Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Sociedade, ideologia e língua(s)

6,300 views

Published on

Resumo da comunicaçom de Maurício Castro à V Escola de Formaçom organizada por BRIGA e AGIR em Março de 2008 no concelho de Poio (Galiza).

Published in: Technology
  • Be the first to comment

Sociedade, ideologia e língua(s)

  1. 1. Sociedade, ideologia e língua(s) Maurício Castro Lopes . Seminário de reflexom sociolingüística. Poio, GALIZA, 15 de Março de 2008.
  2. 2. Esta apresentaçom resume a comunicaçom de Maurício Castro à V Escola de Formaçom organizada por BRIGA e AGIR no concelho galego de Poio nos dias 14, 15 e 16 de Março de 2008.
  3. 3. Origem da linguagem <ul><li>Entre 100.000 e 40.000 anos atrás, no Paleolítico Médio. </li></ul><ul><li>Factores que explicam o desenvolvimento da linguagem na nossa espécie: </li></ul><ul><ul><li>Capacidade fisiológica (aparelho vocal diferente do dos outros primatas). </li></ul></ul><ul><ul><li>Necessidade social (novos comportamentos complexos: construçom de cabanas, fabrico de ferramentas, etc). </li></ul></ul>
  4. 4. O que é falar? (I) Língua, signo e ideologia (Mikhail Bakhtin, 1895 - 1975) <ul><li>Signo : produto ideológico que substitui o objecto . </li></ul><ul><ul><li>O objecto nom significa, é . </li></ul></ul><ul><ul><li>A imagem simbólica significa , reflecte ou refracta o objecto real, nom é. </li></ul></ul><ul><ul><li>O signo é umha construçom social do objecto para o representar. </li></ul></ul><ul><li>Material semiótico (signos) : todo o que nos serve para expressar a realidade: gestos, sons, reacçons fisiológicas, etc. </li></ul><ul><ul><li>Por ex. um arroto; fazer beicinho ou qualquer recurso gestual. </li></ul></ul>
  5. 5. O que é falar? (II) Língua, signo e ideologia (Mikhail Bakhtin, 1895 - 1975) <ul><li>A palavra é o recurso de expressom e representaçom mais apurado, ágil, flexível, formalizável, social e submetido à dialéctica materialista. </li></ul><ul><ul><li>Por ex. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Carro : veículo destinado ao transporte de pessoas ou o bjecto de consumo que transmite informaçom sobre o estatuto social da pessoa que o conduz? </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Fouce e martelo : ferramentas ou símbolo político? </li></ul></ul></ul>
  6. 6. O que é falar? (III) Língua, signo e ideologia (Mikhail Bakhtin, 1895 - 1975) <ul><li>É a dialéctica entre o social e o individual , entre a psique e a ideologia, que fai avançar a comunicaçom e o pensamento. </li></ul><ul><li>Para umha mesma realidade, existem versons ideológicas mais ou menos marcadas, perspectivas diferentes segundo a perspectiva de quem a interpreta em cada momento histórico: </li></ul><ul><ul><ul><li>La Coruña / A Coruña / A Corunha vs. Londres/London </li></ul></ul></ul><ul><li>Nom há discurso que nom seja ideológico . O significado constrói-se fundamentalmente no exterior do pensamento individual , como representaçom convencional da realidade, em funçom das condiçons socioeconómicas , da perspectiva de classe e das crenças historicamente dominantes, em mudança contínua. </li></ul><ul><ul><ul><li>Por ex. Consideraçom do idioma galego hoje (idioma independente ou parte do sistema galego-luso-brasileiro?) e há 150 anos (condiçom dialectal ou lingüística?). </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Por ex. A natureza na interpretaçom de umha trabalhadora do campo e de um urbanita . </li></ul></ul></ul>
  7. 7. Língua: infra ou superestrutural? <ul><li>Polémica no marxismo (anos 50 do século XX): </li></ul><ul><li>Existe pensamento separado da expressom? (Marr dixit) </li></ul><ul><ul><li>Nom é possível existir pensamentos sem expressom, nom há ideias puras à margem da sua expressom concreta, nem foi provada a existência de universais lingüísticos. </li></ul></ul><ul><li>Tem a língua carácter de classe? (Marr e Laforgue dixerunt) </li></ul><ul><ul><li>Umha língua viva atravessa o conjunto das classes sociais. Nom pode falar-se de 'línguas proletárias', 'línguas burguesas' ou 'línguas camponesas'. É parte estrutural da formaçom social no seu conjunto, característica intrínseca das sociedades humanas partilhada polo conjunto das classes sociais. </li></ul></ul><ul><li>Evoluem as sociedades humanas para a simplificaçom nacional e lingüística? (Engels e Staline dixerunt) </li></ul><ul><ul><li>A riqueza lingüística tem sido historicamente entendida como 'maldiçom' (mito de Babel), e a superaçom da diversidade umha meta para pensadores de mui diversas escolas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Também no marxismo, autores como o primeiro Engels ou J. Staline prognosticárom que o socialismo aboliria de maneira 'natural' as diferenças nacionais e lingüísticas, formando umha única naçom mundial a falar um único idioma mundial. </li></ul></ul><ul><li>Hoje essas visons estám superadas , mas o actual sistema capitalista ameaça a subsistência da maior parte das línguas vivas. Também se mantém umha evidente violência estrutural contra a maior parte das naçons do planeta. </li></ul>
