Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Rorschach 2 atual

13,766 views

Published on

  • Login to see the comments

Rorschach 2 atual

  1. 1. TÉCNICAS PROJETIVASRorschach
  2. 2. Técnicas ProjetivasHistórico e o que é Técnicas Projetivas• Em 1913 com texto Totem e Tabu, Freud(1894)passa aconsiderar a projeção como um mecanismo normal,que ocorrerá onde também não existe conflito.• Conceito de métodos projetivos foi utilizado a primeiravez por L. K. Frank, em 1939(Testes de Associação dePalavras de Jung, Rorschach e TAT).• Houve trabalhos com Técnicas Projetivas em1959(Personalidade Desenhada e Temática Induzida),Prof. Waldir dos Santos).
  3. 3. • As técnicas projetivas é hoje considerada uminstrumento para verificar-se o indivíduo em ummomento em seu estado “saudável” ou“adoecido”, não necessariamente referindo-se auma psicopatologia ou algum conflito grave.• A projeção desempenha importante papel namaneira com que cada “estrutura humana”percebe o mundo externo e interno.
  4. 4. • Existem dois tipos de testes: objetivos e projetivos. Osobjetivos – procedimento estatísticos, sãoquantitativos. Os projetivos – são aqueles que seguemnormas qualitativas, testes de potência.• O sujeito projeta seus conflitos, seus medos, suasnecessidades e seus processos característicos depensamento.• Esses processos são disfarçados, na medida queraramente a pessoa está ciente do tipo deinterpretação psicológica que será feita de suasrespostas.
  5. 5. • Nas projeção revelam-se os aspectosinconscientes, latentes e ocultos de suapersonalidade. Em suas técnicas refletem ainfluência de alguns conceitos psicanalíticos,teoria de estímulo-resposta, teorias perceptivasda personalidade e até mesmo processosterapêuticos(terapia através da arte).• As técnicas projetivas se interessam não apenaspor características emocionais, motivacionais, einterpessoais, mas também por alguns aspectosintelectuais do comportamento humano.
  6. 6. • As técnicas projetivas apresentam dificuldadescrescente na sua aplicabilidade e sãoheterogêneo. E isso toma mais tempo, na maioriados casos o tempo é “ilimitado”, masadministrado pelo examinador.• São poucos os testes que se aplicam empequenos grupos, na sua maioria funcionamindividualmente. Suas instruções são complexas,exigindo maior treino por parte do aplicador,principalmente no que diz respeito à coleta dedados não-verbais.
  7. 7. • Existe a Sociedade Internacional deRorschach, tem como presidente Rausch deTraubenberg.• Rorschach foi médico psiquiatra, vinculadoaos primeiros progressos da psicanálise naSuíça, artista em horas vagas. Trabalhoudurante dez anos em experiências psicológicassobre interpretação livre das formas fortuitas.Seu trabalho foi a partir de pesquisas teóricase também utilizadas como testes diagnósticos.
  8. 8. • Rorschach foi o primeiro a utilizar estímulos visuaispara o estudo da personalidade. O relativo fracassodas tentativas de validação empreendidas decorre demuitas razões, e entre outras a não utilização deaspectos qualitativos, número limitado de variáveisisoladas, insistência sobre o patológico(associado amecanismos de defesa) e etc.• A utilização do teste, nos estudos relativos à evoluçãoda percepção, abre uma nova via de acesso aosprocessos perceptivos e esclarece a relação existenteentre percepção, representação e afetividade. Aspesquisas antropológicas confirmam o interesse deuma investigação psicológica de sujeitos não doentes.
  9. 9. Rorschach no Brasil• Leme Lopes já em 1932 fazia uso do Rorscchach,no Rio de Janeiro.Primeiros trabalhos publicadosem 1934, aplicados em casos de endocrinologiaem Minas Gerais(Bastos). São Paulo, Veit eWitaker(1934) utilizado em orientaçãoprofissional.• A partir de 1934 o Rorschach gradativamenteassumiu o papel de relevante importância, comoteste projetivo, na clínica, na seleção de pessoal,no estudo de psicodiagnóstico diferencial,voltado para um enfoque quantitativo da técnica.
  10. 10. • Eleição dos instrumentos que serão utilizadosem cada situação de avaliação(projetiva –Rorschach ) deve ser pautada por três gruposde fatores:• 1) os objetivos da avaliação;• 2)a orientação teórica e a preparação doavaliador para o uso de determinada técnica;• 3)as características do sujeito, como idade eoutras peculiaridades.
