JACIARA LUIZA FERNANDES       SONIA MARIA OLIVEIRA LIMA             INFORMACÃO:UM BLOG PARA O MELHOR AMIGO DO HOMEM       ...
JACIARA LUIZA FERNANDES       SONIA MARIA OLIVEIRA LIMA             INFORMACÃO:UM BLOG PARA O MELHOR AMIGO DO HOMEM       ...
IBES/SOCIESC – INSITUTO BLUMENAUENSE DE ENSINO SUPERIOR            CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL – JORNALISMO               ...
IBES/SOCIESC – INSITUTO BLUMENAUENSE DE ENSINO SUPERIOR            CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL – JORNALISMO               ...
DEDICATÓRIA      Dedico este trabalho à Deus e à nossa família que cedeu momentosvaliosos de suas vidas para que este trab...
AGRADECIMENTOS      Agradeço a Deus pela luz em nossos caminhos.       Agradeço à minha família, a meu marido João Moreira...
RESUMOO projeto experimental tem por objetivo a criação de um blog jornalísticovoltado às pessoas que gostam de cães e pro...
ABSTRACTThe experimental design objective to create a journalistic blog aimed at peoplewho like dogs and seek information ...
SUMÁRIO1. INTRODUÇÃO ......................................................................................... 101.1 Justi...
ANEXO 4 ...................................................................................................... 75ANEXO 5 ....
101 INTRODUÇÃO       Esse trabalho visa desenvolver um Blog sobre animais de estimação,tendo como foco um animal de estima...
111.1 Justificativa         Dada a importância deste trabalho, justifica-se pela presente e principalnecessidade da propag...
12         Gráfico 1. A penetração da Internet em relação aos meios tradicionais noBrasil em 2009.         A utilização da...
13       Relativo ao gráfico 3 abaixo, mostra as classes e faixa etária quepredominam na população que utiliza a internet,...
14                          debilitação do controle político dos mídias noticiosos e para a                          exist...
1526:15 minutos on line por mês.         Gráfico 5. Tempo de permanência no uso de Internet por horas/minutosx mês, em 200...
16      Com o advento e popularização da Internet, um novo modelo decomunicação esta revolucionando a prática jornalística...
17                        família esteja de acordo, para que não haja conflitos que culminem                        em mau...
182 OBJETIVOS2.1Objetivo geral:      Reallizar um produto jornalístico relacionado a animais de estimação emformato de blo...
193 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA3.1 Redes Sociais na Internet      Para falar de Blog é conveniente contextualizar as redes socia...
20                     Obama e as mobilizadoras no caso de Santa Catarina. (RECUERO,                     2009, p. 16-7)   ...
21(2009, p. 94-101), distingue dois tipos de redes sociais, as emergentes e as defiliação ou associativas, assim como sobr...
22        Redes de Filiação ou Redes Associativas: São conexões forjadas pelarede, como exemplo pode-se citar a página de ...
23      A autora fala de sites de redes sociais como apropriações onde o divideem duas categorias.      Sites de Redes Soc...
24das redes sociais. Somente em 2007 já eram mais de 170 milhões de blogexistentes sendo que 120 mil eram criados por dia....
25página, editar e fazer a manutenção possa inserir novos textos aparecendosempre da postagem mais atual para a mais antig...
26                    abaixo, organizadas de acordo com a data de publicação do bloco de                    texto, privile...
27informação, pois proporciona dentro de uma página a indicação de váriasoutras, tornando-a com uma imensa variedade de as...
28entender as linguagens da programação HTML, pois a modelos prontos quedevem ser seguidos, o que facilita todo o processo...
29      O autor do blog escolhe os assuntos que publica, demonstrandocaracterísticas individuais da forma como enxerga o m...
30        O gênero temático é constituído por um único tema e produzidoindividualmente ou em grupos que são formados por p...
31aonde devem ser respondidas seis perguntas, o quê, quem, onde, como,quando e por que, e termina com os dados menos impor...
32publicadas sobre o assunto ou a arquivos externos. (CANAVILHAS, 2006)      Figura 7. Pirâmide deitada – Fonte: Canavilha...
33                     beneficiam ao trabalharem juntos. Blogueiros e jornalistas estão                     mutuamente em ...
34fins desde uma página pessoal a jornalística, mas que a profissão de jornalistaexige regras para o seu exercício.       ...
35                     acontecimentos reais dotados de atualidades, novidades,                     universalidade e intere...
36soluções, conflitando informações. Os blogueiros remetem às redes sociaisuma transformação no mundo das informações, ger...
37                     considerado relevante no jornalismo e que rompe no blog. (AGUIAR,                     2006, p.6)   ...
38(RODRIGUES, 2006)      Para a autora, esses são os primeiros passos para que as pessoasreconheçam o trabalho de quem esc...
39        Contudo, não é sempre essa a realidade principalmente quando osinteresses econômicos e comerciais adquirem grand...
40pois muitas vezes eles tratam de assuntos que passam ao lado das mídiastradicionais. “Os blogs chamam muitas vezes a ate...
41      Melo (2003, p.64-65), nos explica sobre duas das categorias propostas:Jornalismo Informativo e Jornalismo Opinativ...
42abril de 2010.11                         A Cãominhada ocorre na Rua Alberto Stein, em frente ao Setor 3 do              ...
43      O Jornalismo opinativo abre espaço para a exposição de opiniões, comoo próprio nome já diz, sobre certos assuntos,...
44se tornando peça chave para que o homem acabasse com ela.                     A invulnerabilidade de todo, cujas profund...
