Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Usoresponsveldainternet 100504141816 Phpapp01

796 views

Published on

Published in: Technology, Sports
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Usoresponsveldainternet 100504141816 Phpapp01

  1. 1. Índice Introdução........................................................... 03 1.0 Web 2.0.......................................................... 04 2.0 Redes Sociais................................................. 08 3.0 Netiqueta....................................................... 10 4.0 Crimes Virtuais............................................... 12 5.0 Pedofilia......................................................... 14 6.0 Endereço IP.................................................... 16 7.0 Lixo Tecnológico............................................. 18 8.0 Lista de Sites Legais....................................... 20 9.0 CDI................................................................. 21 10.0 GVT.............................................................. 22 Histórias em Quadrinhos...................................... 24 Expediente...........................................................34 Rede de Apoio......................................................35
  2. 2. Introdução A internet revolucionou a co- recomendados continuam sendo ética, municação ao tornar acessível a muitos respeito, integridade, honestidade. Mas o conteúdo antes restrito a poucos, ao é preciso entender melhor o nível da in- acabar com as barreiras geográficas teração, colaboração e o alcance dos e ao facilitar a manifestação pública relacionamentos na web. dos indivíduos. A web 2.0 possibilita a Esse é o objetivo do Guia de todos – independente da idade, classe Navegação para o Uso Responsável social ou nível intelectual – exercer um da internet. Esclarecer sobre as poten- papel relevante nas mídias sociais. cialidades e riscos da web. Construído No entanto, a liberdade de ex- de forma colaborativa, o material tem a pressão e de opinião, o grau de expo- participação da iniciativa privada, orga- sição e de influência da web demanda nizações, entidades e profissionais de uma responsabilidade muitas vezes novas tecnologias. Na segunda edição desconsiderada. Pais, professores e do Guia, a intenção é regar a semente responsáveis têm a missão de orientar plantada quando a operadora de tele- e definir limites na formação e educa- fonia e internet GVT e seu parceiro em ção de quem nasceu plugado, a partir responsabilidade social CDI – Paraná da década de 90 – a chamada geração C começaram a discutir o tema na primei- (Conteúdo, Colaboração e Conexão). ra metade dos anos 2000. Para ter voz ativa nesse mun- A meta final é que a responsa- do que parece pertencer aos jovens, bilidade sobre o uso da internet entre é preciso encará-lo apenas como uma no diálogo das famílias, escolas e da nova plataforma de comunicação e so- sociedade até ser incorporada por to- cialização similar aos antigos grêmios dos porque o mundo atual é o mundo estudantis, clubes, turmas ou tribos. conectado. Os valores, comportamentos e atitudes Os Autores 3
  3. 3. 1.0 Web 2.0 O termo Web 2.0 começou a ser utilizado nos Estados Unidos em Conheça alguns termos de 2004 como referência à segunda ge- sites da era 2.0 ração de serviços na web. Mais do que Tags: Similar a uma lista de sites prefe- novas ferramentas e aplicativos, o ter- ridos, em que o internauta define pala- mo indica a forma como a internet é vras-chave para determinado assunto utilizada. O conceito 2.0 envolve uma ou imagem e organiza o conteúdo por dinâmica de troca de informações, meio das tags ou nuvem de termos. construção e edição de conteúdo por meio da constante colaboração entre Socialcast: indica a produção e trans- os internautas. missão de conteúdo a partir de mui- tas pessoas para muitas pessoas na Novas interfaces da rede base- internet. adas em programas abertos e platafor- mas de compartilhamento de arquivos CGM: Consumer Generated Media in- cada vez mais acessíveis viabilizam dica o conteúdo e opinião produzidos esse novo comportamento. Com a fa- pelos internautas em blogs, fotologs, cilidade de interação e publicação de comunidades, grupos de discussão, conteúdos, a web é um dos canais mais sites participativos como o Youtube e fortes de exercício dos direitos do con- a Wikipedia. sumidor, pesquisas de opinião, consul- tas escolares, organização de comuni- AdSense: Plano de publicidade do Goo- dades e realização de campanhas para gle que remunera o site de acordo com mobilização social. o número de acessos obtidos a partir do buscador que exibe anúncios rele- vantes para determinado conteúdo. Ajax: Pacote de tecnologias que possi- bilita a criação de aplicativos interati- vos na internet muito usado por criado- res de sites e serviços. Mash-ups: Serviços criados a partir da combinação de dois aplicativos. RSS: É a abreviação de “Really Simple Syndication”, que significa distribui- ção realmente simples. Possibilita que os internautas selecionem sites e rece- bam suas atualizações através de um programa conhecido como agregador ou pelo email. Esse processo é conhe- cido como assinatura de um feed. 4
