Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Governança Federativa — Colabora Educação

197 views

Published on

Apresentação utilizada pelo secretário executivo do Movimento Colabora Educação, Guilherme Lacerda, durante a sétima aula do Programa de Formação de Assessores em Políticas Educacionais que abordou a governança e os arranjos federativos da educação (25/10/2019)

Published in: Education
  • DOWNLOAD THIS BOOKS INTO AVAILABLE FORMAT (2019 Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book THIS can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer THIS is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBooks .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, Cookbooks, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, Ebooks, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story THIS Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money THIS the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths THIS Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • DOWNLOAD THAT BOOKS INTO AVAILABLE FORMAT (2019 Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { http://shorturl.at/mzUV6 } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { http://shorturl.at/mzUV6 } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { http://shorturl.at/mzUV6 } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { http://shorturl.at/mzUV6 } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { http://shorturl.at/mzUV6 } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { http://shorturl.at/mzUV6 } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book that can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer that is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBooks .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, Cookbooks, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, Ebooks, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story That Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money That the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths that Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Be the first to like this

Governança Federativa — Colabora Educação

  1. 1. Governança Federativa Programa de Formação de Assessores em Políticas Educacionais Brasília, 25 de outubro de 2019 Em parceria com: EDUCAÇÃO JÁ!
  2. 2. Movimento Colabora Educação O Movimento surge da percepção comum de um grupo de instituições sobre a importância da melhoria da coordenação federativa no âmbito das políticas públicas de educação. Para o grupo, a ampliação de práticas colaborativas entre os entes e a melhoria da governança em nível sistêmico são condições necessárias para a melhoria contínua e sustentável dos resultados de aprendizagem.
  3. 3. A lei do Sistema Nacional de Educação (SNE) 2 A governança federativa e seus desafios1 3 Os resultados da pactuação de políticas públicas Agenda
  4. 4. A lei do Sistema Nacional de Educação (SNE) 2 A governança federativa e seus desafios1 3 Os resultados da pactuação de políticas públicas Agenda
  5. 5. 5 EIXO 3: FATORES EXTRAESCOLARES Participação das Famílias Políticas Intersetoriais Primeira Infância I Infância Adolescência I Juventude EIXO 1: FATORES INTRAESCOLARES Proposta pedagógica e tempo de aula Professores Infraestrutura escolar Recursos Pedagógicos Gestores escolares Materiais de apoio Avaliação formativa Tecnologias digitais BNCC Currículos Gestão das redes de ensino Avaliação e monitoramento do sistema Financiamento Parâmetros Nacionais de Qualidade da Oferta Governança do sistema Retomando: Governança federativa no Educação Já! Eixo 2: Viabilizadores em nível de sistema Elementos para assegurar consistência, coerência e articulação entre as políticas educacionais de modo a induzir e viabilizar a adoção dos fatores intraescolares em escala. EIXO 2: VIABILIZADORES EM NÍVEL DE SISTEMA Acesso Permanência Aprendizagem Fonte: Educação Já!
  6. 6. Contexto da organização educacional no Brasil Qual o contexto e a realidade brasileira sobre os quais teremos que implementar essa governança?
  7. 7. Contexto da organização educacional no Brasil Algumas características do País aumentam a complexidade da gestão das políticas públicas. Gigantismo territorial e populacional 5º maior país do mundo em território e 6º em população País altamente heterogêneo Brasil apresenta profundas e persistentes desigualdades – sociais, econômicas, regionais, culturais etc. Desenho federativo Todos os entes federativos (os 26 Estados, o Distrito Federal e os 5.570 Municípios) são entes autônomos, com atribuições múltiplas
  8. 8. Contexto da organização educacional no Brasil Diante dessa realidade, estabeleceu-se no Brasil que a educação é nacional. A partir daí, definiram-se regras que dividiram as competências entre os entes federativos pela oferta da educação.
  9. 9. A governança federativa na educação brasileira União Estados Municípios Coordenação da educação nacional, que se dá por meio de função supletiva e redistributiva (com assistência técnica e financeira), de função normativa e de função de planejamento e avaliação. Administração direta das redes de ensino, sendo: educação infantil ofertada prioritariamente pelos Municípios, ensino médio ofertado prioritariamente pelos Estados; e ensino fundamental com oferta compartilhada. Constituição Federal criou o conceito de Regime de Colaboração, segundo o qual os entes federativos devem colaborar entre si na oferta da educação.