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima

4,544 views

Published on

Memorial do PEC das alunas Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima, no ano de 2010

Published in: Technology, Lifestyle
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
4,544
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
31
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

PEC Jaciara Fernandes e Sonia Oliveira Lima

  1. 1. JACIARA LUIZA FERNANDES SONIA MARIA OLIVEIRA LIMA INFORMACÃO:UM BLOG PARA O MELHOR AMIGO DO HOMEM BLUMENAU – SC 2010
  2. 2. JACIARA LUIZA FERNANDES SONIA MARIA OLIVEIRA LIMA INFORMACÃO:UM BLOG PARA O MELHOR AMIGO DO HOMEM Disciplina: Projeto Experimental em Comunicação Coordenador (a) do Projeto Experimental: Ofélia Torres Morales, Dr. Professor (a) Orientador: Ofélia Torres Morales, Dr. BLUMENAU – SC 2010
  3. 3. IBES/SOCIESC – INSITUTO BLUMENAUENSE DE ENSINO SUPERIOR CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL – JORNALISMO PARECER DA BANCA EXAMINADORAAlunos:Jaciara Luiza Fernandes e Sonia Maria Oliveira Lima Média: ______Título do trabalho: INFORMACÃO: UM BLOG PARA O MELHOR AMIGO DO HOMEM_______________________________________________________________Parecer da Banca Examinadora:_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________O orientador atesta que acompanhou a elaboração deste trabalho e certifica asfontes referências citadas pelos alunos._______________________________________________________________________________________________Data de emissão do parecer: ______/______/____________________________________ _____________________________Examinador Assinatura_____________________________ _____________________________Examinador Assinatura_____________________________ _____________________________Examinador Assinatura
  4. 4. IBES/SOCIESC – INSITUTO BLUMENAUENSE DE ENSINO SUPERIOR CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL – JORNALISMO FICHA DE AVALIAÇÃOAlunos:Jaciara Luiza Fernandes e Sonia Maria Oliveira Lima Média: ________Título do trabalho: INFORMACÃO: UM BLOG PARA O MELHOR AMIGO DO HOMEM_______________________________________________________________Parecer do professor:_______________________________________________________________( ) Trabalho aprovado com distinção( ) Trabalho aprovado( ) Trabalho aprovado com necessidade de reformulação( ) Trabalho reprovadoRecomendações:______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Data de avaliação: ______/______/_________________________________________ _________________________ Nome Assinatura
  5. 5. DEDICATÓRIA Dedico este trabalho à Deus e à nossa família que cedeu momentosvaliosos de suas vidas para que este trabalho pudesse ser concretizado.
  6. 6. AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus pela luz em nossos caminhos. Agradeço à minha família, a meu marido João Moreira Lima, minha mãeMaria Geralda Lopes Oliveira (in-memorian), meu pai José Soares de Oliveira emeus queridos irmãos e meus cachorros Ringo e Mel. E em especial, a nossa querida professora Dra. Ofélia Morales.
  7. 7. RESUMOO projeto experimental tem por objetivo a criação de um blog jornalísticovoltado às pessoas que gostam de cães e procuram informações sobre eles. OInformacão: um blog para o melhor amigo do homem tem a finalidade deinformar os “blogueiros” e às pessoas que acessam o blog, a importância enecessidade que os cães precisam. São descritas particularidades queabrangem este nicho do mundo animal, e tais cuidados específicos oferecemmelhor qualidade de vida para o cão de estimação e seu dono. Com arealização desse projeto, pretende-se criar mais uma opção jornalística atual, jáque atinge uma população cuja atenção e procura de informações está voltadaà internet.PALAVRAS- CHAVE: BLOG; ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO; JORNALISMOESPECIALIZADO; REDES SOCIAIS NA INTERNET
  8. 8. ABSTRACTThe experimental design objective to create a journalistic blog aimed at peoplewho like dogs and seek information about them. The network: a blog for mansbest friend has the purpose of informing the "bloggers" and people who accessthe blog of the importance and necessity that dogs need. Are described thatcover this particular niche of the animal world, and such specific care offerbetter quality of life for the pet dog and its owner. With the completion of thisproject seeks to create a more journalistic current option, since it reaches apopulation whose demand for information and attention is turned to the internet.KEY WORDS: BLOG; PETS; SPECIALIZED JOURNALISM, SOCIALNETWORKS ON THE INTERNET
  9. 9. SUMÁRIO1. INTRODUÇÃO ......................................................................................... 101.1 Justificativa ............................................................................................. 112. OBJETIVOS ............................................................................................. 182.1. Objetivo Geral ....................................................................................... 182.2 Objetivo Específico ................................................................................. 183 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ................................................................. 193.1 Redes Sociais na Internet ...................................................................... 193.1.1 Elementos das Redes Sociais na Internet ........................................... 203.1.2 Tipos de redes sociais e sites de redes sociais................................................. 203.1.3 BLOG: contextualização e características ........................................... 233.1.3.1 O que são blogs? ............................................................................. 243.1.3.2 Ferramentas de criação.................................................................... 273.1.3.3 Características do Blog .................................................................... 273.1.3.4 Classificações primárias ................................................................... 293.1.4 Linguagem no webjornalismo .............................................................. 303.1.4.1 Jornalismo ou Ferramenta................................................................ 323.1.4.2 Blogs como fonte .............................................................................. 