Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Parentela Corporal E Espiritual2

19,144 views

Published on

Conceição de Jacareí - RJ
www.gespiritacristao.com

Published in: Spiritual, Self Improvement
  • Be the first to comment

Parentela Corporal E Espiritual2

  1. 1. E.S.E capítulo XIV A Parentela corporal e a parentela espiritual A Ingratidão dos filhos e os laços de família
  2. 2. A Parentela corporal e a parentela espiritual <ul><li>O corpo procede do corpo, mas o Espírito não procede do Espírito, porquanto o Espírito já existia antes da formação do corpo; (ESE- item 8) </li></ul><ul><li>Ex. filho de peixe, peixinho não é; </li></ul><ul><li>Não é o pai quem cria o Espírito de seu filho; ele não faz mais do que lhe fornecer o invólucro corpóreo, cumprindo-lhe, no entanto, auxiliar o desenvolvimento intelectual e moral do filho, para fazê-lo progredir. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Os que encarnam numa família, sobretudo como parentes próximos, são, as mais das vezes, Espíritos simpáticos, ligados por anteriores relações, que se expressam por uma afeição recíproca na vida terrena; </li></ul><ul><li>Também pode acontecer sejam completamente estranhos, afastados entre si por antipatias anteriores, que aí lhes serve de provação; </li></ul><ul><li>Não são os da consangüinidade os verdadeiros laços de família e sim os da simpatia e da comunhão de idéias, os quais prendem os Espíritos antes, durante e depois de suas encarnações. </li></ul>
  4. 4. Vida É o Amor existencial.
  5. 5. <ul><li>É ponto pacífico em todas as religiões que a família é uma das mais importantes associações existentes na Terra, se não a mais importante; </li></ul><ul><li>Nos diz Emmanuel: “Temos no instituto doméstico uma organização de origem divina , em cujo seio encontramos instrumentos necessários ao nosso próprio aprimoramento para a edificação do Mundo Melhor”; </li></ul><ul><li>Com a doutrina espírita, que nos traz em seus pilares a lógica absoluta da reencarnação, o conceito da família se expande, pois vai muito além dos laços consangüíneos. O entendimento das dificuldades existentes dentro do lar ganham explicação clara e lúcida; </li></ul><ul><li>Passamos a entender porque nos afinizamos mais com um do que com outro. Compreendemos porque um amigo muitas vezes é aquele irmão que tanto gostaríamos de ter . </li></ul><ul><li>Percebemos as tramas dos enganos entre familiares que se engalfinham pelos bens materiais. O porquê das tragédias familiares, traições, crimes, abandonos, rejeições, tantos abortos, tantas decepções. </li></ul>
  6. 6. Razão É o Amor que pondera.
  7. 7. <ul><li>Embora o retrato das nossas famílias se revele muitas vezes desanimador e assustador, é com a doutrina espírita que vamos entender que cada um está fazendo o melhor que pode. Que os erros de hoje serão corrigidos amanhã. Errar é uma forma de aprendizado dentro das leis de Deus. </li></ul><ul><li>Se assim compreendermos, ficará mais fácil perdoar, sermos perdoados e nos perdoarmos, facilitando assim a convivência na família. </li></ul><ul><li>Temos na reencarnação então a grande diferença do Espiritismo para a maioria das religiões. Uma diferença que EXPLICA e CONSOLA. </li></ul>
  8. 8. <ul><li> Qual a diferença entre o parentesco material(corporal) e o parentesco espiritual, segundo a Doutrina Espírita? </li></ul><ul><li> O parentesco material é a união na família de acordo com os laços consangüíneos e o parentesco espiritual é a nossa verdadeira família pela união dos gostos, dos sentimentos, das afinidades. Enfim, pela reunião do entendimento de que todos somos irmãos. </li></ul> Há pessoas que dizem que os laços de família são apenas resultado de costumes sociais. Como entender a questão das famílias terrenas e espirituais?  A constituição dos laços de família é uma necessidade do Espírito. A família terrena é um instrumento para a construção da família espiritual.
  9. 9. Simpatia É o Amor que sorri.