  10. 10. A governança federativa na educação brasileira Frente à realidade brasileira, a governança e as regras estabelecidas não foram suficientes para uma organização efetiva do sistema educacional nacional. Importantes desafios persistem.
  11. 11. Pouca clareza sobre atribuições e responsabilidades Indefinições ou falta de clareza quanto a funções e responsabilidades de cada ente acabam gerando um desarranjo federativo. Ex.: sobreposição de funções na oferta de vagas, especialmente nos anos finais do ensino fundamental • Sem critérios para a repartição das matrículas, as composições são bastante heterogêneas entre as UFs. • Na ausência de instâncias (e de uma cultura) de pactuação, não houve processo de municipalização sustentável: há locais onde foi imposta, ao passo que em outros há uma indiscriminada competição por matrículas. • Em muitos locais escolas estaduais e municipais coexistem prevendo a mesma etapa de ensino com pouco ou nenhum alinhamento pedagógico. Fonte: Educação Já!
  12. 12. Fonte: Folha de São Paulo – https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2017/01/1851493-por-matriculas-cidades-da-paraiba-sorteiam-bicicletas-tvs-e-ate-moto.shtml Pouca clareza sobre atribuições e responsabilidades
  13. 13. A pouca colaboração e pactuação entre os entes Há pouca colaboração entre os entes federativos na oferta da educação. Exemplos: • Currículos • Materiais pedagógicos • Concursos para professores e gestores • Formação continuada • Avaliações formativas e externas • Transporte escolar Usualmente a cargo de cada um dos entes, não há planejamento e atuação conjuntos que poderiam otimizar a alocação de gastos e qualificar a oferta desses serviços
  14. 14. A pouca colaboração e pactuação entre os entes Participação da União acaba até prejudicando a estratégia e a gestão educacional dos entes. MEC lança programas de apoio às redes de ensino sem pactuar com Estados e Municípios como esse apoio se dará. Exemplo: Na ausência de instâncias interfederativas e de uma cultura colaborativa, diversas políticas são estabelecidas sem a devida pactuação entre os entes.
  15. 15. A fragilidade dos municípios Governança do sistema educacional brasileiro não responde devidamente às fragilidades financeiras, técnicas e administrativas dos Municípios. ~ 70% dos Municípios ~ 20% da pop. Fonte: IBGE – https://ww2.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/00000006475711142011571416899473.pdf
  16. 16. A fragilidade dos municípios Fonte: O Estado de São Paulo – https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,um-terco-dos-municipios-do-pais-nao-gera-receita-nem-para-pagar-salario-do-prefeito,70002473456
  17. 17. Resumindo: a governança federativa e seus desafios Desenho federativo Associação entre repartição de responsabilidades e educação nacional Competências na forma de áreas de atuação prioritária, não de responsabilidade exclusiva Organização dos sistemas de ensino federal, estaduais e municipais em regime de colaboração Desafios enfrentados Permanência de indefinições e falta de clareza na repartição de responsabilidades Inexistência de instâncias de pactuação entre os entes federados Baixa observância das fragilidades financeiras, técnicas e administrativas dos Municípios Resultados observados Sobreposição de funções como na oferta de vagas, especialmente nos anos finais do EF Políticas não pactuadas e pouco planejamento e atuação conjuntos entre os entes federados Aprofundamento da desigualdade entre entes já desiguais
  18. 18. A governança federativa na educação brasileira O que acontece quando União, Estados e Municípios superam esses desafios e atuam de maneira coordenada, articulando e pactuando políticas e ações?
