Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

História da Igreja - Reforma e Contra-reforma

9,239 views

Published on

Slides criados por Fernando Farrapeira e apresentados em 25/11/2010.

Published in: Education, Spiritual
  • Be the first to comment

História da Igreja - Reforma e Contra-reforma

  1. 1. REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  2. 2. ESQUEMA GERAL DA EXPOSIÇÃO<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  3. 3. “Se o mundo vos odeia, sabei que me odiou antes de vós.” [Jo 15,18]“Não julgueis que vim trazer a paz à terra. Vim trazer não a paz, mas a espada. Eu vim trazer a divisão entre o filho e o pai, entre a filha e a mãe, entre a nora e a sogra e os inimigos do homem serão as pessoas de sua própria casa.” [Mt 10,34ss]<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  4. 4. PEDRO VALDO (1140 – 1218), de Lyon<br />Pregava a pobreza e a simplicidade. Atacava os excessos da corte pontifícia e dogmas católicos como o Purgatório e a transubstanciação.<br />Seus seguidores, os valdenses (“pobres de Lyon” ou “pobres de Deus”), aderiam à pobreza voluntária, à pregação leiga e à observância estrita da Bíblia, cujo NT foi traduzido para o Franco-Provençal por iniciativa de Valdo.<br />Suas idéias foram condenadas pelos 3º e 4º Concílios de Latrão (1179 e 1215). Valdo foi excomungado pelo Papa Lúcio III.<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  5. 5. JOHN WYCLIFF (1329 - 1384), de Yorkshire<br />Queria a Bíblia traduzida para o inglês (uma motivação nacionalista, já que o povo era analfabeto e o latim era de uso corrente no meio acadêmico).<br />Defendia que o poder régio também provinha de Deus, logo, os bispos ingleses recebiam sua autoridade do rei, não do Papa (um pré-anglicanismo).<br />“O cristão não precisa de Roma ou de Avignon, pois Deus está em toda parte... Nosso Papa é Cristo ... A verdadeira autoridade emana da Bíblia, que contém o suficiente para governar o mundo”.<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  6. 6. JOHN WYCLIFF (1329 - 1384), de Yorkshire<br />Combateu as ordens religiosas (chamava-as de seitas). Na Boêmia, seus ensinamentos colocaram os hussitas contra os monges, fazendo com que os bens dos monastérios caíssem nas mãos dos senhores feudais.<br />Aceitava uma Igreja sem autoridade visível: líderes naturais, contudo, poderiam surgir aqui ou ali. Rejeitava a transubstanciação, o purgatório, as indulgências e a infabilidade papal.<br />Foi considerado herético pelo Concílio de Constança (1415 – 1416), que também condenou Hus.<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  7. 7. JAN HUS (1369 - 1415), de Husinec<br />Seguiu a linha de Wycliff, acrescentando o combate ao sacerdócio (“O crente não precisa da mediação sacramental ou eclesial para comunicar-se com Deus”).<br />Foi considerado herético e condenado pelo Concílio de Constança (1415 – 1416). Morreu na fogueira.<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  8. 8. A ALEMANHA nos tempos de Lutero <br />Próspera, mas mergulhada numa anarquia política (400 estados)<br />A figura do Sacro Império era quase formal. O poder dividia-se entre os príncipes e a burguesia<br />A burguesia, fortificada pela riqueza das cidades, rivalizava com os seus suseranos<br />Nobreza e clero ricos, povo pobre: pesada carga de impostos, foros, rendas...<br />Pouca instrução religiosa do povo, geralmente inclinado à superstição<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  9. 9. A ALEMANHA nos tempos de Lutero <br />Sentimento anti-Roma disseminado na elite, fruto de um nacionalismo germânico<br />Os bens da Igreja despertavam a cobiça em príncipes e fidalgos arruinados <br />Após a morte do imperador Maximiliano, assume Carlos V, protagonista do saque a Roma, em 1527<br />Disseminação de novas idéias por meio de uma imprensa vigorosa<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  10. 10. PRINCIPAIS PROTAGONISTAS<br />Lutero<br />Calvino<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  11. 11. MARTINHO LUTERO<br />Nascido em 1483, em Eisleben , onde morreu em 1546.<br />Graduou-se em teologia na Universidade de Erfurt (1502), onde obteve o grau de mestre (1505).<br />Após sobreviver a uma tempestade, deixou a universidade e tornou-se monge agostiniano, onde tornou-se sacerdote.<br />Em 1508, começa a lecionar na Universidade de Wittenberg, onde obtém o doutorado em teologia, em 1512.<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  12. 12. MARTINHO LUTERO<br />1516 e 1517 – Controvérsia das indulgências<br />Proferiu sermões contra as indulgências e afixa na porta da capela do castelo de Wittenberg, suas 95 teses, para promover um debate sobre o assunto.<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  13. 13. MARTINHO LUTERO<br />1518– Contestação da autoridade do Papa<br />Em sua luta contra a doutrina das indulgências e do purgatório, contesta a bula Unigenitus, do Papa Clemente VI (1343), que dava suporte à doutrina atacada.