Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

SSO na Construção

3,835 views

Published on

Palestra sobre Gestão de SSO na Construção Civil - IV Encontro de Profissionais de SSO do Norte de Minas (2011)

Published in: Health & Medicine

SSO na Construção

  1. 1. Gestão de Saúde e Segurança na Construção <ul><ul><li>G USTAVO B ARBOSA A LCÂNTARA , EST </li></ul></ul>
  2. 2. Apresentação <ul><li>Graduação em Engenharia Civil, com especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho, ambas pela UFMG </li></ul><ul><li>MBA em Gestão de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) </li></ul><ul><li>Gerente de SSO da Jorasa Empreendimentos Ltda. </li></ul><ul><li>Professor universitário em cursos de graduação em pós-graduação na área de Saúde, Meio Ambiente e Segurança – Unipac, UFVJM, Fac. Santo Agostinho, Funorte, Faculdades São Camilo </li></ul><ul><li>Sócio e coordenador técnico da SMS Consultores Associados – Gestão em Saúde, Meio Ambiente e Segurança </li></ul><ul><li>Especialista em Sistemas de Gestão de SSO e Ambiental, Sistema de Gestão de Riscos e Ferramentas da Qualidade; </li></ul><ul><li>Auditor das normas ISO 14001 (SGA) e OHSAS 18001 (SGSSO) </li></ul><ul><li>Experiências anteriores incluem Engenharia Rodoviária, Construção Civil e Gestão de Projetos </li></ul>
  3. 3. Construção em Números <ul><li>Setor: R$ 570 bi (2010) </li></ul><ul><li>15,5% do PIB (2010) </li></ul><ul><li>Perspectiva de crescimento de 8,5% em 2011 (2010: 11,6%) </li></ul><ul><li>Taxa de crescimento maior que o do PIB Brasil (7,5%) </li></ul>
  4. 4. Construção em Números <ul><li>2,4 milhões de empregados diretos (2010) </li></ul><ul><li>5,44% do total da mão de obra empregada </li></ul><ul><li>Crescimento de ~10% a.a. em 2009 e 2010 </li></ul>
  5. 5. Construção em Números <ul><li>Copa do Mundo (2014): R$ 10 bi (estádios) </li></ul><ul><li>Jogos Olímpicos (2016): R$ 30 bi </li></ul><ul><li>PAC fase 02 (agora!): R$ 1,5 trilhões </li></ul>
  6. 6. Construção em Números <ul><li>Segundo setor em número de acidentes do trabalho no Brasil, atrás apenas do setor rural </li></ul><ul><li>Acidentes mais comuns: </li></ul><ul><ul><li>Queda em altura </li></ul></ul><ul><ul><li>Queda de material </li></ul></ul><ul><ul><li>Choques elétricos </li></ul></ul><ul><ul><li>Soterramento </li></ul></ul>
  7. 7. Construção em Números <ul><li>Total de acidentes e doenças (2009): 54,1 mil </li></ul><ul><li>7,48% do total de acidentes no Brasil </li></ul><ul><ul><li>Típico: 34.663 </li></ul></ul><ul><ul><li>Trajeto: 4.970 </li></ul></ul><ul><ul><li>Doenças: 1.064 </li></ul></ul><ul><ul><li>Sem CAT: 13.445 </li></ul></ul>
  8. 8. Construção em Números <ul><li>Custo de acidentes no Brasil </li></ul><ul><li>José Pastore: R$ 20 bi (2001) </li></ul><ul><li>3,5% do PIB da construção </li></ul>
  9. 9. Construção em Números <ul><li>Custo de acidentes no Brasil </li></ul><ul><li>BID (2000): R$ 72 bi </li></ul><ul><li>Construção: R$ 11 bi </li></ul>
  10. 10. Construção em Números <ul><li>Custo de acidentes no Brasil </li></ul><ul><li>OIT – Safety in Numbers (2003): 4% do PIB gasto com acidentes e doenças ocupacionais </li></ul><ul><li>Construção: R$ 22,8 bi </li></ul>
  11. 16. Custo Brasil
  12. 17. Crescimento Econômico <ul><li>Brasil (década de 70) </li></ul><ul><li>Milagre econômico </li></ul><ul><li>Crescimento de dois dígitos </li></ul><ul><li>1970: 1 milhão de acidentes de trabalho (campeão mundial) </li></ul><ul><li>Criação das NRs (1977/1978) </li></ul><ul><li>China (atualmente) </li></ul><ul><li>Locomotiva da economia mundial </li></ul><ul><li>Crescimento de dois dígitos por duas décadas </li></ul><ul><li>18 mil acidentes/ano </li></ul><ul><li>Estrutura e legislação de SSO precárias </li></ul>
