Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

29 joão

1,077 views

Published on

  • Be the first to comment

29 joão

  1. 1. 1 Estudo 5 ESCOLA BÍBLICA VIRTUAL CLASSE: A BÍBLIA EM UM ANO PROFº: FRANCISCO TUDELA PIBPENHA –SP - 2017 TODA A BÍBLIA EM UM ANO Volume 3
  2. 2. AUTORIA 21.24 se identifica como “o discípulo”. QUEM FOI O APÓSTOLO JOÃO O nome "João" significa "graça de Deus“. Seu caráter - João foi conhecido como o apóstolo do amor, e as características atribuídas a ele são: coragem, lealdade, percepção espiritual, amor e humildade, apesar de Jesus tê-lo chamado de “filho do trovão”, ou do tumulto. Sua família - Filho de Zebedeu, irmão de Tiago (Mc 3.17) Cresceu na Galiléia, era sócio de André, Pedro e de seu irmão Tiago no negócio da pesca. 2
  3. 3. DATA E LOCAL Escreveu-o em Éfeso entre 90 e 95 d.C. Ao citar as festas judaicas anuais (2.13; 6.4; 7.2; 10.22; 12.1) contabiliza-se o ministério de Jesus em torno de 3 anos, pois se baseado nos outros pode parecer que durara só um ano.
  4. 4. 4 a.C. Nasce Jesus Cristo, em Belém. 30 d.C. Jesus é crucificado em Jerusalém. 64 d.C. Nero inicia a perseguição aos cristão que durará 300 anos. 64 a 67 d.C. Morre Pedro. 67 a 70 d.C. Morre Paulo. 70 d.C. Jerusalém destruída e os cristãos se espalham. aprox. 65 d.C. Escrita do Evangelho de Marcos. aprox. 80 d.C. Escrita do Evangelho de Mateus e Lucas. aprox. 95 d.C. Escrita do Evangelho de João. 26/07/2017
  5. 5. Trecho de papiro do século 3, uma das mais antigas cópias do Evangelho de João. 5
  6. 6. Para que escreveu o evangelho João 20.31: “Mas estes foram escritos para que vocês creiam que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e, crendo, tenham vida em seu nome.” Todos temos a alma eterna (2Co 5.1; Mt 25.46), a separação de Deus a deixa em sofrimento (Mt 25.31- 46), a isto chamamos de morte da alma. A alma tem vida quando está ao lado de Deus.
  7. 7. PROPÓSITO 1. Os Evangelhos foram escritos para despertar a fé naqueles que os leem. 2. Planejado para aqueles que já tinham predileção filosófica, como mostra o prólogo, e que estavam buscando resposta para o pedido de Filipe (14.8). 3. Apresentar Jesus em contraponto às heresias que negavam sua divindade e sua humanidade.
  8. 8. ESTILO LITERÁRIO Há toques irônicos: ”Tenho-vos mostrado muitas obras boas da parte do Pai; por qual delas me apedrejais?” 10.32 Os evangelhos sinóticos registram os ensinos de Jesus na forma de parábolas, João optou por sermões: apresenta um sinal (milagre) e a seguir um discurso para esclarecer a mensagem do sinal dado. Utiliza três palavras chave: sinais, crença e vida 1. Nos sinais está a revelação de Deus, 2. Na crença está a reação esperada aos sinais, 3. Na vida está o resultado que a crença traz.
