Mediunidade nas crianças

4,508 views

Published on

2 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
4,508
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
302
Actions
Shares
0
Downloads
210
Comments
2
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Mediunidade nas crianças

  1. 1. mediunidadenas crianças 1
  2. 2. mediunidade Quem é a criança 2
  3. 3. “O  que  é  nascido  da carne é carne,e o que é nascido do Espírito é Espírito.” JESUS – João 3:6.
  4. 4. “O  que  é  nascido  da carne é carne,e o que é nascido do Espírito é Espírito.” JESUS – João 3:6.
  5. 5. “Não  te  admires  de   eu te haver dito: Necessário vos é nascer  de  novo.” JESUS – João 3:7.
  6. 6. “Não  te  admires  de   eu te haver dito: Necessário vos é nascer  de  novo.” JESUS – João 3:7.
  7. 7. Dimensão espiritualCONTINUM Dimensão física
  8. 8. Dimensão espiritual Dimensão física
  9. 9. Dimensão espiritual Dimensão física
  10. 10. “O  vento  sopra  onde  quer, e ouves a sua voz; mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é  nascido  do  Espírito.” JESUS – João 3:8. 10
  11. 11. “O  vento  sopra  onde  quer, e ouves a sua voz; mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é  nascido  do  Espírito.” JESUS – João 3:8. 11
  12. 12. “Não  conheceis  o  que  a   inocência das crianças oculta. Não sabeis o que elas são, nem o que foram, nem o que serão.”Kardec, A. 1857. O Livro dos Espíritos. Tr. G. Ribeiro.Parte 2ª (Da volta do Espírito a vida corporal). Q. 385.
  13. 13. “Não  conheceis  o  que  a   inocência das crianças oculta. Não sabeis o que elas são, nem o que foram, nem o que serão.”Kardec, A. 1857. O Livro dos Espíritos. Tr. G. Ribeiro.Parte 2ª (Da volta do Espírito a vida corporal). Q. 385.
  14. 14. “As  crianças  são  os  seres  que   Deus manda a novasexistências e [...] dá-lhes todosos aspectos da inocência. Aindaquando se trata de uma criança de maus pendores, suas más ações são cobertas com a túnica da inocência.”Kardec, A. 1857. O Livro dos Espíritos. Questão 385.
  15. 15. “As  crianças  são  os  seres  que   Deus manda a novasexistências e [...] dá-lhes todosos aspectos da inocência. Aindaquando se trata de uma criança de maus pendores, suas más ações são cobertas com a túnica da inocência.”Kardec, A. 1857. O Livro dos Espíritos. Questão 385.
  16. 16. O período infantil é o mais importante para a tarefa educativa? Xavier, F.C. (Emmanuel, Espírito).1940. O consolador. Primeira parte (Ciência). Questão 109.
  17. 17. É o mais sério e mais propício à assimilação dos princípios educativos.Xavier, F.C. (Emmanuel, Espírito).1940. O consolador. Primeira parte (Ciência). Questão 109.
  18. 18. “A  delicadeza  da  idade   infantil os torna brandos, acessíveis aos conselhos da experiência e dos que devam fazê-los progredir.Nessa fase é que se lhes pode reformar o caráter e reprimir os maus pendores.”Kardec, A. 1857. O Livro dos Espíritos. Tr. G. Ribeiro. 18Parte 2ª (Da volta do Espírito a vida corporal). Q. 385.
  19. 19. “Ó  espíritas!  Compreendei agora o grande papel da Humanidade;” Kardec, A. 1864. (Santo Agostinho). O Evangelho segundo oespiritismo. Trad. G. Ribeiro. Cap. XIV (Honrai...). Item 9. § 5º. 19
  20. 20. “compreendei  que,   quando produzis umcorpo, a alma que neleencarna vem do espaço para  progredir;” Kardec, A. 1864. (Santo Agostinho). O Evangelho segundo oespiritismo. Trad. G. Ribeiro. Cap. XIV (Honrai...). Item 9. § 5º. 20