  10. 10. <ul><li>Como vamos rever nossos entes queridos se por acaso os mesmos já encarnaram novamente? Como reconhecê-los? </li></ul><ul><li>O reconhecimento dos entes queridos não se dá somente pela aparência, mas, principalmente, pela afinidade e pela vibração. </li></ul><ul><li>A doutrina espírita nos ensina que mesmo encarnados nós temos a sagrada oportunidade, durante o sono, de mantermos contato com esses entes queridos, muito mais vezes do que podemos supor , de forma que estes contatos servem como um bálsamo para as nossas provas tão sofridas. </li></ul><ul><li>No dia em que estivermos mais atentos, perceberemos com maior facilidade estes contatos. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Por que há tanta briga de irmãos em família? Como pode se explicar que dois irmãos numa mesma casa sejam como estranhos e não consigam se relacionar? </li></ul><ul><li>porque não estão ligados pelos reais laços de afetividade. São espíritos que se reúnem para transformar desenganos que normalmente tem raiz no passado. </li></ul><ul><li>Sem a reencarnação é impossível o entendimento destas questões. </li></ul>
  12. 12. Renúncia É o Amor que se depura.
  13. 13. <ul><li>Temos nossas reencarnações sempre dentro de um mesmo grupo familiar? </li></ul><ul><li>Somos conduzidos pelos gostos, pelas semelhanças, pela lei de afinidade. </li></ul><ul><li>Logo esses fatores são predominantes na escolha da família, o que significa dizer que realmente ficamos próximos dentro de um mesmo grupo. </li></ul><ul><li>Ressaltando que a escolha da família se dará de acordo com as nossas maiores necessidades, como espíritos imortais que somos. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Por que sempre temos em nossas famílias pessoas que nem sempre amamos como deveríamos? E, temos amigos que gostaríamos que fossem parte de nossas famílias? </li></ul><ul><li>Estão vendo como é preciso falar de espíritos para entendermos essas coisas? </li></ul><ul><li>Quem é o amigo que amamos mais que o familiar, senão um espírito que já conquistamos no passado pelos laços de amor? </li></ul>
  15. 15. Desespero É o Amor que se desgoverna.
  16. 16. <ul><li>Emmanuel nos traz que o Lar é o cadinho purificador. Neste contexto, como viver bem, tendo em vista que podemos ter espíritos problemáticos reunidos na família? </li></ul><ul><li>Eis a Sabedoria Divina. Aproveita o nosso interesse pelos laços consangüíneos, &quot;amarrando-nos&quot; uns aos outros, até mesmo adversários, para podermos aprender a conviver e a nos amar; </li></ul><ul><li>Se fosse ficar por nossa conta, quando iríamos ter a coragem de abraçar, de beijar e dar carinho ao nosso inimigo (mãe e filho, por exemplo)? </li></ul>
  17. 17. <ul><li>O que ocorre quando dois espíritos que há milênios se odeiam e, ao reencarnarem juntos na mesma família, acabam por se destruírem? (Vemos pela imprensa muitos casos de pais matando filhos e vice-versa, por exemplo) </li></ul><ul><li>O que claramente vemos aí são os espíritos que se atraem até mesmo pelos laços do ódio e que Deus permite que venham junto no palco da vida para poderem, através do esquecimento de quem são , conseguirem deixar, pela convivência familiar, alguma marca que, mais tarde, apesar do crime, surgirá como apoio em suas vidas; </li></ul><ul><li>Exemplo: A fase da infância: o amor e o carinho permanecerão como essas marcas. Os espíritos não esquecem isto. </li></ul>
  18. 18. Estudo É o Amor que analisa.
  19. 19. <ul><li>Joanna de Ângelis no livro &quot;Estudos Espíritas&quot; nos diz: A família é um grupo de espíritos normalmente necessitados, desajustados, em compromisso inadiável para a reparação, graças a contingência reencarnatória. </li></ul><ul><li>E no livro &quot;SOS Família, ela diz: &quot;A família é, antes de tudo, um laboratório de experiências reparadoras, na qual a felicidade e a dor se alternam, programando a paz futura.&quot; </li></ul>
  20. 20. A ingratidão dos filhos e os laços de família <ul><li>A ingratidão é um dos frutos mais diretos do egoísmo. Revolta sempre os corações honestos. Mas, a dos filhos para com os pais tem um caráter ainda mais odioso; </li></ul> Quando uma filha tem mágoas profundas da mãe, o que atribuir a isso se a mãe sempre mostrou-se amorosa?  Não podemos esquecer que somos espíritos imortais! Hoje a mãe é boa, mas a filha ainda não superou os traumas do passado encarnatório, precisando de muita compreensão, tolerância e principalmente saber que ambas estão aqui para o crescimento dos seus sentimentos.
