Aula 5 Metodo Cientifico Resumo Aula 1 Fase 2

8,937 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
8,937
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
103
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula 5 Metodo Cientifico Resumo Aula 1 Fase 2

  1. 1. O Método Científico Uma Sinopse Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco Proposta da Aula l Apresentar uma visão geral exemplificada do método cient ífico mé cientí Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco 1
  2. 2. O MÉTODO CIENTÍFICO perguntas observações documentação descobertas descobertas continuar a aprender novas perguntas conclusões hipóteses verificação das hipóteses Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco O MÉTODO CIENTÍFICO perguntas observações OBSERVAÇÃO: EX. GRUPOS DE ESTUDO observando 7 países documentação cada grupo observa 3 sub-temas em cada país descobertas descobertas procurar informação escrita, imagens, visitas de estudo… recolher informação continuar a aprender ler, sublinhar, organizar a informação que encontram novas verificar que informação já se tem e qual falta (elaborar um quadro) perguntas conclusões procurar a informação que falta hipóteses observar atentamente: ler, aprender, perceber; resolver as 1ªs dúvidas: palavras desconhecidas, frases que não entendemos, etc verificação das selecionar a informação: pôr de lado o que não serve para o nosso hipóteses trabalho Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco 2
  3. 3. QUADRO PARA ORGANIZAR A INFORMAÇÃO QUE SE VAI RECOLHENDO Data: _________ Sub- Sub-tema 1 Sub- Sub-tema 2 Sub- Sub-tema 3 PAÍ PAÍ S 1 PAÍ PAÍ S 2 PAÍ PAÍ S 3 PAÍ PAÍ S 4 PAÍ PAÍ S 5 PAÍ PAÍ S 6 PAÍ PAÍ S 7 Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco O MÉTODO CIENTÍFICO perguntas observações FAZER PERGUNTAS: O QUÊ? sub-tema que estão trabalhando: organização da escola, estudo das lendas… documentação ONDE? país e zona a que se refere descobertas descobertas QUANDO? época concreta: festas, momentos concretos do ano, ocasiões… continuar a aprender POR QUÊ? razões que levam a que isto suceda. porque festejam, novas porque se vestem de determinada maneira, porque inventam lendas perguntas conclusões hipóteses PARA QUÊ? objetivos (alimentares, políticos…)… COMO? como acontece, como vivem determinado aspecto: como inventam lendas, como elaboram o vestuário, como distribuem as riquezas, como organizam os estudos… Prof. Dr. André Moreira Pintoverificação Federal de Pernambuco - Universidade das hipóteses 3
  4. 4. O MÉTODO CIENTÍFICO perguntas observações FORMULAR HIPÓTESES: são possibilidade de respostas às perguntas que fizemos: com base no material que já têm documentação podem começar a formular respostas às suas descobertas descobertas perguntas; podem e devem usar a inteligência para tentarem responder às perguntas: porque se vestem assim (terá a ver com o clima, a continuar cultura…?); porque comem arroza (terá a ver com a aprender agricultura, o tipo de terra…?); porque usam novas estes animais nas lendas (terá a ver com os animais da perguntas conclusões zona?); porque produzem determinado produto hipóteses (terá a ver com os produtos naturais, a indústria? porque têm esta arquitectura nos monumentos (terá que ver com o clima, a arte, os artistas?) porque têm estas condições de vida (terá que ver com o clima, guerras…?) como é que a verificação das Geografia organiza o povoamento (as montanhas, planícies?) hipóteses Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco O MÉTODO CIENTÍFICO perguntas observações VERIFICAR HIPÓTESES: depois de formuladas as hipóteses de resposta às perguntas,documentaçãover se são terão que verdadeiras, falsas ou parcialmente corretas. descobertas descobertas Terão que procurar na informação continuar dispõem ou de que em novas fontes de informação, as aprender a respostas para as perguntas. novas perguntas conclusões hipóteses verificação das hipóteses Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco 4
  5. 5. O MÉTODO CIENTÍFICO perguntas observações CONCLUSÕES: Elaborar as respostas às perguntas: documentação elaborar textos escritos com as vossas descobertas descobertas conclusões; citar as fontes de informação: páginas continuar web, livros, enciclopédias, inquéritos, a aprender informação oral, entrevistas, etc. novas perguntas conclusões hipóteses verificação das hipóteses Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco O MÉTODO CIENTÍFICO perguntas observações DOCUMENTAÇÃO: elaborar um trabalho documentação escrito, ainda em forma de descobertas esboço; descobertas Escolher as formas de continuar a aprender comunicação científica para publicar os novas perguntas conclusões resultados. hipóteses Prof. Dr. André Moreira Pintoverificação Federal de Pernambuco - Universidade das hipóteses 5
