Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Informatica Na Educacao

11,894 views

Published on

Published in: Design, Technology

Informatica Na Educacao

  1. 1. Informática na Educação
  2. 2. <ul><li>Estudo de histórico, evolução e tendências na área de Informática na Educação, bem como das abordagens de aplicação dos computadores no processo de ensino/aprendizagem. </li></ul>
  3. 3. O que é Informática na Educação? <ul><li>(de acordo com Maria Elizabete Almeida) </li></ul><ul><li>É um novo domínio da ciência, cuja própria concepção traz embutido o conceito de pluralidade, de inter-relação e de intercâmbio crítico entre diversos saberes e idéias desenvolvidas por diferentes pensadores. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>  Salienta-se ainda a necessidade da qualificação dos professores para a realização deste trabalho pois há uma grande resistência de vários profissionais que temem ser descartados a medida que este processo evolua.    </li></ul>
  5. 5. Informática na Educação Duas grandes linhas: <ul><li>* o próprio ensino da Informática * o ensino pela Informática Abordagens pedagógicas tanto numa linha como na outra o ensino poderá ocorrer dentro de uma abordagem I nstrucionista ou Construcionista </li></ul>
  6. 6. Razões de ser do Paradigma educacional tradicional segundo Ramos (1996), Moraes (1996) <ul><li>Método científico – única abordagem válida de conhecimento </li></ul><ul><li>Concepção do universo – sistema mecânico composto de unidades materiais elementares </li></ul>
  7. 7. Francis Bacon (1561 – 1626) (lançou as bases do pensamento científico ocidental) <ul><li>Elaborou </li></ul><ul><ul><li>a teoria do procedimento indutivo e o método empírico da ciência </li></ul></ul><ul><ul><li>Para Bacon o objetivo da ciência é dominar e controlar a natureza. </li></ul></ul>
  8. 8. Descartes (1596-1650) (considerado o fundador da ciência moderna) <ul><li>A chave para a compreensão da natureza era sua a sua estrutura matemática. </li></ul><ul><li>Propôs: o método analítico e dedutivo – os pensamentos e problemas devem ser decompostos em suas partes componentes, numa ordem lógica </li></ul>
  9. 9. Descartes (continuação) <ul><li>Ênfase exagerada levou a: </li></ul><ul><li>Fragmentação das disciplinas </li></ul><ul><li>Fragmentação do pensamento </li></ul><ul><li>Reducionismo – crença em que todos os fenômenos, mesmo os mais complexos podem ser entendidos através da análise de suas partes constituintes </li></ul>
  10. 10. Isaac Newton (1642-1727) <ul><li>Unificou o método experimental e indutivo de Bacon com o racional e dedutivo de Descartes desenvolvendo uma completa formulação matemática da concepção mecanicista da natureza. </li></ul><ul><li>O mundo é um sistema mecânico que pode ser descrito de forma objetiva sem necessidade de se fazer menção ao observador. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>O sucesso do modelo mecanicista de Newton (que se consolida com a teoria da química atômica) faz com que os princípios do seu método sejam adotados por todas as ciências, inclusive as ciências humanas. </li></ul>
  12. 12. John Locke (1632-1704) <ul><li>Desenvolveu uma concepção atomística para a sociedade, reduzindo os padrões observados na mesma ao comportamento dos indivíduos. </li></ul><ul><li>Como na natureza, a sociedade será levada ao equilíbrio, se forem respeitadas suas leis naturais. </li></ul>
  13. 13. O Iluminismo (Locke) <ul><li>Ideais: direito a </li></ul><ul><ul><li>propriedade </li></ul></ul><ul><ul><li>mercados livres </li></ul></ul><ul><ul><li>governos representativos </li></ul></ul><ul><ul><li>individualismo </li></ul></ul><ul><ul><li>liberdade </li></ul></ul><ul><ul><li>igualdade </li></ul></ul>
  14. 14. Modelo mecanicista <ul><li>Separa os indivíduos de seus relacionamentos, não reconhecendo a importância do contexto em que estão inseridos. </li></ul><ul><li>Gerou </li></ul><ul><li>individualismo exagerado e </li></ul><ul><li>egocentrismo humano </li></ul>
