Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Faculdade Projeção Curso de Geografia Disciplina: Geoprocessamento Introdução ao SR
Objetivos <ul><li>Definir Sensoriamento Remoto (SR) </li></ul><ul><li>Definir imagem digital e seu menor elemento de forma...
SUMÁRIO   <ul><li>Introdução </li></ul><ul><ul><li>Definições </li></ul></ul><ul><ul><li>Histórico; </li></ul></ul><ul><ul...
O QUE É SENSORIAMENTO REMOTO <ul><ul><li>É a tecnologia que permite a aquisição de informações sobre os objetos sem contat...
O QUE É SENSORIAMENTO REMOTO <ul><ul><li>É a utilização de sensores para a aquisição de informações sobre objetos ou fenôm...
O QUE É SENSORIAMENTO REMOTO <ul><ul><li>É a ciência de derivar informações a respeito de um objeto a partir de medidas fe...
O QUE É SENSORIAMENTO REMOTO <ul><ul><li>É a ciência e a arte de obter informação sobre um objeto, área ou fenômeno atravé...
O QUE É SENSORIAMENTO REMOTO <ul><ul><li>Fussel et al., 1986: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>aquisição, coleta ou registro...
DEFINIÇÃO DE SENSORIAMENTO  REMOTO <ul><li>Definição Clássica de Sensoriamento Remoto </li></ul><ul><li>Conjunto de técnic...
DEFINIÇÃO  CIENTÍFICA  DE SENSORIAMENTO REMOTO (...SEM QUE HAJA UM CONTATO FÍSICO DO SENSOR COM O OBJETO)   <ul><li>Exigên...
OS  DIVERSOS SISTEMAS DE SENSORIAMENTO REMOTO <ul><li>1. FONTES REM </li></ul><ul><li>SOL   REFLECTÂNCIA </li></ul><ul><li...
IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO visível infravermelho terma l radar
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO <ul><li>Em geral, costuma-se dividir a história do sensoriamento remoto em duas fases pr...
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO <ul><li>FOTOGRAFIAS AÉREAS </li></ul>
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO <ul><li>A primeira fotografia,tirada pelo francês Joseph Nicephore Niepce em 1827. A exp...
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Louis Jacques Mande Daguerre
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Capitólio, 1846. Abraham Lincoln, 1864.
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO A primeira fotografia aérea conhecida foi obtida por Gaspard Felix Tournachon de um balã...
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Balão  Intrepid Intrepid   usado durante a batalha  Fair of Oaks  por ocasião da Guerra ...
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Em 1903, Julius Neubronner patenteou uma câmara para pombos correios que pesava 70 g.
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO 1ª Guerra Mundial Reconhecimento fotográfico aéreo Trincheiras na 1ª G.M.
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO 2ª Guerra Mundial
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO 2ª Guerra Mundial Base de lançamento de mísseis em Pennemunde,  na Alemanha
 
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Equipamento Fotogramétrico  Boeing B-29 Bikini Atoll
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO U-2 San Cristobal, Cuba 14 DE OUTUBRO DE 1962
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Lockheed SR-71 avião de reconhecimento.  Pode voar a mais do que 21.000m acima do nível ...
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO <ul><li>Satélites </li></ul>
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Primeiros Programas-Satélites •  CORONA: EUA •  ZENIT: URSS Objetivos: 1) Obter informaç...
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Câmera CORONA (1960)
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Primeiros Satélites Meteorológicos TIROS 1960 Fotografia do satélite TIROS 7, 1963
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Primeiro Satélite Imageador de Recursos Naturais (1972) Lançamento da série Landsat, cha...
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO <ul><li>ERTS-1 (LandSat 1)  </li></ul><ul><ul><li>Baseado na plataforma Nimbus (Meteorol...
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Desenvolvimento Tecnológico TIROS 1960 US V-2 1947 Landsat  1972 Landsat  1974 - 1999 SP...