  4. 4. XML: Abreviação de “extensible markup dor. Alguns kits multimídia já oferecem language”. Linguagem de programação este recurso. Outra forma é por meio de de páginas web que permite maior per- programas gratuitos oferecidos na web sonalização na forma de organizar e que permitem capturar sons, editá-los e apresentar as informações. exportar em formato MP3. Wikis: São páginas na web em que o Youtube conteúdo é comunitário, podendo ser http://youtube.com alterado por qualquer pessoa. Um dos exemplos mais conhecidos é a enciclo- O YouTube combina as palavras you = pédia on-line Wikipedia. você e tube = tubo, que é a gíria ameri- cana utilizada para televisão. No portu- Grupos de Discussão guês, poderia ser traduzido literalmen- te por “Você TV” ou “TV Você”. É um site que permite aos usuários publicar, Os grupos de discussão, conhecidos assistir e compartilhar vídeos. Esses como “newsgroups”, são destinados vídeos podem ser produzidos por meio à postagem de perguntas e respostas de câmeras caseiras e até webcams. O sobre um determinado tema de forma tamanho é limitado a 1GB e a duração organizada. A limitação do serviço está no prazo das respostas. Para partici- par, é preciso configurar o programa de recebimento de emails, encontrar grupos de interesse e cadastrá-los. Podcasting A palavra “podcasting” vem da junção do aparelho de mídia digital – Ipod, de onde saíram os primeiros scripts de podcasting, – e broadcasting que siginfica transmissão de rádio ou tevê. Podcasting é uma for- ma de publicação de arqui- vos de áudio, vídeo, imagem e outros pela web, através do RSS. As atualizações rece- bidas automaticamente pelo RSS permitem que o usuário ouça sua programação preferida onde e quando quiser e essa é a gran- de diferença entre podcasting e os au- dioblogs, videoblogs e fotologs. Para produzir seu próprio podcast, é preciso ter um kit multimídia completo, com placa de som, microfone e caixas de som (ou fones de ouvido). Além disso, é necessário ter um pro- grama de gravação e edi- ção de áudio no computa- 5
  5. 5. máxima é de 10 minutos, para evitar exi- do Twitter podem postar mensagens de bições de programas e conteúdos não até 140 caracteres, que são enviadas autorizados. O site organiza o conteú- aos seus amigos, conhecidos como se- do em rankings de acordo com as se- guidores ou “followers”. guintes categorias: Destaques, Vídeos Ascendentes, Mais Comentados, Mais Wikipédia Vistos e Mais Adotados como favoritos. http://www.wikepedia.org MySpace É uma plataforma de conhecimento co- http://myspace.com/brasil letivo em que pessoas de diversas re- giões do mundo colaboram e atualizam Rede social voltada à troca de informa- informações formando uma enciclopé- ções sobre preferências musicais. Fo- dia online colaborativa e livre. O fato de menta o lançamento de artistas e ban- ser livre significa que todo o conteúdo das ainda desconhecidos do grande pode ser modificado, alterado e amplia- público ao oferecer ferramentas aces- do, desde que os direitos sejam preser- síveis para produzir e publicar arquivos vados. A Wikipédia está disponível em de áudio e vídeo. Incentiva os integran- aproximadamente 260 idiomas e é uma tes a divulgar opiniões e fazer a avalia- das principais fontes de consulta nos ção das músicas. maiores países do mundo. Flickr http://www.flickr.com É um site de armazenamento de ima- Dicas gens que existe desde 2004 e também disponibiliza vídeos e plataformas de • No YouTube e no Flickr mantenha pri- discussão semelhantes às redes so- vados vídeos e fotos que contenham ciais. As ferramentas para organização informações pessoais como imagens das imagens permitem que o usuário de sua casa, trabalho, família, amigos. autorize outros usuários a adicionarem Desta forma somente quem você auto- marcações, as chamadas tags, em suas rizar terá acesso. imagens, auxiliando na organização do conteúdo. Além disso, os uploads de • Bloqueie usuários que enviam mensa- fotos podem ser feitos a partir da área gens indesejadas no YouTube. de trabalho do computador, por email e ou por um celular com câmera. O Fli- • Respeite os direitos autorais. ckr possui uma ferramenta de edição de imagem e uma de georeferência, • Publique imagens e informações pela qual os usuários podem identifi- de outras pessoas somente com car o local da imagem e encontrar fotos autorização. semelhantes. • Menores de 13 anos não são autori- zados a se cadastrar no YouTube e sua Twitter navegação deve ser supervisionada pe- http://twitter.com los responsáveis. É uma rede social baseada na idéia • O YouTube possui um centro de dicas das mensagens pessoais do MSN, nas e denúncias para usuários, no qual está quais as pessoas dizem o que estão fa- publicado o guia de conduta com infor- zendo, o que estão lendo, o que querem mações sobre segurança de crianças e fazer, entre outras coisas. Os usuários 6
