Glicólise

89,802 views

Published on

Published in: Travel, Business
3 Comments
60 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
89,802
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3,546
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
3
Likes
60
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Glicólise

  1. 1. Glicólise: O que é? Desdobramento da glucose em ... 2 moléculas de piruvato - C 3 H 4 O 3
  2. 2. Glicólise <ul><li>A glicólise surge como um conjunto de reacções enzimáticas comuns à fermentação e à respiração , tendo como substrato inicial a glucose . </li></ul>
  3. 3. <ul><li>No entanto qualquer hidrato de carbono pode ser utilizado neste processo bioenergético. </li></ul>
  4. 4. Glicólise <ul><li>Compreende uma série de reacções catalizadas por enzimas, ao longo das quais uma molécula de glucose é decomposta em duas moléculas de piruvato , com formação de ATP . </li></ul>
  5. 5. Glicólise <ul><li>1 glucose </li></ul><ul><li>2 moléculas de ácido pirúvico </li></ul>
  6. 6. + energia armazenada em 2 moléculas de ATP <ul><li>ATP </li></ul><ul><li>ATP </li></ul>                                                                                   + 4 H + + energy stored in 2 ATP molecules                                                                                    + 4 H + + energy stored in 2 ATP molecules
  7. 7. 1ª etapa <ul><li>Para se iniciar a degradação da glucose é necessária a sua activação , que é feita pela energia fornecida pelo ATP , pelo que esta fase da glicólise também se chama fosforilação da glucose – 1ª etapa </li></ul>
  8. 8. 1ª etapa Glucose Glucose 6 P Frutose 6 P Frutose 1,6 bisfosfato ATP ATP ADP ADP
  9. 9. 2ª etapa <ul><li>Seguem-se uma série de reacções de oxi-redução, com intervenção do NAD, e de desfosforilação , formando-se no final quatro moléculas de ATP e duas de piruvato- 2ª etapa . </li></ul>
  10. 10. 2ª etapa Frutose 1,6 bisfosfato Di-hidroxiacetona fosfato Gliceraldeído 3 fosfato 1, 3 bisfosfoglicerato 1, 3 bisfosfoglicerato 3 fosfoglicerato 3 fosfoglicerato Fosfoenolpiruvato Fosfoenolpiruvato Piruvato Piruvato ATP ATP ADP ADP ADP ADP ATP ATP NAD + NADH + H + NAD + NADH + H + H 2 O H 2 O
  11. 11. <ul><li>Como a síntese de ATP resulta da desfosforilação de moléculas orgânicas, havendo transferência de grupos fosfato destas moléculas para o ADP, diz-se que o ATP se formou por fosforilação do ADP a nível do substrato </li></ul>
  12. 12. Fosforilação do ADP a nível do substrato Substrato X Composto de elevada energia ADP Composto y ATP
  13. 13. Fosforilação do ADP a nível do substrato
  14. 14. Glicólise <ul><li>Por cada molécula de glucose formam-se: </li></ul><ul><li>Duas moléculas de piruvato ou ácido pirúvico; </li></ul><ul><li>Duas moléculas de NADH; </li></ul><ul><li>Saldo de duas moléculas de ATP. </li></ul>
  15. 18. Na glicólise o saldo são 2 ATP
  16. 19. Equação geral da glicólise <ul><li>Glicose + 2ATP + 4ADP + 2Pi + 2NAD + </li></ul><ul><li>2 Piruvato + 2ADP + 4ATP + 2NADH + 2H + + 2H 2 O </li></ul>
  17. 20. Piruvato: que destino? <ul><li>É desdobrado em ácido láctico ou em etanol em anaerobiose. </li></ul><ul><li>E em aerobiose? </li></ul><ul><li>? </li></ul>
  18. 21. Redução do piruvato O destino do piruvato, produto final da glicólise, depende da organização celular e das condições do meio.
  19. 22. <ul><li>Quando a célula não pode utilizar o oxigénio como aceitador final de electrões, o piruvato é reduzido e transformado em produtos da fermentação. </li></ul><ul><li>Consoante o tipo de organismo, o piruvato é reduzido a etanol, com libertação de CO 2 ou a lactato. </li></ul>
  20. 23. Fermentação alcoólica <ul><li>Ocorre nas leveduras. </li></ul><ul><li>O ácido pirúvico é descarboxilado por uma descarboxilase, originando acetaldeído, que é seguidamente reduzido pelo NADH a etanol. </li></ul>
  21. 24. Glucose Frutose 1,6 bisfosfato 2 ATP 2 ADP Gliceraldeído 3 fosfato Gliceraldeído 3 fosfato Piruvato Piruvato acetaldeído acetaldeído etanol etanol 2 ATP 2 ATP 2 ADP 2 ADP NAD + NAD + NAD + NAD + NADH + H + NADH + H + CO 2 CO 2 Pi Pi
  22. 25. Nesta via fermentativa <ul><li>Qual é o último aceitador de electrões? </li></ul><ul><li>O que acontece ao piruvato formado na glicólise? </li></ul><ul><li>Ocorre a degradação completa da glucose? </li></ul><ul><li>Qual o rendimento energético? </li></ul>
  23. 26. Equação global da fermentação alcoólica <ul><li>Glucose + 2 Pi + 2 ADP 2 Etanol + 2 CO 2 + 2 ATP </li></ul><ul><li>C 6 H 12 O 6 C 2 H 5 OH </li></ul>
  24. 27. Fermentação láctica <ul><li>Na fermentação láctica, o ácido pirúvico é imediatamente reduzido a ácido láctico, sem sofrer qualquer descarboxilação. </li></ul><ul><li>Como produto final obtém-se duas moléculas de lactato e duas moléculas de ATP por molécula de glucose. </li></ul>
  25. 28. Glucose 2 ATP 2 ADP Frutose 1,6 bisfosfato Gliceraldeído 3 fosfato Gliceraldeído 3 fosfato 2 ATP 2 ATP 2 ADP 2 ADP Piruvato Piruvato Pi Pi NAD + NAD + NADH + H + NADH + H + NAD + NAD + lactato lactato
  26. 29. <ul><li>A via fermentativa em que o piruvato é transformado depende da existência ou da ausência da enzima descarboxilase no citoplasma. </li></ul><ul><li>A ausência de descarboxilase impede a descarboxilação do ácido pirúvico e este é directamente reduzido pelo NADH, formando-se ácido láctico. </li></ul>
  27. 30. Glucose 2 Piruvato 2 NAD + 2 NADH + 2H + 2 ATP 2 ADP Algumas bactérias e células musculares Leveduras 2 lactato 2 etanol 2 acetaldeído 2 NADH + 2H + 2 NAD + 2 NADH + 2H + 2 NAD + CO 2 Condições aeróbias fermentação

×