Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Texto MatemáTica Um Convite A DiscussãO

552 views

Published on

Matemática - Um convite à discussão.
Este texto nasceu com o objetivo principal de proporcionar aos amigos, professores e alunos, vontade de pesquisar livros sobre a história do fascinante mundo da matemática.
Talvez, assim agindo, eu consiga que tais pessoas sintam a necessidade de investigar disciplinas e elementos que constituem a estrutura matemática.
Espero contar com a boa vontade de todos.
Abraços.
prof.Odilthom ES Arrebbola.

Published in: Lifestyle, Technology, Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Texto MatemáTica Um Convite A DiscussãO

  1. 1. Matemática – Um convite à discussão. Representarei Matemática, Geometria, Números, Aritmética e Álgebra, personificando-as a seguir: Mat – criadora e criatura. A rainha das Ciências, conforme, o título do livro de Garbi (2007). Geom - o ancião. Pois, segundo Eves Howard(1992) em História da Geometria, cuja origem está em tempos remotos na Antigüidade e além do mais, suas primeiras considerações foram feitas nas observações do cotidiano(p.169); Num - o adulto. De origem primitiva, segundo Georges Ifrah em “Os números” (2001, p.341), na pré-história entalhados em ossos. Arit - o jovem. Álg - o adolescente. Em uma reunião, cuja finalidade era descutir a importância que cada um participantes têm no desenvolvimento das civilizações. O primeiro aparecer foi Geom, o ancião, logo, em seguida Num,o adulto, assim prosseguindo, vieram Arit, o jovem e Álg, o adolescente. Num como tinha outros afazeres , foi logo dizendo, o tempo que me resta, é pouco, mas, é suficente para deixar a seguinte pergunta: - Por quê todos me usam, calculando, somando ou subtraindo, multiplicando ou dividido, muitas vezes o dia todo, sem se dar conta de onde venho? ( baseada em o livro “Os números” de autoria de Ifrah ) Agora, deixo-os... pois, tenho de ir à origem de uma nova civilização, a fim de que, seus habitantes possam descobrir a Ciência Matemática. Celeremente partiu, se despidindo com um “até breve” . Como Geom, Arit e Álg, se achavam superiores, não deram muita “importância” à ausência de Num, porém, mais tarde, eles perceberam o quão é útil Num.
  2. 2. Pois, Num era capaz de através de seus algarismos ou dígitos em quantidade finita { 1,2,3,4,5,6,7,8,9,0 } criar conjuntos numéricos infinitos, dar às formas geometricas noções de grandezas, comensurabilidade e incomensurabilidade, sem esquecer a ordenação e a cardinalidade. Ainda, expandir as estruturas da Álgebra, tornando-as superior através de fundamentos da matemática e da álgebra discreta ou abstrata. Sempre de mãos dadas aos amigos diletos Geom - Arit e Álg. Geom, por herarquia, devido a idade avançada, esquecendo o mundo pós- moderno, séc. XXI, pegou seu instrumento primitivo – o “cajado”, pensando ainda, estar na Antigüidade, dizendo vamos a praia, onde lhes mostrarei minha importância. Como sempre, haveria de ter discordência. Arit e Álg, juntos em uníssono, chamaram Geom de arcaico, matusalém, utilizador de ferrementas de primitivas, ou seja, de “antanho”. Este de pronto, retrucou: “vejam minha importância na computação gráfica”, também sou moderno! Então, de comum acordo , os três se dirigiram ao computador. Álg, o adolescente, no afã de se mostrar, foi logo afirmando: - “Ah! Aqui estão guardados meus algoritmos e muito mais...Minha presença se faz sentir...!” Geo fingiu não escutar. E disse-lhe: - “Digites um ponto, Álg.” - “O que tu e Arit estais vendo? O que representa este ponto? Hum? Afoito, característica de adolescente, Álg disse: - “ Nada...apenas um “pixel”. Calmo, vagorosamente, Geom profere palavras acentuadamente...