  8. 8. Diversidade lingüística <ul><li>Os idiomas respondem a necessidades concretas da comunidade que os cria . Nom há idiomas mais complexos e mais simples, só aspectos de cada idioma mais ou menos complexos em relaçom aos mesmos aspectos noutros idiomas. </li></ul><ul><ul><li>Por ex. Escrita chinesa em relaçom à galega; Conjugaçom verbal galega em relaçom à chinesa . </li></ul></ul><ul><ul><li>Por ex. Sistema fonético português em relaçom ao espanhol ; sistema fonético chinês em relaçom ao português . </li></ul></ul><ul><li>Protolínguas originárias: 7.000 anos atrás. </li></ul><ul><li>Línguas mais antigas vivas: 4.000 anos atrás. </li></ul><ul><li>Número de famílias lingüísticas actuais: 200. </li></ul><ul><li>Número de línguas vivas: 5.000 aprox. </li></ul>
  9. 10. As línguas na história <ul><li>Que factores determinam a continuidade ou esmorecimento das comunidades lingüísticas? </li></ul><ul><ul><li>Facilidade vs. dificuldade ? </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>O chinês tem um dos sistemas de escrita e fonéticos mais complexos, sem que tenha suposto qualquer problema para a continuidade do idioma durante tantos séculos. Também o basco, tam diferente e 'complicado' em relaçom aos idiomas vizinhos, é das mais antigas línguas vivas. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Número de falantes? </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Há exemplos de pequenas comunidades de falantes com umha continuidade histórica importante, como a basca, e outros grandes espaços lingüísticos que se fragmentárom e dérom em novos idiomas, como aconteceu ao latim. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Tradiçom literária? </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Em geral, as comunidades lingüísticas mais fortes tenhem tradiçons literárias importantes, mas... </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>O ocitano e o bretom, apesar do passado literário glorioso, esmorecem. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Albanês, checo, servo-croata e esloveno configurárom-se em comunidades viáveis apesar de nom contarem com umha tradiçom literária tam importante. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>... </li></ul></ul></ul>
  10. 11. <ul><li>Exemplos de planificaçons lingüísticas </li></ul><ul><ul><ul><li>No corpus: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Chinês . Em 1956, a China revolucionária aplica o Plano de Simplificaçom dos Caracteres Chineses , umha reforma da escrita nos anos 50 e 60, para permitir umha alfabetizaçom em massa da populaçom pobre. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Norueguês . A partir de 1809, a Noruega independente desenvolverá dous padrons lingüísticos: o neo-norueguês, sobre a base dos dialectos locais, e o dano-norueguês, mais influenciado polo dinamarquês. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Flamengo . Durante o século XIX, com o debate intelectual que leva à adopçom de umha estratégia reintegracionista, que culmina em 1980: assinatura do Tratado da Uniom da Língua Neerlandesa . </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>A intervençom política na vida das línguas (I) </li></ul></ul>
  11. 12. A intervençom política na vida das línguas (II) <ul><li>Exemplos de planificaçom lingüística </li></ul><ul><ul><li>No status: </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Irlandês . A nova constituiçom da República da Irlanda estabelece em 1922 o irlandês como única 'língua nacional' e 'primeira língua oficial'. Desde 2005, é também idioma oficial da UE, mas os resultados som negativos: é língua materna de aproximadamente 2% da populaçom da República da Irlanda. O movimento independentista irlandês era já anglófono desde o século XIX. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Hebraico . Já desde fins do século XIX, mas sobretodo a partir de 1948, aplica-se umha efectiva planificaçom para a 'ressurreiçom' da língua de culto como primeira língua da populaçom israelita. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Feroês . Progressivo reconhecimento a partir dos anos vinte do séc. XX, por parte do Estado dinamarquês, até a definitiva condiçom de 'língua nacional' das Ilhas Faroé em 1948. Extensom progressiva e generalizada até reduzir o dinamarquês –historicamente imposto– a 5% de falantes. </li></ul></ul></ul></ul>