373.1.4.3 O “quinto equívoco” .......................................................................... 383.2 Categorias e Gêneros Jornalísticos ....................................................... 403.3 Meio ambiente e comuniação: a raça canina em questão ..................... 433.3.1 A extinção dos animais........................................................................ 463.3.2 A relação dos animais de estimação com o homem ........................... 483.3.3 Responsabilidade social ...................................................................... 493.3.5 O abandono......................................................................................... 503.3.6 Jornalismo Especializado: Mercado editorial especializado ................ 513.4.1 Critérios de noticiabilidade .................................................................. 534 RELATO DE PRODUÇÃO ........................................................................ 604.1 Pré-produção.......................................................................................... 604.2 Pós produção e finalização .................................................................... 655. CONSIDERAÇÕES FINAIS ..................................................................... 666. REFERÊNCIAS ........................................................................................ 68ANEXO 1 ...................................................................................................... 71ANEXO 2 ...................................................................................................... 72ANEXO 3 ...................................................................................................... 74
  10. 10. ANEXO 4 ...................................................................................................... 75ANEXO 5 ...................................................................................................... 76ANEXO 6 ...................................................................................................... 77ANEXO 7 ...................................................................................................... 77ANEXO 8 ...................................................................................................... 77ANEXO 9 ...................................................................................................... 77ANEXO 10 .................................................................................................... 77ANEXO 11 .................................................................................................... 78ANEXO 12 .................................................................................................... 79ANEXO 13 .................................................................................................... 79ANEXO 14 .................................................................................................... 80ANEXO 15 .................................................................................................... 81ANEXO 16 .................................................................................................... 81ANEXO 17 .................................................................................................... 82ANEXO 18 .................................................................................................... 82ANEXO 19 .................................................................................................... 83ANEXO 20 .................................................................................................. 106APÊNDICE A – Cronograma de atividades ................................................ 107APÊNDICE B – Recursos necessários ...................................................... 108APÊNDICE C – Plano de custos: orçamento ............................................. 109
  11. 11. 101 INTRODUÇÃO Esse trabalho visa desenvolver um Blog sobre animais de estimação,tendo como foco um animal de estimação conhecido como o melhor amigo dohomem pela sua sociabilidade com o ser humano, o cão. As pessoas queadotam este tipo de animal de estimação devem tomar cuidados específicos eprincipalmente conscientizar-se da responsabilidade social, ou seja, oscuidados com a saúde, levar o animal regularmente ao medico veterinário,alimentação de boa qualidade, espaço físico necessário, banho, tosa entreoutros. Tudo isso para garantir a melhor qualidade de vida para o seu animal,sendo explorados temas pertinentes a estes cuidados. Dividido, estes temas em editorias de saúde (vacina, doenças, raçõesmedicamentosas), geral (acessórios, a história sobre o surgimento dos cães,tipos de raças), cidadania (abandono de animais em Blumenau, SC; adoção,castração, trabalho voluntário) e curiosidades (hotel para cães, regulamentaçãopara viagem), que os donos destes animais de estimação possam ter atravésde postagem no blog. A abordagem também compreende as responsabilidades que os donosdos cães de estimação devem ter chamando a atenção para as pessoas quenão cuidam (ou não sabem cuidar) destes animais depois de os teremadquirido. Dessa forma, sem saber quais cuidados ter com os cães, em razãoda falta de informação, negligenciam o animal de estimação, e porconseqüência, oferecem uma qualidade de vida muito inferior a que eles têmdireito, vindo até ocasionar, em casos severos, a morte do cão. O blog é um dos novos meios de comunicação na rede social dainternet que permite ao interlocutor (o internauta) deixar seu comentário, sobrea matéria jornalística postada, que é visível a todas as pessoas que conectamao blog pela internet. Não sendo um site restrito, permite que pessoas possamacessar a informação disponibilizada e compartilhar as idéias postandocomentários no blog de todos os lugares do mundo que possuam acesso ainternet.