<br />Colocou-se, então, contra o papado, alegando que não fazia parte essencial da Igreja fundada por Cristo , passando a ser considerado um herege. <br />Lutero pedia a realização de um concílio para discutir o tema.<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  14. 14. MARTINHO LUTERO<br />1519 e 1520 – Afastamento da Igreja<br />Frustrada a tentativa de Carlos X de resolver a questão amistosamente, Lutero aprofunda a cisão, ao defender que o primado dado por Cristo a Pedro não teria transmitido aos seus sucessores.<br />Disputa de Leipzig, com Johann Eck.<br />Com o sucesso de suas idéias, alarga a distância da ortodoxia, fixando um novo conceito de igreja e dos sacramentos (atribuía à Eucaristia o poder de perdoar os pecados, entre outros). A justificação somente pela fé. <br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  15. 15. MARTINHO LUTERO<br />1520 – Um caminho sem volta<br />Protegido pelos príncipes alemães, Lutero abraça idéias antes defendidas por Hus e chama o Papa de anticristo. <br />Propõe medidas drásticas aos príncipes, como supressão do celibato para os padres, destituição do poder temporal do Papa, o reconhecimento de um governo secular, a abolição das rendas do Papa.<br />Nova teologia dos sacramentos: transubstanciação sim, sacrifício não; batismo eficaz somente com a fé; crisma, matrimônio e unção dos enfermos não são sacramentos. <br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  16. 16. MARTINHO LUTERO<br />1521 – A excomunhão<br />Expirado o prazo dado pelo Papa para que se retratasse, Lutero queima a bula papal (ExsurgeDomini), tendo sido excomungado em 1521.<br />Ante a Dieta de Worms, teria dito: <br />“Estou submetido a minha consciência e unido à palavra de Deus. Por isto, não posso nem quero retratar-me de nada, porque fazer algo contra a consciência não é seguro nem saudável."<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  17. 17. MARTINHO LUTERO<br />1521 – O exílio no Castelo de Wartburg<br />Após seu posicionamento ante a Dieta de Worms, Frederico, o Sábio (príncipe-eleitor da Saxônia) providencia o seqüestro de Lutero, para protegê-lo. <br />Em Wartburg, Lutero traduz a Bíblia para o alemão e elabora os pontos de sua reforma e de sua doutrina (justificação somente pela fé, relativização da confissão, mudança no cânon da missa, retirando o seu caráter imolatório, etc.).<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  18. 18. MARTINHO LUTERO<br />1523 – Abandono do celibato<br />Casa-se com uma ex-feira cisterciense, Catarina vonBora, reforçando a pregação contrária ao celibato dos padres, movimento crescente entre o clero revoltoso alemão. Constitui família: seis filhos.<br />O seu casamento com uma religiosa selou definitivamente sua ruptura com a Igreja Católica.<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  19. 19. MARTINHO LUTERO<br />1524 - 1525 – Revolução dos camponeses<br />Liderados por Münzer, os camponeses rebelaram-se contra os nobres, tendo sido vencidos pelo duqre de Lorena, que ordenou a execução de 20 mil camponeses rendidos.<br />Lutero escreveu aos príncipes exortando-os a massacrar os revoltosos: “Exterminai, decapitai, que todo aquele que puder, trate de agir!”<br />Até o fim da vida, Lutero foi atormentado pela idéia de que a revolta foi fomentada por sua pregação.<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  20. 20. MARTINHO LUTERO<br />1524 - 1525 – Revolução dos camponeses<br />Após a “traição” de Lutero, os camponeses abraçaram a indiferença do cuisregio, eiusreligio, facilitando a futura imposição da fé luterana aos seus domínios pelos príncipes alemães.<br />A revolta camponesa levou Lutero a modificar sua visão de igreja, abandonando um modelo anárquico, por outro fundado na ordem visível materializada nos príncipes. <br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  21. 21. MARTINHO LUTERO<br />1530 – Augsburgo: A Confissão Luterana<br />Melanchthon redige a Confissão, que fixa os pontos da Reforma, que guarda muitos pontos da fé católica, mas afasta-se quanto ao livre-arbítrio do homem, a desnecessidade das obras para a justificação, o livre exame das sagradas escrituras.<br />A fé de Augsburgo transtorna a teologia dos sacramentos e submete os estados alemães a uma fé que não é mais a católica.<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  22. 22. MARTINHO LUTERO<br />O ocaso<br />No fim da vida, torna-se blasfemo, anti-semita e luciferino:<br /><ul><li> Sobre o papa: “porco de Satanás”
  23. 23. Sobre o sacerdócio: “imprime o sinal da besta nos padres”
  24. 24. sobre ter celebrado a missa por 15 anos: “seria melhor eu ter-me tornado um rufião”