  12. 13. A intervençom política na vida das línguas (III) <ul><li>Exemplos de planificaçom lingüística </li></ul><ul><ul><li>Na aquisiçom: </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Flamengo . A partir de 1932, reconhece-se progressivamente o flamengo (neerlandês) como idioma principal do ensino na Flandres, que no passado fora submetido à imposiçom do francês como único idioma estatal. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Suahili . Sendo tradicionalmente a principal língua de comunicaçom na costa tanzanesa, o movimento independentista assumiu-no como bandeira da libertaçom nacional. A parti da independência, em 1961, aplicou-se umha planificaçom que conseguiu converter o suahili em língua maioritária da Tanzánia. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Frísio . Em 1980 começou a introduçom obrigatória do frísio no ensino, até essa altura monopolizado polo neerlandês. Tem conseguido umha certa recuperaçom, mas continua em posiçom minorizada e em risco de extinçom. </li></ul></ul></ul></ul>
  13. 14. Státus e modelos de intervençom <ul><li>Status lingüístico segundo as funçons sociais e o número de falantes: </li></ul><ul><ul><li>Língua minorizada e maioritária: galego-português na Galiza até hoje. </li></ul></ul><ul><ul><li>Língua minorizada e minoritária: basco na maior parte de Euskal Herria. </li></ul></ul><ul><ul><li>Língua maiorizada e minoritária: espanhol na Galiza até hoje. </li></ul></ul><ul><ul><li>Língua maiorizada e maioritária: espanhol em Euskal Herria. </li></ul></ul><ul><li>Estados multilíngües: </li></ul><ul><ul><li>República Francesa; Reino de Espanha; Bélgica; Canadá; Suíça. </li></ul></ul><ul><li>Modelos de intervençom: </li></ul><ul><ul><li>Sem (quase nengum) reconhecimento: República Francesa (Bretanha, Córsega, Alsácia). </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>A língua estatal ocupa todas as funçons e os idiomas minorizados som abertamente perseguidos e/ou explicitamente excluídos. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Modelo pessoal: Reino de Espanha (só na Galiza, Euskal Herria e Països Cataláns em relaçom aos respectivos idiomas minorizados). </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>A escolha da língua minorizada fica aberta a cada pessoa, a partir de critérios inidividuais. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Modelo territorial: Bélgica (Flandres), Canadá (Quebeque), Suíça. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Prioridade elevada para a comunidade lingüística minorizada com base colectiva e territorial, ficando a língua dominante sujeita ao modelo pessoal. </li></ul></ul></ul>
  14. 15. Línguas da Europa
  15. 16. Outros reintegracionismos (I) <ul><li>Flamengo vs. neerlandês </li></ul><ul><ul><li>Valónia: monolingüismo territorial francês (língua dominante no passado) </li></ul></ul><ul><ul><li>Flandres: monolingüismo territorial flamengo (língua dominada no passado) </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>1980: Tratado da Uniom Lingüística Neerlandesa. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Bruxelas: bilingüismo a partir de um modelo pessoal (as pessoas escolhem flamengo (=neerlandês) ou francês). </li></ul></ul>
  16. 17. Outros reintegracionismos (II) <ul><li>Moldavo vs. romeno </li></ul><ul><ul><li>Russificaçom do corpus, alfabeto cirílico. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>1989: independência da República da Moldávia e recuperaçom da proximidade da Roménia e do alfabeto latino. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Transnístria: maioria russa, mantém russificaçom. </li></ul></ul>
  17. 18. <ul><li>Valenciano vs. catalám </li></ul><ul><ul><li>Poder autonómico valenciano promove castelhanizaçom e afasta a variante sul da norte. </li></ul></ul><ul><ul><li>A Universidade opta maioritariamente pola opçom reintegracionista, face ao poder político, que tenta romper a unidade lingüística. </li></ul></ul>Outros reintegracionismos (III)
  18. 19. Outros reintegracionismos (IV) <ul><li>Alemám-suíço vs. alemám padrom </li></ul><ul><ul><li>Falas pouco intercompreensíveis. </li></ul></ul><ul><ul><li>Escrita comum construída exclusivamente a partir da variante alemá. </li></ul></ul>
  19. 20. Bibliografia <ul><li>BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem . Hucitec, São Paulo, 1992. </li></ul><ul><li>CASTRO, Maurício. “A sorte está lançada? Sobre a continuidade do galego-português na Galiza do século XXI”, in A Galiza do século XXI . Abrente Editora, Compostela, 2007. </li></ul><ul><li>FASOLD, Ralph. La sociolingüística de la sociedad . Visor Libros, Madrid, 1996. </li></ul><ul><li>NINYOLES, Rafael L. Estrutura social e política lingüística . Ir Indo, Vigo, 1991. </li></ul><ul><li>POLINSKY, Comrie Matthews. O atlas das línguas. A origem e a evolução das línguas no mundo . Editorial Estampa. </li></ul><ul><li>RODRIGUES FAGIM, Valentim. “Quantas somos?”, in Voz Própria nº 19. Compostela, 2007. </li></ul><ul><li>SÁNCHEZ CARRIÓN “TXTEPETX”, José María. Márgenes de encuentro. Bilbao y el euskara. Aplicación sociolingüística de la territorialidad . Bilbo, 1999. </li></ul><ul><li>STALIN, J. El marxismo, la cuestión nacional y la lingüística . Akal, Madrid, 1977. </li></ul><ul><li>WALTER, Henriette. A aventura das linguas do Ocidente. A sua origem, a sua história, a sua geografia . Terramar, Lisboa, 1996. </li></ul><ul><li>Wikipédia em português </li></ul><ul><ul><li>http://pt.wikipedia.org </li></ul></ul>

×