  15. 15. Inadequação do modelo de Newton <ul><li>O estudo dos fenômenos elétricos e magnéticos </li></ul><ul><li>e </li></ul><ul><li>o conceito de evolução de Darwin </li></ul><ul><li>fez com que fosse percebido que o mundo era muito mais complexo do que Newton e Descartes haviam imaginado. </li></ul>
  16. 16. Paradigma tradicional <ul><li>Natureza, ser humano, plantas e animais – máquina </li></ul><ul><li>O todo é compreendido a partir das partes </li></ul><ul><li>Verdade absoluta na ciência </li></ul><ul><li>Só se considera científico as coisas que podem ser medidas e quantificadas </li></ul><ul><li>O homem é visto como separado da natureza </li></ul><ul><li>A natureza é vista como sendo obrigada a servir ao homem. </li></ul>
  17. 17. Paradigma emergente (Moraes (1996) e Ramos (1996) <ul><li>Deve ser capaz de gerar ambientes de aprendizagem que compreendam o ser humano em sua totalidade, com seus diferentes estilos de aprendizagem e distintas formas de resolver problemas, levando em consideração os aspectos físicos,biológicos, mentais, psicológicos, culturais e sociais dos aprendizes. </li></ul>
  18. 18. Paradigma emergente (continuação) <ul><li>- preocupação em formar indivíduos autônomos, criativos, críticos, cooperativos, solidários, fraternos, mais integrados e harmoniosos,isto é, indivíduos intelectual e humanamente competentes; </li></ul>
  19. 19. Paradigma emergente <ul><li>- CONSTRUTIVISTA - conhecimento sempre em construção; </li></ul><ul><li>- INTERACIONISTA - o conhecimento ocorre na interação com o outro; </li></ul><ul><li>- SÓCIO-CULTURAL - o conhecimento acontece a partir do diálogo do homem consigo mesmo e com o mundo que o cerca; </li></ul><ul><li>- TRANSCENDENTE - ampliar a consciência do outro, acentuar os sentimentos de humildade, fraternidade e solidariedade. </li></ul>
  20. 20. Informática na Educação no Brasil (Valente & Almeida (1997), Moraes (1997)) <ul><li>+ de 20 anos (desde início de 1970) – experiências na UFRJ, UFRGS e UNICAMP </li></ul><ul><li>No entanto, ainda não impregnou as idéias dos educadores e não está consolidada no nosso sistema educacional. </li></ul>
  21. 21. No Brasil <ul><li>O papel dos computadores nas escolas é de </li></ul><ul><li>provocar mudanças pedagógicas profundas </li></ul><ul><li>através da criação de ambientes de aprendizagem no quais o aluno constrói o seu conhecimento e tem o controle do processo dessa construção. </li></ul>
  22. 22. Nos Estados Unidos <ul><li>O papel dos computadores nas escolas é de </li></ul><ul><li>automatizar o ensino ou promover a alfabetização tecnológica </li></ul>
  23. 23. Na França <ul><li>O papel dos computadores nas escolas é de </li></ul><ul><li>desenvolver a capacidade lógica e preparar o aluno para trabalhar na empresa. </li></ul>
  24. 24. Informática na Educação no Brasil <ul><li>Nasce a partir do interesse de educadores de algumas universidades brasileiras </li></ul><ul><li>Apesar da caminhada diferente, mesmos resultados – mudanças quase inexistentes do ponto de vista pedagógico </li></ul>
  25. 25. Informática na Educação no Brasil <ul><li>Diferente de outros países, as políticas e propostas pedagógicas da Informática na Educação no Brasil sempre foram fundamentadas em pesquisas realizadas nas universidades, em função das escolas da rede pública. </li></ul>
  26. 26. O Proinfo <ul><li>O ProInfo é um programa educacional que visa à introdução das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na escola pública como ferramenta de apoio ao processo ensino-aprendizagem. </li></ul>
  27. 27. O Proinfo <ul><li>O ProInfo é uma iniciativa do Ministério da Educação, por meio da Secretaria de Educação a Distância – SEED , criado pela Portaria nº 522 , de 09 de abril de 1997, sendo desenvolvido em parceria com os governos estaduais e alguns municipais. </li></ul>