  9. 9. ESBOÇO Introdução 1.1,2,11 O ministério público de Jesus 2.12 ao 4.54 Oposição a Jesus Cristo 5.1 ao 12.50 Últimas ações e palavras de Cristo 13.1 ao 21.25
  10. 10. O tema é a natureza de Jesus, com o propósito de combater o docetismo (Jesus é Deus e não é homem). Afirmar a divindade de Jesus: 1.1 “Ele estava com Deus e era Deus”, 1.3 “Todas as coisas foram feitas por intermédio dele”, 1.14 “... A Palavra tornou-se carne e viveu entre nós”, 1.29 “....É o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo”, 1.34 “... Este é o Filho de Deus” – Jesus tem a mesma natureza de Deus. Estava desde o princípio, não nasceu. 5.18 – Jesus se iguala a Deus 10.30 “Eu e o Pai somos um”, 8.28,58 “Antes de Abraão ter nascido, Eu sou”, 14.9 “Quem me vê, vê o Pai” 3.13 “... a não ser aquele que veio do céu: o Filho do homem”. TEOLOGIA
  11. 11. Sete vezes Jesus afirma quem é: Cap 6 - Eu Sou o Pão da Vida; Cap 8 - Eu Sou a Luz do Mundo; Cap 10 - Eu Sou a Porta das Ovelhas; Cap 10 - Eu sou o Bom Pastor; Cap 11 - Eu Sou a Ressurreição e a Vida; Cap 14 - Eu Sou o Caminho, e a Verdade, e a Vida; Cap 15 - Eu Sou a Videira Verdadeira
  12. 12. Os “Eu Sou” Absolutos de Deus Ex 3.14 … respondeu Deus a Moisés: Eu Sou o que Sou. Disse mais: Assim dirás aos olhos de Israel: Eu Sou me enviou a vós. 8.24 …Se não crerdes que Eu Sou morrereis … 8.28 … Então sabereis que Eu Sou … 8.58 … Antes que Abraão existisse Eu Sou … 13.19 … Para que creiais que Eu Sou … Comentário: A trindade (Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo), caracteriza Deus e esta é uma questão de fé. Não está correto associar Deus exclusivamente ao Deus Pai, o Deus do judaísmo, ou a Jesus Cristo, pois Deus é um só com três características que se fundem em Deus.
  13. 13. Mostra a humanidade de Jesus: Ficava cansado (4.6), com sede (4.7), impaciente (6.26), severo (8.44), comovido (11.35), apreciativo (12.7), leal (18.8), angustiado (12.27), amoroso (13:1), corajoso (18.23). Para seus contemporâneos que o encontravam casualmente ele era: “o homem que é chamado Jesus” (9.11). Para os que conviveram com ele: “o Santo de Deus” (6.69). No prólogo apresenta Jesus como a Palavra (1.1) reveladora (da verdade) de Deus, por meio de quem será a última demonstração da pessoa e do caráter de Deus (1.18). O termo técnico “união hipostática” é usado em teologia para se referir à forma como Deus e a humanidade estão unidos em Jesus Cristo
  14. 14. O PRIMEIRO SINAL 2.1-11Festa de casamento em Caná da Galiléia, o vinho acabara, encheram 6 potes de 100 litros cada com água e Jesus transformou em vinho. Mostra a chegada do Messias que Deus a festejaria como uma grande festa de casamento: o noivo seria Deus (Jesus) e a noiva o povo de Israel. Is 62.5: “Como um jovem que se casa com uma moça, assim seu Criador se casará com você; a alegria que o esposo sente por sua noiva, Deus a sentirá por você”. Is 25.6: “Aquele dia Jeová oferecerá a todos os povos um banquete com vinhos extraordinários e abundantes”; João mostra que a boda escatológica, isto é, a que Deus havia preparado para o final dos tempos, chegara com Jesus.
  15. 15. Jesus faz aparecer nesse casamento: 600 litros de vinho! Em nenhuma festa haveria tanto vinho, a mensagem não visava revelar o que Jesus pode fazer mas quem é Jesus. A troca da água por vinho não é feita em qualquer recipiente, mas nos potes usados para as purificações, fato que aponta para uma mudança no rito, “da água para o vinho.”: Jesus cumpre o velho pacto e outorga um novo. Comentário 2.4 – Jesus diz à sua mãe que não tem nada a ver com aquela situação e que ele não está ali como um filho sob sua orientação, mas que agia impelido pelo Pai celestial. A “minha hora ainda não chegou”, isto é, Jesus é quem determina o que vai fazer, portanto não há razão para procurar Jesus através de Maria.
  16. 16. 16  João registra oito milagres de Cristo (Além do milagre da  ressurreição); “sinais” para mostrar que ali estava um  homem diferente de todos e provar que Jesus é Deus. Há 35 milagres diferentes registrados nos Evangelhos. Mateus registra 20, Marcos 18, Lucas 20; e João 8. Esses não foram todos os que executou, há doze ocasiões  mencionadas em Mateus quando Jesus executou várias  obras, por exemplo Mt 15.30 e Jo 20.30,31. Sete destes milagres se encontram só neste Evangelho: 1. A água transformada em vinho, 2.9; poder sobre a matéria 2. Cura o filho do empregado do rei, 4.46;poder sobre o espaço 3. Cura o paralítico no tanque, 5.2-9; poder sobre o tempo 4. Alimenta 5000 homens, 6.1-14* poder para sustentar a vida 5. Anda sobre as águas, 6.16-21; poder sobre as leis naturais *Algumas pessoas foram curadas e não creram em Jesus, os  milagres nem sempre produziam fé.