  13. 18. Crescimento e SSO <ul><li>Investimentos </li></ul><ul><li>Grande volume de obras </li></ul><ul><li>Prazos exíguos </li></ul><ul><li>Aumento da oferta de emprego </li></ul><ul><li>Urgência nas contratações </li></ul><ul><li>Estrutura </li></ul><ul><li>MDO sem qualificação </li></ul><ul><li>Liderança despreparada </li></ul><ul><li>Despreparo dos profissionais de SSO </li></ul><ul><li>Longas jornadas de trabalho </li></ul><ul><li>Mais pressão </li></ul>
  14. 19. Crescimento e SSO <ul><li>Qualificação da Mão de Obra </li></ul><ul><li>Demanda maior que oferta </li></ul><ul><li>Dificuldade de contratação fora dos centros urbanos </li></ul><ul><li>Contratação de profissionais pouco qualificados </li></ul><ul><li>Falta de adesão aos programas oficiais de qualificação </li></ul><ul><ul><li>Programas sociais governamentais (ex.: Bolsa Família) </li></ul></ul><ul><ul><li>Preconceito contra o trabalho no setor </li></ul></ul><ul><li>Resistência ao uso de EPI (falta de cultura de SSO) </li></ul>Empresas qualificando trabalhadores in loco
  15. 20. Crescimento e SSO <ul><li>Qualificação dos Profissionais de SSO </li></ul><ul><li>Carência de profissionais de SSO especialistas em construção </li></ul><ul><li>Contratação de profissionais sem noções básicas de gestão de SSO na construção </li></ul><ul><li>Má formação e despreocupação com o aprimoramento profissional </li></ul>Seleção rigorosa Adequação da formação
  16. 21. Crescimento e SSO <ul><li>Despreparo da liderança </li></ul><ul><li>Profissionais “verdes” </li></ul><ul><li>Não há formação de SSO nos cursos de graduação </li></ul>Seleção rigorosa Adequação da formação
  17. 22. Crescimento e SSO <ul><li>Pequenas e Médias empresas </li></ul><ul><li>Desconhecimento da legislação </li></ul><ul><li>Não têm cultura de segurança </li></ul><ul><li>70% dos acidentes </li></ul><ul><li>Estrutura </li></ul><ul><li>Investem em segurança </li></ul><ul><li>Estrutura de SSO </li></ul><ul><li>Exigência de SSO para contratadas </li></ul>
  18. 23. NR-18 <ul><li>NR-18: Norma regulamentadora específica para a indústria da construção civil e pesada </li></ul><ul><li>Implementação de medidas de controle e sistemas preventivos de segurança nos processos, nas condições e no meio ambiente de trabalho na indústria da construção </li></ul><ul><li>Atividades e serviços de demolição, reparo, pintura, limpeza e manutenção de edifícios em geral </li></ul><ul><li>39 itens e quatro anexos </li></ul>
  19. 24. PCMAT <ul><li>PCMAT: programa de gestão de SSO na construção (instituído em 1995) </li></ul><ul><li>Integração ao planejamento e fases de execução da obra </li></ul><ul><li>São obrigatórios a elaboração e o cumprimento do PCMAT nos estabelecimentos com 20 (vinte) trabalhadores ou mais </li></ul>
  20. 25. PCMAT <ul><li>Contempla as exigências do PPRA, sendo complementar a este </li></ul><ul><li>Contempla, além dos agentes ambientais, agentes ergonômicos e de acidentes/mecânicos </li></ul><ul><li>Elaboração a cargo de profissional de SSO, preferencialmente com experiência em construção </li></ul>
  21. 26. PCMAT <ul><li>Deve ser apresentado a todos os trabalhadores, demonstrando sua importância e, principalmente, sua função de estabelecer os procedimentos de segurança </li></ul><ul><li>Contempla, além dos agentes ambientais, agentes ergonômicos e de acidentes/mecânicos </li></ul><ul><li>Elaboração a cargo de profissional de SSO, preferencialmente com experiência em construção </li></ul>
  22. 27. PCMAT <ul><li>Gestão do PCMAT </li></ul><ul><li>Cinco etapas: </li></ul><ul><ul><li>Análise de projetos </li></ul></ul><ul><ul><li>Vistoria do local </li></ul></ul><ul><ul><li>Reconhecimento e análise de riscos </li></ul></ul><ul><ul><li>Elaboração do documento base </li></ul></ul><ul><ul><li>Implantação </li></ul></ul>