  12. 12. 111.1 Justificativa Dada a importância deste trabalho, justifica-se pela presente e principalnecessidade da propagação das informações oferecidas no Blog, que éintimamente ligada aos cuidados específicos que se deve ter com um cão deestimação. A partir do surgimento da internet, a sua utilização no mundo vemcrescendo virtuosamente, possibilitando a rápida transmissão de informaçõesao redor do globo terrestre quase de imediato. A facilidade e a possibilidade datransmissão e recepção trazem a ideia de maior e melhor eficácia dasinformações “postadas” no blog. Segundo Pinho (2003, p.41), o termo Internet foi criado com base naexpressão inglesa “INTERaction or INTERconnection Betwenn computerNETworks”. Assim, então, ela é a rede das redes que compartilha informação econecta centenas de computadores em diversos paises dos seis continentes.As conexões podem ser obtidas de diversas maneiras, pela linha telefônicacomum, linha de transmissão de dados dedicada, satélites, linhas demicroondas e cabos de fibra óptica. Nenhum governo, empresa ou instituição controla a rede mundial. Os padrões e as normas da internet são organicamente estabelecidos pela comunidade. Cada organização instala e mantém a sua própria parte na rede, permitindo ainda que as informações enviadas por ela transitem pelas suas rotas isentas de qualquer custo. (PINHO, 2003, p.41) Em 1994, a internet foi publicamente apresentada para a população enão parou mais de crescer. De acordo com dados do site UO1 L, uma pesquisarealizada em 2009 conforme mostra o gráfico a seguir , a internet já atingecerca de 40% da população e é o meio de comunicação que mais cresce empenetração no Brasil. Hoje são mais de 62 milhões de usuários no país. Vejanos gráficos os índices de crescimento da penetração da internet e o númerode internautas no Brasil.1 Disponível em: www.amidiaquemaiscresce.com.br, acesso em: 14.06.2010
  13. 13. 12 Gráfico 1. A penetração da Internet em relação aos meios tradicionais noBrasil em 2009. A utilização da internet esta crescendo muito se comparada aos meiosde comunicação tradicionais, que são a Televisão, Radio Jornal, Revistas, etc.No gráfico 2 mostra-se que a utilização da Internet no Brasil já atinge cerca de62,3 milhões de pessoas à frente de países europeus como a França e o ReinoUnido. Demonstrando a quantidade de pessoas que acessam (e conforme osdados de crescimento que poderão vir a acessar) a internet e a possibilidadede propagação da informação ser maior. Se aliarmos os gráficos acima eabaixo, iremos perceber que terá maior abrangência a informação que fordepositada na internet, provando que pelo Blog criado, um maior número depessoas podem ter acesso às informações nele postadas.Gráfico 2. Número de Internautas é maior do que a população de vários paísesem 200922 Disponível em: www.amidiaquemaiscresce.com.br , acesso em: 14.06.2010
  14. 14. 13 Relativo ao gráfico 3 abaixo, mostra as classes e faixa etária quepredominam na população que utiliza a internet, vindo a evidenciar que 85 %são jovens de classe AB com idades de 10 a 24 anos. Em teoria, é este opúblico de maior probabilidade que irá visitar o blog, todavia as expectativasque estas pesquisadoras possuem relativas ao blog é atingir todos os usuáriosque se interessem por informações referente aos cuidados e curiosidadessobre os cães. Gráfico 3. Penetração do Internauta na população masculina classe ABde 10 a 24 anos, no Brasil em 2008. Dados consolidados 20083. Hoje a internet dispõe de várias funcionalidades e é considerada umagrande potência de comunicação interativa. Ela carrega uma ampla variedadede recursos e serviços, incluindo correio eletrônico, cibercomunidades,biblioteca, videoteca e audioteca global conhecido como “três em um4”. Alémde todos os tipos de transferências de dados a internet oferece também ocomércio on-line que garante comodidade e segurança para as pessoas quegostam de fazer compras sem sair de casa. Para Traquina, A digitalização do jornalismo, as novas capacidades que a internet oferece aos jornalistas na obtenção de dados e de acesso à informação, a proliferação de canais e a exploração de locais de comunicação e de informação, nomeadamente os milhares de sites no ciberespaço, a nova e potencialmente revolucionária dinâmica da interatividade, em particular entre jornalistas e fontes e jornalistas e público, as novas oportunidades de acesso aos jornalistas para as vozes alternativas da sociedade são os fatores que apontam para a3 Disponível em: www.amidiaquemaiscresce.com.br , acesso em: 14.06.20104 Três em um: convergência digital é a tendência de unificar vários produtos/serviços detecnologia numa só plataforma ou produto, de modo a simplificar a vida do usuário.
  15. 15. 14 debilitação do controle político dos mídias noticiosos e para a existência de um campo jornalístico que é cada vez mais uma arena disputada entre os membros da sociedade. (TRAQUINA, 2001, p. 126). Desta maneira, pode se dizer que a internet é uma rede integradamundialmente e possui um leque muito grande de variedades de informação’para todas as idades. A cada dia surgem novos métodos que procuramaprimorar a informação do jornalismo com maior exatidão dos fatos, mostrandoas matérias com muito mais detalhes e em tempo real. Além disso, o jornalismo on-line permite a interatividade entre osprodutores de informação e o público, e essa hiperligação ajuda o leitor emdiversas situações como por exemplo, a estabelecer seu próprio caminho deleitura, ou seja, escolher somente as informações que deseja saber naquelemomento da navegação. A comunicação on-line também permite ao receptorser emissor, uma vez que tem o poder de expressar sua opinião sobredeterminados fatos divulgados na mídia on-line, coisa que no jornal expressonão é permitido. Segundo Mattoso (2003, p.9), no Brasil, “a internet veio a se consolidardefinitivamente no ano de 1995”. Desde então, a rede vem crescendo de formaespantosa e expandindo sua teia dia após dia”. Hoje segundo dados do siteUOL, o Brasil ocupa a 7ª posição 5no mercado mundial em números deinternautas no mundo, ficando a frente do Reino Unido, França e Coréia do Sul,como mostra o gráfico abaixo. Gráfico 4. Mercado Mundial de Internet no mundo em 2009 : fev/20096. Pois ainda segundo a pesquisa o brasileiro é quem passa mais tempoonline no mundo, e o Brasil já é considerado o pais de primeiro mundo quandose fala em internet. Como mostra o gráfico abaixo as pessoas chegam a ficar5 Fonte disponível em: www.amidiaquemaiscresce.com.br , acesso em: 14.06.20106 Disponível em: www.amidiaquemaiscresce.com.br , acesso em: 14.06.2010
