Desencarnação

4,628 views

Published on

Esta apresentação pertence a Dr. Sergio Menezes e ao Grupo Espirita Conceição de Jacarei.

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
4,628
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
122
Actions
Shares
0
Downloads
243
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Desencarnação

  1. 1. DESENCARNA Ç ÃO : Fluido Vital e Perispírito Enter Ligue o Som
  2. 2. <ul><li>+ </li></ul>+ corpo perispírito espírito Ser Humano - tríplice aspecto:
  3. 3. Fluido vital <ul><li>Durante o processo gestacional, o Espírito reencarnante irá se impregnando de determinada quantidade deste fluido… </li></ul>
  4. 4. O Fluido Vital <ul><li>É um fluido mais ou menos grosseiro, encontrado apenas nos seres orgânicos. É o responsável pela animalização da matéria nos seres vivos. </li></ul><ul><li>Forma-se, como todos os fluidos espirituais das transformações do FCU- Fluido Cósmico Universal </li></ul>
  5. 5. Condições onde o fluido vital terá uma participação ativa: <ul><li>Animalização da Matéria: o fluido vital é a força motriz dos seres orgânicos, o elemento que dá impulsão aos órgãos, movimento e atividade à materia organizada; </li></ul><ul><li>Mediunidade de Efeitos físicos - ectoplasma </li></ul><ul><li>Curas Espirituais - utilizadas energias dos encarnados... </li></ul>
  6. 6. A morte do corpo físico
  7. 7. A Causa da Morte Exaustão dos órgãos
  8. 8. Conceito científico atual Ausência de atividade elétrica cerebral
  9. 9. <ul><li>Em muitas oportunidades, esta exaustão do corpo físico será precedida por uma deterioração do fluido vital que o animaliza. </li></ul>
  10. 10. Exaustão do Corpo físico Desligamento do Espírito Destruição do Corpo físico Desligamento do Espírito Mecanismo da Morte Deterioração do Fluido Vital Destruição do Corpo físico
  11. 11. <ul><li>Deterioração </li></ul><ul><li>do Fluido Vital </li></ul>Neste caso, o corpo enfermo não estaria em condições de participar da renovação do fluido vital adulterado, o que completaria o circuito de forças enfermiças.
  12. 12. <ul><li>Neste caso, a morte alcançaria os órgãos impregando-os de fluidos vitais sadios, o que poderia criar dificuldades na readaptação do desencarnante à sua nova vida, já que o fluido vital é exclusivo dos encarnados. </li></ul>Mortes Trágicas
  13. 13. <ul><li>sofrimento que acompanha o desencarnante: é diretamente proporcional à culpabilidade da vítima naquele acidente. </li></ul><ul><li>Nos casos em que o Espírito não foi o responsável (consciente ou inconsciente) pelo seu desencarne, o fluido vital restante sofreria uma “queima rápida“, o que liberaria o Espírito dessas energias impróprias para a vida espiritual </li></ul>Mortes Trágicas
  14. 14. O Desligamento Desligar ≠ A morte é física O desligamento é puramente espiritual Morrer
  15. 15. Desligamento espiritual <ul><li>É o processo através do qual o Espírito desencarnante se afasta definitivamente do corpo físico que o abrigava durante a vida na Terra. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>O corpo espiritual e o corpo físico estão aderidos um ao outro do ponto de vista magnético, átomo a átomo e molécula a molécula. </li></ul><ul><li>A.Kardec </li></ul>
  17. 17. E Q M. Experiência Quase Morte
  18. 18. <ul><li>Segundo André Luiz, o desligamento, via de regra, inicia-se na porção caudal do corpo, e, em sentido ascendente, atinge a região cefálica. </li></ul><ul><li>Quando não existir mais nenhum ponto de contato entre perispírito e corpo físico, o desencarnante está completamente liberto da matéria. </li></ul>
  19. 19. <ul><li>Com a morte, o corpo vital sofrerá um processo de desintegração, qual ocorre com o corpo fisico. </li></ul>
  20. 20. Os três corpos: Físico, Astral e Mental.
  21. 21. O Estado de Perturbação Neste instante a alma experimenta um torpor que paralisa momentaneamente suas faculdades, neutralizando, ao menso em parte, as sensações, de modo que quase nunca testemunha conscientemente o derradeiro momento.
  22. 22. <ul><li>Em algumas pessoas ela é de curtíssima duração, quase imperceptível, e nada tem de dolorosa - poderia ser comparada como um leve despertar. </li></ul><ul><li>Em outras, o estado de perturbação pode durar muitos anos, até séculos, e pode configurar um quadro de sofrimento severo, com angústia e temores acerbos. </li></ul>