  28. 28. O Proinfo (continuação) <ul><li>As diretrizes do Programa são estabelecidas pelo MEC e pelo CONSED (Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Educação). Em cada unidade da federação, há uma Comissão Estadual de Informática na Educação cujo papel principal é o de introduzir as Novas Tecnologias de Informação e Comunicação nas escolas públicas de ensino médio e fundamental. </li></ul>
  29. 29. O Proinfo (continuação) <ul><li>O ProInfo tem na preparação de recursos humanos - os professores - sua principal condição de sucesso. Os professores são capacitados em dois níveis: multiplicadores e de escolas. </li></ul>
  30. 30. Abordagens pedagógicas <ul><li>O computador pode ser utilizado nas escolas de acordo com a abordagem </li></ul><ul><li>instrucionista </li></ul><ul><li>ou </li></ul><ul><li>construcionista </li></ul>
  31. 31. Abordagem Instrucionista <ul><li>consiste na informatização dos métodos de ensino tradicionais * o computador assume o papel de máquina de ensinar; * alguém implementa no computador uma série de informações que devem ser passadas ao aluno; * o conteúdo a ser ensinado é apresentado conforme a estrutura de pensamento do especialista que o elaborou; </li></ul>
  32. 32. Abordagem Instrucionista <ul><li>* conduz a uma atividade mecânica e repetitiva; </li></ul><ul><li>* não deixa explícito o pensamento do aluno que o utiliza; </li></ul><ul><li>* deixa para o professor o trabalho de provocar a reflexão do aluno; </li></ul>
  33. 33. Abordagem Construcionista (continuação) <ul><li>* permite que o aluno expresse seu estilo cognitivo; * permite que o aluno reflita sobre o que está fazendo; * parte do entendimento que o aluno aprende usando </li></ul><ul><li>RAZÃO e EMOÇÃO. </li></ul>
  34. 34. CONSTRUCIONISMO centra-se no <ul><li>* PENSAR, * CRIAR, * DESAFIO, * CONFLITO e * na DESCOBERTA </li></ul>
  35. 35. Abordagem Construcionista <ul><li>pode ser um poderoso auxiliar numa mudança de paradigma de ensino * o computador deve ser usado como uma máquina a ser ensinada; * a aprendizagem é vista como uma construção; * os erros são considerados fontes para novas reflexões; * o centro da aprendizagem está no educando e não no professor; </li></ul>
  36. 36. Bases do construcionismo (Papert - 1994) <ul><li>* DEWEY - o método por descoberta </li></ul><ul><li>- aquisição do saber é fruto do processo de reflexão sobre a experiência. </li></ul><ul><li>* PAULO FREIRE - a educação progressista e emancipadora </li></ul><ul><li>- a prática educativa deve priorizar trocas entre o conhecimento já adquirido pelo educando e a construção de um saber científico. </li></ul>
  37. 37. Bases do construcionismo (continuação) <ul><li>* JEAN PIAGET - a epistemologia genética </li></ul><ul><li>- o conhecimento realmente ocorre quando o sujeito consegue refletir sobre o fazer, dominar em pensamento a ação. </li></ul><ul><li>* VYGOTSKY - a zona proximal de desenvolvimento </li></ul><ul><li>- o indivíduo constrói sua própria visão de mundo e sua forma de atuar nele a partir de interações sociais; o professor deve atuar dentro da ZPD do aluno, isto é, entre o que ele já sabe e o que potencialmente já é capaz de fazer, se receber uma ajuda. </li></ul>
  38. 38. Postura do professor construcionista <ul><li>Visão do conhecimento com algo em construção – não pronto, acabado. </li></ul><ul><li>Reflexão constante sobre a própria prática </li></ul><ul><li>Serve como modelo de aprendiz </li></ul><ul><li>Mentalidade aberta </li></ul><ul><li>Responsabilidade </li></ul><ul><li>Entusiasmo </li></ul>
  39. 39. “ Um professor que tem a mentalidade aberta é aquele que convive com as diferenças, analisa as possíveis alternativas, incita o debate, a crítica, o confronto, a dúvida, promove a construção do conhecimento, fazendo uso de conteúdos formais e estruturados.”