  16. 16. 1526:15 minutos on line por mês. Gráfico 5. Tempo de permanência no uso de Internet por horas/minutosx mês, em 2009. 7 A Internet como suporte midiático trouxe novas formas de se produzirinformação, transformando o webjornalismo em uma janela de váriaspossibilidades: a escrita, o som, a imagem animada, a imagem estática. Astransformações de todos esses recursos citados em conteúdos noticiososajudam o leitor estabelecer seu próprio percurso de leitura, principalmenteescolher as informações que deseja receber naquele momento especifico danavegação. Além dessas vantagens a rede também oferece uma série de serviços,como por exemplo, o uso de link, o livre acesso a banco de dados, arquivoscom edições passadas e a notícia em tempo real. Em seguida serãoapresentadas outras características de algumas potencialidades relacionadasao jornalismo na rede segundo Canavilhas (2001): Hiperligações: Utilização em textos extensos, ligando várias pirâmides invertidas da notícia, notícias anteriores em arquivo,bases de dados ou textos externos ao jornal.[...] Interactividade: A máxima "nós escrevemos, vocês lêem"pertence ao passado. Numa sociedadecom acesso a múltiplas fontes de informação e com crescente espírito crítico, a possibilidade de interacção directa com o produtor de notícias ou opiniões é um forte trunfo a explorar pelo webjornalismo.No webjornal a relação pode ser imediata. A própria natureza do meio permite que o webleitor interaja no imediato.o webjornal a relação pode ser imediata.[...] Texto e Hipertexto: No webjornalismo não faz qualquer sentido utilizar uma pirâmide, mas sim um conjunto de pequenos textos hiperligados entre si. Um primeiro texto introduz o essencial da notícia estando os restantes blocos de informação disponíveis por hiperligação.[...] Multimídia: convergência dos formatos das mídias tradicionais, como imagem, texto e áudio.[...] ( CANAVILHAS, 2001, p. 2-6).7 Disponível em: www.amidiaquemaiscresce.com.br , acesso em: 14.06.2010
  17. 17. 16 Com o advento e popularização da Internet, um novo modelo decomunicação esta revolucionando a prática jornalística e um desses novossuportes midiático é o blog. Nesse sentido, a escolha de criar um blog no presente projetoexperimental surgiu após uma observação desse significativo avanço depossibilidades que a Internet nos proporciona. Hoje os blogs são um potentecanal de informação sendo usado como uma ferramenta de comunicação paraos mais variados fins e que permite o livre direito de se comunicar via internet,estando ao alcance de quase todas as pessoas. Para Aguiar (2006, p. 1), os blogs são exemplos dessas novas maneirasde lidar com a informação no ciberespaço. Com um grande potencial interativo,eles se apresentam como a possibilidade de um jornalismo coletivo, construídoa muitas mãos, numa comunicação horizontal. O público deixa de ser encaradocomo uma massa disforme e passa a constituir-se de pessoas, ativas, prontaspara se expressarem e opinarem. Segundo estatísticas do Technorati, somente no começo do mês de abrilde 2007, o número estimado de blogs existentes no mundo era de 170 milhõese a estimativa era de que cerca de 120 mil blogs eram criados por dia. NoBrasil, de acordo com Ibope/NetRatings, no mês de agosto de 2007,aproximadamente nove milhões de usuários acessaram e leram blogs. Outrolevantamento realizado pela intel, diz que dos 170 milhões de blogueiros nomundo, 5,9 milhões são brasileiros. Recuero (2009, p. 167) O assunto abordado no blog será animais de estimação, que numprimeiro momento será focalizado na raça canina, pois todas as pessoas quetem o interesse de adotar ou comprar um animal de estimação devem ter plenaconsciência de que ele necessita de cuidados especiais e como explica Adam(2008, p. 12). Deve-se também levar alguns ítens em consideração comotempo de vida do animal, todos da família devem estar de acordo, condiçõesfinanceiras e principalmente, deve-se obter informações sobre a raçaescolhida. Para exercer a posse responsável de um animal doméstico, o futuro dono deve estar consciente de suas responsabilidades. Primeiramente deve considerar o tempo médio de vida do animal, que no caso do cão é de 12 à 16 anos. É muito importante que toda a
  18. 18. 17 família esteja de acordo, para que não haja conflitos que culminem em mau-tratos. É necessário ter recursos para manter o animal eleito para estimação e ponderar sobre quem cuidará dele nas férias ou em feriados prolongados. Quando opta-se por comprar um cão de determinada raça, é muito importante adquirir o máximo de informações a respeito da raça, as características e necessidades da espécie escolhida – tamanho, peculiaridades, e o espaço físico que necessitará. (ADAM, 2008, p.12) É relevante a divulgação do tema deste projeto experimental em um siteda rede social da internet, através de um blog, pela necessidade e validade dasinformações nele divulgadas à população de indivíduos que pretendem adotarou adquirir um cão como animal de estimação. Os cuidados com estes animais de estimação, como já explanadoanteriormente, terão grande valia para a melhora de qualidade de vida dessescães, na satisfação de dúvidas relativas à saúde, lazer e outras informaçõesatinentes a vida destes animais, tendo em vista o número de pessoas quepossuem ou irão possuir um animal de estimação. Na internet, a localidade não é um elemento que possua grandesfronteiras8, visto isso, podemos assegurar que a localização das autoras doblog proposto por este projeto experimental é fator de menor relevância, poisele pode ser acessado e alimentado através de qualquer lugar do mundo quetenha uma conexão com a rede social da internet, tornando sua acessibilidadeum fator de grande relevância para a difusão das informações prestadas.Levando tais afirmações em consideração, podemos afirmar que a localizaçãointernet em si mesmo é um endereço local/global.8 Estas pesquisadoras levam em consideração às restrições que alguns países adotam comofiltro, tomando como exemplo a exclusão do site Google da rede social da internet na China.
  19. 19. 182 OBJETIVOS2.1Objetivo geral: Reallizar um produto jornalístico relacionado a animais de estimação emformato de blog.2.2 Objetivos específicos: a) Experimentar possibilidades que o blog oportuniza junto ao leitor internauta que tem preferência por animais de estimação como o cachorro; b) Apresentar informações em áreas como saúde, curiosidades, cidadania e geral, relacionadas ao mundo canino; c) Disponibilizar informações especializadas sobre a raça canina, a partir de redes sociais na internet, na conscientização da posse responsável como adoção e prevenção da saúde dos cachorros entre outras informações que as pesquisadoras considerem relevantes.