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO “ Congestionamento Espacial” O espaço está ficando congestionado com as trajetórias dos ...
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO
HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO
 
 
 
 
Eletronuclear Nuclear de Angra dos Reis
Eletronuclear Nuclear de Angra dos Reis ANGRA 2 ANGRA 1
ESTACIONAMENTO
DEPÓSITO DE LIXO ATÔMICO
Dados: Raster x Vetoriais
RASTER   <ul><li>Um arquivo raster é criado por uma série de pontos, chamados &quot;Pixels&quot; organizados em linhas e c...
Imagens Raster
RASTER   Um outro conceito associado a imagens raster é RESOLUÇÃO.  O padrão internacional para se medir o grau de perfeiç...
Dados Vetoriais <ul><li>Vetores são entidades definidas matematicamente como uma série de pontos unidos por linhas. Cada v...
<ul><li>Inicialmente, todos os arquivos scanneados estão no formato raster.  </li></ul>VETORIZAÇÃO é o processo de convers...
Arquivo Raster VETORIZAÇÃO
Arquivo Vetorial
Imagem digital SENSOR ÓPTICO IMAGEM MATRIZ  DE  PIXELS
Definição “Pixel” Abreviação do termo em inglês  Picture x Element , usado como escala básica ou unidade de medida para se...
TRATAMENTO DE IMAGENS CLASSIFICAÇÃO GEORREFERENCIAMENTO FILTRAGEM IMAGEM ORIGINAL SEGMENTAÇÃO REALCE DE CONTRASTE
Aplicações do  SR
Prospecção mineral e de petróleo; Cartografia; Planejamento e monitoramento do uso do solo; Manejo de pastagens e floresta...
Imagens Landsat  - Desmatamento na Amazônia (1975 - 1986)
1991  -  Incêndio nos Campos de Petróleo do Kwait  (Landsat TM5)
Cheia do Rio Mississipi – Landsat TM5
Fonte: Clark  et al.  1995 Imagem AVIRIS
Imagem ASTER Manaus, 7 a 18 de Janeiro de 2008 Azul: kaolinita, Vermelho: alunita, Verde claro: calcita, Verde escuro: alu...
NECESSIDADES CARTOGRÁFICAS
ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA Ações policiais Ações estratégicas Ações táticas
CONCLUSÃO
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Geoprocessamento

  • Login to see the comments

Geoprocessamento

  1. 1. Faculdade Projeção Curso de Geografia Disciplina: Geoprocessamento Introdução ao SR
  2. 2. Objetivos <ul><li>Definir Sensoriamento Remoto (SR) </li></ul><ul><li>Definir imagem digital e seu menor elemento de formação (pixel) </li></ul><ul><li>Descrever as diversas aplicações do SR </li></ul><ul><li>Diferenciar absorção, reflexão, emissão e transmissão de energia eletromagnética </li></ul>
  3. 3. SUMÁRIO <ul><li>Introdução </li></ul><ul><ul><li>Definições </li></ul></ul><ul><ul><li>Histórico; </li></ul></ul><ul><ul><li>Conceitos básicos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Arquivos Raster x Vetoriais; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aplicações do SR; </li></ul></ul><ul><ul><li>Interações da energia eletromagnética (absorção, reflexão, emissão e transmissão de energia eletromagnética); </li></ul></ul><ul><li>Conclusão. </li></ul>
  4. 4. O QUE É SENSORIAMENTO REMOTO <ul><ul><li>É a tecnologia que permite a aquisição de informações sobre os objetos sem contato físico com eles. </li></ul></ul><ul><ul><li>Definição muito ampla </li></ul></ul><ul><ul><li>Desta forma, poder-se-ia considerar, por exemplo, um telescópio como instrumento sensor. </li></ul></ul><ul><ul><li>O ser humano não deve ser parte essencial do processo de detecção e registro dos dados. </li></ul></ul>
  5. 5. O QUE É SENSORIAMENTO REMOTO <ul><ul><li>É a utilização de sensores para a aquisição de informações sobre objetos ou fenômenos sem que haja contato direto entre eles. </li></ul></ul><ul><ul><li>Transferência de dados do objeto para o sensor feita através de energia : </li></ul></ul><ul><ul><li>Energia acústica (sonares, sismógrafos, etc...); </li></ul></ul><ul><ul><li>Energia gravitacional (gravímetros); </li></ul></ul><ul><ul><li>energia eletromagnética (radiômetros). </li></ul></ul>