  17. 17. 17  6. Cura o cego de nascimento, 9.1-7; poder sobre o infortúnio  7. A ressurreição de Lázaro, 11.1-44; poder sobre a morte  8. A 2ª pesca milagrosa 21.1-6; apenas para os discípulos:  poder sobre a natureza. Oito milagres em áreas que o homem é incapaz de efetuar  qualquer mudança das leis ou condições que afetam sua vida. Jesus provou ser potente onde o homem é impotente, estas  obras testificam sua habilidade sobrenatural: Jesus está à  vontade no mundo que criou.
  18. 18. MILAGRES DE JESUS na ordem cronológica 1. A água feita vinho Jo.2.1-11 2. Cura do filho de um regulo  Jo.4.46-54 3. A pesca maravilhosa Lc.5.1- 11 4. A cura de um  endemoninhado Mc.1.21-28 5. A cura da sogra de Pedro  Mc.1.30,31 6. A cura de um leproso  Mc.1.40-45 7. A cura de um paralítico  Mc.2.1-12 (Cafarnaum) 8. O homem de mão  ressequida Mc.3.1-5 9. A tempestade aquietado  Mc.4.35-41 10. O endemoninhado  Gadareno Mc.5.1-21 11. A mulher que tinha um fluxo  de sangue Mc.5.25-34 12. A filha de Jairo Mc.5.22- 24,35-43 13. O centurião de Cafarnaum  Mt.8.5-13 14. A cura de 2 cegos Mt.9.27- 31 15. A cura de homem mudo é  endemoninhado Mt.9.32,33 16. A cura de um  paralítico(Betesda) Jo.5.1-15 17. O filho de viúva de Naim  Lc.7.11-17 18. O endemoninhado cego e  mudo Mt.12.22 19. A l.ª multiplicação dos pães  Mt.14.13-21 20. Andando por cima do mar  Mt.14.22-32 21. A cura do um lunático  Mt.17.l4-18 22. A moeda na boca dum  peixe Mt.17.27 23. A mulher siro-fenícia  Mc.7.24-30 24. A cura de um surdo e gago  Mc.7.31-37 25. A 2.ª multiplicação dos  pães Mc.8.1-10 26. A cura de um cego de  Betsaida Mc.8.22-26 27. A cura de um cego de  nascença Jo.9 28. A cura de uma mulher  paralítica Lc.13.11-17 29. A cura de um homem   inchado Lc.14.1-4 30. A cura de dez leprosos  Lc.17.11-19 31. A ressurreição de  Lázaro Jo.11 32. Bartimeu, o cego,  curado Mc.10.46-52 33. A figueira seca  Mc.11.12-14,20 34. A cura da orelha do  Malco Lc.22.50,51 35. A 2.ª pesca maravilhosa  Jo.21.1-14 E tantos outros ... 18
  19. 19. João registra sete discursos Cap 3 - Discussão de Jesus com Nicodemos sobre                a Nova Vida: nascer da Água e do Espírito;  Cap 4 - Discurso sobre a Água da Vida que Jesus                oferece à mulher samaritana;  Cap 5 - Discurso sobre a divindade de Jesus;  Cap 6 - Discurso sobre o Pão da Vida;  Cap 7 - Discurso sobre o Espírito Santo e a vida cristã;  Cap 8 - Discurso sobre a Luz do mundo;  Cap 10 - Discurso sobre o Bom Pastor.
  20. 20. Ensinos de Jesus ao mundo  Caps. 1 a 12.19 Jesus não veio para julgar, mas para salvar o mundo; faz sinais para que o mundo O reconheça como O Messias. - João mostra aspectos do final dos tempos agorafinal dos tempos agora presentes:presentes: “vem a hora, e já chegou” (4.23; 5.25), e já podem ser experimentados: a vida eterna pode ser desfrutada agora mesmoa vida eterna pode ser desfrutada agora mesmo. Contudo, os eventos escatológicos, do final dos tempos, não são deixados de lado (5.28-30; 14.1-3). Contém o verso 3.16, talvez, o mais conhecido da Bíblia, e a síntese dos evangelhos.