  19. 19. A lei do Sistema Nacional de Educação (SNE) 2 A governança federativa e seus desafios1 3 Os resultados da pactuação de políticas públicas Agenda
  20. 20. O caso do Ceará Ceará O PAIC é um programa de apoio da secretaria estadual às redes municipais existente desde 2004. Teve por objetivo inicial garantir a alfabetização de todas as crianças cearenses na idade certa. Desde então, o programa incorporou novas ações e objetivos. Hoje, o Ceará é referência nacional pela consolidada articulação de esforços colaborativos por meio de um trabalho coordenado entre as redes estadual e municipais. Destaques Clareza de responsabilidades Pactuação de ações e políticas Apoio e indução do Estado Incentivos à colaboração Na prática Características do regime de colaboração
  21. 21. O caso do Ceará São Paulo Paraná Santa Catarina Ceará Goiás Distrito Federal Espírito Santo Acre Rondônia Minas Gerais 6,5 6,3 6,3 6,1 6,0 5,9 5,7 5,7 5,7 6,3 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 02 05 04 22 08 01 11 23 13 10 São Paulo Distrito Federal Paraná Minas Gerais Rio Grande do Sul Mato Grosso Espírito Santo Rio de Janeiro Roraima Santa Catarina Ceará 4,8 4,8 4,8 4,6 4,5 4,3 4,3 4,1 4,1 4,7 16 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 3,5 Melhores redes públicas 2007 Melhores redes públicas 2017 Ranking PIB per capita 2017 Fonte: INEP
  22. 22. O caso do Ceará IDEB do ensino fundamental anos iniciais do Ceará IDEB do ensino fundamental anos finais do Ceará 2,8 3,5 4,1 4,7 5,0 5,7 6,1 2,9 3,2 3,6 3,9 4,2 4,5 4,8 5,1 3,6 4,0 4,4 4,7 4,9 5,3 5,5 2005 2007 2009 2011 2013 2015 2017 2019 2021 2,8 3,3 3,6 3,9 4,1 4,5 4,9 2,8 3,0 3,3 3,6 4,0 4,3 4,6 4,8 3,2 3,5 3,7 3,9 4,0 4,2 4,4 2005 2007 2009 2011 2013 2015 2017 2019 2021 Estado Meta do estado País Fonte: INEP
  23. 23. O caso do Ceará Nota: Considerou-se para o cálculo dos percentuais o número total de municípios em cada unidade da federação que atendiam os critérios do INEP para realização do SAEB. Fonte: INEP Política que gera equidade 99% das redes municipais atingiram a meta para os anos iniciais do ensino fundamental 99 91 90 89 87 87 86 86 85 80 79 78 68 68 64 63 59 58 50 47 44 40 39 28 24 13 0 CE AC RO MS MT MG AL ES SC GO SP PR AM PE PB RS BA RN PI RR PA MA TO RJ SE AP DF 184 22 52 79 141 853 102 78 295 246 645 399 62 185 223 497 417 167 224 14415 217 139 92 75 16 1Municípios
  24. 24. O caso do Ceará Fonte: Inep/MEC. SAEB 2017 18 4 22 52 79 14 1 85 3 10 2 78 29 5 24 6 64 5 39 9 62 18 5 22 3 49 7 41 7 16 7 22 4 14 4 15 21 7 13 9 92 75 16 Menor desigualdade Política que gera equidade Desigualdades de aprendizagem considerando o NSE das escolas: 5º ano do ensino fundamental – Língua Portuguesa - 2017
  25. 25. Como o Executivo pode alavancar esses resultados? GUIA DE REGIME DE COLABORAÇÃO Os fatores de sucesso do PAIC e de outras políticas em regime de colaboração foram sistematizados e debatidos... E com base neles diferentes estados estão lançando suas próprias políticas.
