Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Iam pos cirurgia valvar incor 2009

4,161 views

Published on

Infarto do miocárdio pós operatório

  • Be the first to comment

Iam pos cirurgia valvar incor 2009

  1. 1. Infarto Perioperatório em Cirurgia Valvar. Diagnóstico e Fatores Prognósticos. Reunião Equipe de Valvulopatias Dr. André Lima R3 Cardiologia –InCor - 2009
  2. 2. CASO CLÍNICO <ul><li>C.M.G.M, 49 anos </li></ul><ul><li>QP : “ Piora do cansaço há 3 meses” </li></ul><ul><li>HPMA : Paciente em acompanhamento ambulatorial por valvulopatia desde 1992 , apresentando piora da dispnéia aos esforços (CFIII) há 3 meses apesar o tratamento. </li></ul><ul><li>AP : DLMi ( I > E) + prolapso de valva mitral de etiologia reumática há 10 anos; HAP leve ; Ansiedade com uso crônico de Benzodiazepínicos; Arritmia Ventricular Freqüente; DLP </li></ul>
  3. 3. Caso Clínico <ul><li>Em uso de : hidralazina 25mg 2xd ; espirolactona 25mg; lasix ( Usava até final de 2008 Propafenona 300mg 3x e Vytorim 10mg) </li></ul><ul><li>Radiografia do Tórax : Área Cardíaca de dimensões no limite superior da normalidade; Parênquima pulmonar sem alterações </li></ul>
  4. 4. ECG basal de 1994
  5. 5. Exames Complementares <ul><li>ECG 27/04/09 : RSR com Sobrecarga atrial esquerda + possível Sobrecarda Ventricular Esquerda + Alterações de Repolarização Ventricular. </li></ul><ul><li>ECG de Esforço 20/04/2000 : ESV isoladas e em pares. Exame interrompido por cansaço físico, com 94% FCmax </li></ul><ul><li>Holter 19/12/2007 : EESS Vent polimórficas Freqüentes ( 41/h). Sintomas “palpitações” foi referido na presença de ESV , entretanto essa arritmia ocorreu em outros horários sem relato do sintoma. </li></ul>
  6. 6. EXAMES COMPLEMENTARES <ul><li>CATE 205377 (22/04/09): Coronárias sem lesões obstrutivas . VE com Hipocinesia difusa ( ++/4) </li></ul>S D1 D2 M AD -- -- -- 8 VD 37 6 10 --- TP 37 18 --- 24 CP --- --- --- 17 VE 140 10 16 --- AO 140 70 --- 93
  7. 7. Exames Complementares <ul><li>Eco TT ( 16/03/09): FA; Ao: 33 AE:64 septo=pPost: 9 VE: 61x41 FE: 60% V.Mitral espessada + fusão comissural e prolapso de cúspide anterior secundário à lesão reumática, IMi Imp , Área: 1,6 grad: 14/7; IAo mínimo; Itri moderado; PSAP: 46 </li></ul><ul><li>HD : </li></ul><ul><ul><li>Sindrômico : IC Esquerda ( Piora da CF) </li></ul></ul><ul><ul><li>Etiológico: Dupla Disfunção Mitral com predomínio de Insuficiência Mitral. </li></ul></ul><ul><ul><li> Arritmias Ventriculares </li></ul></ul><ul><ul><li>FA Paroxística? </li></ul></ul><ul><ul><li> Febre Reumática </li></ul></ul>
  8. 8. EVOLUÇÃO <ul><li>TRATAMENTO CIRÚRGICO DA VALVA MITRAL ( Dr Pablo) 19/05/09. PBio Mitral Carpentier-Edwards 31. Grande Quantidade de Calcificação em anel Mitral; </li></ul><ul><li>ECO TE Intra-Op: FA; Pós CEC mostrou PBio Mitral sem sinais de disfunção e VE com função preservada </li></ul>Protese Biológica Carpentier- Edwards
  9. 9. EVOLUÇÃO <ul><li>19/05: Admissão na REC II- alteração Enzimática + Alteração ECG – TVNS associado a Noradrenalina </li></ul><ul><li>20/05: Importante Instabilidade Hemodinâmica ( aumento de DVA). </li></ul><ul><ul><li>ECO TT a beira Leito: Disfunção Importante de ambos Ventrículos ( FE: 15% ) devido Hipocinesia Difusa . PBio Mitral sem disfunção. Sem Derram Pericárdico. </li></ul></ul>
