Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

ApresentaçãO2 Susi

217 views

Published on

Published in: Technology, Travel
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

ApresentaçãO2 Susi

  1. 1. Agrupamento Vertical de Escolas Jacinto Correia – Lagoa<br />O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas EscolaresINTEGRAÇÃO DO PROCESSO DE AUTO-AVALIAÇÃO NA ESCOLA/AGRUPAMENTO A professora bibliotecária: Susana Frikh 15/11/2009<br />
  2. 2. Sumário<br /> - O Papel e MaisValias da Auto-avaliação da BE; <br /> - O Processo e o Necessário Envolvimento da Escola/Agrupamento; <br /> - A Relação com o Processo de Planeamento; <br /> - A Integração dos Resultados na Auto-avaliação da Escola;<br /> - Bibliografia.<br />
  3. 3. O Papel e Mais Valias da Auto-avaliação da BE<br />“As Bibliotecas enfrentam, neste novo contexto e na sua relação com a escola, novos desafios que obrigam à redefinição de práticas e a uma liderança e demonstração de valor que as integrem na estratégia de ensino/ aprendizagem da escola e nas práticas de alunos e professores.<br /> Um dos desafios actuais para a equipa é ultrapassar o modelo de biblioteca escolar centrado na oferta de um espaço equipado, a que é possível aceder e onde é possível aceder a um conjunto de equipamentos e de recursos de informação.” in texto da sessão <br />
  4. 4. O Papel e Mais valias da Auto-avaliação da BE <br />Para demonstrar a sua importância nas aprendizagens é necessário que a biblioteca:<br />- investigue os resultados da sua acção; - analise o sucesso e o impacto dos seus serviços; - preste contas à escola e todos os que estão ligados ao seu funcionamento do impacto das suas acções. <br />
  5. 5. O Papel e mais valias da auto-avaliação da BEA avaliação é também um elemento fundamental no processo de gestão da biblioteca porque permite: - Aferir a eficácia dos serviços que presta, identificando sucessos e insucessos, e as condicionantes da qualidade e eficiência do serviço;- Aferir o impacto que tem nas atitudes, comportamento e competências dos utilizadores;-Tomar decisões baseadas em evidências. <br />
  6. 6. O Papel e Mais Valias da Auto-avaliação da BE; <br />O Processo de auto-avaliação pretende :<br />- Ser um processo pedagógico e regulador, inerente à gestão e procura de uma melhoria contínua da BE; <br />- Avaliar a qualidade e eficácia da BE e não o desempenho individual do coordenador ou elementos da equipa da biblioteca; <br />- Ser capaz de mobilizar toda a escola, melhorando através da acção colectiva as possibilidades oferecidas pela BE; <br />- Não constitui um fim em si, devendo ser entendida como um processo que deverá conduzir à reflexão e deverá originar mudanças concretas na prática. <br />
  7. 7. O Papel e Mais Valias da Auto-Avaliação da BE <br />Objectivos da auto-avaliação: <br />Contribuir para a afirmação e reconhecimento do papel da BE na escola; <br />Determinar até que ponto a missão e os objectivos estabelecidos para a BE estão ou não a ser alcançados; <br />Identificar práticas que têm sucesso e que deverão continuar; <br />Identificar pontos fracos que importa melhorar. <br />
  8. 8. O Processo e o Necessário Envolvimento da Escola/ Agrupamento <br />O Processo de avaliação deve:<br /> - Abranger a diversidade de alunos da escola: os vários níveis de escolaridade, as várias origens/nacionalidades; rapazes e raparigas; alunos com necessidades educativas, etc. <br /> -Abranger a diversidade de professores da escola: dos diversos níveis de ensino, professores mais antigos na escola, professores recém-chegados, etc. <br />
  9. 9. O Processo e o Necessário Envolvimento da Escola/ Agrupamento<br />Envolvimento dos diferentes tipos de utilizadores <br />A avaliação da BE deve ser participada a nível da escola e ser conhecida e divulgada. <br />Professores: Divulgação, entrevistas, inquéritos, registos de observação. <br />Alunos: entrevistas, inquéritos, registos de observação <br />Conselho Pedagógico: Análise do relatório, recomendações.<br />Comunidade: divulgação dos resultados; sugestões .<br />
  10. 10. A Relação com o Processo dePlaneamento <br />O Programa da Biblioteca Escolar deve passar a estar integrado nos planos estratégicos e operacionais da escola e na visão e objectivos educativos da escola.<br />O papel do professor bibliotecário deve transitar de gestor da informação a interventor no percurso formativo e curricular dos alunos e no desenvolvimento curricular em cooperação com os professores. <br />
  11. 11. A Relação com o Processo de Planeamento<br />O Professor bibliotecário deve :<br />trabalhar no desenvolvimento das diferentes literacias, nomeadamente para as literacias digitais e para a Literacia da Informação, integrando e apoiando o desenvolvimento curricular;<br />planificar e trabalhar colaborativamente com os professores das diferentes disciplinas / níveis de ensino;<br />ter um papel activo no funcionamento e no sucesso (resultados) da escola que serve;<br />manter uma posição de inquirição constante acerca das práticas de gestão que desenvolve e do impacto que essas práticas têm na escola e no sucesso educativo dos alunos;<br />saber agir e ser líder, demonstrando o VALOR da BE através da demonstração de evidências e da comunicação contínua com os diferentes actores na escola.<br />
  12. 12. A Integração dos Resultados na Auto-Avaliação da Escola<br />Comunicação da informação obtida através do processo de avaliação, como agente de validação dos processos e das acções desenvolvidos e como impulsionadora dos serviços e da educação dos públicos para o papel da BE.<br />A avaliação da BE deve estabelecer ligações com a avaliação da escola.  <br />Do relatório de avaliação da BE deve transitar uma síntese que venha a integrar o relatório da escola. <br />A avaliação externa da escola pela Inspecção poderá, assim, avaliar o impacto da BE na escola, mencionando-a no relatório final de avaliação da escola. <br />
  13. 13. Bibliografia<br />- Texto da sessão, disponibilizado na Plataforma.<br />- Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares. Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares.<br />-Scott, Elspeth (2002) “Howgoodisyourschoollibraryresource centre? Anintrodution to performance measurement”. 68th IFLA CouncilandConferenceAugust.<br /> - McNicol, Sarah (2004) Incorporatinglibraryprovisioninschoolsel-evaluation. EducationalReview, 56 (3), 287-296.<br /> - Johnson, Doug (2005) “GettingtheMostfromYourSchoolLibrary Media Program”, Principal. Jan/Feb 2005.<br />

×