion - <ul><li>O telemóvel representa: </li></ul><ul><li>- a vida social </li></ul><ul><li>- as experiências íntimas </li></ul><ul><li>a sua rede social (network) </li></ul><ul><li>O telemóvel dá a sensação de segurança. </li></ul><ul><li>O telemóvel tem um valor simbólico, uma vez que: </li></ul><ul><li>- permite perceber as preferências </li></ul><ul><li>- fornece sinais sobre a identidade do utilizador ou pelo menos a sua auto-representação </li></ul><ul><li>suporta e realça a manutenção dos grupos sociais e a sensação de pertença a um grupo </li></ul><ul><li>O telemóvel é importante para a representação pessoal e social dos jovens </li></ul>
  27. 27. <ul><li>comentários e reflexão </li></ul>Comments and Reflection - Comments and Reflection - Comments and Reflection - Comments and Reflection - Comments and Reflection - Comments and Reflection - Comments and Refl O telemóvel tem um enorme impacto na vida quotidiana pelo acesso à informação e à comunicação que possibilita. Nos jovens, a comunicação estabelecida é essencialmente de carácter social. Através do uso do telemóvel constroem-se, desenvolvem-se, alimentam-se e destroem-se relações sociais com os pares.
  28. 28. <ul><li>comentários e reflexão </li></ul>Comments and Reflection - Comments and Reflection - Comments and Reflection - Comments and Reflection - Comments and Reflection - Comments and Reflection - Comments and Refl Elemento de comunicação e segurança, de definição da identidade pessoal e de afirmação perante o grupo, o telemóvel constitui-se como algo indispensável à vida quotidiana dos jovens. Espaço de armazenamento de informações e emoções, espaço de partilha, recurso para suprir a ausência dos outros, forma de aprendizagem de normas sociais, meio de pertença a um grupo num mundo marcado pela incerteza.
  29. 29. <ul><li>comentários e reflexão </li></ul>Comments and Reflection - Comments and Reflection - Comments and Reflection - Comments and Reflection - Comments and Reflection - Comments and Reflection - Comments and Refl Conscientes dos aspectos negativos que o uso permanente e omnipresente do telemóvel implica nas suas vidas, os jovens optam por seguir a forma estabelecida para a interacção, temendo o risco da exclusão social. Avaliados os riscos e os aspectos negativos, as vantagens são demasiadas. A opção dos jovens é alimentar a tendência, em virtude da importância da definição da identidade e das relações sociais na adolescência e do uso do telemóvel ser um meio altamente facilitador desse proces so.
  30. 30. <ul><li>bibliografia </li></ul>Bibliography - Bibliography - Bibliography - Bibliography - Bibliography - Bibliography - Bibliography - Bibliography - Bibliography - Bibliography - Bibliography - Bibliography - Bibliography - Gitte Stald (2008) Mobile Identity: Youth, Identity, and Mobile Communication Media .Youth, Identity, and Digital Media: 143–164. http://www.mitpressjournals.org/doi/pdf/10.1162/dmal.9780262524834.143   Marc Prensky, “Digital Natives, Digital Immigrants”, On the Horizon (NCB University Press, Vol. 9 No. 5, October 2001
  • AmitRanjan

    Dec. 26, 2008

Desenvolvimento da identidade dos jovens

Views

Total views

1,771

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

20

Actions

Downloads

13

Shares

0

Comments

0

Likes

1

×