  21. 21. “inteirai-vos dos vossos deveres e ponde todo o vosso amor em aproximar de Deus essa alma;” Kardec, A. 1864. (Santo Agostinho). O Evangelho segundo oespiritismo. Trad. G. Ribeiro. Cap. XIV (Honrai...). Item 9. § 5º. 21
  22. 22. “tal  a  missão  que  vos   está confiada e cuja recompensa recebereis, se fielmente a cumprirdes.” Kardec, A. 1864. (Santo Agostinho). O Evangelho segundo oespiritismo. Trad. G. Ribeiro. Cap. XIV (Honrai...). Item 9. § 5º. 22
  23. 23. mediunidadeConceitos básicos 23
  24. 24. “[...]  A mediunidade éinerente a uma disposiçãoorgânica, de que qualquer homem pode ser dotado, como da de ver, de ouvir, de falar.”Kardec, A. 1864. O Evangelho segundo o espiritismo. Trad. G. Ribeiro. Cap. XXIV (Não ponhais a candeia...). Item 12. §243º.
  25. 25. “É  apenas  uma   aptidão para servirde instrumento maisou menos dúctil aosEspíritos,  em  geral.”Kardec, A. 1864. O Evangelho segundo o espiritismo. Trad. G. Ribeiro. Cap. XXIV (Não ponhais a candeia...). Item 12. §256º.
  26. 26. “Essa  faculdade éinerente ao homem; não constitui, portanto, umprivilégio exclusivo.”Kardec, A. 1861. O livro dos médiuns. Tradução Guillon Ribeiro. Cap. XIV (Dos médiuns). Item 159. 26
  27. 27. “Todo aquele que sente, num grauqualquer, a influência dos Espíritos é, por esse fato, médium.” Kardec, A. 1861. O livro dos médiuns. Tradução Guillon Ribeiro. Cap. XIV (Dos médiuns). Item 159. 27
  28. 28. “Por  isso mesmo,raras são as pessoas que dela não possuam alguns rudimentos.” Kardec, A. 1861. O livro dos médiuns. Tradução Guillon 28 Ribeiro. Cap. XIV (Dos médiuns). Item 159.
  29. 29. mediunidade Quando surge nascrianças: como proceder
  30. 30. Haverá inconveniente em desenvolver-se a mediunidade nas crianças?Kardec, A. 1861. O livro dos médiuns. Trad. G. Ribeiro. Cap. 30XVIII (Dos inconvenientes e perigos da...). Item 221. Q. 6ª.
  31. 31. “Certamente,  e  sustento   mesmo que é muito perigoso, pois que esses organismos débeis edelicados sofreriam por esta forma  grandes  abalos...”Kardec, A. 1861. O livro dos médiuns. Trad. G. Ribeiro. Cap.XVIII (Dos inconvenientes e perigos da...). Item 221. Q. 6ª. 31
  32. 32. ...as respectivas imaginações, excessiva sobre- excitação.”Kardec, A. 1861. O livro dos médiuns. Trad. G. Ribeiro. Cap.XVIII (Dos inconvenientes e perigos da...). Item 221. Q. 6ª. 32
  33. 33. “Quando a criança respira,começa o Espírito a recobrar as faculdades, que se desenvolvem à proporçãoque se formam e consolidam os órgãos que lhes hão de servir às  manifestações.”Kardec, A. 1868. A gênese. Trad. G. Ribeiro. Cap. XI (Gênese espiritual). Item 20 (Encarnação dos Espíritos). 33
  34. 34. “Até  aos sete anos, o Espírito ainda se encontra em fase de adaptação para a nova existência que lhe compete no mundo. Nessa idade, ainda não existe uma integração perfeita entre ele e a matéria orgânica.” Xavier, F.C. (Emmanuel, Espírito).1940. O consolador. Primeira parte (Ciência). Questão 109. 34
  35. 35. “Suas  recordações doplano espiritual são, por isso,mais vivas  [...].”Xavier, F.C. (Emmanuel, Espírito).1940. O consolador. Primeira parte (Ciência). Questão 109. 35
  36. 36. “[...]  a  criança,  que  tem   visões não se impressionacom estas, que lhe parecem coisa naturalíssima, a que dá muito pouca atenção e quase  sempre  esquece.”Kardec, A. 1861. O livro dos médiuns. Trad. G. Ribeiro. Cap.XVIII (Dos inconvenientes e perigos da...). Item 221. Q. 7ª. 36
  37. 37. Trecho do filme“E  se  fosse  verdade” 37
