Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Professor da Paraíba reivindica piso salarial de R$ 3.800,00.<br />Professor Gilson Nunes, luta pela implantação de um Pis...
Porfessor da Paraíba  luta por um piso salarial nacional  de r$ 3.800 reais.
Porfessor da Paraíba  luta por um piso salarial nacional  de r$ 3.800 reais.
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Porfessor da Paraíba luta por um piso salarial nacional de r$ 3.800 reais.

989 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Porfessor da Paraíba luta por um piso salarial nacional de r$ 3.800 reais.

  1. 1. Professor da Paraíba reivindica piso salarial de R$ 3.800,00.<br />Professor Gilson Nunes, luta pela implantação de um Piso Salarial Nacional para professores com Licenciatura Plena ou Bacharelado no valor de R$ 3.800,00 - que irá mobilizar todos os sindicatos do Brasil para reparar um equívoco. Por que o professor está propondo este valor? Qual o embasamento teórico e financeiro? <br /> No dia 16 de julho de 2008, o Presidente Lula assinou a lei 11.738/2000, que estabeleceu o Piso Nacional dos Profissionais do Magistério, que de forma equivocada estendeu o benefício a todos sem observar a formação, especificamente o piso é para aquele professor com formação em nível médio, na modalidade normal e os professores com formação em Licenciatura Plena ou Bacharelado foram nivelados por baixo. Além de incluir no mesmo valor outras profissões como os profissionais de suporte pedagógico: Supervisor Educacional, Orientador Educacional Psicólogo Educacional e Assistente Social Educacional. Leia abaixo conteúdo da lei:<br /> Art. 1o  Esta Lei regulamenta o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica a que se refere a alínea “e” do inciso III do caput do art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.<br />Art. 2o  O piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica será de R$ 950,00 (novecentos e cinqüenta reais) mensais, para a formação em nível médio, na modalidade Normal, prevista no art. 62 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.<br />§ 1o  O piso salarial profissional nacional é o valor abaixo do qual a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios não poderão fixar o vencimento inicial das Carreiras do magistério público da educação básica, para a jornada de, no máximo, 40 (quarenta) horas semanais.<br />§ 2o  Por profissionais do magistério público da educação básica entendem-se aqueles que desempenham as atividades de docência ou as de suporte pedagógico à docência, isto é, direção ou administração, planejamento, inspeção, supervisão, orientação e coordenação educacionais, exercidas no âmbito das unidades escolares de educação básica, em suas diversas etapas e modalidades, com a formação mínima determinada pela legislação federal de diretrizes e bases da educação nacional. <br />§ 3o  Os vencimentos iniciais referentes às demais jornadas de trabalho serão, no mínimo, proporcionais ao valor mencionado no caput deste artigo.<br />§ 4o  Na composição da jornada de trabalho, observar-se-á o limite máximo de 2/3 (dois terços) da carga horária para o desempenho das atividades de interação com os educandos.<br />§ 5o  As disposições relativas ao piso salarial de que trata esta Lei serão aplicadas a todas as aposentadorias e pensões dos profissionais do magistério público da educação básica alcançadas pelo art. 7o da Emenda Constitucional no 41, de 19 de dezembro de 2003, e pela Emenda Constitucional no 47, de 5 de julho de 2005.<br />Neste sentido, independentemente da formação, o piso é para todos, no valor de R$ 950,00 reais, que hoje se encontra defasado. É preciso corrigir a lei ou preparar outro Projeto de Lei que beneficie os profissionais por categoria e competências e não de forma genérica. Por este motivo a Associação dos Servidores Públicos das Regiões Norte/Nordeste esta propondo um Piso Salarial Nacional Para os professores do Ensino Fundamental e Básico, com Licenciatura Plena ou Bacharelado valor equivalente a R$ 3.800,00 (três mil e oitocentos reais) para uma carga horária de 40 horas. Unificando a disparidade salarial entre os diversos Estados da Federação, enquanto um professor do Distrito Federal recebe R$ 3.371,00 para 40 horas, Roraima: R$ 2.315,74 para 25 horas; Acre: R$ 2.100,00 para 30 horas; Tocantins: 2.020,00 para 40 horas; Vitória: 1.692,60 para 25 horas: Sergipe: R$ 1.014,00 para 40 horas e na Paraíba: R$ 738,58 para 25 horas.<br /> Outro ponto da discriminação: o professor do Ensino Fundamental e Básico da rede estadual em relação ao professor dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia espalhados por todo o Brasil, com graduação em inicio de carreira, recebe R$ 2.124,20 + R$ 304,00 de Auxílio-refeição, para 40 horas. É preciso corrigir essa discriminação entre escolas e profissionais dentro do território brasileiro, isso é uma vergonha.<br />Conforme Portaria Interministerial nº 1.227, de 28 de dezembro de 2009, que estabelece o custo aluno para o ano de 2010, no valor de R$ 1.415,97. Porém, não estabelece percentual para o valor do salário desses profissionais. Por este motivo, esta Associação de classe, vem propor um Piso Nacional Para Professor com licenciatura Plena ou bacharelado, o valor de R$ 3.800,00 para 40 horas, 20 horas de sala de aula, 10 horas departamental e de laboratório e 10 para leitura e planejamento.<br />Quanto ao Piso Nacional Para os técnicos em educação: Supervisor Educacional, Psicólogo Educacional, Orientador Educacional e Assistente Social Educacional, valor equivalente ao R$ 3.000,00 para 40 horas. Se você está de acordo com a proposta do professor, entre em contato com o mesmo, gilsonunes2000@bol.com.br - <br />

×