Vagrant + Puppet

8,688 views

Published on

Uma breve introdução ao Vagrant e ao Puppet, duas ferramentas livres que podem ajudá-lo a manter seu ambiente de desenvolvimento sob controle.

Published in: Technology

Vagrant + Puppet

  1. 1. Junho/2014
  2. 2. Gustavo Chaves about.me/gnustavo
  3. 3. Como é o seu ambiente pessoal de testes? ● Servidor compartilhado, sua máquina ou VM? ● O setup é automático? ○ Existe, pelo menos, um procedimento? ○ Quanto demora? ● O ambiente é padronizado? Quanto? ○ Sistema Operacional (Linux, Windows, Mac?) Plataforma (Java, Python, Ruby, Perl?) Servidor de Aplicação (JBoss, Tomcat, Jetty, php-fpm?) Banco de Dados (H2, MySQL, PostgreSQL, Oracle?) … ○ eu perguntei das versões?
  4. 4. Como você usa o seu ambiente de testes? ● Como copiar os artefatos entre os ambientes? ○ scp, rsync, wget, JRebel, …? ● Quão “confortável” é trabalhar no ambiente de testes? ○ Tem que usar “vi” pra editar os arquivos? :-) ● Dá pra fazer rollback pra recomeçar os testes?
  5. 5. E a gestão de configuração? ● O seu ambiente é “igual” ao de produção? Mas na minha máquina funciona... ● O ambiente é único para todos os projetos? ● E para os projetos antigos?
  6. 6. http://vagrantup.com Vagrant
  7. 7. O que você precisa instalar? vagrantup.com/downloads.html virtualbox.org/wiki/Downloads
  8. 8. Vagrant Boxes & Providers ● Um box é um arquivo contendo a imagem básica de uma VM que será gerenciada pelo Vagrant. ● Cada box é específico para um provider. ○ VirtualBox, VMWare, Hyper-V, AWS, Docker, ... ● Um box pode conter qualquer sistema operacional. ● Use e boxes públicos do VagrantCloud.com e publique seus próprios boxes.
  9. 9. Vagrant Command Line Interface
  10. 10. Vagrant init & Vagrantfile
  11. 11. Vagrant status
  12. 12. not created running poweroff Vagrant status saved vagrant up vagrant suspend vagrant up vagrant halt vagrant halt vagrant destroy
  13. 13. Vagrant up
  14. 14. Vagrant ssh
  15. 15. Vagrant suspend
  16. 16. Vagrant halt
  17. 17. Vagrant destroy
  18. 18. Synchronized folders ● Por default o diretório do host onde fica o Vagrantfile é “montado” na VM em /vagrant. ○ Útil para acelerar o ciclo de testes das aplicações, pois o diretório do projeto é visível pela VM. ● config.vm.synced_folder "www/", "/website" ○ Monta o diretório www do host em /website na VM. Host VM
  19. 19. Default Networking = NAT ● Por default a VM é configurada com uma rede “NAT”, usando um IP privado, o que lhe permite acessar o mundo externo mas não o contrário. Host VM
  20. 20. Network port forwarding Host VM 80: 8080: Remote ● config.vm.network :forwarded_port, guest: 80, host: 8080 ○ Permite acesso da rede física à porta 80 da VM através da porta 8080 do host
  21. 21. Host VM Public Networking ● config.vm.network :public_network ○ Cria uma rede “bridged”, alocando um MAC para a VM e conectando-a diretamente à rede física. ○ Mais intrusiva que a rede NAT. Use apenas se souber exatamente o que está fazendo. :-)
  22. 22. Private Networking ● config.vm.network :private_network ○ Cria uma rede privada que pode ser compartilhada por mais de uma VM. ○ Útil para ambientes de desenvolvimento complexos que exijam múltiplas VMs comunicando-se entre si. Host VM VM
  23. 23. Vagrant plugins ● 21 providers ○ KVM, VMware, Hyper-V, AWS, ... ● vagrant-cachier ○ “caffeine reducer” ○ Cache packages for APT, YUM, etc. ● vagrant-vbguest ○ Keep VirtualBox Guest Additions up to date ● vagrant-vbox-snapshot ○ Manage VirtualBox snapshots github.com/mitchellh/vagrant/wiki/Available-Vagrant-Plugins
  24. 24. Vagrant snapshot
  25. 25. Vagrant snapshot
  26. 26. Vagrant snapshot
  27. 27. running vagrant snapshot take vagrant up snapshotted dirty vagrant snapshot back deploy test Ciclo de desenvolvimento fast-track