  26. 26. Qual o papel do Congresso? A regulamentação do Sistema Nacional de Educação é a atribuição do Congresso de maior importância e potencial impacto para o fortalecimento da governança federativa e a expansão de política públicas pactuadas entre os entes (mais informações adiante). REGULAMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO1 O Legislativo pode (e deve) ter um papel proativo e de incentivo a políticas em regime de colaboração. Além de acompanhar a SEDUC, os legisladores têm poder para mobilizar atores centrais como governador, prefeitos, deputados estaduais e órgãos de controle. MOBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO POLÍTICA3 Uma das forças do PAIC é a distribuição da cota-parte do ICMS aos Municípios com base nos respectivos desempenhos educacionais. Esse incentivo à colaboração e à qualidade é uma iniciativa que pode ser orientada pelo Congresso e regulamentada pelo Legislativo estadual. INSTRUMENTOS DE INCENTIVO À COLABORAÇÃO E À QUALIDADE2
  27. 27. O arranjo intermunicipal da Chapada Diamantina O Instituto Chapada é o primeiro arranjo de desenvolvimento da educação (ADE) brasileiro, reunindo grupo de municípios entre os mais vulneráveis da Bahia. Em funcionamento desde o final dos anos 1990, o ICEP busca contribuir para a melhoria da aprendizagem dos alunos. Para isso, atua com foco num diagnóstico territorial e na formação continuada de educadores; na mobilização política; e na disseminação de conhecimento. Destaques Olhar para o território Pactuação das ações e políticas Assistência técnica aos vulneráveis Incentivos à colaboração Na prática Características do regime de colaboração
  28. 28. O arranjo intermunicipal da Chapada Diamantina 0 1 2 3 4 5 6 7 Boa Vista do Tupim Boninal Ibitiara Jacobina Novo Horizonte Piatã Seabra Souto Soares Evolução do IDEB 2005/2015 2005 2015 Fonte: Inep/MEC. SAEB 2017
  29. 29. O arranjo intermunicipal da Chapada Diamantina Em 2005, a média do Ideb dos municípios participantes do Arranjo foi de 2,84 Em 2017, o Ideb alcançou a marca de 5,21 Política que aumenta a qualidade Resultados dos municípios participantes do arranjo: 5º ano do ensino fundamental – Língua Portuguesa – 2005 a 2017 Fonte: Inep/MEC. SAEB 2017. Organizado por Instituto Positivo.
  30. 30. O arranjo intermunicipal da Chapada Diamantina 3,9 4,2 4,7 4,9 5,7 6,5 6,4 2 2,7 3 3,7 3… 4,5 4,5 Política que gera equidade Resultados dos municípios participantes do arranjo: 5º ano do ensino fundamental – Língua Portuguesa – 2005 a 2017 Fonte: Inep/MEC. SAEB 2017. Organizado por Instituto Positivo.
  31. 31. Como o Executivo pode alavancar esses resultados? Existem dois grandes modelos de cooperação intermunicipal. O Governo Federal e os Estados podem e devem incentivá-los, inclusive por meio de MEC e SEDUCs. Consórcios de atuação vinculada à educação Arranjos de Desenvolvimento da Educação (ADE) Braço institucional dos municípios que o compõem para a implementação de ações conjuntas. A educação é geralmente incorporada a um consórcio já existente, via câmaras técnicas. Lei de nº 11.107/2005 - Lei de Consórcios Públicos Possui atuação, na sua maioria, voltada para a realização de compras públicas conjuntas e planejamento regional. Associativismo entre municípios próximos, mais especificamente das Secretarias de Educação. Atuação prática no campo educacional com base em diagnóstico territorial. Resolução nº 02/2012, do CNE. Ratificação na Lei do PNE. Ações de cunho pedagógico, em especial formação de gestores e docentes – e marcada melhoria dos resultados de aprendizagem.
  32. 32. Qual o papel do Congresso? A regulamentação do Sistema Nacional de Educação é a atribuição do Congresso de maior importância e potencial impacto para o fortalecimento da governança federativa e a expansão de política públicas pactuadas entre os entes (mais informações adiante). REGULAMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO1 O Legislativo pode (e deve) ter um papel proativo e de incentivo a iniciativas de colaboração intermunicipal. Congressistas podem mobilizar atores centrais como prefeitos, deputados estaduais e órgãos de controle ou destinar recursos para experiências inovadoras e exitosas. MOBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO POLÍTICA3 Os ADEs estão previstos por resolução do CNE mas não têm, hoje, amparo legal. Essa situação inviabiliza a recepção de assistência técnica e financeira e fragiliza gestores perante tribunais de conta. O PL 5182/19 tem por objetivo institucionalizar e fortalecer os Arranjos. INSTITUCIONALIZAÇÃO DOS ARRANJOS DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO2
  33. 33. Temos experiências de sucesso e devemos trabalhar para multiplica-las, mas... Há discussões a nível nacional sobre melhorias à legislação para alavancarmos a pactuação das políticas públicas educacionais a nível nacional.