  10. 10. ECG UTI
  11. 11. ECG UTI II
  12. 12. EVOLUÇÃO 27/4 19/05 19/05 20/05 20/05 20/05 21/05 21/05 Ur 38 26 42 Cr 0,77 1,27 0,73 1,87 CKMB 142 169 304 312 389 463 280 Tropo 11,8 60 >100 TGO/TGP 1580/928 Hb/Ht 12,1/39% 10/33% 10/32% 10,3/34% Leuco 11000 20400 16900 Bast/seg 86% 13/78% 86% PQT 135000 73000
  13. 13. EVOLUÇÃO <ul><li>20/05: Retorno a UTI instável apesar do BIA, com novos episódios de TVS sendo CVE, porém evoluindo para PCR refratária. </li></ul>
  14. 14. CONSIDERAÇÕES INICIAIS <ul><li>Definições : </li></ul><ul><ul><li>Perioperatório : Admissão, anestesia, cirurgia, recuperação; </li></ul></ul><ul><ul><li>IAM Pós Operatório (Tipo 5) : Quando cirurgia de revascularização miocárdica (CABG) está associada a aumentos > 5 x o percentil 99 com valores basais normais mais: </li></ul></ul><ul><ul><li>Novas ondas Q patológicas ou BRE novo </li></ul></ul><ul><ul><li>Oclusão do enxerto novo ou da artéria coronária nativa ou </li></ul></ul><ul><ul><li>Imagem de nova perda de miocárdio viável ou nova alteração regional de motilidade de parede </li></ul></ul>Circ, JACC,EHJ 2007
  15. 15. IAM PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIAS CARDÍACAS <ul><li>Dificuldades Diagnósticas: </li></ul><ul><ul><li>Dor torácica é inespecífica ( Analgesia não satisfatória, dor osteomuscular, traumatismo cirúrgico) </li></ul></ul><ul><ul><li>ECG : Alterações do Segmento ST não são confiáveis; Ondas Q são mais específicas ( maioria são IAM não-Q). </li></ul></ul><ul><ul><li>Marcadores de Necrose : Elevações inerentes ao trauma cirúrgico e a circulação extracorpórea. </li></ul></ul>
  16. 16. FISIOPATOLOGIA <ul><li>Manipulação e trauma do coração; </li></ul><ul><li>Dificuldades técnicas; </li></ul><ul><li>Isquemia local ou regional relacionada a proteção cardíaca inadequada; </li></ul><ul><li>Eventos microvasculares relacionados a revascularização; </li></ul><ul><li>Lesão mediadas por radicais livres </li></ul><ul><li>Embolização coronariana </li></ul>
  17. 17. <ul><li>Incidência de isquemia perioperatória : 20-60% em pacientes com risco cardiovascular aumentado </li></ul><ul><li>IAM pós Operatório de 1.4 a 38% </li></ul><ul><li>Cirurgia das Valvulopatias : </li></ul><ul><ul><li>Troca de Valva Aórtica: 4-26% </li></ul></ul><ul><ul><li>Troca de Valva Mitral: 0-13% </li></ul></ul><ul><ul><li>IAM Fatal Pos-Op TV: 1,8% (12 de 662 pctes) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Doença arterial Coronária Prévia </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Complicações Técnicas e embolizações arteriais </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Baixo Débito </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Cardioproteção Inadequada </li></ul></ul></ul>INCIDÊNCIA DE IAM PÓS-OPERATÓRIO Indian Journal of Anaesthesia 2007; 51 (4) : 287-302 Br Heart 1984; 51: 612-7 Laurindo FR, Grinberg M Am J Cardiol. 1987 Mar 1;59(6):639-42.
  18. 18. Diagnóstico Isquemia miocárdica