  25. 25. sobre os judeus: “bestas negras”</li></ul>Morreu em 1546.<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  26. 26. JOÃO CALVINO<br />Nascido em Noyon, em 1509 – morto em Genebra, em 1564.<br />Foi o “Lutero dos franceses”. Se Lutero foi o defensor da liberdade germânica , Calvino seria o precursor de Descartes. <br />Em 1521, muda-se para Paris, para estudar. Em 1529, atendendo a pedido de seu pai, começa a estudar Direito em Orleans. Em 1532, obtém o doutorado. <br />Sua conversão à fé protestante: entre 1532 e 1534. Nesse ínterim, ele sai de Paris, fugindo de perseguições a protestantes.<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  27. 27. JOÃO CALVINO<br />1524 – Publica a "Psychopannychia, untraitésurlesommeil de l'âme“, uma obra contra a crença da mortalidade da alma, pregada por Lutero. Foi sua primeira obra de cunho religioso.<br />1534 – Cartazes apócrifos são colados nas ruas contra o caráter sacrificial da missa católica. As autoridades francesas reagem com execuções de heréticos nas fogueiras.<br />1535 – Olivétan, protestante e primo de Calvino, traduz a Bíblia para o francês, direto do hebraico e do grego. <br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  28. 28. JOÃO CALVINO<br />1536 - InstitutioreligionisChristianae. Calvino dirige-se ao rei Francisco I, defendendo a Reforma. Critica a vida religiosa (compara os mosteiros a bordéis) e ataca o rito da missa como idólatra.<br />Calvino chega em Genebra, no auge da rebelião protestante. Profanação de hóstias, proibição de missas, etc. Participa de debates com católicos, após o que foi acusado de heresia em Berna. <br />1538 – Calvino deixa Genebra, após conflitos com protestantes locais e refugia-se em Estrasburgo. Lá, fixa os pontos de sua doutrina teológica.<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  29. 29. JOÃO CALVINO<br />1540 – Casa-se com uma ex-anabatista, com quem tem 2 filhos.<br />1541 – Volta a Genebra, onde instaura um regime teocrático., com a criação de um tribunal (Consistório) com o objetivo de julgar as condutas individuais “de acordo com a Palavra de Deus”. A excomunhão é a pena mais grave, que poderia levar à prisão, à tortura, ao banimento e à execução.<br />Os nomes de batismo somente poderiam ser aqueles presentes na Bíblia. Toda a pompa e o luxo são extirpados.<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  30. 30. JOÃO CALVINO<br />1542 – Genebra cresce com imigrantes protestantes advindos da França.<br />1553 – execução de Miguel Servet na fogueira, por heresia, em Genebra.<br />1555 – Reação contra Calvino em Genebra. Protestantes franceses dominam o Consistório e esmagam a oposição genebrina, capitaneada por Perrin (Enfants de Genève). Prisões e execuções dos revoltosos: cadáveres esquartejados expostos nas ruas de Genebra.<br />1564 – Morte do heresiarca.<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  31. 31. DESDOBRAMENTOS TRÁGICOS<br />Imposição do protestantismo em países cujos reinantes aderiram à nova doutrina: estados alemães e escandinavos, partes da Suíça, Países Baixos, etc.<br />O Anglicanismo (a partir da excomunhão de Henrique VIII, em 1533): fruto do pensamento de Wycliff, ficou posteriormente exposto ao protestantismo calvinista, sob Eduardo VI (1547 – 1533).<br />Guerras religiosas na França: massacre dos valdenses (1546); o Calvinismo torna-se um partido, na França; Massacre de São Bartolomeu (1572). <br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  32. 32. DANOS À FÉ<br />Deus sim, Cristo sim, Igreja não.<br />A fé sem obras salva.<br />O livre exame das Escrituras.<br />A desnecessidade dos sacramentos.<br />A predestinação dos maus ao Inferno. O determinismo calvinista.<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  33. 33. CONCÍLIO DE TRENTO(1545 a 1563)<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  34. 34. CONCÍLIO DE TRENTO(1545 a 1563)<br />Convocado pelo Papa Paulo III, para definir os pontos fundamentais da fé católica em face dos erros da Reforma Protestante.<br />Organizou a vida da Igreja e fixou a doutrina católica em relação à salvação, aos sacramentos e a liturgia. Refutou os desvios do protestantismo e unificou a liturgia da missa latina, afastando as especificidades dos ritos locais. <br />Aprofunda a doutrina da justificação e do pecado original. Detém-se sobre a remissão das penas temporais dos pecados (questões suscitadas pelas indulgências).<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  35. 35. CONCÍLIO DE TRENTO(1545 a 1563)<br />1º Período (1545-48) — Decretos sobre a Sagrada Escritura e Tradição, o pecado original, a justificação e os sete sacramentos em geral e vários decretos disciplinares.<br />2º Período (1551-52) — Decretos sobre os sacramentos, particularmente sobre a eucaristia , a penitência e a extrema-unção. <br />3º Período (1562-63) — Decretos doutrinais, mas sobretudo decretos eficazes para a reforma da Igreja. <br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  36. 36. OPORTET HAERESES ESSE<br />(I Cor 11, 19)<br />REFORMA E CONTRA-REFORMA<br />
  37. 37. Até 2011 !<br />

×