  3. 3. Vamos fazer uma aproximação, usando termos modernos, isto é, dar um “zoom” e agora? Arit, talvez por ser adulto, estava mais acostumado a Geom. Além disso, era sabedor das intenções deste, então, pôs-se a falar; - “Essa questão é de fácil resposta, quaisquer que sejam os inquiridos, com certeza, virão que “...”, deu um tempo à reflexão, mesmo sabendo que estaria compromentando sua importância, continuou: - “É uma figura plana - uma circunferência ou um círculo”. Muito bem Árit!, exclamou Geom, todo “cheio de si”. - “És muito perspicaz, Arit!” Continou sua : - “De fato, é uma figura plana - uma circunferência ou um círculo, cuja representação, levou ao homem a idéia fantástica de sua maior invenção - a “RODA” , permitindo-lhe a dinâmica do deslocamento, com isso moveu o mundo. É este nunca mais foi ou será o mesmo.” Álg, não se contendo, furioso, retrucou: - “ Lembras-te , Geom, antes de tudo devemos ser imparcial, ... , tu estás elogiando Arit, simplesmente com a finalidade de serem duas opiniões favoráveis contra uma.” - “Assim não vale.” Todavia , Álg não se deu por vencido! Ainda bem... Sendo assim, expôs seus argumentos: - “A imagem deu-me a idéia de algo desconhecido, portanto, denominarei de incógnita ou variável e representá-la-ei por uma letra do alfabeto “x”. Logo, um círculo é um x.” - “Ah! Vocês estão achando que não estou presente na discussão, disse Arit.
  4. 4. Basta notar a suma importância de minha existência aí, com apenas um dos dígitos de nosso irmão-amigo Num, escolhido aleatoriamente, torno a discussão menos acalorada. - Vejam x = 1, círculo=1 mais um círculo=1 , a quê se têm? - Têm-se: 1=1 2 = 1 + 1 = 3 – 1 = 2.1 = 2/2 , assim sucessivamente, 3 = 1 + 1 + 1 = 4 - 1 = 3.1= 6 / 2 = 2 + 1, 4 = 1 + 1 + 1 + 1= 5 - 1 = 4.1 = 2² = 8/2 = 3 + 1 ... e usando manipulações de minhas operações usais, posso ser escrito infinitamente ...(baseando-me em Enzensberg,2006, p.15) Um certo silêncio sepulcral se faz sentir na reunião. E Arit prossegue: Puxa! Ainda bem que Num está ausente...temos que concordar que ele tinha razão... estou usando seus dígitos para me mostrar concretamente. Concordas comigo, Geom? E tu Álg?” Logicamente que sim, ambos responderam. Basta observar que inicialmente há um comprometimento entre os dois mais velhos em relação ao mais novo. Agora, Álg desconfiado da intenção dos dois Geom-Arit podiam ser um só, parte para ofensiva: - “ Se x = 1, então, isto é o mesmo que x – 1 = 0, logo, uma equação. Isto é o jeito de me comunicar. portanto minha linguagem.” -“Calma aí Álg!” diz Arit. - “Tu usaste-me, não percebes. Foram duas operações, minhas filhas, a adição e a subtração, x + (-1) = 1 - 1 .” Geom vendo que Arit estava ficando furioso, resolve acalmá-lo, pois hierarquicamente todos “O” respeitavam. Tenta convencê –lo e vai dizendo:
  5. 5. - “ Não se irrite Arit, isto será usado mais tarde do desenvolvimento da Matemática, a Criadora e a Criatura, com duas propriedades importantes a existência do oposto e do elemento neutro.” - “Cáspite! Ainda bem.” Falou em tom alto Arit , porém, pairava uma dúvida ... - “Só que não estou entendendo uma coisa. Nós não somos a Matemática?” - “Calma, Arit! Isto virá com o tempo”, diz Geom. Adolescente, contestador, Álg não se contém: - “Tu, Geom, estás tomando partido de Arit e isto não é bom para discussão.” Então, Geom fala: - “Não quero entrar no mérito da questão...” Com paciência e sabedoria, características adquirida ao longo caminho da vida, Geom volta a expressão e diz - “De fato, Álg, a linguação algébria tem sua característica na equação...todavia, se olhares melhor verás que a equação x - 1 = 0 representa uma reta perpendicular ao eixo dos “ x’s ”, paralela ao eixo dos “ y’s”. Como sabes , Retas e Perpendiculares são entes Geométricos.” E pensando em voz alta, deixa sair de sua boca as palavras seguinte: “ainda bem que existiu Euclides e seu livro “O elelmento”, só comparada à biblía quanto a leituras.” - “Estás muito convencida, Geom”, diz Álg. Isto etá realçada em tuas palavras. - “Tu, Geom estás apelando ao meu sentimento maternal, usando de uma de tuas filhas, a GA, geometria analítica, para comprovar tua existência. Assim, fica fácil. Mesmo que morras um dia, deixarás uma ramificação enorme. Basta notar que de tempo em tempo, aparece uma nova filha com a finalidade de contestar a sua filha anterior, assim, estão aí, suas inúmeras filhas não menos famosas, as badaladas irmãs, às vêzes, incompreendidas “geometria -
