Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Palestra Sobre Carnaval

9,375 views

Published on

Conceição de Jacareí - RJ
www.gespiritacristao.com

Palestra Sobre Carnaval

  1. 1. A car ne na da val e Carnaval
  2. 2. <ul><li>A folia em que pontifica o Rei Momo já foi um dia a comemoração dos povos guerreiros, festejando vitórias; </li></ul><ul><li>Foi reverência coletiva ao deus Dionísio, na Grécia clássica, quando a festa se chamava bacanalia; </li></ul><ul><li>Na velha Roma dos césares, fortemente marcada pelo aspecto pagão, chamou-se saturnalia e nessas ocasiões se sacrificava uma vítima humana. </li></ul><ul><li>Na Idade Média, entretanto, é que a festividade adquiriu o conceito que hoje apresenta, o de que uma vez por ano seja lícito enlouquecer, em homenagem aos falsos deuses do vinho, das orgias, dos desvarios e dos excessos, em suma. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>O que se observa nestes três dias de loucura, em que a carne nada vale, é o afloramento das paixões. </li></ul><ul><li>Observam-se foliões que se afadigam por longos meses na confecção das fantasias. Tudo para viver a psicosfera da ilusão . </li></ul><ul><li>Perseguem vitórias vazias que esperam alcançar nestes dias. Diversos se mostram exaustos, física e emocionalmente. </li></ul><ul><li>Alguns recorrem a fortes estimulantes para o instante definitivo do desfile. Consomem tempo e dinheiro, que poderiam ser aplicados na manutenção da vida e salvação de muitas vidas. </li></ul>
  4. 5. Ulcerações Morais <ul><li>O carnaval não deve ser rejeitado simplesmente, mas vivenciado com um mínimo de responsabilidade e bom senso. </li></ul><ul><li>Aquilo que não é bom nos outros momentos da vida não pode tornar-se positivo apenas porque é carnaval. Deve-se indubitavelmente procurar a alegria, as manifestações passíveis de felicidade, mas é importante questionar-se sobre o que realmente é capaz de gerar essa felicidade e se determinadas alegrias não são aparentes e unicamente geradoras de sofrimentos futuros para nós mesmos e/ou para o nosso próximo. </li></ul>
  5. 7. <ul><li>A Doutrina Espírita, por favorecer o entendimento das condições e finalidades da vida, bem como dos motivos por que sofremos, ao mesmo tempo em que nos amplia as possibilidades de felicidade, os faz pessoas otimistas com a existência terrena e com a Humanidade, esperançosas de um futuro harmonioso e, por isso mesmo, alegres, como aliás deveriam ser todos os cristãos que bem compreendem a mensagem de Jesus. </li></ul>
  6. 8. <ul><li>&quot;Examina se a tua alegria de hoje será, também, tua alegria amanhã&quot; André Luiz </li></ul>
  7. 9. <ul><li>O velho argumento de que &quot;a carne é fraca&quot; é repetido por inúmeras bocas, tentando explicar o inexplicável. </li></ul><ul><li>A carne não é fraca, ela não pensa ou decide coisa alguma. Não é ela que determina nossas atitudes. </li></ul><ul><li>O Espírito, sim, é imperfeito e se deixa arrastar por suas más tendências, por suas paixões. </li></ul>
  8. 10. <ul><li>Todo Carnaval é uma guerra psíquica onde tantos, no mundo espiritual, aproveitam para instaurar processos obsessivos que poderão se arrastar por muito tempo, à partir de brechas abertas por &quot;apenas&quot; alguns dias de folia. </li></ul>
  9. 11. <ul><li>Muitos espíritas, ingenuamente, julgam que a participação nas festas de Momo, tão do agrado dos brasileiros, não acarreta nenhum mal a nossa integridade psico-espiritual. </li></ul><ul><li>E de fato, não haveria prejuízo maior, se todos pensassem e brincassem num clima sadio, de legitima confraternização. </li></ul><ul><li>Infelizmente, porém, a realidade é bem diferente. Vejamos, por exemplo, as conclusões a que chegou um grupo de psicólogos que analisou o carnaval, segundo matéria publicada já há algum tempo no Correio Brasiliense, importante jornal da Capital da República: </li></ul>
  10. 12. <ul><li>“ (...) de cada dez casais que caem juntos na folia, sete terminam a noite brigados (cenas de ciúme, intrigas, etc.); que, desses mesmos dez casais, posteriormente, três se transformam em adultério; que de cada dez pessoas (homens e mulheres) no carnaval, pelo menos sete se submetem a coisas que abominam no seu dia-a-dia, como o álcool e outras drogas (...). Concluíram que tudo isto decorre do êxtase atingido na grande festa, quando o símbolo da liberdade, da igualdade, mas também da orgia e da depravação, estimulado pelo álcool leva as pessoas a se comportarem fora de seus padrões normais (...)”. </li></ul>
  11. 14. <ul><li>No livro “Nas Fronteiras da Loucura”, psicografado por Divaldo Pereira Franco, são focalizados vários desses processos obsessivos, sobre pessoas imprevidentes, que pensavam apenas em se divertir no carnaval do Rio. </li></ul><ul><li>Mostra também o infatigável trabalho dos espíritos do bem, a serviço de Jesus, procurando diminuir o índice de desvarios e de desfechos profundamente infelizes. </li></ul><ul><li>Fiquemos, portanto, com o apóstolo Paulo, que dizia “tudo me é lícito, mas nem tudo me convém”. (I Cor. 6,12). </li></ul>
  12. 15. <ul><li>Noel Rosa </li></ul><ul><li>“ O Carnaval para mim, é passado de dor e a caridade, hoje, é-me festa de todo, dia, qual primavera que surge após inverno demorado, sombrio”. </li></ul>
  13. 16. <ul><li>“ A carne nada vale”. O Carnaval, conforme os conceitos de Bezerra de Menezes, é festa que ainda guarda vestígios da barbárie e do primitivismo que ainda reina entre os encarnados, marcado pelas paixões do prazer violento. </li></ul><ul><li>Como nosso imperativo maior é a Lei de Evolução, um dia tudo isso, todas essas manifestações ruidosas que marcam nosso estágio de inferioridade desaparecerão da Terra. </li></ul><ul><li>Em seu lugar, então, predominarão a alegria pura, a jovialidade, a satisfação, o júbilo real, com o homem despertando para a beleza e a arte, sem agressão nem promiscuidade. </li></ul>
  14. 17. <ul><li>Não se permitam poluir, pais terrestres, e lutem por preservar os seus filhos dessa ilusão passageira. </li></ul><ul><li>Vocês, pai e mãe, atentos à nobre tarefa de educar seus rebentos, envolvam-nos com seu amor e sua assistência para que eles amadureçam assim, e a harmonia atinja mais rapidamente os arraiais do mundo, transformando as paixões inferiores em prazer renovador e são.&quot; </li></ul>

×