Curso De FormaçãO De Evangelizadores

6,515 views

Published on

Published in: Education, Travel
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
6,515
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
15
Actions
Shares
0
Downloads
217
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Curso De FormaçãO De Evangelizadores

  1. 1. Curso de Formação de Evangelizadores “ O amor sem instrução é mera ação sem propósito definido e certo;instrução sem amor é simples adorno intelectual sem função renovadora,figueira seca sem flores nem frutos.” Eurípedes Barsanulfo
  2. 2. Proposta Crística de Educação <ul><li>A dimensão educativa na obra do Cristo, aponta como caminho, para nós, a vivência do Amor. Evangelizar, pois, será sempre aproximarmo-nos dessa orientação. </li></ul>
  3. 3. Evangelizador e Evangelizando : Encontro <ul><li>A criança e o jovem,em nossa sala de evangelização, é um ser imortal, em transitória existência física, vivida como processo de autoburilamento. Possui, dentro de si, o germe da perfeição: uma sentinela da consciência que em si possui gravadas as leis de Deus. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>A máxima do Cristo “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”, possibilita uma ética educativa que visa ao auto –aperfeiçoamento do espírito, sem propor retirá-lo do dinamismo do mundo, no qual encontra a Deus, a si e a seu semelhante. </li></ul>
  5. 5. O Paradigma do Espírito <ul><li>A educação espírita ancora suas referências teórico-práticas na idéia de espírito imortal a caminho da perfeição e percebe a experiência terrena como um percurso educativo no qual se inscreve o processo de ensino aprendizagem. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Na Codificação Espírita aprendemos que o homem é Espírito reencarnado trazendo consigo todas as experiências de vivências anteriores. O ser com o qual trabalhamos nas nossas evangelizações vive um presente necessário ao seu aperfeiçoamento integral, ampliando suas percepções, sua intelectualidade e também suas afetuosidades. A meta a ser atingida é, portanto, a melhoria da qualidade de vida, enquanto crianças e jovens, para a construção de um futuro mais feliz, dentro dos preceitos CRISTÃOS. </li></ul>
  7. 7. Por que evangelizar? <ul><li>O objetivo principal da educação evangelizadora para crianças e jovens é a emancipação do ser humano, fundamentada na percepção e compreensão de sua própria natureza espiritual. Não se trata de transformá-los em espíritas, mas sim de torná-los pessoas felizes, realizadas, conscientes das leis da vida e de sua função no Universo, enquanto filhos de Deus. É preciso trabalhar numa perspectiva em que as crianças e os jovens são vistos em todos os aspectos de seu Ser, ou seja, como seres espirituais, morais, mentais, emocionais, físico-energéticos e sociais. </li></ul>
  8. 8. Os processo do Conhecimento na Evolução do Ser <ul><li>Relação entre o processo de ensinar e aprender. </li></ul><ul><li>Assimilação e Acomodação: apreender estímulos e reorganizar as estruturas internas. </li></ul><ul><li>Equilibração Majorante: a complexidade crescente das estruturas mentais. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Superação do inatismo e do determinismo absoluto. </li></ul><ul><li>O conhecimento construído mediante a ação do sujeito no mundo. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Segundo Piaget, o conhecimento se dá a partir da ação do sujeito no mundo. A atividade do sujeito por meio da interação no mundo físico/social é o motor da inteligência, que seria banhada da energia dos afetos </li></ul>
  11. 11. Assimilação e Acomodação <ul><li>Os sujeitos, para Piaget, aprendem mediante processos </li></ul><ul><li>Assimilação : incorporação do objeto de conhecimento ( o que se vai conhecer) </li></ul><ul><li>Acomodação :é a organização do conhecimento através de uma complexidade de estruturas mentais. </li></ul>
  12. 12. Piaget:a construção e o funcionamento da inteligência e do juízo moral <ul><li>A inteligência se desenvolve por etapas. As operações da inteligência se processam por meio de estruturações de conjunto que evoluem num equilíbrio majorante,que se traduzem por respostas novas dadas pelo sujeito aos estímulos do ambiente. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>O modelo de Piaget é operativo, para nós espíritas, por considerar o que o sujeito já traz – haveria uma espécie de pré-formação, um núcleo funcional inicial, a partir do qual se inscrevem as novas experiências do sujeito e o seu desenvolvimento, que se dá por meio da ação no mundo onde o espírito reencarna. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>A educação implica, pois, esse lidar não só com as heranças e conquistas do sujeito, mas também com aquisições e possibilidades de imprimir novo curso a sua evolução pessoal. </li></ul>
  15. 15. Afetividade e Conhecimento <ul><li>Para Pestalozzi, o que caracteriza o desenvolvimento da autonomia moral no ser humano seria o engajamento do sujeito no próprio aperfeiçoamento, que se deve fazer na direção do amor.Assim é que, superando a visão fragmentada do conhecimento, a educação moral se realiza na relação de amor entre educador e educando. </li></ul>
  16. 16. Percurso da Construção do Conhecimento no Encontro Evangelizador <ul><li>O Problema : colocar as problemáticas do Espírito nos contextos da vida dos evangelizandos. </li></ul><ul><li>A Convergência : leva o grupo a discutir o assunto, compartilhando conhecimentos prévios. </li></ul><ul><li>A Solução Doutrinária: mostra o pensamento da Doutrina dos Espíritos, iluminando a reflexão que vinha tomando corpo. É a contribuição do grupo. </li></ul>
  17. 17. <ul><ul><li>4.Expressão arte-cultural : o que compreendeu na solução doutrinária se expressa, se faz linguagem. </li></ul></ul><ul><ul><li>5. A Vivência Moral: é o resultado do processo de conhecimento construído até então e que, irá vincular sentimento e razão, realizando a culminância da prática cognitiva. </li></ul></ul>
  18. 18. Estágios da Criança <ul><li>2 a 7 anos: pensamento pré-operacional: aquisição da representação. Nesta fase, a criança vê a idéia de bem e de mal dependendo de sua adequação à autoridade. </li></ul><ul><li>7 a 11 anos: Estágio das operações concretas, domínio da razão sobre a percepção imediata.O pensamento da criança consegue acompanhar as operações inversas( lógica).Já se liberta do egocentrismo, interage. </li></ul>
  19. 19. <ul><li>3. A juventude: operações formais, passa a utilizar teorias e hipóteses.Pensa sobre o próprio pensamento, desenvolve utopias. </li></ul>

×