  34. 34. A lei do Sistema Nacional de Educação (SNE) 2 A governança federativa e seus desafios1 3 Os resultados da pactuação de políticas públicas Agenda
  35. 35. O histórico da discussão sobre SNE PLP nº 15 Texto SASE Texto SAE Texto FNE PLP nº 448 PLP nº 413 Texto MEC PLP nº 25 Categoria Projeto de Lei Complementar Documento propositivo Documento e Anteprojeto de Lei Complem. Documento propositivo para o Debate Projeto de Lei Complementar Projeto de Lei Complementar Anteprojeto de Lei Complem. Projeto de Lei Complementar Autor Felipe Bornier Equipe SASE e apoiadores Equipe SAE Equipe FNE Giuseppe Vecci Ságuas Moraes Equipe MEC Deputada Dorinha Mês/Ano fev/11 jun/15 jul/15 abr/16 nov/17 07/2014; 12/2017 jul/18 jan/19 Situação Apensado PLP nº 413 Disponível para debate Disponível para debate Disponível para debate Apensado PLP nº 413 Aguarda plenária Negociação interrompida Aguardando parecer do relator na CE Previsto na Constituição Federal e em dispositivos posteriores, como o PNE, o Sistema Nacional de Educação (SNE) é um tema que com frequência ressurge nas discussões políticas e educacionais.
  36. 36. Discussão sobre SNE no Congresso hoje CF/88. Art. 23. Parágrafo único. Lei complementar fixará normas para a cooperação entre a União e os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, tendo em vista o equilíbrio do desenvolvimento e do bem-estar em âmbito nacional. CF/88. Art. 211. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios organizarão em regime de colaboração seus sistemas de ensino. CF/88. Art. 214. A lei estabelecerá o plano nacional de educação, de duração decenal, com o objetivo de articular o sistema nacional de educação. Lei 13.005/2014 - PNE. Art. 13. O poder público deverá instituir, em lei específica, contados 2 (dois) anos da publicação desta Lei, o Sistema Nacional de Educação, responsável pela articulação entre os sistemas de ensino. Previsões Legais Projetos de Lei em Tramitação PLP 25/2019 Autoria: Prof. Dorinha PLP 47/2019 Autoria: Pedro Cunha Lima PLP 216/2019 Autoria: Prof. Rosa Neide
  37. 37. O GT sobre SNE do Colabora Participantes Binho Marques Daniel Vargas Eduardo Deschamps João Marcelo Borges José Henrique Paim Mariza Abreu Ricardo Martins Pauta por encontro 1ª Reunião (03/08) Apresentação da sistematização sobre o tema e definição de escopo 2ª Reunião (30/08) Identificação dos problemas e entraves 3ª Reunião (20/09) Competências e atribuições dos entes; tomada de decisão 4ª Reunião (10/10) Instâncias de pactuação: função e composição 5ª Reunião (21/11) Órgãos normativos e de acompanhamento e controle social 6ª Reunião (21/11) Tópicos: regionalização, financiamento e avaliação Grupo de trabalho 6 reuniões para discussão e proposições
  38. 38. Por onde começa essa discussão?