  19. 19. Diagnóstico Troponina com elevação ou quedas Típicas na ausência de diagnósticos alternativos e na presença de pelo menos um dos critérios Abaixo Sinais e Sintomas Compatíveis com Isquemia Específico, mas pouco sensível!! Ondas Q patológicas Novas ou alterações sugestivas de isquemia Alterações segmentares nova ou presumivelmente nova
  20. 20. <ul><li>Marcadores de Injúria Miocárdica </li></ul><ul><li>95% das intervenções cirúrgicas cardíacas elevam marcadores (troponina); </li></ul><ul><li>A troponina é atualmente o marcador de preferência; </li></ul><ul><li>Diferenças entre Troponina I e troponina T </li></ul>TnI Actin Tropomyosin TnC TnT
  21. 21. <ul><li>1918 pacientes operados </li></ul><ul><ul><li>1515 pcts com revasc isolada </li></ul></ul><ul><ul><li>229 cirurgias valvares </li></ul></ul><ul><ul><li>174 cirurgias combinadas </li></ul></ul><ul><li>Desfechos Primários : Morte, ECG definitivo de IAM e Síndrome de Baixo Débito (MACE) </li></ul>Ann Thorac Surg 2008;85:1348 –54
  22. 22. <ul><li>Resultados : </li></ul><ul><ul><li>Mortalidade: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>1,4% Revasc miocárdica </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>6,1% Cirurgia Valvar </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>7% Cirurgia Combinada </li></ul></ul></ul>Revascularização e Cirurgia valvar: TnT: 0.8 mcg/l (odds ratio, 2.7; 95% confidence interval, 2.1 to 3.5; p 0.0001) Cirurgia Combinada: TnT: 1.3 mcg/L
  23. 23. <ul><li>260 pacientes ( Revasc, Cir Valvar, Combinada) </li></ul><ul><li>Incidência de IAM 3% </li></ul><ul><li>CKMB e Troponina foram maior nas cirurgias valvares; </li></ul><ul><li>Troponina é mais específica que CKMB </li></ul><ul><li>Valores de Corte: </li></ul><ul><ul><li>TnI 12h > 19mcg/l ( sens:100% e Esp: 73%) </li></ul></ul><ul><ul><li>TnI 24h >36 mcg/l ( sens:100% e Esp: 93%) </li></ul></ul>Crit Care Med 2001; 29:1880 –1886
  24. 24. <ul><li>Objetivos : Avaliar o poder dos ECG e Biomarcadores para diagnóstico de injúria miocárdica significativa avaliando-se mortalidade e Tempo de internação hospitalar relacionados a Cirurgia de Resvascularização miocárdica; </li></ul><ul><li>Métodos : 545 pacientes – Estabeleceu valores de TnI </li></ul><ul><li>1031 pacientes avaliados quanto a mortalidade em 5 anos com os valores da TnI </li></ul><ul><li>Resultados: ECG não foi fator independente de mortalidade em 5 anos </li></ul><ul><li>Troponinas foram fator independente de mortalidade em 5 anos </li></ul>European Heart Journal Advance Access published April 30, 2009 TnI: 6,9 mcg/l TnT: 3,3 mcg/l
  25. 25. <ul><li>34 óbitos de 1973-1974 em pacientes submetidos a cirurgia de troca valvares; </li></ul><ul><li>Avaliados 14 pctes com calcificação severa e morte no pós-operatório. </li></ul><ul><li>Calcificação mais freqüentes e mais importante nas valvas aórticas </li></ul><ul><li>Steiner, Prochazka,1975 </li></ul><ul><ul><li>Troca mitral Isolada: 24% </li></ul></ul><ul><ul><li>Troca Aórtica Isolada: 53% </li></ul></ul><ul><ul><li>Troca mitral e Aórtica combinada: 75% </li></ul></ul>Britsh Heart Journal,1976,38,816-820
  26. 26. OBRIGADO!!!

×