  6. 6. adolescentes, pedofilia, suicídio, plá- • Utilize nomes de usuário simples no gios, spam, bullying, apologia a crimes, Twitter para facilitar sua localização violência e preconceito. Nessa área entre amigos e “seguidores”. pode se para fazer denúncias anôni- mas de crimes virtuais cometidos no • Cuidado ao postar mensagens no Twit- portal. ter, pois elas não podem ser editadas e ficam salvas no arquivo de sua página • Se encontrar vídeos que violem as pessoal no site. regras do YouTube, procure entrar em contato com a pessoa responsável pela • Mantenha a privacidade de determina- publicação do vídeo, pois ela pode não dos assuntos no Twitter enviando suas saber que está violando as regras de mensagens somente para pessoas se- conduta e então denunicie. lecionadas por você. Basta incluir o en- dereço da página pessoal do destinatá- • Lembre-se que em Grupos de Dis- rio no final do texto: @nomedapessoa. cussão e sites colaborativos como a Wikipédia, nem toda informação é de autoria de especialistas, portanto é ne- cessário filtrar e checar os conteúdos. • Tome cuidado com os arquivos anexos às mensagens dos Gru- pos de Discussão, pois po- dem conter vírus. Fonte: GVT 7
  7. 7. 2.0 Redes Sociais Redes de relacionamento pes- sional, concentradas em preferências, soal são um dos pilares da vida em so- fãs clubes, aconselhamento etc – e mui- ciedade. Em geral, quanto maior a rede tas têm grande participação de adoles- do indivíduo, mais chances de sucesso centes e crianças. A função dessas re- em empreendimentos pessoais. Nossas des é agrupar pessoas com interesses primeiras redes surgem na infância a comuns. partir dos contatos estabelecidos com familiares, vizinhos e na escola. Um exemplo são os grupos de discussão, fóruns e as comunidades de Com o advento da internet, a blogueiros, que fazem um boca a boca extensão das redes foi potencializada virtual estabelecendo contatos entre porque a conexão permite a comunica- pessoas com as mesmas afinidades. Na ção de muitas pessoas para muitas pes- web, capital social é a medida do pres- soas ao mesmo tempo. Há todo o tipo tígio que uma pessoa tem em sua co- de comunidade estruturada na internet munidade – quanto mais participantes, – voltadas ao desenvolvimento profis- quanto mais links apontando para seu Fique to Aten o número Para verificar ontam para de links que ap te, acesse determinado si es confi den- o google e digite link: e o Informaçõ não te (ex.: link: que você endereço do si ciais ou difun- .br) e clique sejam www.gvt.com quer que devem ser barra re- didas não em pesquisar. Na em qualq uer erá o nú- inseridas sultados, aparec onados de, mas sim mero de links di reci comunida tegidas. para o site. pro O ditado “Dig a-me com quem andas que te direi Divida a quem és” vale informaçã também na você não o que internet. As co irá usar munidades qual já fe ou da das quais faze z u mos parte net ela é a so – na inter- revelam noss os hábitos fo riar conexõ rma de anga- e preferências es. Ao ofe . Seja mui- informaçã recer to criterioso ao o gratuita in a pessoa mente, em uma comun gressar colhe repu idade. prestígio e taç relacionam ão, ento. 8
  8. 8. blog ou página pessoal, e quanto mais fazem parte, procurar entender os moti- comentários postados, maior é a popu- vos que os levaram a fazer determinada laridade do internauta. escolha, navegar com eles para verifi- car qual o perfil dos demais integrantes As redes sociais já interferem, e acompanhar suas redes de relaciona- e podem ser definitivas, em processos mento permanentemente. eleitorais. Também por meio delas, é possível promover a solidariedade e Existem ambientes virtuais que mobilizar um grande número de pesso- oportunizam a participação de crianças as para atuar em prol de causas dignas com segurança, promovendo a sociabi- como ajudar vítimas de catástrofes. lidade, o desenvolvimento cognitivo e motor. Porém, mesmo sendo ambien- Mas também existem pessoas tes considerados seguros, a supervisão que utilizam a ferramenta para prejudi- dos pais e a adoção de cuidados para car os outros. Não há como garantir um não expor dados pessoais são essen- ambiente virtual totalmente seguro. Por ciais. Veja sugestões no capítulo “Sites isso, é preciso conhecer as comunida- Legais”. des das quais crianças e adolescentes O Orkut é mente pa permitido so- ra maiore 18 anos. s de Se a cria adolescen nça ou te quiser um perfil, criar oriente a desenhos utlizar ou foto de de estimaç bicho ão uso deve s . Além disso o er acompa pelos pais nhado , p responsáve rofessores ou a rele- is. ntificar Para ide m blog ou co- eu vância d e www. e, acess .c o m . munidad a g d ebu s c m a rke ti n clua o pagera nk e in br/ o sis- do site – endereço ará qual a re- str tema mo scala m uma e levância e . de 0 a 10 Fonte: CDI Paraná e GVT 9