  23. 23. Balanço Existencial <ul><li>Os principais fatos da vida do desencarnante deslizam diante de sua mente, numa velocidade espantosa, e ele revê a si mesmo em quase todos os grandes lances de sua encarnação . </li></ul>
  24. 24. <ul><li>O conhecimento que nos tiver sido possível adquirir das condições da vida futura exerce grande influência em nossos últimos momentos; dá-nos mais segurança; abrevia a separação da alma. </li></ul>
  25. 25. Idade <ul><li>Os extremos da vida são os períodos da existência em que a desencarnação se processa geralmente com maior facilidade. </li></ul>
  26. 26. Tipo de morte <ul><li>As mortes súbitas, traumáticas acompanham-se geralmente de um estado de perturbação maior. </li></ul><ul><li>A doença crônica, arrastada, facilita o desligamento do Espírito e sua identifição com a vida pós-túmulo. </li></ul><ul><li>Nas desencarnações violentas = responsabilidade </li></ul><ul><li>Acidentes que o desencarnante não tem culpa atual, passando o brusco choque, o periodo perturbardor tem curta duração. </li></ul>
  27. 27. Atitude da família <ul><li>Léon Denis diz: </li></ul><ul><li>“ No estado de perturbação, a alma tem consciência dos pensamentos que se lhe dirigem. Os pensamentos de amor e caridade, as vibrações dos corações afetuosos brilham para ela como raios na névoa que a envolve: ajudam-na a soltar-se dos últimos laços que a acorrentam à Terra, a sair da sombra em que está imersa.“ </li></ul>
  28. 28. Velório <ul><li>Conceito: </li></ul><ul><li>“ Ato de velar com outros um morto; de passar a noite em claro onde se encontra exposto um morto.“ </li></ul>
  29. 29. Representa horas que sucedem ao desencarne e que são importantes para o recém liberto.
  30. 31. <ul><li>As preces pelos Espíritos que acabam de deixar a Terra têm por fim, não apenas proporcionar-lhes uma prova de simpatia, mas também ajudá-los a se libertarem das ligações terrenas, abreviando a perturbação que segue sempre à separação do corpo, e tornando mais calmo o seu despertar. </li></ul><ul><li>(ESE-capXXVIII,it 59) </li></ul>
  31. 32. A Condição Moral <ul><li>“ A causa principal da maior ou menor facilidade de desprendimento é o estado moral da alma. A afinidade entre o corpo e o perispírito é proporcional ao apego à matéria, que atinge o seu máximo no homem cujas preocupaçãos dizem respeito exclusiva e unicamente à vida e gozos materiais.“ </li></ul><ul><li>A.Kardec </li></ul>
  32. 33. Atitudes perante a Morte ou o Morto <ul><li>Uso de velas - Não tem nenhum significado para o espírita. </li></ul><ul><li>Cremação de cadáveres - Emmanuel aconselha esperar-se 72 horas para efeturar-se a cremação, pois morrer não é libertar-se, a cessação dos movimentos do corpo nem sempre é o fim do transe. </li></ul>
  33. 34. <ul><li>Choro na hora da morte - “As lágrimas aliviam, entretanto, a atitude do espírita deve ser de compreensão e oração“ … resignação </li></ul><ul><li>O sepultamento – “Aproveitar a oportunidade do sepultamento para orar, ou discorrer sem afetação, quando chamado a isso, osbre a imortalidade da alma e sobre o valor da existência terrena“ (André Luiz) </li></ul>
  34. 35. Visita ao cemitério <ul><li>“ A visita ao túmulo proporciona mais satisfação ao Espírito do que uma prece feita em sua intenção?“ </li></ul><ul><li>- a visita ao túmulo é uma maneira de se manifestar que se pensa no Espírito ausente, é a exteriorização desse fato. Eu já vos disse que é a prece que santifica o ato de lembrar; pouco importa o lugar, se a lembrança é ditada pelo coração.“ </li></ul><ul><li>LE q 323 </li></ul>
  35. 36. <ul><li>“ A saudade somente constrói quando associada ao labor do bem.“ </li></ul><ul><li>André Luiz </li></ul>
  36. 37. Bibliografia <ul><li>Apostila – Curso Básico de Espiritismo (CVDEE): </li></ul><ul><li>Livro dos Espiritos - Allan Kardec </li></ul><ul><li>O Céu e o Inferno - Allan Kardec </li></ul><ul><li>A Gênese - Allan Kardec </li></ul><ul><li>Obreiros da Vida Eterna - André Luiz/Chico Xavier </li></ul><ul><li>Painéis da Obsessão - Manoel P.Miranda/Divaldo Franco </li></ul><ul><li>Correlações Espírito-Matéria - Jorge Andréa </li></ul><ul><li>Entrevistas - Chico Xavier </li></ul><ul><li>Evolução em Dois Mundos – André Luiz/Chico Xavier, Waldo Vieira </li></ul><ul><li>Palestra de Carlos Parchen: A morte do Corpo Físico e a volta ao mundo espiritual www.carlosparchen.net </li></ul><ul><li>Pesquisa e edit. gráfica: Arlete Länzlinger </li></ul>Os amigos, Mário & Mirtes

×