  6. 6. O MÉTODO CIENTÍFICO NOVAS perguntas DESCOBERTAS: realizar saídas, observações procurar novos livros… UMA INFORMAÇÃO PUXA OUTRA documentação INFORMAÇÃO!!! (por descobertas descobertas ex: um lago que não sabia que existia…) continuar a aprender NOVAS novas PERGUNTAS… perguntas o quê, onde … conclusões hipóteses CONTINUAR A APRENDER… verificação das hipóteses sempre! o ciclo Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco nunca pára. O MÉTODO CIENTÍFICO perguntas observações documentação descobertas descobertas continuar a aprender novas perguntas conclusões hipóteses verificação das hipóteses Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco 6
  7. 7. Pensar Bem... Requisito da Ciência Jaime Balmes Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco Pensar Bem... Requisito da Ciência l O pensar bem consiste, ou em conhecer a verdade, ou em dirigir o entendimento pelo caminho que conduz a ela. l A verdade é a realidade das coisas... l Se desejamos pensar bem, temos de procurar conhecer a verdade, quer dizer, a realidade das coisas. l De que serve discorrer com sutileza, ou com profundidade aparente, se o pensamento não está está conforme com a realidade? Jaime Balmes Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco 7
  8. 8. Pensar Bem... Requisito da Ciência l O bom pensador procura ver nos objetos tudo o que há, porém não mais do que há. há poré há l Certos homens tem talento para ver muito em tudo; porém lhes cabe a desgraça de ver tudo o poré desgraç que não há, e nada do que há. há há l Uma notí cia, uma ocorrência qualquer, lhes notí fornece abundante matéria para discutir com maté profusão, formando, como se diz, quot;castelos no arquot;. l Estes sucedem ser grandes projetistas e charlatães. Jaime Balmes Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco Pensar Bem... Requisito da Ciência l Outros adoecem do defeito contrário; vêem bem, contrá poré porém pouco; o objeto não se lhes oferece senão por um lado; se este desaparece, já não vêem já nada. l Estes inclinam -se a ser sentenciosos e aferrados inclinam- em seus temas. l Assemelham- Assemelham -se aos que nunca saí ram de seu saí paí país: fora do horizonte a que estão acostumados, imaginam que não há mais mundo. há Jaime Balmes Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco 8
  9. 9. Um bom entendimento l Um entendimento claro, capaz e exato, abarca o objeto inteiro; examina-o por todos os seus examina- lados, em todas suas relações com o que lhe relaç rodeia. l A explanação e os escritos destes homens explanaç privilegiados distinguem-se por sua clareza, distinguem- precisão e exatidão. l Em cada palavra encontrarás uma id éia, e esta encontrará idé idé id éia vereis que corresponde à realidade das coisas. Jaime Balmes Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco Um bom entendimento l Os ilustram, os convencem, os deixam plenamente satisfeitos; dizeis com total entendimento: quot;sim, é verdade, tendes razãoquot;. l Para seguí -los em seus discursos não seguí necessitais esforçar-se; parece que andais por esforçar- um caminho plano, e aquele que fala s ó se só ocupa de fazê -los notar com oportunidade os fazê- objetos que encontrais a vossa passagem. l Se explicam uma matéria difícil e obscura, maté difí també também poupam muito tempo e fatiga (...) Jaime Balmes Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco 9
  10. 10. Um bom entendimento l Deixa- Deixa -se, pois, de ver que a arte de pensar bem não interessa somente aos filósofos, senão também às pessoas filó també mais simples. l O entendimento é um dom precioso que nos outorgou o Criador, é a luz que se nos foi dada para nos guiarmos em nossas a ções; e claro é que um dos primeiros cuidados que aç deve ocupar o homem é ter bem regulada esta luz. l Se ela falta, ficamos às escuras, andamos aos tropeções; e tropeç por este motivo é necessário não deixá- la que se apague. necessá deixá l Não devemos ter o entendimento em ina ção com perigo de inaç que se torne obtuso e estúpido; e por outra parte, quando estú nos propusermos exercitá -lo e avivá -lo, convém que sua luz exercitá avivá convé seja boa para que não nos deslumbre, bem dirigida para que não nos extravie Jaime Balmes Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco Um bom entendimento l É obvio que uma das mais importantes facetas da educação - se não a educaç mais importante - é a do pensamento, pois compete ao intelecto reger toda a conduta humana, levá-la ao bom fim, ao bom porto, ao Grand Finale que levá dá sentido a todo o existir. l Um dos grandes males da nossa sociedade é, precisamente, que vivemos demasiado depressa, e não temos tempo de contemplar o que aconte ce ao acontece nosso redor. Os pensadores antigos sempre insistiam em que o com eço da sabedoria é o assombro ante o mundo e o que nele acontece; maravilhar- maravilhar- se e perguntar-se: como é poss ível que isso aconte ça? perguntar- possí aconteç l Por exemplo, em nosso mundo continuam ocorrendo fatos quot;pouco humanosquot;, e passamos de largo ante eles, porque estamos acostumados, acostumados, como se fossem normais, quando, com freqüência, são prejudiciais e freqü empobrecedores . Não nos hemos parado a pensar. Uma tarefa importante dos pais e educadores é fomentar uma atitude crítica ante o que se tem crí estabelecido como uso cotidiano na sociedade. Jaime Balmes Prof. Dr. André Moreira Pinto - Universidade Federal de Pernambuco 10

×