  21. 21. 22 Particularidades
  22. 22. 8.24 Escravo de vícios, de hábitos perversos, da sua própria  maldade, do domínio de seus desejos,... A liberdade da  alma  está em crer em Jesus. 9.3 Pessoas que nascem com algum tipo de problema não  estão pagando por nada, nem por pendências espirituais. 9.41 O problema não é o porque nasci cego espiritualmente,  mas o porque permaneço sem abrir os olhos espirituais.
  23. 23. 13.34 Jesus dá um novo mandamento: fazer o bem sem  olhar a quem. 16.8 O Espírito Santo é a 3ª pessoa da trindade, não é uma  energia, e tem atribuições específicas para que o crente: 1)Perceba o pecado. 2)Que há justificação concedida em Jesus. 3)Que haverá julgamento dos que não creem em Jesus. 4)Seja levado a Cristo 6.13
  24. 24. 14.11 Jesus faz a distinção da trindade, um mistério da fé. Não  há como explicar o 3 em 1. 14.13 EM NOME DE JESUS = TAL COMO JESUS PEDIRIA,  ISTO É, PARA A GLÓRIA DE DEUS. 15.5-7 Ser discípulo de Jesus não é só um início, envolve um  processo de continuidade, deve permanecer, prosseguir, e  dar frutos, isto é, apresentar os resultados compatíveis com  a fé Cristã (na ética, no modo de vida,...), converter a muitos,  levar o evangelho, .... 15.9,10 O permanecer não é uma lei, uma imposição, mas  uma opção de obediência espontânea. 15.12 Jesus não exige sacrifícios, mas amar aos outros. 15.16 Quem começa o processo de salvação é Deus, o que  não exclui nossa participação, temos de crer e permanecer.
  25. 25. 19.14 Jesus morre no momento que morrem os cordeiros da  Páscoa. 20.23 Só Deus perdoa pecados (Lc 5.21), nenhum homem  pode fazer isso. O texto literal em grego “Se perdoarem os pecados de alguém  eles teriam sido perdoados”,  confirma uma realidade que já  aconteceu, isto é, aos discípulos foi dado o direito de declarar  pecados perdoados.  Ao pregarem o evangelho são autorizados a dizer que os  pecados estão perdoados àqueles que se arrependem deles e  aceitam a Jesus como Senhor de sua vida, fato contrário  permanecerão em seus pecados e perecerão eternamente.
  26. 26. A SALVAÇÃO PELA FÉ  (SOMENTE) Todo que Nele crê tem a vida eterna  Jesus é suficiente para a salvação. Quem não crê já está julgado Não existe outro caminho. 3.16,18,36; 6.40; 11.25   Martinho Lutero
  27. 27. 19.19,20
  28. 28. ● Toda a Bíblia em um ano: Mateus a Filipenses; Dusilek, Darci; 8ª Ed. Rio de Janeiro; Ed. Horizonal, 2009 ● Manual Bíblico SBB; trad. Noronha, Lailah; São Paulo; Ed. Sociedade Bíblica do Brasil; 2008 ● Textos Bíblicos extraídos: Bíblia Sagrada Nova Versão Internacional; São Paulo; Ed. Vida; 2001 ● MacDonald, Willian, Comentário Bíblico Popular, São Paulo, Ed. Mundo Cristão, 1ª edição, 2008 ● BRUCCE, F. F. Comentário Bíblico NVI. São Paulo, Ed. Vida, 1ª edição, 2008 ● http://bibliotecabiblica.blogspot.com/2009/07/resumo-do-evangelho-de- mateus.html ● Igreja Batista do Morumbi: Visão Panorâmica dos Evangelhos – 2003 ● Bíblia De Estudo NVI, Barker; São Paulo; Ed. Vida; 2003 ● Reflexões extraídas da World Wide Web ● Programa ROTA 66 – Sayão, Luiz – Rádio transmundial 29
  29. 29. ADENDOS
  30. 30. Paralelo entre entre Jo 5.1-18 e Jo 9.1-41 Ref:http://www.revistajesushistorico.ifcs.ufrj.br/arquivos4/3Osvaldo.pdf O sentido de Jo 5.1-18 vem à tona quando confrontado com João 9, e, fato contrário, Jo 9 é compreendido quando comparado com Jo 5.1-18. A questão de fundo é: se todos os judeus presenciaram os sinais, se os sinais revelavam a autoridade divina de Jesus, porque uns creram e outros não? Jo 5.1-18 Jo 5.1- 4 Mostra a tradição do anjo que agita as águas de Betesda Jo 5.5 - 9a Trata da “cura” operada por Jesus (superando a tradição: tornam-se desnecessários o anjo, as águas e chegar à frente).
