Brenda starr

1,628 views

Published on

  • Be the first to comment

Brenda starr

  1. 1. Brenda Starr e os comics norte-americanos nas décadas de 1940 e1950Natania A. Silva NogueiraUniversidade Salgado de Oliveiranogueira.natania@gmail.com
  2. 2. Dale Messick e sua Brenda BrendaStarr• Dale Messick é uma das cartunistas norte-americanas mais importantes do século XX.• Ela mostrou que as mulheres podiam fazerquadrinhos de aventura e ter sucesso dentrodesse gênero.• Sua criação de maior sucesso foi BrendaStarr, Repórter.
  3. 3. • Brenda Starr, heroína e aventureira éapresentada ao público, em 1940.• Brenda é uma audaciosa jornalista quetrabalha para o jornal The Flash.• Ela busca mais espaço dentro da sua atividadeprofissional.• Brenda representa, de certa forma, a mulherque deseja oportunidade para mostrar seupotencial uma sociedade que não lhe ofereceabertura.
  4. 4. Brenda Starr. Charton Comics, nº 15, 1955.Brenda Starr. Charton Comics, nº 15, 1955.Brenda Starr. Charton Comics, nº 15, 1955.Brenda Starr. Charton Comics, nº 15, 1955.Brenda Starr Comics. Four StarComics, n. 13, 1947
  5. 5. • A personagem foi inspirada fisicamente na atrizRita Hayworth, seu nome numa famosadebutante, Brenda Frazier e seu sobrenome foiescolhido porque era o repórter estrela em TheFlash.• A ideia era criar uma tira com uma personagemfeminina, cuja carreira como repórter permitia-lhe ter grandes aventuras.• Os quadrinhos de Brenda Starr eram a mistura deromance, aventura e uma boa dose dehumor, que acabou agradando a homens emulheres.
  6. 6. Rita Hayworth Brenda Frazier
  7. 7. Brenda Starr e a independênciafeminina• Brenda Starr fez parte do esfoço de guerra, junto aogrande panteão de personagens masculinos, que vezou outra deram lugar a algumas heroínas e super-heroínas como a Mulher Maravilha.• Seu sucesso foi, em parte, um produto da força detrabalho feminina que se destacou durante a SegundaGuerra Mundial.• Ela era uma girl power, que inspirava outras mulheres aexperimentar uma vida diferente daquela vivida porsuas mães e avós.• Seu público era eclético: das donas de casa de classemédia a rapazes e moças que liam as tiras no jornal.
  8. 8. Brenda Starr Comics. Superior Comics, nº 10, 1949, p. 12.
  9. 9. • Brenda foi uma inspiração para as jovens quedesejam romper com os tabus machistas dasociedade.• Mas ela é, também, uma mulher inspirada emoutras mulheres.• Brenda não tem vergonha de ser sensual, devestir-se bem, gosta de estar sempre bonita etem uma vida amorosa agitada.• É uma heroína, mas também é uma mulher doseu tempo. Ela é uma Glamor Girl, como tantasoutras personagens femininas que surgiram nadécada de 1940 e que fizeram muito sucesso nadécada de 1950.
  10. 10. • Essa face Glamor Girl de Brenda Starr éexplorada de diversas formas. Uma delas é pormeio das paper dolls, as bonecas de papel depersonagens dos quadrinhos.• Uma verdadeira manobra de propaganda, asbonecas de papel eram um chamariz para asleitoras .• Havia, portanto, interesse na formação de ummercado de consumo feminino para aspublicações.
  11. 11. Brenda Starr paper doll. Disponível em http://marlendy.wordpress.com/2011/03/14/brenda-starr-paper-doll/, acesso em 13/05/2013.
  12. 12. • A personagem recebeu críticas dasfeministas, pelos seus desmaios, pelo seu apego àmoda e sua vaidade feminina.• Também foi criticada pelos jornalistas, uma vezque não representava o trabalho jornalísticocomo ele realmente era.• Sua autora ignorava as críticas: manteve assuperficialidades de Brenda, que não lheimpediam de ser determinada e independente;manteve sua versão criativa do trabalho derepórter.
  13. 13. "Eu costumava receber cartasmulheres repórteres dizendo que suasvidas estavam longe de ser tãoemocionante como Brenda. Eurespondia-lhes que se eu fizesse a vidade Brenda como a delas, ninguém irialê-la".Woman in Comics Wiki: Dalia Messick. Disponível em:http://womenincomics.wikia.com/wiki/Dale_Messick#cite_ref-3, acesso em 03/04/2013.