  20. 20. 193 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA3.1 Redes Sociais na Internet Para falar de Blog é conveniente contextualizar as redes sociais nainternet, tendo em vista que hoje tais redes sociais são utilizadas por uma largaescala da população em um tempo crescente, conforme explanou-se nosgráficos demonstrados no capítulo I. Estas pessoas que se conectam temcomo uma das finalidades a comunicação com outras pessoas e empresasatravés desta rede social pelo computador. Uma rede social segundo Garton,Haythomthwaite e Wellman (apud RECUERO, 2009, p.15), é exatamente isso,uma rede que conecta pessoas ou organizações através do computador. Quando uma rede de computadores conecta uma rede de pessoas e organizações, é uma rede social. (GARTON, HAYTHOMTHWAITE e WELLMAN, 1997 apud RECUERO, 2009, p. 15) Mediada por computador de ampla capacidade de conexão, acomunicação conforme Recuero (2009, p. 16-7), permitiu que, através da quedemonstração de alguns exemplos, como a tragédia climática de 2008 emSanta Catarina, redes fossem criadas e expressas nesses espaços, e que taisredes são capazes de mobilizar pessoas, pois não há apenas computadoresconectados, mas existem também pessoas conectadas. Em novembro de 2008, Santa Catarina viveu uma das maiorescatástrofes naturais da história do estado. Rios transbordaram e inundaramvarias áreas, e nos morros os deslizamentos. Durante esse efeito climático,uma série de blogs, ferramentas de mensagens como o twitter, mensageirosinstantâneos foram utilizados para informar o resto do país a respeito dosacontecimentos. Essas ferramentas mobilizaram pessoas, agregaraminformações, criaram campanhas e protagonizaram a linha de frente do apoioao estado de Santa Catarina. Esses fenômenos representam aquilo que esta mudando profundamente as formas de organização, identidade, conversação e mobilização social: o advento da comunicação mediada pelo computador. Essa comunicação, mais do que permitir aos indivíduos comunicar-se, amplificou a capacidade de conexão, permitindo que redes fossem criadas e expressas nesses espaços. As redes sociais mediadas pelo computador. Esses foram, assim, as protagonistas de fenômenos como a difusão das informações na campanha do Barack
  21. 21. 20 Obama e as mobilizadoras no caso de Santa Catarina. (RECUERO, 2009, p. 16-7) O surgimento, a expansão e o acesso a internet trouxeram mudançaspara a sociedade e entre essas modificações estão as redes sociais. Uma rede social é definida como um conjunto de dois elementos: atores(pessoas, instituições ou grupos, os nós da rede) e suas conexões ( interaçõesou laços sociais). (WASSERMAN e FAUST, 1994; DEGENNE e FORSE, 1999,apud RECUERO, 2009, p.24). Ou seja, ela observa quais são as conexões,através das conexões entre seus atores. Podemos considerar, então, que redes sociais são as novas formas decomunicação que surgiram com a evolução da internet. Elas são variadas enos permite fazer de tudo um pouco, falar com outras pessoas a qualquermomento em qualquer lugar do mundo, postar fotos, notícias, debates,expressão de opinião, e além de já terem se tornado grandes redes de se fazernovas amizades e uma nova ferramenta no local de trabalho.3.1.1 Elementos das redes sociais na internet Recuero (2009, p. 25) fala sobre os elementos das redes sociais nainternet que são os chamados atores e as conexões. Atores: Trata-se das pessoas envolvidas na rede que se analisa. Osatores atuam de forma a moldar as estruturas sociais, ou seja, eles criam o seujeito através da interação e da constituição de laços sociais. Na internet épossível perceber isso através dos perfis dos atores sociais,ou seja, da pessoaatravés de seus weblogs, fotologs, twitter, orkut. Mas mesmo assim um weblog,por exemplo, pode apresentar mais de um perfil se for coletivo. (RECUERO,2009, p. 25). Conexões: é a constituição de laços sociais que são formados pelainteração social entre os atores. Pode ser percebida num comentário de umweblog, que permanece ali ate que alguém o delete ou o weblog saia do ar.(RECUERO, 2009, p. 25).3.1.2 Tipos de redes sociais e sites de redes sociais A autora também fala de redes sociais e sites de redes sociais. Recuero
  22. 22. 21(2009, p. 94-101), distingue dois tipos de redes sociais, as emergentes e as defiliação ou associativas, assim como sobre sites de redes sociais. Emergentes: São as redes de interação entre as pessoas por meio detrocas sociais pela conversação através do computador. É uma redeconstantemente construída e reconstruída pelas trocas sociais. São aquelas expressas a partir das interações entre atores sociais. são redes cujas conexões entre os nós emergem através das trocas sociais realizadas pela interação social e pela conversação através da mediação do computador. (RECUERO, 2009, p. 94) A autora cita como exemplo os comentários deixados no orkut, weblog,fotolog, são redes que tem a interação mais perceptível nos comentários,recados e conversações, etc. Essas redes, portanto, são mais visíveis nos espaços de interação dos sites de redes sociais, tais como comentários, recados, conversações, etc. (RECUERO, 2009, p. 95) Nas figuras abaixo pode-se observar que há dois tipos de redesemergentes. Pode-se observar também que há uma grande quantidade de nóse de pessoas que interagem entre si representada pela figura 1. O objetivodessas redes é construir laços sociais e para que essa construção através dainteração seja de qualidade há uma limitação no número de pessoas comquem se pode interagi. Portanto, as redes emergentes tendem a ser maisconectadas e menores como mostra a figura 2. Figuras 1 e 2. Redes emergentes mapeadas a partir de conexões recíprocas. Figura 1 – Fonte: Recuero (2009, p. 96) Figura 2– Fonte: Recuero (2009, p. 96)