  6. 6. O QUE É SENSORIAMENTO REMOTO <ul><ul><li>É a ciência de derivar informações a respeito de um objeto a partir de medidas feitas a distância, sem entrar em contato com o mesmo (Schowengerdt, 1983) </li></ul></ul>
  7. 7. O QUE É SENSORIAMENTO REMOTO <ul><ul><li>É a ciência e a arte de obter informação sobre um objeto, área ou fenômeno através da análise de dados adquiridos por um instrumento que não está em contato com o objeto, área ou fenômeno sob investigação (Lillesand and Kiefer, 1994) </li></ul></ul>
  8. 8. O QUE É SENSORIAMENTO REMOTO <ul><ul><li>Fussel et al., 1986: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>aquisição, coleta ou registro sem necessidade de entrar em contato com o objeto; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Utilização de regiões do espectro eletromagnético (tipicamente, mas não exclusivamente); </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Uso de instrumentos localizados em plataformas móveis; e </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>transformação simbólica dos dados coletados por meio de técnicas de interpretação e/ou técnicas de reconhecimento de padrões utilizando computadores. </li></ul></ul></ul>
  9. 9. DEFINIÇÃO DE SENSORIAMENTO REMOTO <ul><li>Definição Clássica de Sensoriamento Remoto </li></ul><ul><li>Conjunto de técnicas relacionadas à aquisição, processamento, análise e interpretação de imagens obtidas de qualquer objeto ou fenômeno da superfície terrestre, ou mesmo planetária, sem que haja um contato físico de qualquer espécie entre o sensor e o objeto . </li></ul>
  10. 10. DEFINIÇÃO CIENTÍFICA DE SENSORIAMENTO REMOTO (...SEM QUE HAJA UM CONTATO FÍSICO DO SENSOR COM O OBJETO) <ul><li>Exigência ausência de matéria no espaço entre o objeto e o sensor </li></ul><ul><li>Consequência a informação sobre o objeto é possível de ser transportada pelo espaço vazio </li></ul><ul><li>Processo o elo de comunicação entre o objeto e o sensor é a Radiação Eletromagnética , a única forma de energia capaz de trafegar pelo vácuo </li></ul><ul><li>Definição Científica </li></ul><ul><li>SENSORIAMENTO REMOTO É UMA TÉCNICA CIENTÍFICA QUE MEDE A TROCA DE INTERAÇÃO ENERGÉTICA DA RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA COM OS MATERIAIS TERRESTRES </li></ul>
  11. 11. OS DIVERSOS SISTEMAS DE SENSORIAMENTO REMOTO <ul><li>1. FONTES REM </li></ul><ul><li>SOL REFLECTÂNCIA </li></ul><ul><li>TERRA EMITÂNCIA </li></ul><ul><li>ANTENA EMISSÃO PULSO REM </li></ul><ul><li>2. ALVOS TERRESTRES </li></ul><ul><li>REFLETEM </li></ul><ul><li>EMITEM </li></ul><ul><li>RETROESPALHAM </li></ul><ul><li>3. ATMOSFERA </li></ul><ul><li>ABSORVE E ESPALHA </li></ul><ul><li>4. PLATATORMAS </li></ul><ul><li>SATÉLITE E AERONAVES </li></ul><ul><li>5. SENSORES </li></ul><ul><li>ÓPTICOS, TERMAIS </li></ul><ul><li> MICROONDAS </li></ul>sensor passivo fonte natural Sol sensor ativo fonte artificial Antena fonte natural Terra reflectância emitância retroespalhamento
  12. 12. IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO visível infravermelho terma l radar
  13. 13. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO <ul><li>Em geral, costuma-se dividir a história do sensoriamento remoto em duas fases principais, segundo o uso de sistemas sensores: </li></ul><ul><ul><li>de 1860 a 1960 - baseado em fotografias aéreas </li></ul></ul><ul><ul><li>de 1960 até o presente - baseado em múltiplos sensores </li></ul></ul>
  14. 14. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO <ul><li>FOTOGRAFIAS AÉREAS </li></ul>
  15. 15. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO <ul><li>A primeira fotografia,tirada pelo francês Joseph Nicephore Niepce em 1827. A exposição durou 8 horas. </li></ul>
  16. 16. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Louis Jacques Mande Daguerre
  17. 17. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Capitólio, 1846. Abraham Lincoln, 1864.
