Motivation Theories (Teorias da motivação)

7,774 views

Published on

Apresentação sobre Teorias da Motivação dentro dos Recursos Humanos

Published in: Technology, Travel

Motivation Theories (Teorias da motivação)

  1. 1. Teorias da Motivação Gestão de Recursos Humanos I Professor Paulo Malico Sousa Tiago Reis reis14@gmail.com | Rafael Assis kily_assis@hotmail.com
  2. 2. Temas a Abordar O que é a Motivação Antigas Teorias Teorias Contemporâneas
  3. 3. Motivação
  4. 4. 1. O que é a Motivação
  5. 5. motivação não é um traço pessoal
  6. 6. Motivação “ (…) processo responsável pela intensidade, direcção, e persistência dos esforços de uma pessoa para atingir qualquer objectivo (…) ” Pina e Cunha et al (2006)
  7. 7. 2. Antigas teorias
  8. 8. Teoria da Hierarquia das Necessidades Teoria do X e Teoria do Y Teoria de dois Factores
  9. 9. Teoria da Hierarquia das Necessidades [Abraham Maslow] Auto Realização Estima Social Segurança Fisiológica
  10. 10. Fisiológica FOME
  11. 11. Fisiológica FOME
  12. 12. Fisiológica FOME
  13. 13. Fisiológica FOME
  14. 14. Segurança SEGURANÇA FISICA
  15. 15. Segurança SEGURANÇA FISICA
  16. 16. Social AFEIÇÃO
  17. 17. Social AFEIÇÃO
  18. 18. Social AFEIÇÃO
  19. 19. Estima RESPEITO PRÓPRIO
  20. 20. Estima RESPEITO PRÓPRIO
  21. 21. Estima AUTONOMIA RESPEITO PRÓPRIO
  22. 22. Estima AUTONOMIA RESPEITO PRÓPRIO
  23. 23. Estima AUTONOMIA RESPEITO PRÓPRIO
  24. 24. Estima AUTONOMIA RESPEITO PRÓPRIO
  25. 25. Auto-realização CRESCIMENTO
  26. 26. Auto-realização CRESCIMENTO
  27. 27. Uma Necessidade satisfeita extingue a motivação logo Para motivar alguém, é preciso perceber em que patamar da hierarquia essa pessoa se encontra
  28. 28. Teoria do X Teoria do X e Teoria do Y Teoria do X Os Gestores tendem a desenvolver um conjunto de premissas, assunções, crenças ou ideias sobre os colaboradores que podem ser divididas em dois grupos. [McGregor]
  29. 29. Premissas da Teoria X  Os colaboradores não gostam de trabalhar por sua própria natureza e tentarão evitar o trabalho sempre que possível;  Como não gostam de trabalhar precisam ser coagidos, controlados ou ameaçados com punições para que atinjam as metas;  Os colaboradores evitam responsabilidades e buscam orientação formal sempre que possível;  A maioria dos colaboradores coloca a segurança acima de todos os factores associados ao trabalho e mostra pouca ambição.
  30. 30. Premissas da Teoria Y  Os colaboradores podem achar o trabalho algo tão natural quanto descansar ou divertir;  As pessoas demonstrarão auto-orientação e auto- controle se estiverem comprometidas com os objectivos;  A pessoa mediana é capaz de aprender, aceitar, ou até buscar, a responsabilidade;  A capacidade de tomar decisões inovadoras pode ser encontrada em qualquer pessoa e não é privilegio exclusivo dos que estão em posições hierarquicamente superiores
  31. 31. Teoria do X Teoria do Y Premissas do nível Necessidades de nível mais baixo dominam mais alto são os indivíduos dominantes Auto Realização Estima Social Segurança Fisiológicas [Teoria do X e Y expressa através da Pirâmide de Maslow]
  32. 32. A Teoria dos dois Factores [Frederick Herzeberg] “ O que as pessoas desejam no trabalho? ”
  33. 33. Comparação entre Satisfeitos e Insatisfeitos Higiénicos Motivacionais Factores que contribuem para a Factores que contribuem para a insatisfação no trabalho satisfação no trabalho
  34. 34. Insatisfação Satisfação Visão Tradicional
  35. 35. Visão de Herzeberg Não Satisfação Satisfação Insatisfação Não Insatisfação
  36. 36. Situação Real Relações Cortadas entre Jogador e Treinador
  37. 37. Factores Característicos que conduzem à insatisfação Relacionamento com o Supervisor Politicas e Administração da Empresa Condições de Trabalho Salário Relacionamento com os Colegas Vida Pessoal Supervisão