  23. 23. 22 Redes de Filiação ou Redes Associativas: São conexões forjadas pelarede, como exemplo pode-se citar a página de amigos do orkut e os seguidoresdo twitter. As redes sociais de filiação ou associativas na Internet são aquelas derivadas das conexões “estáticas” entre os atores, ou seja, das interações reativas que possuem um impacto na rede social. São redes cujas conexões são forjadas através dos mecanismos de associação ou filiação dos sites de redes sociais. é o caso, por exemplo, das listas de “amigos” no Orkut, da lista de pessoas que alguém segue no twitter, etc. (RECUERO, 2009, p. 98) Para começar a explicação sobre sites de redes sociais Recuero (2009,p.102) começa nos explicando o que diferencia redes sociais de sites de redessociais. Os sites de redes sociais são os espaços utilizados para a expressãodas redes sociais na Internet. Para a autora a grande diferença entre os sitesde redes sociais e outras formas de comunicação é o modo como permitem avisibilidade e a articulação das redes sociais, a manutenção dos laços sociaisestabelecidos nos espaços off-line. Fotologs (como o Flick e o fotolog, e osweblogs, são os exemplos citados. Além dos orkut e dos facebook. A grande diferença entre sites de redes sociais e outras formas de comunicação mediada pelo computador é o modo como permitem a visibilidade e a articulação das rede sociais, a manutenção dos laços sociais estabelecidas no espaço off-line. Assim nessa categoria estariam os fotologs (como o flick e o fotolog, por exemplo); os weblogs [...] além de sistemas como o orkut e o facebook. (RECUERO, 2009, p. 102-3) Nas figuras abaixo é possível perceber que na figura 3, há uma grandequantidade de nós conectados, mas na figura 4, é possível perceber que elessão em menor densidade de conexão e que não são recorrente entre osmesmos. Figuras 3 e 4. Redes associativas a partir de conexões recíprocas. Figura 3 – Fonte: Recuero (2009, p. 99) Figura 4– Fonte: Recuero (2009, p. 99)
  24. 24. 23 A autora fala de sites de redes sociais como apropriações onde o divideem duas categorias. Sites de Redes Sociais como Apropriações: os sites de redes sociaisapesar de atuarem como suporte de interação para as redes sociais queconstruirão eles não são redes sociais, eles apenas apresentam e auxiliam aspessoas a perceberem as redes sociais, mas são apenas sites de redessociais. Recuero (2009, p. 104) explica dois tipos de sites de redes sociais. Osapropriados e os Estruturados. • Estruturados: Tem como objetivo principal a exposição públicadas redes, como por exemplo, orkut e facebook, aonde há espaços específicospara se montar perfil e se conectar com outras pessoas. (RECUERO, 2009) • Apropriados: São sistemas como por exemplo os fotologs, osweblogs e twitter que quando surgiram não tinham como objetivo se tornar umarede social, pois não há espaço disponível para isso, mas que passaram a serutilizados pelas pessoas como tal. Perfis passaram a ser construídos atravésde espaços pessoais que foram apropriados pelas pessoas. (RECUERO, 2009) Na figura abaixo percebe-se que a pessoas conectadas e que aconexões que se cruzam com vários sites como demonstra a figura 5 econexões que são exclusivas de determinados sites como mostra a figura 6. Figuras 4 e 5. Planos de sites de rede social, seus usos e a rede egocentrada decorrente desses. Figura 4 – Fonte: Recuero (2009, p. 106) Figura 5 – Fonte: Recuero (2009, p. 106)3.1.3 BLOG: contextualização e características O blog como já descrito anteriormente na justificativa faz parte das redessociais que mais vem crescendo com o advento da internet e com o surgimento
  25. 25. 24das redes sociais. Somente em 2007 já eram mais de 170 milhões de blogexistentes sendo que 120 mil eram criados por dia. (RECUERO, 2009). Segundo Recuero (2009, p. 28), o termo “weblog” foi primeiramenteusado por Jorn Barger, em 1997, para referir-se a um conjunto de sites que“colecionavam” e divulgavam links interessantes na web (BLOOD, 2000 apudRECUERO 2009, p. 28). Daí o termo “web” + “log” (arquivo web), que foi usadopor Jorn para descrever a atividade de “logging the web”. Naquela época, osweblogs eram poucos e quase nada diferenciados de um site comum na web. Ainda segundo essa autora uma das primeiras apropriações que surgiue se tornou comum de ter, foram os blogs de uso pessoais. No Brasil, aestimativa segunda pesquisa realizada pela Intel em 2007, é de que háaproximadamente 170 milhões de Blogueiros no mundo e destes 5,9 milhõessão Brasileiros. (RECUERO, 2009) Dreves (2004, p.16), diz que o primeiro blog foi “What’s New?”, de TimBerners- Lee, e que ele surgiu aproximadamente na segunda metade dadécada de 90. O segundo foi uma página de Marc Anderssen, no NationalCenter for Supercomputing e teve o mesmo nome “What’s New?”. A autorarelata que, na época, os blogs trabalhavam com textos longos e que a lista delinks e os comentários eram misturados e que só mais tarde começou aaparecer mudanças. Os blogs mais antigos não trabalhavam com longos textos, apresentando apenas uma lista de links misturada com comentários. Depois, começaram a aparecer os textos de gosto pessoal, com aproximadamente 4 linhas de conteúdo. (DREVES, 2004, p.16) Já no Brasil, segundo Silva (2003, apud DREVES, 2004, p.16), osprimeiros registros de blogs foram os de Marcos Zamorin9, em 2000, noformato publicação blog e o da gaúcha Viviane Menezes10, , em 1998, emformato HTML.3.1.3.1 O que são blogs? Barbosa e Silva (2003, p.1), relatam que um weblog é baseado emferramentas que estão disponíveis para que o seu autor possa, além de criar a9 Disponível em: www.zamorin.eti.br. não disponível10 Disponível em: www.wiredkitsume.net/weblog. não disponível