  9. 9. 3.0 Netiqueta O termo netiqueta tem origem na fusão das palavras net (em inglês • Respeite o direito – rede) e etiqueta (conjunto de regras autoral. Ao copiar textos para comportamento em sociedade). A e outros conteúdos protegi- expressão traduz um conceito de bom dos cite fonte ou referência uso da internet. São sugestões e reco- bibliográfica. mendações para usar as ferramentas emails, blogs, MSN, sites de relaciona- mento e demais ambientes virtuais, in- cluindo dicas de segurança na rede. A boa convivência na rede exige bom sen- • Se enviar mensagem para so, educação e boas maneiras. Afinal, várias pessoas utilize o campo milhões de pessoas estão formando “CCO” – com cópia oculta. Desse opinião sobre você e vice-versa. modo, você preserva os endereços dos seus amigos de robôs que capturam emails Algumas netiquetas: para enviar spams e vírus. Isso também evita as intermináveis respostas em cascata – quando todos respondem a todos sem necessidade. • A comunicação escrita depende da interpretação do outro. Seja claro, objetivo e direto evitando margem a mal-entendidos. Para melhorar a leitura de textos, procure separá- los em parágrafos e, em emails, lembre sempre de preencher o campo • Ao escrever mensagens vir- assunto. tuais procure combinar letras maiús- culas e minúsculas da mesma forma que na escrita comum. Na internet escrever com letras maiúsculas é o mesmo que GRITAR! • A cada dia surgem novas regras de netiqueta. Na dúvida, transponha a situação da web para a vida real e reflita sobre como agir. • É muito bacana ter uma “coleção” de amigos virtuais, mas como nem sem- pre conhecemos quem está teclando “do outro lado” e quais são suas reais inten- ções, use com moderação. 10
  10. 10. • Use a internet de modo positivo. Divulgue boas idéias, dissemine conhecimentos e colabore com outros internautas. • Em sites de re- lacionamento cuidado com fakes (perfis falsos). Eles podem ser uma brincadeira divertida, mas geralmente viram dor de cabeça. • Trate o outro como gostaria de ser tratado. Respeito é essencial. Converse, dialogue, compartilhe. Xingar e utilizar palavras de baixo calão são para pessoas que não têm como contribuir. • É fundamental preservar a segurança na internet. Evite ex- posição exagerada. Pense bem antes de publicar fotos e participar de comuni- dades – algumas podem levar as pessoas a fazer um julgamento errado sobre você, como a “Eu odeio...”. Não divulgue dados pessoais como nome completo, ende- reço, lugares que freqüenta. Fonte: Danielle Lourenço, Consultora em Tecnologias Responsáveis 11 9
  11. 11. 4.0 Crimes Virtuais em relação à vítima, invadindo sua pri- Com as novas tecnologias, cri- vacidade e repetindo a ação de diver- mes tradicionais passaram a ser come- sas maneiras. tidos na rede e surgiram novos delitos. • Cyber-bullying: humilhação e ofen- O preocupante é que cresce cada vez sa constante que uma pessoa faz mais o número de crianças e adolescen- à outra usando a rede mundial de tes envolvidos. Muitas vezes, a pessoa computadores. pode cometer ou ser alvo de infração • Happy Slapping: evolução do cyber- na internet sem ter consciência disso. bullying em que o autor transfere para Por isso, é muito importante conhecer o mundo real as agressões. O autor fo- as práticas mais comuns e ficar muito tografa ou filma as cenas de agressão atento na web. para depois hospedá-las na internet. Principais crimes e delitos na web As práticas criminosas contra Crimes tradicionais crianças e adolescentes mais comuns • Furto qualificado mediante fraude: são pedofilia, falsa identidade, atribui- quando realizado na web é conheci- ção de atividades ilícitas ou imorais, do por “Phishing Scam” e consiste na ofensas mediante montagens de fotos/ captura de informações particulares imagens, captura de senhas para utili- ou sigilosas da vítima para mais tarde zação de email’s pessoais, captura de cometer roubo ou fraude. diálogos ou imagens comprometedo- • Estelionato: principalmente em si- ras, cyber-bullying, happy slapping. tes de leilões contra compradores e vendedores. Por outro lado, muitos adoles- • Crimes contra a honra (difamação, in- centes são autores de infrações como júria e calúnia). falsa identidade, incitação a crimes, • Ameaça. calúnia, injúria e difamação, criação de • Falsa identidade. espaços virtuais do tipo: “Eu odeio...”. Crimes desenvolvidos na web Conseqüências legais • Keylogger: programa de computador que captura informações digitadas Quando o autor tem mais pelo usuário, inclusive senhas e infor- de 18 anos: mações pessoais. • Stalking Behavior: o autor • Reclusão ou detenção em estabeleci- demonstra um compor- mentos prisionais. tamento de perseguição • Penas restritivas de direito. • Prestação pecuniária: pagamento em dinheiro para a vítima, seus dependen- tes, ou para destinação social. • Perda de bens ou valores obtidos pela prática do crime. • Prestação de serviços à comunidade. • Interdição temporária de direitos. 12