  18. 18. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO A primeira fotografia aérea conhecida foi obtida por Gaspard Felix Tournachon de um balão a 1.700 pés sobre Paris, em 1858.
  19. 19. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Balão Intrepid Intrepid usado durante a batalha Fair of Oaks por ocasião da Guerra Civil Americana em 1 de Junho de 1862.
  20. 20. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Em 1903, Julius Neubronner patenteou uma câmara para pombos correios que pesava 70 g.
  21. 21. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO 1ª Guerra Mundial Reconhecimento fotográfico aéreo Trincheiras na 1ª G.M.
  22. 22. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO 2ª Guerra Mundial
  23. 23. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO 2ª Guerra Mundial Base de lançamento de mísseis em Pennemunde, na Alemanha
  24. 25. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Equipamento Fotogramétrico Boeing B-29 Bikini Atoll
  25. 26. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO U-2 San Cristobal, Cuba 14 DE OUTUBRO DE 1962
  26. 27. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Lockheed SR-71 avião de reconhecimento. Pode voar a mais do que 21.000m acima do nível do mar e atingir velocidade maior do que 3200 Km/h SR-71
  27. 28. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO <ul><li>Satélites </li></ul>
  28. 29. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO
  29. 30. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Primeiros Programas-Satélites • CORONA: EUA • ZENIT: URSS Objetivos: 1) Obter informações sobre o território inimigo; 2) Comunicações 3) Interceptar informações do inimigo 4) Espionagem
  30. 31. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Câmera CORONA (1960)
  31. 32. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Primeiros Satélites Meteorológicos TIROS 1960 Fotografia do satélite TIROS 7, 1963
  32. 33. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Primeiro Satélite Imageador de Recursos Naturais (1972) Lançamento da série Landsat, chamado Earth Resources Technology Satellite ( ERTS-1)
  33. 34. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO <ul><li>ERTS-1 (LandSat 1) </li></ul><ul><ul><li>Baseado na plataforma Nimbus (Meteorológico) </li></ul></ul><ul><ul><li>Essa estrutura foi utilizada ainda nos LandSat 2 e 3 </li></ul></ul><ul><ul><li>A partir do LanSat 4 foi desenvolvida uma estrutura própria </li></ul></ul>
  34. 35. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO Desenvolvimento Tecnológico TIROS 1960 US V-2 1947 Landsat 1972 Landsat 1974 - 1999 SPOT 1986 - 1999 Ikonos 1999 QuickBird 2001 World View 2006 Linha do Tempo
  35. 36. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO “ Congestionamento Espacial” O espaço está ficando congestionado com as trajetórias dos inúmeros objetos espaciais em órbita. Uma maneira de administrar a sucata espacial é mandar foguetes e satélites obsoletos para “órbitas-cemitérios”, além de suas posições originais. A maior parte dos objetos grandes o bastante para serem detectados por radares orbita a Terra além do alcance de ônibus espaciais e da estação espacial. Mas, em várias regiões, eles ameaçam os satélites.