  31. 31. Jo 5.9b -13 O enfermo carregando seu leito, desrespeita o sábado, defende-se: um homem mandou eu me levantar, tomar meu leito e andar... Quem? Não está mais aqui. O curado agora pôde apontar o responsável pela cura e que o levou a infringir a lei do sábado. Jesus interpelado afirma: “meu pai trabalha até hoje, porque eu deveria descansar”? Jesus dá uma resposta contra as tradições do sábado e do descanso de Deus na ocasião da criação, e se iguala a Deus. Os judeus, agora, não querem mais confrontá-lo, querem matá-lo... Jo 9 Inicia com duas referências implícitas à conclusão de Jo 5.1- 18: ao pecado como a causa das doenças e ao “trabalho de Deus” (9.1-3 e 5.14b ; 9.4 e 5.17).
  32. 32. A cura é um sinal 9.16 e também um simbolismo: o barro sobre os olhos do cego, e representa o estado de cegueira dos judeus, cuja cura se dá, quando se obedece a Jesus, ao se lavar. O cego aceita a instrução de Jesus e, lavando os olhos, tirando o barro passa a enxergar. Moral da história: o barro joga como símbolo da cegueira dos judeus, que precisa ser tirada dos olhos, o que só é possível se crerem em Jesus. O cego não sabia quem era Jesus, mas uma coisa lhe era certa: agora, vê, e isso não pode vir senão de Deus... Por esta postura contrária aos interesses farisaicos, é expulso da sinagoga (destino de inúmeros judeus Jo 16.1-5).
  33. 33. 9.35. Ao ser expulso da sinagoga, estava fora da comunidade judaica, Jesus vai inquiri-lo sobre a fé, e ele se prostra diante de Jesus: ele viu o sinal... Com a vinda de Jesus os cegos veriam, ao passo que os bem dotados de vistas ficariam cegos. A pergunta dos fariseus: “e nós, estamos cegos?”. Jesus lhes diz que se fossem cegos, isto é, como o cego de nascença, não teriam mais pecado, pois à semelhança dele, deixar-se-iam curar por Jesus, seus olhos “seriam abertos”. Como se julgam portadores de luz, cuidam que vêem, de modo que, não se reconhecendo cegos, não podem ser curados, não vêem em si necessidade de cura, são sãos, portanto permanece sobre eles a condição de pecadores...
  34. 34. Em Jo 5, um enfermo é curado, mas não chega à fé Em Jo 9, um cego é curado e chega à fé Em Jo 5, o curado permanece na tradição – templo - na Lei Em Jo 9, o curado abandona a tradição – é expulso da sinagoga Em Jo 5, o encontro entre Jesus e o curado se dá após o retorno do curado à tradição Em Jo 9, encontro entre Jesus e o curado se dá após a sua expulsão da comunidade Em Jo 5, o enfermo apenas é curado, mas não chega à fé, porque permanece na Lei Em Jo 9, o cego tanto é curado quanto chega à fé, porque rompe com a tradição, com a comunidade e com a Lei Que Jo 5.1-18 deve ser lido ao lado de Jo 9 fica evidente quando se comparam as duas narrativas:
  35. 35. Em Jo 5, Jesus devolve o curado à sua comunidade, caso em que faz aplicar a ele a Lei: “não tornes a pecar, para que não lhe suceda algo pior”. Em Jo 9, os discípulos mencionam a mesma máxima, querendo saber de quem é o pecado que trouxera cegueira ao cego de nascença, Jesus esclarece que se trata apenas da oportunidade para manifestação das obras de Deus. Jo 1.9-12: “os seus” não reconheceram Jesus, porque, agarrados à Lei, não tinham olhos para os sinais, já “nós recebemos a luz”, “nós a vimos”, “nós passamos a... enxergar” (Jo 9.5). Não são os sinais que levam à fé, é a fé que faz os sinais evidentes.