  12. 12. • Limitação de fim de semana. Como denunciar • Pena de multa. • Caso seja vítima de um crime eletrô- Quando o autor tem menos de 18 nico, reúna provas – imprima o cabe- anos: çalho da mensagem, o código fonte, ou a página da comunidade, blog ou • Advertência verbal: assinada pelo internet. adolescente, responsável, Promotor e • Assim que a prática for identificada, a Juiz. vítima deve ir até a delegacia mais pró- • Obrigação de reparar o dano: quando xima. Na internet, quanto mais o início o ato infracional implica em dano moral das investigações demorar, menor as ou patrimonial para a vítima. chances de identificar o autor. • Liberdade assistida: o adolescente é • Caso exista disponibilidade, leve as acompanhado por profissional capa- provas até o cartório de notas mais citado a auxiliá-lo e orientá-lo por seis próximo para registrar uma ata notarial meses, período que pode ser prorroga- do conteúdo hospedado na internet. do por mais seis meses. • Procure a polícia para formalizar de- • Prestação de serviços à comunidade: núncia e não realize qualquer inves- oito horas semanais de tarefas gratui- tigação sem autorização judicial – a tas em entidades assistenciais como coleta de informações na web sem res- hospitais e creches por até seis meses. paldo configura crime. • Semiliberdade: o adolescente é enca- • A vítima também pode buscar repara- minhado para local onde permanece ção moral e material nos Juizados Es- durante a semana e aos fins de semana peciais Cíveis (sozinha ou assistida por visita a família. um advogado, dependendo do valor • Internação: o adolescente é privado pretendido) ou ainda postular (quando de sua liberdade em uma instituição. o dano for superior a 40 salários mínimos) junto Cuidados às Varas Cíveis da Jus- tiça Estadual (neste • Verifique sempre o remetente do email caso sempre assistida e só abra se conhecer a fonte. por um advogado). • Não baixe e nem execute arquivos não solicitados, mesmo que seja de um re- metente conhecido – pode ter sido en- Fonte: Comissão de viado por alguém mal intencionado que Tecnologia da Infor- mação e Comuni- invadiu o computador de seu amigo ou cação – OAB/PR familiar. com a colabora- • Utilize antivírus e firewall mantendo- ção do Núcleo de combate os sempre atualizados. aos Ciber- • Nunca participe de desafios ou jogos crimes da que envolvem derrubar servidores ou Polícia Civil do Paraná invadir ambientes privados – há crimi- – Nuciber nosos usando adolescentes curiosos e com alto conhecimento em internet Vara de para a prática de delitos. Adelescen- tes Infra- • Desconfie se a página de seu banco tores de na internet funcionar de forma ‘estra- Curitiba nha’ e solicitar muitos dados – ela pode (PR) ter sido copiada. 13
  13. 13. 5.0 Pedofilia A pedofilia é um desvio ou vio- O Estatuto da Criança e do lência sexual que leva o indivíduo adul- Adolescente (ECA) define como crime: to a se sentir sexualmente atraído de “produzir ou dirigir representação tea- modo compulsivo por crianças e ado- tral, televisiva ou película cinematográ- lescentes. Esse comportamento existe fica, utilizando-se de criança ou ado- historicamente na humanidade, inde- lescente em cena de sexo explícito ou pendente da internet, mas as tecnolo- pornográfica (art. 240) e também “foto- gias criam novas formas para que os grafar ou publicar cena de sexo explíci- criminosos cheguem até as vítimas. to ou pornografia envolvendo criança ou adolescente” (art.241). A pena pre- Assim como em qualquer lugar vista nesses casos é de reclusão de um público, na internet existem pessoas a quatro anos, e multa, no caso do art. que procuram enganar, seduzir ou in- 240. citar crianças e adolescentes a aces- sar conteúdos inadequados. Também Para denunciar, disque 100 é comum a tentativa de convencê-los (discagem gratuita de todo o território a enviar fotos e informações pesso- nacional) – Sistema Nacional de Com- ais para gerar material de pornografia bate à Exploração Sexual Infanto-Juve- infantil. Em geral, essas pessoas fin- nil – Ministério da Justiça – Secretaria gem ter a mesma idade da vítima para de Direitos Humanos. Também é pos- atrair seu interesse com assuntos que a sível procurar os Conselhos Tutelares, agradam. as Varas da Infância e Juventude, além das Delegacias de Proteção à Criança e Buscam conhecer seus pontos ao Adolescente e as Delegacias da Mu- fracos e, a partir de informações sobre lher. O Ministério da Justiça aceita de- seus gostos e preferências, criam uma núncia via site www.mj.gov.br, clicando conversa atraente. O agressor atua em fale conosco e enviando formulário tentando anular o poder de decisão da preenchido ou pelo email crime.inter- criança, sugerindo um pacto de silên- net@dpf.gov.br. cio que pode se transformar em amea- ça. Quando ocorre uma situação ame- açadora ou constrangedora, a criança reage pela paralisia e tende a ceder aos pedidos do abusador. Mensagens enviadas por chat e email contendo apelo para que crian- ças e adolescentes participem de jogos on-line ou de encontros secretos devem ser monitoradas. Elas podem escon- der intenções de abuso e exploração 14
  14. 14. Fique atento se a criança ou adolescente: • Fica on-line a maior parte do tempo e dispensa qualquer outra atividade com a família e os amigos. • Procura esconder ou fechar rapida- mente a tela do computador quando alguém se aproxima. • Demonstra que conheceu alguém on- line de quem não pode falar muito, ou sobre quem não revela toda a verdade. • Apresenta comportamento arredio, nervoso e melancólico se recusando a conversar sobre seu dia-a-dia. Fonte: GVT com a colaboração Campa- nha Nacional de Combate à Pedofilia na internet. 15