  39. 39. O escopo da discussão sobre o SNE Formas de efetivação (como) Questões centrais a serem solucionadas (o quê) Base comum às discussões: contexto, desafios e resultados (por quê)
  40. 40. O escopo da discussão sobre o SNE Formas de efetivação (como) Questões centrais a serem solucionadas (o quê) Base comum às discussões: contexto, desafios e resultados (por quê)
  41. 41. Base do SNE: a governança federativa e seus desafios Desenho federativo Associação entre repartição de responsabilidades e educação nacional Competências na forma de áreas de atuação prioritária, não de responsabilidade exclusiva Organização dos sistemas de ensino federal, estaduais e municipais em regime de colaboração Desafios enfrentados Permanência de indefinições e falta de clareza na repartição de responsabilidades Inexistência de instâncias de pactuação entre os entes federados Baixa observância das fragilidades financeiras, técnicas e administrativas dos Municípios Resultados observados Sobreposição de funções na oferta de vagas, especialmente nos anos finais do EF Políticas não pactuadas e pouco planejamento e atuação conjuntos entre os entes federados Aprofundamento da desigualdade entre entes já desiguais
  42. 42. Base do SNE: a governança federativa e seus desafios Desenho federativo Associação entre repartição de responsabilidades e educação nacional Competências na forma de áreas de atuação prioritária, não de responsabilidade exclusiva Organização dos sistemas de ensino federal, estaduais e municipais em regime de colaboração Desafios enfrentados Permanência de indefinições e falta de clareza na repartição de responsabilidades Inexistência de instâncias de pactuação entre os entes federados Baixa observância das fragilidades financeiras, técnicas e administrativas dos Municípios Resultados observados Sobreposição de funções na oferta de vagas, especialmente nos anos finais do EF Políticas não pactuadas e pouco planejamento e atuação conjuntos entre os entes federados Aprofundamento da desigualdade entre entes já desiguais Formas de efetivação (como) Questões centrais a serem solucionadas (o quê) Base comum às discussões: contexto, desafios e resultados (por quê)
  43. 43. Há convergência quanto aos desafios... Mas há consenso sobre o que uma lei do SNE precisaria garantir?
  44. 44. O que o SNE deve solucionar? Formas de efetivação (como) Questões centrais a serem solucionadas (o quê) Base comum às discussões: contexto, desafios e resultados (por quê)
  45. 45. Questões centrais a serem solucionadas pelo SNE Grupo de trabalho 6 reuniões para discussão e proposiçõesTodas as políticas educacionais pactuadas (União, Estados e Municípios) Cada ator com clareza de seu papel - Esclarecimento e detalhamento das funções da União, em especial de coordenação da educação nacional, supletiva e redistributiva; - Reforço da assistência técnica e indicação de critérios para alcance dos entes mais vulneráveis; - Ente Estado com visão territorial, superando a lógica de rede; - Esclarecimento do papel dos órgãos normativos de todos os níveis e fortalecimento dos mecanismos de controle social. - Estabelecimento de canais de pactuação de políticas públicas a nível federal e em cada Estado; - A nível federal, pactuação de padrões de qualidade, formulação de ações conjuntas nacionais e negociação de diretrizes para transferências voluntárias da União; - A nível estadual, otimização de elementos da gestão educacional e definição de repartição da oferta do EF; - Garantia de melhores condições para os municípios mais vulneráveis e promoção da colaboração intermunicipal.
  46. 46. Questões centrais que o Congresso deverá explorar Qual a composição das instâncias? Em especial, quem representa os municípios? Como se darão as tomadas de decisão nas instâncias? Qual é o papel da universidade na organização da Educação Básica? Quais as possibilidades para a repartição do EF? Deve haver uma orientação específica?
  47. 47. Para além de definições que demandarão debate público, há dois pontos de divergência que permeiam a discussão.