  36. 36. Pergunta: "Jesus é Deus? Alguma vez Jesus afirmou ser Deus?" Resposta: Na Bíblia não há registros de Jesus dizendo, palavra por palavra: “Eu sou Deus”. Entretanto, isto não significa que Ele não tenha afirmado ser Deus. Como exemplo, tome as palavras de Jesus em Jo10.30: “Eu e o Pai somos um.” Em um primeiro olhar, isto pode não parecer uma afirmação de Jesus em ser Deus, entretanto, perceba a reação dos judeus a Sua afirmação: “Os judeus responderam, dizendo-lhe: Não te apedrejamos por alguma obra boa, mas pela blasfêmia; porque, sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo” (Jo10.33), os judeus compreenderam a afirmação de Jesus como uma declaração de ser Deus. Nos versículos seguintes Jesus não corrige os judeus dizendo: “Eu não afirmei ser Deus.”, isto indica que Jesus realmente estava dizendo que era Deus ao declarar: Jo8.58 “Disse-lhes Jesus: Em verdade, em .verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou.”, e mais uma vez, em resposta, os judeus tomaram pedras numa tentativa de apedrejar Jesus (Jo8.59). Por que os judeus iriam querer apedrejar Jesus se Ele não tivesse dito algo que criam ser uma blasfêmia, ou seja, afirmação de ser Deus?
  37. 37. João 1.1 “o Verbo era Deus.” João 1.14 “o Verbo se fez carne.”, declara, claramente, que Jesus é Deus em carne. At 20.28 “...Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue.” Quem comprou a igreja com Seu próprio sangue? Jesus Cristo, isto é, Deus comprou a igreja com Seu próprio sangue. Portanto, Jesus é Deus! Tomé, o discípulo, declarou a respeito de Jesus: “Senhor meu, e Deus meu!” (Jo 20.28); Jesus não o corrige. Tito 2.13 nos encoraja a esperar pela volta de nosso Deus e Salvador, Jesus Cristo (ver 2 Pe 1.1). Hb 1.8 o Pai declara a respeito de Jesus: “Mas, do Filho, diz: Ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos; Cetro de eqüidade é o cetro do teu reino.”
  38. 38. Ap 19.10 um anjo instruiu o Apóstolo João para que adorasse a Deus. Várias vezes Jesus recebe adoração (Mt 2.11; 14.33; 28.9,17; Lc 24.52; Jo 9.38). Jesus não reprovou as pessoas quando recebe adoração. Se Jesus não é Deus, Ele teria dito às pessoas para não ser adorado, assim como fez o anjo em Apocalipse. Em Jo 8.58 Jesus afirma: “Antes de Abraão ter nascido, Eu sou” , o mesmo título “EU SOU” que Deus dera a Si mesmo em Ex 3.14. Há outros versículos que atestam a favor da divindade de Jesus. 1 Jo 5.20 “Sabemos também que o Filho de Deus veio e nos deu entendimento, para que conheçamos aquele que é o Verdadeiro. E nós estamos naquele que é o Verdadeiro, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna.” A razão mais importante para Jesus ser Deus é que se Ele não o fosse Sua morte não teria sido suficiente para pagar a pena pelos pecados do mundo inteiro (1Jo 2.2). Somente Deus poderia pagar preço tão infinito. Somente Deus poderia carregar os pecados do mundo (2Co 5.21), morrer e ressuscitar, provando Sua vitória sobre o pecado e a morte.
  39. 39. Deus Homem Ele é adorado (Mt2.2,11; 14.33; 28.9) As pessoas oram pra ele (Atos 7.59; 1Co 1.2) Ele é chamado de Deus (João 20:28;Hb 1.8) Ele é chamado de Filho de Deus (Mc 1.1) Ele não tem pecado (1 Pe 2.22; Hb4.15) Ele sabia de todas as coisas (Jo 21.17) Ele dáa vida eterna (Jo 10.28) Toda a plenitude da divindade habita nele (Cl 2.9) Ele adorava ao Pai (Jo 17) Ele orava ao Pai (Jo 17.1) Ele foi chamado de homem (Mc 15.39; Jo 19.5) Ele foi chamado de Filho do Homem (Jo 19.35- 37) Ele foi tentado (Mt 4.1) Ele cresceu em sabedoria (Lc 2.52) Ele morreu (Rm 5.8) Ele teve um corpo de carne e ossos (Lc 24.39) Jesus é completamente humano e também tem uma natureza divina. Como homem, Jesus precisava orar. Quando Ele orava, ele não estava orando para Si mesmo, mas para Deus o pai.