  15. 15. 6.0 Endereço IP Muitos imaginam que a web é Quebra do IP um espaço sem controle em que é pos- sível ser anônimo ou se esconder atrás • A partir do IP, é possível chegar até de identidades falsas, porém a realida- o computador que gerou determina- de é bastante diferente. A única forma do conteúdo e, por meio desse com- de navegar na rede é por meio de uma putador, descobrir a identidade do autenticação – realizada por provedores proprietário. de internet ou operadoras de telecomu- nicações autorizadas. A autenticação é • O processo de quebra de IP é similar como o endereço de uma casa – só que ao processo de quebra de sigilo bancá- o endereço é do computador na rede. rio e telefônico e só pode ser feito com É por meio desse endereço, conhecido base em autorização judicial. por IP (internet Protocol), que é organi- zado o envio e o recebimento de dados • Durante a investigação de uma de- na internet. núncia, a autoridade policial faz um pri- meiro rastreamento que revela a qual O IP permite a comunicação operadora de telecomunicações ou pro- padronizada entre computadores, mes- vedor de internet o IP está relacionado. mo que usem sistemas operacionais di- ferentes, identificando-os de forma úni- ca na rede. Ele faz parte de um padrão – uma espécie de “idioma” que permite a todas as máquinas se entenderem. Para que esse entendimento aconte- ça, um código de números é atribuído ao computador – o endereço IP. Dessa forma, as máquinas conseguem reco- nhecer umas às outras e encaminhar os dados corretamente, conforme coman- do do usuário. No uso residencial, o IP é di- nâmico, o que significa que a cada conexão é atribuído um IP diferente ao usuário. Por isso, é importante ter informações a respeito da data e hora da conexão no caso de necessidade de identificar o autor de uma atividade es- pecífica na web. 16
  16. 16. • Com esta informação, a polícia solici- Cuidados ta a quebra do IP via Ministério Público. • Os softwares licenciados ou de uso • O promotor do Ministério Público le- livre solicitam informações do proprie- vanta informações e repassa seu pare- tário no momento da configuração tais cer ao poder Judiciário, que decide se como nome completo, organização aciona ou não a operadora ou provedor etc. Estas informações devem estar de internet. sempre atualizadas. • Quando acionada pelo Judiciário, a operadora ou provedor de internet • Nas redes abertas, a identificação do deve apresentar informações sobre o endereço IP é de responsabilidade do assinante associado àquele IP dentro administrador. Para evitar implicações do prazo determinado pelo juiz. em atividades realizadas por terceiros, o administrador deve adotar sistema • Identificada a pessoa, a investigação de usuário e senha. prossegue com tomada de depoimen- tos e eventual apreensão da máquina • No caso de telecentros e lan houses, para verificações. usuário e senha também devem ser adotados como forma de registro das atividades realizadas na rede pelos diferentes internautas que compartilham o espaço. Fonte: GVT com a colaboração do Núcleo de combate aos Ci- bercrimes da Polícia Civil do Paraná – Nuciber 17
  17. 17. 7.0 Lixo Tecnológico Aproximadamente 11 milhões tadores em no máximo três anos. Isso de computadores, quatro milhões de associado à falta de uma política de notebooks e 78 milhões de aparelhos administração de resíduos e legislação celulares foram produzidos até o final específica sobre o tema gera milhares de 2008 no Brasil segundo estatísticas de toneladas de lixo tecnológico. oficiais. Isso sem falar dos aparelhos de DVD, televisores impressoras, MP3, Segundo a Envolverde–Comci- máquinas fotográficas. ência, se as 50 milhões de toneladas de lixo tecnológico produzidas anualmen- São inúmeras as vantagens do te ao redor do planeta fossem dispos- avanço da ciência e disseminação das tas em containers de trem, os vagões tecnologias da informação e comunica- abarrotados dariam uma volta ao redor ção como o acesso a produtos e servi- do mundo. Carregado de produtos quí- ços inovadores. Mas o destino final des- micos e metais pesados, como chumbo ses equipamentos precisa ser levado e mercúrio, esse material pode gerar em conta. doenças, contaminar o lençol freático expondo o meio ambiente e a popula- A sociedade de consumo deter- ção a situações de risco. mina a rápida substituição dos apare- Confira as dicas difundidas pelo Comitê lhos. No Brasil, a vida útil dos celulares para a Democratização da Informática é estimada em dois anos e dos compu- (CDI): Potencialize Doe Mantenha uma relação utilitária e não Em caso de mudança de equipamento, consumista com a tecnologia. Antes de destine o antigo para quem vá usá-lo ou pensar numa nova compra, cogite re- para instituições sociais que trabalham condicionar seu computador ou equipa- com inclusão digital. O que se tornou mento eletrônico. Descarte-o somente inútil para você pode fazer diferença se ele não atender mais as suas neces- para milhões de pessoas, em projetos sidades ou não puder ser adaptado. específicos com o Fábrica da Cidada- nia da Rede CDI, que prevê a formação 18