  11. 11. • Valendo-se das idéias psicanalíticas eprotestando contra as principais correntes dapsicologia acadêmica, surgiu a psicologiaprojetiva, que se refere a um conjunto depressupostos, hipóteses e proposições, expressoem métodos projetivos usados por psicólogosclínicos, usados para diagnósticos dapersonalidade• A psicologia projetiva baseia-se no estudofuncional do indivíduos, investigando a estruturaintrínseca e as propriedades internas dossistemas, expressas em termos dinâmicos.
  12. 12. • Alguns correntes/abordagens que (teóricos) podem serlistados como grandes inspiradores da psicologiaprojetiva, sublinhando cada vez mais o seu caráterdinâmico e holística, que são:• 1º teoria psicanalítica(motivações inconscientes,interpretação do significado simbólico e mecanismosde defesa);• 2º escolas ecléticas ou holistas , Gestalt e outras(otodo e a percepção);• 3º psicologia do indivíduo, Alfred Adler(unidadeindissolúvel e única)• 4º personologia de Murray(necessidades –pressão/força para serem satisfeitas);
  13. 13. • As técnicas projetivas é um fenômeno que integraoutros processos psicológicos em seu dinamismo,tais como identificação e introjeção.• O Rorschach é capaz de fornecer subsídios paraavaliarmos a estrutura da personalidade doindivíduo e o funcionamento dos seuspsicodinamismo.
  14. 14. • Existe uma diferenciação entre o simplesexaminador e um psicólogo intérprete(a partir desua formação e experiências - aplica, avalia,interpreta, elabora laudos e estabelece a relaçãoprofissional/contato com o examinado).• Dois fatores importantes para se desenvolver umtrabalho de qualidade com o teste Rorschach ououtro teste semelhante: condições pessoais doprofissional e domínio de conhecimentoscientíficos afins à técnicas – condições e preparotécnico do examinador.
  15. 15. • Sala de aplicação e ambiente físico(5 fatores)• Ambiente psicológico• Condições e preparo técnico do examinador• Material necessário para a aplicação• Aplicação e sua condução(6 fases)• Tempo de permanência do cartão nas mãos doexaminando durante a aplicação• Intervalo teste-reteste• Anotações(registro da verbalização) na folha deaplicaçãoAplicação da técnica deRorschach
  16. 16. Sala de aplicação e ambientefísico1- Condições físicas2- Móveis3- Tipo de luminosidade4- Presença de terceira pessoa natestagem5- Gravação da aplicação
  17. 17. Ambiente psicológico• Existem necessidades de terem alguns cuidados:condução na habilidade do “rapport” e naprópria testagem.• Há dois aspectos que precisam atenção:A) É conveniente iniciar-se uma bateria de testecom Rorschach? De modo geral . . .B) Posição examinador-examinando à mesa.Loosli-Usteri, assim como o criador datécnica,parecem ter . . .
  18. 18. Alguns procedimentos nessemomento Ambiente Psicológico• Posição frente a frente deve ser . . .• O olhar e o controle pelo examinador queapenas observa, não recomendável . . .• A posição em forma de L . . .• Ter atenção se o examinando é destro oucanhoto e se pode ser identificado outradificuldade no examinado, procurandominimiza-la ou elimina-la.
  19. 19. Condições e preparo técnico doexaminador• Consideram-se o treinamento, o conhecimentode algumas disciplinas paramédicas, certascaracterísticas de personalidade, como pré-requisitos necessários a eficientes trabalho com oRorschach(alguns anos de treinamento e domíniode psicopatologia). Como uma base empsicanálise e de teorias de personalidade.
  20. 20. Condições e preparo técnico doexaminador• Dois fatores importantes para se desenvolverum trabalho de qualidade com o testeRorschach ou outro teste semelhante:A) condições pessoais do profissionalB)domínio de conhecimentos científicos afinsà técnicas
  21. 21. Material necessário para aplicação:A)Conjunto de 10 cartões, lâminas ou pranchas. Sãocartões . . .B)Protocolo para localização das respostas, folhacontendo . . .C)Folha de aplicação com colunas previstas . . .D)Canetas de mais de uma cor, pois quando . . .E)Relógio tipo cronômetro para controle do tempo dereação e de duração, de preferência de pulso queé . . .F)Disposição dos cartões durante a aplicação. Oscartões, por uma questão de operacionalidade . .G)Tipo de mesa. Pessoalmente preferimos . . .