  40. 40. “ A responsabilidade refere-se ao autodomínio e ao ato de assumir as conseqüências das próprias posições, responsabilidade no sentido intelectual e ético.”
  41. 41. “ O entusiasmo relaciona-se com a predisposição em relação às inovações, à vontade, à alegria e ao prazer de ensinar e de aprender.” (ALMEIDA, 1996, p.62)
  42. 42. Postura do professor construcionista (de acordo com Paulo Freire) <ul><li>Respeito ao educando </li></ul><ul><li>Querer bem ao educando </li></ul><ul><li>Compreender que a educação é uma forma de intervenção no mundo </li></ul><ul><li>Convicção de que a mudança é possível </li></ul><ul><li>Comprometimento </li></ul>
  43. 43. Postura do professor construcionista (de acordo com Freire(1997)) (continuação) <ul><li>Estímulo à curiosidade, à liberdade e à criatividade </li></ul><ul><li>Estímulo à alegria e à esperança </li></ul><ul><li>Corporeificação da palavra pelo exemplo </li></ul><ul><li>Humildade </li></ul><ul><li>Reflexão crítica sobre a prática </li></ul>
  44. 44. Formação do professor construcionista – segundo Almeida (1996) <ul><li>Para que o professor se aproprie dessa teoria, deverá vivenciá-la em seu processo de formação, estabelecendo relações entre a teoria e sua prática e participando de reflexões individuais e coletivas. </li></ul><ul><li>Processo de formação contínuo, dinâmico e integrador – conhecimento adquirido na ação, reflexão na ação e reflexão sobre a ação. </li></ul>
  45. 45. Formação do professor construcionista - segundo Valente (1999) <ul><li>Não existe uma receita pronta: depende do contexto teórico, do estilo do professor e das limitações culturais e sociais que se apresentam em determinada situação. </li></ul><ul><li>Mas, o questionamento constante e a reflexão sobre os resultados do trabalho com o aluno podem ajudar a aprimorar a atuação do professor construcionista. </li></ul>
  46. 46. Referências bibliográficas <ul><li>ALMEIDA, Maria Elisabeth B. T. M. Pinto de. Informática e Educação – Diretrizes para uma formação reflexiva de professores. Faculdade de Educação PUC/SP, 1996. (Dissertação, Mestrado em Educação: Supervisão e Currículo) </li></ul><ul><li>FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia . Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1997. </li></ul><ul><li>MORAES, Maria Cândida de. O paradigma educacional emergente . Tese de doutorado - PUC/SP, 1996. </li></ul>
  47. 47. Referências bibliográficas <ul><li>RAMOS, Edla. Análise ergonômica do sistema hiperNet buscando o aprendizado da cooperação e da autonomia . Tese de doutorado – Programa de Pós-graduação em Engenharia da Produção da Universidade Federal de Santa Catarina, 1996. </li></ul><ul><li>VALENTE, José Armando. Informática na Educação no Brasil: análise e contextualização histórica . In VALENTE, José Armando (org.). O computador na sociedade do conhecimento . Coleção Informática para a mudança na Educação. Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação à distância, 1999. </li></ul>

×