  18. 18. em cursos de hardware e montagem de Economize computadores, além de projetos de me- tareciclagem – produção de artesanato, Sempre que se ausentar de casa ou robótica, geração de renda, grafitagem, não for usar o computador, mantenha-o produção cultural. desligado. E reduza a impressão sem- pre que puder, evitando gastar tinta e Informe-se papel. Procure saber se o fabricante de quem Mobilize você deseja comprar possui alguma certificação da série ISO 14.000. Isso Ajude a disseminar os benefícios do indica que a empresa tem um sistema consumo equilibrado e do descarte de gestão ambiental, garantindo a res- apropriado para a qualidade de vida e ponsabilidade ambiental de seus pro- do meio ambiente. Afinal, o que você dutos e serviços. retira de sua casa ou do seu escritó- rio e joga fora não desaparece, apenas muda de lugar prejudicando a todos, num efeito cascata. Fonte: CDI Paraná 19
  19. 19. 8.0 Lista de Sites Legais http://internetresponsavel.com.br comunicando sobre o cadastro da Traz informações e dicas sobre o uso criança. da internet de maneira segura, com his- tórias em quadrinhos, reportagens, http://www.andi.org.br downloads e um filme sobre o assunto. Agência Nacional de Notícias dos Di- reitos da Infância e da Adolescência. http://www.postdobem.com.br Reúne reportagens publicadas sobre Blog que discute o uso da internet, o tema e mobiliza profissionais de im- mantido pela GVT com diversos cola- prensa em torno da causa. boradores como o Edu, a Central de Notícias dos Direitos da Infância e Ado- http://www.cedeca.org.br lescência, o CDI, a Fundação Xuxa e a Centro de Defesa da Criança e do Ado- especialista em tecnologias responsá- lescente. Combate todas as formas de veis, Danielle Lourenço. violência contra crianças e adolescen- tes, sobretudo contra a vida e integrida- http://br.answers.yahoo.com de física e psicológica. Grupo de discussão do Yahoo em que o internauta pode lançar uma pergunta http://www.internetsegura.org sobre qualquer tema e receber a res- Espaço do Movimento internet Segura posta de várias pessoas. (MIS), que reúne informações para uma navegação mais segura e com maior http://www.webkinz.com/br_pr confiança pela rede com ênfase espe- Permite ter um mascote virtual que ga- cial nas transações eletrônicas. nha um cômodo onde é possível incluir móveis e alimentar o animal. O cuidado http://www.censura.com.br é medido por níveis de felicidade e nu- Campanha Nacional de Combate à Pe- trição do bichinho. dofilia na internet. Atua no combate ao crime, recebendo e repassando denún- http://toontown.terra.com.br cias, com o auxílio de internautas que Permite criar um desenho animado, ou encontraram sites ou imagens com por- “toon”, que o caracterize na comunida- nografia infantil ou pedofilia. de. Dessa forma pode interagir e jogar com personagens da Disney. http://www.akatu.org.br Organização voltada à propagação do http://www.neopets.com consumo consciente que é o ato de A comunidade gira em torno dos cuida- consumir levando em consideração os dos com bichinhos de estimação. Além impactos provocados. Traz dicas, notí- disso, há games, notícias e fóruns de in- cias e fóruns a respeito do tema. teração entre os usuários. http://lixotecnologico.blogspot.com http://nick.com/nicktropolis/gama Mostra o perigo ambiental causado A criança cria um perfil a partir do qual pelo avanço tecnológico e orienta as pode interagir e fazer compras no mun- pessoas a como evitar os problemas do virtual. Os pais recebem um email decorrentes do descarte incorreto do lixo tecnológico. 20
  20. 20. 9.0 CDI www.cdi.org.br Criado em 1995, o Comitê para Democratização da Informática (CDI) nasceu com a missão de promover a inclusão digital como uma ponte entre educação, tecnologia, cidadania e empreendedorismo. Com o conhecimento tecnológico despontando como condição de desenvolvimen- to econômico e de oportunidades de inserção social, restringir o uso das novas tecnologias a um pequeno círculo da população sinalizava o perigo de aprofundar, ainda mais, as desigualdades crô- nicas. Assim, a identidade do CDI começou a se moldar como fruto de três processos: a velocidade de implantação das TICs (Tecnologias de Informação e Comunicação), a violência resultante da exclusão social e as possibilidades de atuação da sociedade civil organizada como agente de mudanças. O CDI executa sua missão através das Escolas de Informática e Ci- dadania (EICs), espaços onde os educandos são estimulados a se apropriar da tecnologia, utilizando-a como instrumento de reflexão, ação e transformação de vidas – a partir de uma proposta político- pedagógica inspirada em conceitos de Paulo Freire. São 753 EICs no Brasil e em nove países, que formaram quase 70 mil pessoas em 2007. Atuando junto a diferentes públicos, o CDI é uma referência em inclusão digital, tendo con- quistado diversos títulos e prêmios nacionais e internacionais de renome ao longo de sua história. 21
  21. 21. 10.0 GVT www.gvt.com.br A GVT é a operadora de teleco- convergentes, comunicação de dados municações brasileira que atua como e internet para o mercado corporativo. prestadora de soluções completas em comunicação. Oferece telefonia local e A responsabilidade social faz longa distância(25), banda larga, tele- parte dos seus fundamentos desde o fonia via internet com VONO, provedor início das operações, em 2001. As de internet discada e de banda larga práticas adotadas na gestão de POP, além de pessoas, no respeito às diver- s e rv i ç o s sidades, no relacionamento transparente com seus públi- cos, na excelência em aten- dimento ao consumidor, na oferta de preços justos com alto padrão de qua- lidade em serviços e no apoio a questões sociais relevantes para a comu- nidade refletem o papel socialmente responsável da companhia. 22