  22. 22. Aplicação e sua condução – 6fases• Sua aplicação e condução é dividida em 6 fases, mas as 4primeiras são obrigatórias e as 2 últimas facultativas:1) Fase do “Rapport” – estabelece uma relação ouum primeiro contato entre examinador-examinando(conversa informal, descontraída, semaparentar controle e coleta de informações-não manterpostura de observador ou de julgamento). É muitoimportante estabelecer uma relação de segurança,confiabilidade e de deixa o examinando a vontade.Fornecer as informações esclarecedores e necessárias paranão facilitar “fantasmas” ou “Fantasias”.
  23. 23. 2)Fase de instrução – verificar se existe umclima de um bom relacionamento entreexaminador e examinando e se o “rapport”existe. Usa durante toda a testagem a palavraCartão.As instruções devem ser procedidas daseguinte maneira: “Nós vamos agora fazer umteste simples. Não se trata de um teste de certoou errado. Eu vou lhe apresentar . . .”
  24. 24. 3) Fase da aplicação propriamente dita.• O examinador lhe oferece o primeiro Cartão, umapequena frase: “Por favor, pode dizer o que asmanchas lhe lembram, lhe sugerem.”• Efetuar o registro do tempo de reação e de duração,de toda verbalização e anotar entre parêntesesexpressões não verbais.• As necessidades e razões para se fazer as repetiçõesdas instruções.• Nessa fase o psicólogo não conversa e nem dispõetempo para tal, a não ser . . .As vezes as palavras ditas com tranquilidade . . .
  25. 25. • Foram lançados dois manuais para aprendizagemdo teste, Cristiano de Souza em 1955, sem atlasde localização, mas bastante técnico e didático eIsabel Andrados no ano de 1967(26 casos deestudos completos na Guanabara)• Atlas de localização vieram sucedendo:Margarida Windholz em 1969, André Jacqueminem 1977(com pesquisas e atlas para crianças dacapital de São Paulo)
  26. 26. 4) Fase do inquérito ou interrogatório.• É enfocado como uma averiguação – entender de forma bemesclarecida tudo que a pessoa falou na fase de aplicação.• Procurar saber onde o examinando situou as respostas nasmanchas do Cartão. Identificar onde e que conteúdo foiverbalizado.• Nesta fase o psicólogo passa a “conversar” com o examinando.Fase de verbalização ou falado agora no inquérito.• É um momento de extrema importância, tem a finalidade deperceber nos dados levantados, posteriormente tabulados eclassificados, reflitam o que o examinando quis dizer e não oque o psicólogo imaginou ou deduziu.
  27. 27. • Bom conhecimento teórico sobre asclassificações de Localizações, Determinantes,conteúdos e as categorias de FenômenosEspeciais.• Capacidade de compreensão das palavras econceitos usados pelo examinando(consideraraspectos culturais, de nível de instrução eambiente social). É de fundamental importância oque de fato o examinando esta percebendo everbalizando para uma classificação objetivaquanto as categorias de Localização,Determinantes e Conteúdos.
  28. 28. • Na fase de aplicação propriamente dita a pessoafoi espontânea, desenvolveu bem as respostas,pôde se manifestar, expressando os pensamentoscom desenvoltura e descontração, o inquéritonão oferece maiores dificuldades.• Dificuldades identificadas pelo psicólogo quandose depara com casos considerados depersonalidade com estrutura ou funcionamentofora do padrão normal.• Elementos indispensáveis para uma conduçãoadequada do inquérito – Normas consideradasbásicas para condução do inquérito(4 condições)
  29. 29. • Elementos indispensáveis para uma conduçãoadequada do inquérito – Normas consideradasbásicas para condução do inquérito(4 condições):• 1- O examinador deve ler . . .• 2- As perguntas devem ser . . .• 3-Evitar perguntas indutoras. Ao ser . . .• 4-Perguntas sugeridas. Eis algumas perguntas,expressões e maneiras de perguntar . . .A Quanto a LocalizaçãoB Quanto aos DeterminantesC Quanto aos Conteúdos
  30. 30. 5)Seleção dos Cartões( facultativo)-existe amaneira de acordo com a ordem que estão emalgarismo romano e mais 2 métodos, a seguir:1-A escolha dos cartões(Morgenthaler). O técnicocoloca 10 cartões sobre a mesa e pedir que oexaminando escolhesse dois que mais lheagradassem e dois que menos lhe agradassem.Face a isto, diz Walter Morgenthaaler,considerando que . . .2-Agrupar por exemplo Cartões Acromáticos de umlado e Cartões Cromáticos de outro lado epedindo que o examinando escolha os que maislhe agrade . . . (relação simbólica – boashipóteses de interpretação).