  40. 40. Mt 27.55 Muitas mulheres estavam ali, ..., talvez ... Mt 27.56 – “Maria Madalena; Maria, mãe de Tiago e de José; e a mãe dos filhos de Zebedeu.” (estavam na morte de Jesus). Mc 15.40 – “Maria Madalena, Salomé e Maria, mãe de Tiago e de José.” (estavam presentes na morte de Jesus). Jo 19.25 - “Perto da cruz de Jesus estavam sua mãe, a irmã dela, Maria, mulher de Clopas, e Maria Madalena”. Talvez Salomé seja a mãe de João e irmã da mãe de Jesus, daí João pode ser primo de Jesus. Comentário: A tradição não bíblica associa Clopas, ou Alfeu, marido de uma das mulheres mencionadas em Jo 19.25, como irmão de José, pai adotivo de Jesus, daí o apóstolo Tiago, filho de Alfeu, também pode ser primo de Jesus (Mt 10.3), bem como seu irmão Judas Tadeu (Jd1,10).
  41. 41. Sua atuação No julgamento de Jesus João conseguiu permissão para entrar no pátio, talvez por ser representante dos negócios da pesca tivesse alguma influência (18.15,16). Após a destruição de Jerusalém, entre os anos 70/95, ministrou em Éfeso e Províncias da Ásia. Foi exilado na Ilha de Patmos onde escreveu o Apocalipse. De acordo com a tradição, voltou a Éfeso, onde morreu e foi sepultado por volta do ano 100 d.C. 44
  42. 42. 1. Sobre a regeneração espiritual (3.1-21) 2. Sobre a vida eterna (4.4-26) 3. Sobre a fonte da vida eterna e seu testemunho (5.19-47) 4. Sobre o verdadeiro pão da vida (6.26-59) 5. Sobre a fonte da verdade (7.14-29) 6. Sobre a luz do mundo (8.12-20) 7. Sobre o verdadeiro objeto da fé (8.21-30) 8. Sobre a liberdade espiritual (8.31-59) 9. Sobre o bom pastor (10.1-21) 10. Sobre a unidade da Trindade (12.20-36,44,45) 11. Sobre o Redentor do mundo (12.20-36,44,45) 12. Sermão do Cenáculo (13.31-16.1-33) (há divergências se a totalidade deste discurso foi proferido no mesmo local) SERMÕES E DISCURSOS DO 4º EVANGELHO
  43. 43. DESTAQUES
  44. 44. DOUTRINAS Certeza da salvação 6.39 – Que Eu não perca nenhum dos que me deu. Graça irresistível 6.37 – Todo o que o Pai me dá virá a mim. 6.44,45 - Ninguém pode vir … se o Pai não o trouxer. "Portanto, todo aquele que da parte do Pai tem ouvido e aprendido, esse vem a mim". 6.65 – Ninguém pode vir … se pelo Pai não lhe for concedido. Deus dá a salvação a todos, e todos devem “vir” a Jesus. A Bíblia não ensina que Deus escolhe alguns para a condenação (se é salvo pela graça, se perece por culpa própria). O homem somente buscará a Deus se Deus o buscar primeiro, nistoO homem somente buscará a Deus se Deus o buscar primeiro, nisto vemos o amor de Deus para com o homem.vemos o amor de Deus para com o homem. A todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus e parte integrante do povo eleito”.1.12 Fé para crer que somos chamados. 6.44,45,65 - Trata da eleição e da fé (da escolha divina e a resposta favorável humana), somente alguns são, deste modo, alcançados: o convite é para todos e somente os que o aceitam recebem a vida eterna.