  28. 28. Provisionamento ● “Provisionar uma VM” significa executar comandos nela para instalar, configurar ou atualizar software. ● O Vagrant suporta vários mecanismos de provisionamento: ○ Shell scripts, Puppet, Chef, Ansible, CFengine, Salt, Docker ● O provisionamento ocorre implicitamente ao final do processo de criação da VM (primeiro vagrant up) ou explicitamente pelo comando vagrant provision.
  29. 29. Provisionamento via shell ● config.vm.provision :shell, inline: "echo Hello, World" ○ Invoca o comando direto na VM ● config.vm.provision :shell, path: "vm/provision.sh" ○ Invoca na VM o script /vagrant/vm/provision.sh config.vm.provision :shell, path:"https://raw.github.../provision.sh" ○ Invoca na VM o script /tmp/vagrant-shell20140519-9217...sh
  30. 30. Provisionamento via Puppet ● config.vm.provision :puppet ○ Executa na VM o comando ■ puppet apply /vagrant/manifests/default.pp
  31. 31. http://puppetlabs.com/puppet/puppet-open-source “Puppet is a declarative, model-based approach to IT automation, helping you manage infrastructure throughout its lifecycle, from provisioning and configuration to orchestration and reporting. Using Puppet, you can easily automate repetitive tasks, quickly deploy critical applications, and proactively manage change, scaling from 10s of servers to 1000s, on-premise or in the cloud.”
  32. 32. Puppet - scripts declarativos Descrevem “recursos” e suas relações. ○ Você diz “como é” sua infraestrutura e não “como construí-la” package { ['apache2', 'libapache2-mod-php5']: ensure => installed, } -> file { '/etc/apache2/sites-enabled/001-localhost.conf': ensure => file, source => '/vagrant/manifests/apache2-virtualhost.conf', } ~> service { 'apache2': ensure => running, enable => true, }
  33. 33. Puppet - scripts idempotentes Pode-se executar os scripts múltiplas vezes pois cada recurso “sabe” quando já está configurado. exec { '/usr/sbin/locale-gen pt_BR.utf8': unless => '/usr/bin/locale -a | grep -qF pt_BR.utf8', } exec { 'perl -i.orig -lpe "s/^#(?=color_prompt)//" .bashrc': user => 'vagrant', path => '/usr/bin', creates => '/home/vagrant/.bashrc.orig', }
  34. 34. Puppet - Idempotência file 1 file 1 service A file 2 package A file 1 service A file 2 package A
  35. 35. Puppet - Recursos pré-definidos ● 54 tipos de recursos ○ exec ○ file ○ group ○ host ○ interface ○ mount ○ package ○ service ○ user ○ … ● Google puppet types
  36. 36. Puppet Forge - módulos compartilhados ● https://forge.puppetlabs.com/ ● + 2.300 módulos, e.g.: ○ puppetlabs/stdlib ○ puppetlabs/apache ○ puppetlabs/mysql ○ puppetlabs/postgresql ○ puppetlabs/ntp ○ jfryman/nginx ○ maestrodev/wget ○ thias/php ○ example42/jboss Um módulo define novos recursos parametrizados
  37. 37. Demo: Vagrantfile
  38. 38. Demo: manifests/default.pp
  39. 39. Demo: manifests/apache2-virtualhost.conf
  40. 40. Demo $ vagrant up >>> localhost:8080 $ vagrant snapshot take provisioned $ vagrant provision $ vagrant ssh -- sudo apt-get remove apache2 $ vagrant provision >>> vi site/index.php >>> localhost:8080 $ vagrant snapshot take base $ vagrant snapshot back
  41. 41. Como isso tudo se integra ao meu projeto? $ vagrant up $ vagrant snapshot take base $ pense, trabalhe, teste... $ vagrant snapshot back
  42. 42. Ambientes diferentes!?! Produção
  43. 43. Vagrant + Puppet = ambientes idênticos Produção
  44. 44. Exemplo mais “complexo” CDS Demo MySQL OpenLDAP Gerrit JIRA Jenkins TestLink SonarQube JBoss nginx firefox
  45. 45. Módulos tipo Componente CPqD Developer Suite “Puppetizado” mysql nginx jenkins jira sonarqube nexus testlink gerrit Módulos tipo Profile cds::jenkins cds::jira cds::nexus cds::sonar cds::testlink cds::gerrit ldap jboss Configuração
  46. 46. See Also... ● Caso Locaweb ○ “Standardise Development Environments and Machine Images with Packer” ○ go.cpqd.com.br/packer-pt ● Caso Wikimedia ○ “Ever wondered how the Wikimedia servers are configured?” ○ https://gerrit.wikimedia.org/r/p/operations/puppet ● Apresentação na RubyConf 2013 ○ “Usando Vagrant como ambiente de desenvolvimento Ruby” ○ go.cpqd.com.br/vagrant-pt
  47. 47. www.cpqd.com.br Gustavo Chaves gustavo@cpqd.com.br (19) 3705 7003 Obrigado!

×