  21. 21. <ul><li>Como os pais devem agir diante de um filho que veio para resgatar dívidas com os mesmos, se mostrando uma criança revoltada por respaldos de um antigo ódio? </li></ul><ul><li>Com muito amor! Encontrando isso na vivência </li></ul><ul><li>diária, o auxílio da religião e bastante diálogo no momento em que o filho estiver dormindo, já que quando acordado é mais rebelde. </li></ul><ul><li> Dizer-lhes coisas boas, os planejamentos bons do futuro, como o ama, e com certeza, a melhoria irá ocorrendo aos poucos. </li></ul>
  22. 22. <ul><li>Que tipo de ensinamento podemos tirar da ingratidão? </li></ul><ul><li>&quot;Se Deus permite por vezes sejais pagos com a ingratidão, é para experimentar a vossa perseverança em praticar o bem.” (O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap XIII, item 19) </li></ul><ul><li>O ensinamento é que somos convocados à prática do entendimento das criaturas ; </li></ul>
  23. 23. Indiferença É o Amor que se esconde.
  24. 24. <ul><li>Qual a atitude de uma mãe que faz tudo por um filho e ele só lhe faz ingratidão? </li></ul><ul><li>&quot;Não escorraceis, pois, a criancinha que repele sua mãe, nem a que vos paga com a ingratidão; não foi o acaso que a fez assim e que vo-la deu. Imperfeita intuição do passado se revela, do qual podeis deduzir que um ou outro já odiou muito, ou foi muito ofendido; que um ou outro veio para perdoar ou para expiar. (...) </li></ul><ul><li>Mães! abraçai o filho que vos dá desgostos e dizei convosco mesmas: Um de nós dois é culpado. Fazei-vos merecedoras dos gozos divinos que Deus conjugou à maternidade, ensinando aos vossos filhos que eles estão na Terra para se aperfeiçoar, amar e bendizer .&quot; (Santo Agostinho em &quot;O Evangelho Segundo o Espiritismo&quot;, Capítulo XIV, item 9) </li></ul>
  25. 25. Que fizestes do filho confiado à vossa guarda? <ul><li>Ponde todo vosso amor em aproximar de Deus essa alma; os vossos cuidados e a educação que lhes dareis auxiliarão o seu aperfeiçoamento e o seu bem-estar futuro; </li></ul><ul><li>Tal a missão que vos está confiada e cuja recompensa recebereis, se fielmente a cumprirdes. </li></ul>
  26. 26. ☺☺ Deve-se admitir o uso da força, em alguma circunstância, com a criança para educá-la? ☺ Nunca. A única força é a moral. E muita energia quando preciso, mas não esquecendo do amor. ☺ Não podemos criar pessoas violentas, traumatizadas, revoltadas, mas sim conscientizadas em ter bons hábitos para uma educação real.
  27. 27. Fé É o Amor que se transcende.
  28. 28. União fraternal <ul><li>Permite Deus que os menos adiantados encarnem entre os mais adiantados a bem do seu progresso; </li></ul><ul><li>Assim, auxiliando-se aos retardatários, no mundo dos Espíritos, a família se felicitará por haver salvo alguns náufragos que, a seu turno, poderão salvar outros. </li></ul><ul><li>Santo Agostinho.(Paris,1862) </li></ul>
  29. 29. <ul><li>Cito Johann Pestalozzi em sua obra &quot;Madre i figlio&quot;. &quot;É natural que eu ponha como primeira condição o amor, que sempre comparecerá espontaneamente. Tudo o que eu pediria a uma mãe seria que ela fizesse operar seu amor com a maior força possível, e todavia o regulasse com a reflexão&quot; </li></ul><ul><li>O grande pedagogo nos ensina: fundamentar o tratamento de nossos filhos, principalmente no divino presente da maternidade, com amor e reflexão, para ver frutificar suas sementes nos corações que Deus lhes confiou para cuidar em Seu nome. </li></ul><ul><li>O recado da ingratidão é, pois, o recado do chamamento ao amor, à dedicação, à compreensão e à luta de renovação que, seguindo Jesus, travamos conosco mesmos. </li></ul>
  30. 30. Fraternidade É o Amor que se expande.
  31. 31. <ul><li>&quot;A educação, se bem entendida, é a chave do progresso moral. Quando se conhecer a arte de manejar os caracteres como se conhece a de manejar as inteligências, poder-se-á endireitá-los, como se endireita as plantas jovens&quot; (LE, Comentário de Kardec sobre Q. 917) </li></ul>E pra finalizar...

×