  31. 31. 6)Exames de limites(facultativo)• Esta averiguação toma características deperguntas mais diretas, bastante além doscuidados na fase do inquérito para não induzir oexaminando, para verificar as limitações de seupoder sensório-perceptivo-associativo.• É uma fase que pode ajudar diferenciaçãodiagnóstica de interferência orgânico-cerebral napersonalidade, debilidade mental e transtornoesquizofrênico.
  32. 32. • Cinco circunstâncias apontadas por klopfer eoutras duas que sugerimos para que se possafazer o exame de limites:A)B)C)D)E)F)G)
  33. 33. • Tempo de permanência do Cartão nas mãos doexaminando durante a aplicação(tempo dereação e duração).• Intervalo teste-reteste.• Anotações(registro da verbalização)na folha deaplicação.
  34. 34. Classificação das Respostas:Localizações• Devemos estar atentos a qualidade,sistematização, aperfeiçoamento epadronização técnica de um bom instrumentoe o seu domínio(do profissional)competenteda atividade científica.• Respostas – O que é considerado resposta e oque não é considerado resposta!
  35. 35. • Classificação de Localizações são consideradasas áreas da mancha ou do Cartão em que oexaminando situa a resposta verbalizada.Dividem-se essas áreas em:A- Respostas globais(G), existem outrasclassificações entre as respostas globais.B- Respostas de detalhe(D), resposta de detalhecomum e razão crítica de D.
  36. 36. C- Respostas de detalhe incomum(Dd), e assubdividimos: Detalhe raro(dr), Detalhe deminuto(dd), Detalhe interno(di) e Detalheexterno ou de borda. Detalhe raro(dr) eDetalhe oligofrênico(DO).
  37. 37. • Classificação de Determinantes é para identificar,numa verbalização, quais os fatores psíquicos levaramou determinaram o examinando a dar essa ou aquelaresposta.• Se atribui aos determinantes a expressão de algoestrutural da personalidade.• Mobiliza a maneira como são captados os perceptos,mas também a mobilização dos engramas do mundointerno do examinando pelas manchas – expressão damemória viva das experiências passadas e projetadaspelo examinando sobre as manchas.
  38. 38. • Estabelece a relação entre o mundo externoatravés das manchas e o seu mundo interno.• Existem categorias de determinantes: Forma deboa qualidade(F +),Forma de má performance(F-),Forma duvidosa(F +-), as expressões “lembra” e“parece” e a precisão formal, categorias emrelação a movimentos(6), em relação a corcromática(10), em relação a sombreado(2subclassificações divididas a primeira em 3subcategorias e a segunda em 4 subcategorias)•
  39. 39. • Vários determinantes na mesma resposta.• Prioridades dos determinantes(para registroprincipal/Adicional)quando aparecem emigualdade de condição.
  40. 40. • Classificação das respostas quanto aosConteúdos se entende como o que foiverbalizado, o que foi percebido, como algoespecífico.• O que viu o examinando na resposta?• Existe mais conhecimento e evolução emrelação a sua interpretação(sua avaliaçãoqualitatativa) e análise quantitativa nãoparece ter evoluito.
  41. 41. • Canivet (1956) efetuou extenso e minuciosos estudosobre as categorias dos conteúdos e sua interpretação,classificando-os em grandes grupos:Elementos, Fragmentos, Geográficos, Botânicos ePaisagens.• Principais categorias de conteúdos – conceitos usadospelos examinando(classificação).Resposta Popular e Resposta Original – Globaispopulares, Detalhes comuns populares e RespostasoriginaisObs.: Caso prático para classificação das respostas.
  42. 42. Interpretação dos dados• Casos de pessoas cuja estruturação depersonalidade está razoavelmente bem, masvivenciando conflitos, frustrações e ansiedadesituacional que se tornam . . .• Os psicólogos que trabalham na área clínica“tendem a se preocuparem com opatológico(. . .) quando transforma a análise deum protocolo em uma verdadeira caça asbruxas, não levando em consideração oselementos sadios da pessoa, mesmo que . . .
  43. 43. • O psicólogo examinador deve levar emconsideração alguns aspectos de fundamentalimportância:1)O Rorschach não é um instrumento para avaliarapenas anomalias da personalidade . . .2)A personalidade é um todo, estrutural, dinâmico,funcional e como tal não pode ser . .