  22. 22. A visão de “Ser líder em ser- viços de próxima gera- ção nos mercados-chave do país”, guia a empresa para desenvolver serviços inovadores baseados em internet. Em vista dis- so, a atuação social é voltada a incenti- var o Uso Responsável da internet com a produção de materiais como histórias em qua- drinhos, promoção de campanhas, manuten- ção do site www.inter- netresponsavel.com. br e do blog www. postdobem.com.br, além da realização de seminá- rios e palestras por funcionários volun- tários. Assim, a empresa assume o papel de incentivar o uso das tecnologias em favor de um mundo melhor. Para isso, tem alianças estratégicas com parceiros socialmente responsáveis como o CDI, a Ciranda, o Coletivo Digital e a Fundação Xuxa, entre outros. 23
  23. 23. O Projeto Educando GVT é uma iniciativa da operadora nacional de telefonia fixa GVT em par- ceria com o CDI e a Ciranda que visa promover uma reflexão relevante na sociedade sobre o Uso Responsável da Internet. Sugestão de site: www.alemdaimagem.com www.gvt.com.br 24
  24. 24. O Projeto Educando GVT é uma iniciativa da operadora nacional de telefonia fixa GVT em par- ceria com o CDI e a Ciranda que visa promover uma reflexão relevante na sociedade sobre o Uso Responsável da Internet. Sugestão de site: www.cvv.org.br www.gvt.com.br 25
  25. 25. O Projeto Educando GVT é uma iniciativa da operadora nacional de telefonia fixa GVT em par- ceria com o CDI e a Ciranda que visa promover uma reflexão relevante na sociedade sobre o Uso Responsável da Internet. Sugestão de site: www.linkedin.com www.gvt.com.br 26
  26. 26. O Projeto Educando GVT é uma iniciativa da operadora nacional de telefonia fixa GVT em par- ceria com o CDI e a Ciranda que visa promover uma reflexão relevante na sociedade sobre o Uso Responsável da Internet. Sugestão de site: www.myspace.com/brasil www.gvt.com.br 27
  27. 27. O Projeto Educando GVT é uma iniciativa da operadora nacional de telefonia fixa GVT em par- ceria com o CDI e a Ciranda que visa promover uma reflexão relevante na sociedade sobre o Uso Responsável da Internet. Sugestão de site: www.safernet.org.br www.gvt.com.br 28
  28. 28. O Projeto Educando GVT é uma iniciativa da operadora nacional de telefonia fixa GVT em par- ceria com o CDI e a Ciranda que visa promover uma reflexão relevante na sociedade sobre o Uso Responsável da Internet. Sugestão de site: www.webkinz.com/br_pr www.gvt.com.br 29
  29. 29. O Projeto Educando GVT é uma iniciativa da operadora nacional de telefonia fixa GVT em par- ceria com o CDI e a Ciranda que visa promover uma reflexão relevante na sociedade sobre o Uso Responsável da Internet. Sugestão de site: www.wikipedia.com www.gvt.com.br 30
  30. 30. O Projeto Educando GVT é uma iniciativa da operadora nacional de telefonia fixa GVT em par- ceria com o CDI e a Ciranda que visa promover uma reflexão relevante na sociedade sobre o Uso Responsável da Internet. Sugestão de site: www.censura.com.br www.gvt.com.br 31
  31. 31. O Projeto Educando GVT é uma iniciativa da operadora nacional de telefonia fixa GVT em par- ceria com o CDI e a Ciranda que visa promover uma reflexão relevante na sociedade sobre o Uso Responsável da Internet. Sugestão de site: www.meuenderecoip.com www.gvt.com.br 32
  32. 32. O Projeto Educando GVT é uma iniciativa da operadora nacional de telefonia fixa GVT em par- ceria com o CDI e a Ciranda que visa promover uma reflexão relevante na sociedade sobre o Uso Responsável da Internet. Sugestão de site: http://lixotecnologico.blogspot.com www.gvt.com.br 33
  33. 33. Expediente: Uso Responsável da internet Licenciado sob o Creative Commons Demetrius Gonzaga Oliveira, Dele- Atribution-Noncommercial 2.5 Brazil gado Titular do Núcleo de Combate License para a GVT e para o Comitê aos Crimes Cibernéticos da Polícia para Democratização da Informática Civil do Paraná do Paraná Edgard Spitz Pinel e Eliane Abel de Todos os direitos reservados. Pode Oliveira, do Comitê para Democra- ser reproduzido com autorização tização da Informática (CDI), Regio- dos autores. nal Paraná Março de 2009 Maria Roseli Guiessmann, Juíza Titular da Vara de Adolescentes In- Elaboração fratores de Curitiba - Paraná GVT Roseane e Anderson Miranda, da Redação, Supervisão e Aprovação Campanha Nacional de Combate à Camilla Martins e Tatiana Weinheber, Pedofilia na Internet da gerência de Comunicação Corpo- rativa da GVT Projeto Gráfico e Editoração Cuca Estúdio Gráfico Com a Colaboração de www.cucaestudio.com.br Ana Luisa Stellfeld Cavalcanti de Al- buquerque, presidente, e equipe da Ilustrações Comissão de Tecnologia da Informa- Sampaio ção e Comunicação - OAB/PR www.cdi.org.br Danielle Lourenço, consultora em www.gvt.com.br Tecnologias Responsáveis 34
  34. 34. Rede de Apoio: Comissão de Tecnologia da Informação e Comunicação. 35

×