  6. 6. não euclidianas”( Gesf – geometria esférica, Ghip -geometria hiperbólica, Gtax – geometria do taxista,...). Porém, vejam Geom e Arit, caso eu faça em x – 1 = 0, o uso de três das quatro operações usuais da Arit, mais a quinta – potênciação, terei o binômio: ( x - 1 )² = 0² , então x² -2.1.x + 1² = 0, logo, x² -2x+1 = 0, uma equação do segundo grau, portanto, aí me verás, pois, há uma equação, cuja tradução sou Eu - a Álgebra. Como essa discussão, é longa e talvez eu...não consiga a inspiração para traduzí-la em palavras e nem tempo, despeço-me, esperando que tal brincadeira sirva de incentivo aos amigos, colegas, professores , alunos e ex- alunos. Incentivo à pesquisa de livros da História da Matemática. Termino com a sugestão bibliográfica, com colocação aleatória, conforme está na estante: 1. HOGBEN, Lancelot. “Maravilha da Matemática – influência e função da matemática nos conhecimentos humanos.” 4.ª edição. Tradução Paulo Moreira da Silva. Porto Alegre: 1956. (*) 2. MACMILLAN, Richardson. “Fundamentals of Mathematics.” 9th printing. New York: The Macmillan Co., 1952. 3. BOYER, Carl B. “História da Matemática.” 11.ª reimpressão. Tradução de Elza F. Gomide. São Paulo: Edgard Blücher, 1994. 4.IFRAH, Georges. “Os números – a história de uma grande invenção.” 10.ª edição. Tradução de Stella M. De Freitas Senra. São Paulo: Globo, 2001. 5. GUELLI, Oscar. “Contando a história da Matemática.” Coleção de 7 volumes. São Paulo: Ática, 1993. 6. ENZENBERGER, Hans Magnus. “O diabo dos números.” 12.ª reimpressão. Tradução de Sérgio Tellaroli. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
  7. 7. 7. ABDOUNUR, João Oscar. “Matemática e Música - O pensamento analógico na construção de significados.” 3.ª edição. São Paulo: Escrituras Editora, 2003. 8. COXFORD, Arthur F. E SHULTE, Albert P. “As idéias da Álgebra”. Traduzido por Hygino H. Domingues. São Paulo: Atual, 1995. 9.EUCLIDES. “O elementos.” Tradução e Introdução de Irineu Bicudo. São paulo: UNESP, 2009. 10. CONTADOR, Paulo R.Martins. “Matemática – uma breve história.” 2.ª edição. Obra em 3 volumes. São Paulo: Livraria da Física ,2006. 11. COURANT, Richard & ROBBINS, Herbet. “O que é Matemática?.” Tradução de Adalberto da Silva Brito. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2000. 12. CARVALHO, Luiz Mariano et al. “História e Tecnologia no Ensino da Matemática.” Volume II. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2008. 13. BERLINGOFF, Willian P. & GOUVÊA, Fernando Q. “ A matemática através dos tempos.” Traduzido por Elza F.Gomide e Helena Castro. São Paulo: Edgard Blücher, 2008. 14. MLODINOW, Leonard. “A janela de Euclides.” Tradução de Enézio de Almeida. São Paulo: Geração Editorial, 2005. 15.STEWART, Ian. “Almanaque das curiosidades matemáticas.” Tradução de Diego Alfaro.Rio de Janeiro: Zahar,2009. 16. PERELMANN, I. “ Aprenda Álgebra brincando.” Tradução de Milton da Silva Rodrigues. São Paulo: Hemus, 2001 17. GHARBI, Gilberto Geraldo. “A rainha das Ciências – um passeio histórico pelo maravilhoso mundo da Matemática.” São Paulo: Livraria da Física, 2007.
  8. 8. 18. GHARBI, Gilberto Geraldo. “O romance das Equações Algébricas.” 2.ª edição. São Paulo: Livraria da Física, 2007. 19. EVES, Howard. “Tópicos de História da Matemática para o uso em sala de aula - Geometria.” Volume 3. 7.ª reimpressão. Tradução de Hygino H. Domingues. São Paulo: Atual, 1992. 20. BAUMGART, John K. “Tópicos de História da Matemática para o uso em sala de aula - Álgebra.” Volume 4. 7.ª reimpressão. Tradução de Hygino H. Domingues. São Paulo: Atual, 1992. 21. BAUMGART, John K. “Tópicos de História da Matemática para o uso em sala de aula – Números e Numerais.” Volume 1. 7.ª reimpressão. Tradução de Hygino H. Domingues. São Paulo: Atual, 1992 (*) Destaque ao livro. Gosto tanto que é a segunda vez que “o” adquiro. A primeira foi em 1972, perdido ao ser emprestado...a pessoa não mais me devolveu...esquecimento, talvez? Em 2005, uma amiga professora , emprestou-me e eu o copiei...antes porém, fiz uma pesquisa em SEBO, mas não o encontrei, finalmente em 2008, tornei adquirí-lo através do SEBO...portanto, vejam o quão é valioso, o livro suparcitado. Odilthom ES Arrebola. Professor licenciado em Matemática.

×