  44. 44. 3)É imprescindível o recurso a outros instrumentosde avaliação, entrevista psicológica, outros. . .4)O examinador na elaboração do diagnóstico serflexível para avaliação psicodinâmica dapersonalidade.A compreensão do significado . . .. . . Para integra-las dinamicamente e assim fazerum bom fechamento na elaboração dopsicodiagnóstico.
  45. 45. • Número de respostas(página 82)• Tempo de reação e tempo de duração(páginas 83e 84)• Localizações(página 84)• Exame de sucessão(página 88)• Determinan• tes(páginas 88 e 89)• Tipos de vivência ou ressonância interna(página96)• Conteúdos(páginas 96 e 97)• Respostas populares(página 97)
  46. 46. Fenômenos Especiais e SignificadoSimbólico dos Cartões• Visão integrativa, dados qualitativos: FenômenosEspeciais e Significado Simbólico dos Cartões.• Parece de maior importância quer pelo seusignificado, quer pela sua incidência. Nãodevemos esquecer das variáveis culturais quepodem estar intervindo.• Para melhor aprofundamento, sugerimos aleitura de Bohm(1968 – da página 107 até 110)
  47. 47. Significado Simbólico dosCartões(página 110 e 111)• Cartão I (página 111)• Cartão II (páginas 111 e 112)• Cartão III (página 112)• Cartão IV (páginas 112 e 113)• Cartão V (página 113)
  48. 48. • Cartão VI (página 113)• Cartão VII (página 113)• Cartão VIII (página 113)• Cartão IX (páginas 113 e 114)• Cartão X (página 114)
  49. 49. Aplicação da técnica de Rorschach(Examinador X Examinando - a relação,ambiente e variáveis)• Sala de aplicação e ambiente físicoCondições físicasMóveisTipo de luminosidadePresença de terceira pessoa na testagemGravação da aplicação
  50. 50. Ambiente Psicológico• O exame psicológico podem vir a manifestar noexaminando o sentimento de insegurança, temore apreensão diante de qualquer dificuldade queterá de transpor. Não deixa de ser uma barreira...• Habilidades na condução do “rapport” e naprópria testagem(facilitada pelo psicólogo).• Na testagem a pessoa é quem vai organizardiante de tais estímulos, através de suapercepção associada a estimulação dessasmanchas no seu mundo interno.
  51. 51. Há dois aspectos que sãofundamentais para a situação de“rapport”:• A)É conveniente iniciar-se ...• B)Posição examinador e examinando à mesa...• A posição frente a frente deve ser sempreevitada...(examinando sente-se olhado econtrolado)• Adotamos que os dois(examinando eexaminado) em forma de L
  52. 52. • Manter proximidade e a mesma altura doexaminando.• Examinador tem que estar em uma posiçãoque possa visualizar o examinando como umtodo e também o ambiente de forma discretae descontraída.
  53. 53. Condições e Preparo Técnico doExaminador• Psicólogo(especialista) X “Aplicador”• Pré-requisitos para a boa eficiência da utilidadede Rochschach(conhecimentos de algumasdisciplinas paramédicas e características depersonalidade).• Outros pré-requisitos necessários para a boaeficiência do teste: vasta cultura geral depsicologia, psicologia infantil e dodesenvolvimento, psiquiatria, noções decaracterologia e psicologia médica.
  54. 54. Domínio e condições fundametais paraaplicação do Rorchsch• Condições pessoais do profissional – trabalhometódico, paciência, capacidade de síntese eanálise ...• Domínio de conhecimentos científicos afins àtécnica – conhecimento teórico e prático depsicometria, técnica de entrevista ...
  55. 55. Material necessário para aplicação• A) 10 cartões originais
  56. 56. Material Necessário Para a Aplicação• A)Conjunto de 10 cartões(originais)• B)Protocolo para localização das respostas...• C)Folha de aplicação com colunas...• D)Canetas de mais de uma cor...• E)Relógio de cronômetro para controle do tempode Reação e de Duração...• F)Disposição dos cartões durante a Aplicação...• G)Tipo de mesa...
  57. 57. Entrevistas: clínica e seleção• A entrevista clínica apresenta várias formas deser abordada. Conforme seus objetivosespecíficos e suas orientações; determinam suasestratégias, seus alcances e seus limites.• A entrevista clínica é um conjunto de técnicas deinvestigação, de tempo delimitado, dirigido porentrevistador treinado, que utiliza conhecimentospsicológicos, em uma relação profissional, com oobjetivo de descrever e avaliar aspectos pessoais,relacionais ou sistêmicos(indivíduo, família, casal,social etc)

×