  38. 38. “Assim,  os  pais  prudentes   devem afastá-las dessas ideias, ou, quando nada, não lhes falar do assunto, senão do ponto de vista das consequências morais.”Kardec, A. 1861. O livro dos médiuns. Trad. G. Ribeiro. Cap.XVIII (Dos inconvenientes e perigos da...). Item 221. Q. 6ª. 38
  39. 39. Há, no entanto, crianças que são médiuns naturalmente [...].Apresenta isto o mesmo inconveniente?Kardec, A. 1861. O livro dos médiuns. Trad. G. Ribeiro. Cap.XVIII (Dos inconvenientes e perigos da...). Item 221. Q. 7ª. 39
  40. 40. “Não;  quando  numa   criança a faculdade se mostra espontânea, é que está na sua natureza e que a sua constituição se  presta  a  isso.”Kardec, A. 1861. O livro dos médiuns. Trad. G. Ribeiro. Cap.XVIII (Dos inconvenientes e perigos da...). Item 221. Q. 7ª. 40
  41. 41. Trecho do seriado “Chico  Xavier” 41
  42. 42. Em que idade se pode ocupar, seminconvenientes, da mediunidade?Kardec, A. 1861. O livro dos médiuns. Trad. G. Ribeiro. Cap.XVIII (Dos inconvenientes e perigos da...). Item 221. Q. 8ª. 42
  43. 43. “Não  há  idade  precisa,   tudo dependendo inteiramente dodesenvolvimento físico e, ainda mais, dodesenvolvimento moral.”Kardec, A. 1861. O livro dos médiuns. Trad. G. Ribeiro. Cap.XVIII (Dos inconvenientes e perigos da...). Item 221. Q. 8ª. 43
  44. 44. “Há  crianças  de  doze  anos a quem tal coisa afetará menos do que a algumas pessoas  já  feitas.”Kardec, A. 1861. O livro dos médiuns. Trad. G. Ribeiro. Cap.XVIII (Dos inconvenientes e perigos da...). Item 221. Q. 8ª. 44
  45. 45. Yvonne do Amaral Pereira(24/12/1900 – 9/3/1984) 13 anos 45
  46. 46. Francisco Cândido Xavier(2/4/1910 – 30/6/2002) 17 anos 46
  47. 47. Divaldo Pereira Franco (5/05/1927) 16 anos 47
  48. 48. José Raul Teixeira (7/10/1949) 17 anos 48
  49. 49. SOFRIMENTOS E PRECAUÇÕES 49
  50. 50. Trecho do seriado “Chico  Xavier” 50
  51. 51. “A  prática  do  Espiritismo [...] demanda muito tato, para a inutilização de tramas dos Espíritos enganadores.”Kardec, A. 1861. O livro dos médiuns. Trad. G. Ribeiro. Cap. XVIII (Dos inconvenientes e perigos da...). Item 222. 51
  52. 52. “Se  estes  iludem  a   homens feitos, claro é que a infância e ajuventude mais expostas se acham a ser vítimas deles.”Kardec, A. 1861. O livro dos médiuns. Trad. G. Ribeiro. Cap. XVIII (Dos inconvenientes e perigos da...). Item 222. 52
  53. 53. “Sabe-se, além disso,que o recolhimento é uma condição sem aqual não se pode lidarcom  Espíritos  sérios.”Kardec, A. 1861. O livro dos médiuns. Trad. G. Ribeiro. Cap. XVIII (Dos inconvenientes e perigos da...). Item 222. 53
  54. 54. “[...]  a  questão  de  idade   está subordinada às circunstâncias, assim de temperamento, como de  caráter.”Kardec, A. 1861. O livro dos médiuns. Trad. G. Ribeiro. Cap. XVIII (Dos inconvenientes e perigos da...). Item 222. 54
  55. 55. “Foge  também daspaixões da mocidade, e segue a justiça, a fé, oamor, a paz com os que, de coração puro, invocam o Senhor.” Paulo a Timóteo II:22. 55
  56. 56. Caso Yvonne “Yvonne:  faculdade  nativa.”Pereira, Yvonne A. 1966. Recordações da mediunidade. Cap.  “Faculdade  nativa”;   “Reminiscências  de  vidas  passadas”.Pereira, Yvonne A (Camilo, Espírito). 1955. Memórias de um suicida. Cap.  “Nossos   amigos – os  discípulos  de  Allan  Kardec”.
  57. 57. reflexão
  58. 58. “Tudo  tem  seu  tempo determinado, e há tempo para todo propósito debaixo  do  céu.” Eclesiastes 3:1. 58

×