  48. 48. Pontos de divergência (1) O que é o CAQ? - O custo aluno qualidade (CAQ) é uma metodologia para o cálculo do investimento necessário por aluno por ano para uma educação de qualidade. - A metodologia não é consenso. - Há uma mobilização por parte dos atores para inserção do termo CAQ na lei do SNE. - Essa inserção implicaria a obrigatoriedade de investimento pelos entes no respectivo valor. - Discordância quanto ao tema interrompeu diálogo entre MEC e Congresso em 2018. - A definição de padrões de qualidade pela instância tripartite é central para o sistema e para o financiamento, uma vez que pode viabilizaria a definição do valor aluno/ano (VAA). Como os atores e PLs tratam do tema? - Os projetos de lei do SNE protocolados entre 2011 e 2018 previam o CAQ. - O PLP 25/2019, da dep. Professora Dorinha, assim como o PLP está orientado pela lógica padrões de qualidade – VAA. - Já o PLP 216/2019, da dep. Professora Rosa Neide, contempla o termo Custo Aluno Qualidade. - O principal ator contrário à previsão do CAQ na lei do SNE (e demais legislação) é o MEC, vide risco de responsabilizado pelo seu não cumprimento. - A discussão em torno do tema está presente também na discussão sobre FUNDEB. VAA vs. CAQ
  49. 49. Pontos de divergência (2) O que se discute sobre fóruns? - Alguns projetos de lei e textos sobre o tema defendem o fortalecimento de fóruns, desde a simples menção até a previsão de que tenha papel da própria instância deliberativa. - Fóruns são iniciativas da sociedade civil – portanto independentes do governo – fundamentais pela representatividade e pelas contribuições quanto a prioridades e orientações das políticas públicas. - Atores discordam quanto à participação de fóruns em tomadas de decisão. - O Colabora entende os fóruns como uma conquista da sociedade brasileira e defende seu papel no sistema educacional, contudo, a pactuação em si é dever dos entes federados. Como os atores e PLs tratam do tema? - Os projetos de lei do SNE protocolados entre 2011 e 2018 previam fóruns. - Além do texto do FNE de 2016, destacam-se os projetos de lei de Giuseppe Vecci (448/17) e Rosa Neide (216/2019), este recém-apresentado. - Já o PLP 25/2019 da Professora Dorinha, prevê fóruns como “espaços participativos de mobilização, interlocução e consulta à sociedade”. - Como o CAQ, o fortalecimento dos fóruns por meio da lei do SNE é uma questão cara a movimentos e atores e instituições ligados a profissionais da educação. - O tema é divergente, ainda que não de maneira tão central como no caso do CAQ. Fóruns representativos
  50. 50. Pontos de divergência (2) O que se discute sobre fóruns? - Alguns projetos de lei e textos sobre o tema defendem o fortalecimento de fóruns, desde a simples menção até a previsão de que tenha papel da própria instância deliberativa. - Fóruns são iniciativas da sociedade civil – portanto independentes do governo – fundamentais pela representatividade e contribuição para as prioridades e orientações das políticas públicas. - Por mais importantes que sejam para o sistema educacional, contudo, a pactuação em si é dever dos entes federados. - O Colabora entende os fóruns como uma conquista da sociedade brasileira e defende seu papel no sistema educacional, mas se posiciona contra sua previsão no PLP do SNE. Como os atores e PLs tratam do tema? - Os projetos de lei do SNE protocolados entre 2011 e 2018 previam fóruns. - Além do texto do FNE de 2016, destacam-se os projetos de lei de Giuseppe Vecci (448/17) e Rosa Neide (216/19), este recém-apresentado. - Já o PLP 25/2019 da Professora Dorinha, prevê fóruns como “espaços participativos de mobilização, interlocução e consulta à sociedade”. - Como o CAQ, o fortalecimento dos fóruns por meio da lei do SNE é uma questão cara a partidos de esquerda e atores e instituições ligados a profissionais da educação. - A ideia encontra resistências, ainda que não de maneira tão direta como no caso do CAQ. Fóruns representativos Formas de efetivação (como) Questões centrais a serem solucionadas (o quê) Base comum às discussões: contexto, desafios e resultados (por quê)
  51. 51. Superadas as divergências e alcançada uma proposta do que o SNE deve resolver... Como garantir sua eficácia?
  52. 52. Como garantir a eficácia da lei do SNE? Formas de efetivação (como) Questões centrais a serem solucionadas (o quê) Base comum às discussões: contexto, desafios e resultados (por quê)
  53. 53. Como garantir a eficácia da lei do SNE? Possíveis mecanismos Imposições legais bem orientadas e com implicações concretas (ex.: repartição EF) Atrelamento da lei do SNE a outros dispositivos (ex.: FUNDEB) Previsão de robustez técnica aos passos seguintes à lei (ex.: equipe para instâncias)
  54. 54. Contexto atual da discussão ESFERAS DE DISCUSSÃO ATORES CHAVE CONGRESSO NACIONAL Comissão e Frente Parlamentar ÓRGÃOS DE CONTROLE CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO TERCEIRO SETOR ACADEMIA CONGRESSISTAS SECRETÁRIOS DE EDUCAÇÃO CONSED/UNDIME MEC E GOVERGNO FEDERAL ESPECIALISTAS E ACADÊMICOS
  55. 55. Muito obrigado! Guilherme Lacerda guilherme@movimentocolabora.org.br (41) 99198 0657

×