  23. 28. PCMAT <ul><li>Gestão do PCMAT </li></ul><ul><li>Análise de Projeto </li></ul><ul><ul><li>Projetos (arquitetônico, estrutural, hidrossanitário, etc.) </li></ul></ul><ul><ul><li>Cronograma físico da obra (inclusive alocação MDO) </li></ul></ul><ul><ul><li>Especificação de materiais e produtos químicos </li></ul></ul><ul><ul><li>Especificação de equipamentos e ferramentas </li></ul></ul><ul><ul><li>Benchmark com obras similares </li></ul></ul>
  24. 29. PCMAT <ul><li>Gestão do PCMAT </li></ul><ul><li>Vistoria do local </li></ul><ul><ul><li>Informações in loco sobre condições do ambiente de trabalho </li></ul></ul>
  25. 30. PCMAT <ul><li>Gestão do PCMAT </li></ul><ul><li>Reconhecimento e Avaliação de Riscos </li></ul><ul><ul><li>Elaboração de AR macro para cada etapa da obra (serviços preliminares; infra-estrutura; superestrutura; alvenaria; acabamento; cobertura); </li></ul></ul><ul><ul><li>Elaboração de ARs para sub-etapas e atividades críticas; </li></ul></ul><ul><ul><li>PTE para trabalhos especiais, APR, PET, etc. </li></ul></ul>
  26. 31. PCMAT <ul><li>Gestão do PCMAT </li></ul><ul><li>Reconhecimento e Avaliação de Riscos </li></ul>AR macro (etapa) AR sub-etapa AR atividade crítica APR PTE PET
  27. 32. PCMAT <ul><li>Gestão do PCMAT </li></ul><ul><li>Elaboração do documento base </li></ul><ul><ul><li>Momento onde todo o levantamento anterior é descrito e são especificadas as fases do processo de produção </li></ul></ul><ul><ul><li>Especificação das medidas de controle coletivas e individuais </li></ul></ul>
  28. 33. PCMAT <ul><li>Gestão do PCMAT </li></ul><ul><li>Elaboração do documento base </li></ul><ul><ul><li>Memorial sobre condições e meio ambiente de trabalho nas atividades e operações, levando-se em consideração riscos de acidentes e de doenças do trabalho e suas respectivas medidas preventivas; </li></ul></ul><ul><ul><li>Projeto de execução das proteções coletivas em conformidade com as etapas da execução da obra; </li></ul></ul>
  29. 34. PCMAT <ul><li>Gestão do PCMAT </li></ul><ul><li>Elaboração do documento base </li></ul><ul><ul><li>Especificação técnica das proteções coletivas e individuais a serem utilizadas; </li></ul></ul><ul><ul><li>Cronograma de implantação das medidas preventivas definidas no PCMAT; </li></ul></ul><ul><ul><li>Layout inicial do canteiro da obra, contemplando, inclusive, previsão do dimensionamento das áreas de vivência </li></ul></ul>
  30. 35. PCMAT <ul><li>Gestão do PCMAT </li></ul><ul><li>Implantação do programa </li></ul><ul><ul><li>Desenvolvimento/aprimoramento de projetos e implementação de medidas de controle ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Adoção de programas de treinamento de pessoal envolvido na obra, para manter a “chama” da segurança sempre acesa; </li></ul></ul><ul><ul><li>Especificação de equipamentos de proteção individual (EPIs); </li></ul></ul>
  31. 36. PCMAT <ul><li>Gestão do PCMAT </li></ul><ul><li>Implantação do programa </li></ul><ul><ul><li>Avaliação constante dos riscos , com o objetivo de atualizar e aprimorar sistematicamente o PCMAT; </li></ul></ul><ul><ul><li>Estabelecimento de métodos para servir como indicadores de desempenho ; </li></ul></ul><ul><ul><li>Aplicação de auditorias para verificar a eficiência do gerenciamento do sistema de Segurança do Trabalho </li></ul></ul>
  32. 37. Reflexão Trabalhadores da construção civil que preferem virar PREGO , mas não usam seus equipamentos
  33. 38. <ul><li>Quando tudo vai bem, ninguém lembra que existe; </li></ul><ul><li>Quando algo vai mal, dizem que não existe; </li></ul><ul><li>Quando é para gastar, acha-se que não é preciso que exista; </li></ul><ul><li>Porém, quando realmente não existe, todos concordam que deveria existir. </li></ul>Axioma do Profissional de SSO
  34. 39. Gestão de Saúde e Segurança na Construção <ul><ul><li>E-mail: [email_address] </li></ul></ul><ul><ul><li>Blog: http:// smsconsultores.blogspot.com </li></ul></ul><ul><ul><li>Twitter: @smsconsultores </li></ul></ul>

×