  45. 45. Mateus Marcos Lucas João autor Um dos doze discípulo Discípulo e assistente de Pedro em Roma Médico gentio convertido que viajou com Paulo Um dos doze disípulos Data 60 d,C. 50 d,C. 60 d,C. 85 d,C. Público Alvo Cristãos judeus Gentios Gentios Judeus e gentios Quem é Jesus O messias prometido. Filho de Deus. O filho do homem que sofreu por nossa causa. Filho de Deus que venceu o mal.. O messias. O messias prometido. Homem cheio do Espírito Santo. Descendente prometido da linhagem de Davi Deus s tornou homem. O filho de Deus qu s relaciona singularmente com o Pai, Destaques Jesus trouxe uma lei melhor. Repreensão ao fariseus. O reino dos céus. Discipulado. O retorno de Jesus. O reino de Deus já chegou. O poder de Jesus sobre todas as coisas (milagres). Discipulado (inclui os erros dos apóstolos) Preocupação com os desprezados e oprimidos. A obra do Espírito Santo. Cura e oração. O evangelho é para todos. Sete “sinais” e sete “discursos”. Sete declarações de “Eu Sou”. O relacionamento com Deus, o Pai. Objetivo Entender Jesu no AT Começar a aprender sobre A compaixão de Jesus pelos Refletir com maior
  46. 46. AUTOR – Não se declara no livro Era judeu, pois lhe eram familiares as tradições judaicas: 1.1.20 se refere à expectativa judaica da vinda do messias 2.4.9 Conhecia o sentimento judeu para com os samaritanos. 3.Conhecia Jerusalém: 5.2; 11.18; 18.1. 4.1.14 fala como estando presente 5.6.19,60,61; 13.22,28 Cita detalhes íntimos dos discípulos 6.19.26,27 Foi testemunha do julgamento e da crucificação e assumiu responsabilidade pela mãe de Jesus. 7. 20.2,8 Ficou com Pedro durante o período de espera e com ele foi um dos primeiros visitantes ao túmulo vazio. 8.Pedro, Tomé e Filipe, mencionados muitas vezes na terceira pessoa, não poderiam ser os autores. João, o filho de Zebedeu, é a melhor possibilidade da autoriaJoão, o filho de Zebedeu, é a melhor possibilidade da autoria
  47. 47. POLÊMICA ANTI-JUDAICA João cita que alguns seriam expulsos das sinagogas (9.22;16.2) Quando João escreve este evangelho (90 dC), os judeus haviam incorporado na liturgia das sinagogas a Bênção contra os Hereges (pg 135 Panorama do Novo Testamento), para delas afastar os judeus cristãos. Ser expulso da sinagoga era um temor legítimo dos judeus. 9.13-39 O homem curado professa sua fé em Jesus somente depois de ter sido expulso da sinagoga pelos fariseus, momento em que não tinha mais nada a perder. João escreveu esta porção para encorajar a suportar a ausência da sinagoga e não abandonar a fé em Cristo.
  48. 48. Deus se revela como “Eu Sou”. Deus “é”; eles, os animais, “são” e o homem “é” parcialmente. A incompletude (não estar pronto) do homem é ver-se como um ser que pode completar-se e ser diferente daquilo que é. É uma palavra que só faz sentido para o homem, não faz sentido para Deus nem para os animais, pois já estão completos. O homem espera completar-se e pode escolher como fazê-lo. Progresso é o processo cumulativo no qual o estágio mais recente é preferível e melhor, ou seja, qualitativamente superior, ao que o precedeu. Há pessoas que se fazem piores daquilo que são (regredir). A melhor escolha é fazer-se melhor (progredir). O caminhar do cristão, neste sentido, se chama santificação. 57
  49. 49. Não há quem desobedeça totalmente a DEUS, bem como, não há quem o obedeça totalmente. Há algo que DEUS colocou à disposição do homem, para que, mesmo que o desobedeça em alguns pontos, não seja condenado eternamente, esse algo é JESUS CRISTO. Quem não crê em JESUS CRISTO COMO ÚNICO E SUFICIENTE SALVADOR é condenado eternamente, ainda que em alguns pontos esteja de acordo com a PALAVRA DE DEUS, Mc 12.34 . Porém, toda a pessoa que crê em JESUS CRISTO COMO ÚNICO E SUFICIENTE SALVADOR não é condenada eternamente, ainda que, em alguns pontos, desobedeça a PALAVRA DE DEUS, 1Jo 1.8. Ao crer em Jesus os pecados estão perdoados, em seguida o Espírito Santo passa a habitar no centro das decisões do crente (este é o nascer de novo), e a cada desvio do alvo (pecado) sua consciência é alertada para o sincero

×