  38. 38. Situação Hipotética Atleta e Treinador com excelente relação [ Suficiente para haver satisfação? [
  39. 39. Segundo Herzeberg não, pois os factores que determinam a insatisfação ou não insatisfação são diferentes dos que determinam a satisfação ou não satisfação.
  40. 40. Exemplos de Factores que conduzem à Satisfação Realização Ex: Marcar 30 Golos na Liga Reconhecimento Ex: Ser Considerado o melhor atleta Responsabilidade Ex: Ser Capitão de Equipa Progresso Ex: Aperfeiçoamento das Capacidades
  41. 41. 3. Teorias Contemporâneas
  42. 42. Teoria da Avaliação Cognitiva Teoria da Avaliação dos Objectivos Teoria da Equidade
  43. 43. Teoria da Avaliação Cognitiva É estranho (…) Comecei a trabalhar na Human Society como voluntária. Eu trabalhava 15 horas por semana ajudando as pessoas a adotar um bicho de Estimação. E adorava trabalhar. Então há três meses, eles me contrataram em período integral, pagando 11 dólares à hora. Faço a mesma coisa que fazia antes. Mas não estou achando mais divertido.
  44. 44. Premissas habituais Motivação Motivação Intrínseca Extrínseca
  45. 45. Teoria da Avaliação Cognitiva Quando uma organização usa recompensas externas para premiar desempenhos superiores, as recompensas internas que resultam do que o individuo gosta de fazer, são reduzidas.
  46. 46. Só quero que dês o melhor de ti Teoria da Fixação dos Objectivos
  47. 47. Mas que significa o melhor de nós próprios
  48. 48. Será que sabemos quantificar um objectivo tão vago de modo a saber quando o atingimos?
  49. 49. Premissa da Teoria da Fixação dos Objectivos  A especificidade do objectivo em si funciona como estimulo interno;  Objectivos mais fáceis, mais facilmente são atingidos;  Quanto mais difícil é o objectivo, mais alto é o nível de desempenho;  Melhor desempenho se houver feedback em relação ao progresso;  Um feedback auto-gerenciado é ainda mais motivador;  Comprometimento do Individuo para com o objectivo.
  50. 50. Definição dos Objectivos 1. Claro 2. Desafiador 3. Compromisso 4. Feedback 5. Complexidade da tarefa
  51. 51. Limitações Culturais VS
  52. 52. Teoria da Equidade Licenciado Melhor Aluno do Curso de Universidade Conceituada Ambicioso Articulado
  53. 53. Recebe oferta de emprego de uma grande empresa para receber bom ordenado
  54. 54. Desempenha funções para as quais se formou E sente-se bem a fazê-las na empresa
  55. 55. Recompensado pelos esforço, recebe aumento de ordenado
  56. 56. Passado um ano…
  57. 57. É Contratado um recém-licenciado com a mesma formação para as mesmas funções só que… Esse mesmo recém-licenciado vem ganhar mais 20%.
  58. 58. T R A Entradas Resultados B (Esforço, Experiência, (Remunerações, A Aumentos, L Educação, Reconhecimento) competência) H O
  59. 59. Estado de Equidade Nosso Trabalho Trabalho dos outros Situação considerada justa
  60. 60. Tensão de Equidade Trabalho dos outros Nosso Trabalho Situação considerada injusta  Sentimento de Raiva
  61. 61. Tensão de Equidade Nosso Trabalho Trabalho dos outros Situação considerada injusta  Sentimento de Culpa
  62. 62. Reacção após comparação 1. Modificar as suas contribuições Ex.: Fazer menos Esforço
  63. 63. Reacção após comparação 2. Modificar os seus resultados Ex.: Aumentar o seu rendimento
  64. 64. Reacção após comparação 3. Distorcer a sua auto-imagem Ex.: “Eu Achava que trabalhava num ritmo determinado, mas agora percebo que trabalho muito mais que outros”
  65. 65. Reacção após comparação 4. Distorcer a Imagem dos Outros Ex.: “O trabalho dele não é tão bom quanto eu pensava”
  66. 66. Reacção após comparação 5. Buscar outro ponto de referência Ex.: “Posso não ganhar tão bem quanto o meu cunhado mas certamente ganho mais que o meu pai”
  67. 67. Reacção após comparação 6. Abandonar o terreno Ex.: Deixar o emprego
  68. 68. Obrigado pela atenção “ “ ”

×