  14. 14. Os amores deBrenda
  15. 15. • Brenda é uma mulher liberada e sempre às voltascom romances, geralmente passageiros.• Ao contrário do que se ensinava àsmeninas, Brenda ia a festas com osamigos, paquerava e beijava os homens que lheagradavam.• Nas histórias de Brenda a atração física dapersonagem pelos homens e deles por ela éexplícito.• Numa festa de ano novo, em férias em umapraia, no escritório ou durante umainvestigação, ela pode se render a uma carícia oua um beijo.• Brenda quer uma carreira, mas não rejeita apossibilidade de viver um grande amor.
  16. 16. • A heroína teve muitos pretendentes, mas ela osrecusava, pois nutria uma grande paixão peloquímico Basil St. John.• Antes de anunciar sua aposentadoria, Messickrealizou, finalmente, o casamento de Basil comBrenda.• Eles tiveram uma filha, Starr Twinkle St. John.• Mas Brenda não era feita para o casamento eacabou de divorciando. Se Brenda não foi feliz nocasamento, sua criadora teve o mesmodestino, divorciou-se duas vezes.
  17. 17. Brenda Starr e as representações femininas nosquadrinhos da década de 1940• A década de 1940 apresentou diversasrepresentações da mulher nos quadrinhos.• Aquelas que, como Brenda Starr, sãoindependentes e pró-ativas representam amulher que se une ao esforço de guerra.• Aquelas que levantam a bandeira dafamília, do dever para com filhos emarido, representa o ideal feminino desejadopela sociedade liberal burguesa.
  18. 18. • A liberação feminina é tolerada quandonecessária, seu retorno ao lar é desejado eesperado.• Brenda Starr é a mulher que se libera durante operíodo da guerra mas que se recusa a retornarao lar.• Se ela não representa uma regra, representa aideia de continuidade, de ruptura com opassado, mostrando que os avanços conquistadospelas mulheres, na vida e nos quadrinhos, nãopodem ser simplesmente apagados da história.
  19. 19. Referências• FALUDI, Susan. Backlash. O contra-ataque na guerranão declarada contra as mulheres. Trad. MárioFondelli. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.• GOIDA. Enciclopédia dos quadrinhos. – Porto Alegre:L&PM, 1990.• REBLIN, Iuri Andréas. A superaventura: danarratividade e sua expressividade à suapotencialidade teológica. – São Leopoldo:EST/PPG, 2012.• ROBBINS, Trina. Paper Dolls from the comics.Forestvolli: Eclipse Books, 1987.• ----------------------. The Great Women Cartoonists. NewYork: Watson-Guptill Publications, 2002.
  20. 20. Quadrinhos• Brenda Starr Comics. Four Star Comics, n. 13, 1947.• Brenda Starr Comics. Superior Comics, nº 03, 1948.• Brenda Starr Comics. Superior Comics, nº 09, 1949.• Brenda Starr Comics. Superior Comics, nº 10, 1949.• Brenda Starr. Charton Comics, nº 13, 1955.• Brenda Starr. Charton Comics, nº 14, 1955.• Brenda Starr. Charton Comics, nº 15, 1955.
  21. 21. Links• CHAMBLISS, Julian. Comic Milestone: The Brenda Starr Byline Has Ended (2010).Disponível em: http://nuffsaidrollinshistory.blogspot.com.br/2010/12/comic-milestone-brenda-starr-byline-has.html, acesso em 02/04/2013.• HOWELL, Daedalus. Brenda Starrs Dale Messick is a firecracker (1998). Disponívelem http://www.metroactive.com/papers/sonoma/02.19.98/comics-9807.html, acesso em 02/04/2013.• JOHNSON, Judy M. History of Paper Dolls (1999). Disponívelem http://www.opdag.com/History.html, acesso em 07/02/2013.• LEGER, Jackie. Dale Messick: A Comic Strip Life (2000). Disponível em:http://www.awn.com/mag/issue5.04/5.04pages/legermessick.php3, acesso em02/04/2013.• SEVERO, Richard. Dale Messick, 98, Creator of Brenda Starr Strip, Dies (2005).Disponível emhttp://www.nytimes.com/2005/04/08/arts/design/08messick.html?_r=0, acessoem 09/05/2013.• SULLIVAN, Patricia . Cartoonist Dale Messick Dies: Creator of Brenda Starr Strip(2005). Disponível em http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/articles/A35837-2005Apr7.html?nav=E8, acesso em 02/04/2013.

×