  36. 37. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO
  37. 38. HISTÓRICO DO SENSORIAMENTO REMOTO
  38. 43. Eletronuclear Nuclear de Angra dos Reis
  39. 44. Eletronuclear Nuclear de Angra dos Reis ANGRA 2 ANGRA 1
  40. 45. ESTACIONAMENTO
  41. 46. DEPÓSITO DE LIXO ATÔMICO
  42. 47. Dados: Raster x Vetoriais
  43. 48. RASTER <ul><li>Um arquivo raster é criado por uma série de pontos, chamados &quot;Pixels&quot; organizados em linhas e colunas. Um scanner captura uma imagem atribuindo uma linha, uma coluna e um valor de cor (branco e preto, escala de cinza ou cor) a cada ponto. </li></ul><ul><li>Como um arquivo raster é criado por uma série de pontos independentes, ele é essencialmente um arquivo &quot;burro&quot;. É uma &quot;fotografia&quot; do documento. </li></ul>
  44. 49. Imagens Raster
  45. 50. RASTER Um outro conceito associado a imagens raster é RESOLUÇÃO. O padrão internacional para se medir o grau de perfeição de uma imagem raster é dizer com quantos PONTOS-POR-POLEGADA (em Inglês dots-per-inch ou DPI) a imagem foi gerada. Isto significa que uma digitalização de 300 DPI tem 90.000 pontos (ou pixels) por polegada quadrada. 1” = 2,54 cm
  46. 51. Dados Vetoriais <ul><li>Vetores são entidades definidas matematicamente como uma série de pontos unidos por linhas. Cada vetor é uma entidade independente com propriedades como cor, forma, contorno, tamanho e posição na tela, incluídas na sua definição. </li></ul>Linha Polígono Ponto
  47. 52. <ul><li>Inicialmente, todos os arquivos scanneados estão no formato raster. </li></ul>VETORIZAÇÃO é o processo de conversão de arquivos raster em arquivos vetoriais. Arquivo Raster Arquivo Vetorial VETORIZAÇÃO
  48. 53. Arquivo Raster VETORIZAÇÃO
  49. 54. Arquivo Vetorial
  50. 55. Imagem digital SENSOR ÓPTICO IMAGEM MATRIZ DE PIXELS
  51. 56. Definição “Pixel” Abreviação do termo em inglês Picture x Element , usado como escala básica ou unidade de medida para se dimensionar altura, largura e definição de uma imagem. Pixel
  52. 57. TRATAMENTO DE IMAGENS CLASSIFICAÇÃO GEORREFERENCIAMENTO FILTRAGEM IMAGEM ORIGINAL SEGMENTAÇÃO REALCE DE CONTRASTE
  53. 58. Aplicações do SR
  54. 59. Prospecção mineral e de petróleo; Cartografia; Planejamento e monitoramento do uso do solo; Manejo de pastagens e florestas; Agricultura; Recursos hídricos; Controle de poluição; Monitoramento ambiental; etc.
  55. 60. Imagens Landsat - Desmatamento na Amazônia (1975 - 1986)
  56. 61. 1991 - Incêndio nos Campos de Petróleo do Kwait (Landsat TM5)
  57. 62. Cheia do Rio Mississipi – Landsat TM5
  58. 63. Fonte: Clark et al. 1995 Imagem AVIRIS
  59. 64. Imagem ASTER Manaus, 7 a 18 de Janeiro de 2008 Azul: kaolinita, Vermelho: alunita, Verde claro: calcita, Verde escuro: alunita+kaolinita, Ciano: montmorillonita, etc.
  60. 65. NECESSIDADES CARTOGRÁFICAS
  61. 66. ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA Ações policiais Ações estratégicas Ações táticas
  62. 67. CONCLUSÃO

×