  26. 26. 25página, editar e fazer a manutenção possa inserir novos textos aparecendosempre da postagem mais atual para a mais antiga sem grandes técnicas econhecimentos da linguagem que se baseia grande parte dos sites que sãocriados na internet. Um weblog pode ser descrito como um website extremamente flexibilizado com mensagens organizadas em ordem cronológica reversa e com uma interface de edição simplificada, através da qual seu autor pode inserir novos posts sem a necessidade de escrever qualquer tipo de código em HTML. Podemos dizer então que blogs são baseados em mecanismos (Ferramentas Blog) que facilitam a criação, edição e manutenção de uma página na web. (BARBOSA e SILVA, 2003, p. 1) Com a facilidade da concepção, conservação e publicidade do blog, quenão é necessário a utilização de códigos de sistemas, qualquer pessoa podeter um website como este. Traduzem-se em um mecanismo pré-moldado, ondese postam elementos visuais e escritos podendo conter qualquer conteúdo comsimplicidade. Schimitt (apud RECUERO, 2009, p. 29- 30), foca mais na freqüência daatualidade das postagens e dos comentários para nos explicar o que blog. Websites freqüentemente atualizados onde o conteúdo (texto, fotos, arquivos de som, etc) são postados em uma base regular e posicionados em ordem cronológica reversa. Os leitores quase sempre possuem a opção de comentar em qualquer postagem individual, que são identificados com um URL única. (SCHIMITT, 2007 apud RECUERO, 2009, p.29- 30) Os conteúdos são livremente postados e podem ser comentados poroutras pessoas que navegam no blog, contendo data e hora dos conteúdos edos comentários. Os comentários podem ser regulados pelo dono do blog, umapossibilidade que permite comentários abertos, fechados e/ou por meio desolicitação ao dono do blog. Para Silva (apud DREVES, 2004, p.14), os blogs possuem um formatoespecifico e dispõem as informações em ordem cronológica, exibindo emprimeiro lugar os textos postados mais recentes. (...) weblogs possuem uma estrutura-padrão, um formato específico, com algumas variáveis, e por isso são facilmente reconhecíveis na internet. Tal estrutura é determinada por um conjunto de blocos de conteúdo textual e/ou imagético permanentemente renovado. Os weblogs são ainda organizados em função do tempo, ou seja, com as últimas atualizações na parte superior do sítio e as mais antigas logo
  27. 27. 26 abaixo, organizadas de acordo com a data de publicação do bloco de texto, privilegiando a atualização mais recente, permitindo que o visitante saiba quando ou se o sítio fora atualizado. (SILVA, 2003 apud DREVES, 2004, p. 14) Definidos em uma roupagem uniformizada, os blogs se formam a partirde “caixas de texto” com teor textual, separado por um conteúdo que podevariar pouco ou sempre, de acordo com as preferências do usuário. O blog éorganizado numa ordem decrescente de data, ou seja, a postagem maisrecente é a primeira que aparece, sucedendo-se pela anterior, e assim pordiante. Já Recuero (2009, p.94) define blog através da tradução da palavra“weblog”, como sendo coletores de links que ligam a outros links da redemundial de computadores para comentá-los. A definição primordial de weblog é a de um sitio dedicado a coletar links para outros sítios da rede mundial de computadores e comenta- los. A partícula “log” remete aos diários de navegação, em que os capitães informam as latitudes e longitudes percorridas a cada dia e os pontos de referencia geográficos encontrados, além de incidentes diversos. O prefixo “web” indica a transposição desses verdadeiros guias de navegação para a rede mundial de computadores do interface gráfica.(RECUERO, 2009, p. 94) Trata-se de uma rede mundial destinado a recolher links, estabelecendoum contato mundial através da internet, visto que em qualquer ponto do mundopode-se conectar a qualquer blog desta rede. Mas ainda há outra definição feita pela autora Shah (apud RECUERO,p.31-32) que vê o blog com um olhar mais antropológico e etnográfico e nosmostra como ele pode ser compreendido como um “artefato cultural”, ou seja,como um grande compartilhamento de ideias. Um artefato cultural, para evitar qualquer confusão, pode ser claramente definido como um repositório vivo de significados compartilhados produzido por uma comunidade de idéias. Um artefato cultural é um símbolo de comunhão ( no sentido não violento, não religioso da palavra). Um artefato cultural se torna infinitamente mutável e gera muitas autoreferências e narrativas mutuamente definidoras mais do que cria uma narrativa mestra linear. (...) [sua legitimação se dá] pelas praticas vividas das pessoas que os criaram. (SHAH, 2005 apud RECUERO, 2009, p. 31-32) Pode-se, então, concluir que um blog tem varias definições, mas que sejuntarmos todas essas definições dá para entendermos como um website quenos proporcionam grandes facilidades para manusear, é uma imensa janela de
  28. 28. 27informação, pois proporciona dentro de uma página a indicação de váriasoutras, tornando-a com uma imensa variedade de assuntos que pode-se ler eassim criar um enorme compartimento de ide ias. Outra vantagem que podeser notada e de grande importância é que o blog é uma fonte de informaçãoque está disponível aos leitores e sem custo.3.1.3.2 Ferramentas para a criação Para que o usuário não precise se preocupar em entender a linguagemHTML, (Hypertext Markup Language), método de codificação usado para criararquivos padronizados, de forma que sejam traduzidos igualmente por qualquertipo de computador. É o formato básico utilizado para programação de páginasna internet), para criar o seu blog existe um servidor que facilita a criação e aedição da página. Segue abaixo algumas das ferramentas mais utilizadas citadas porDreves (2004, p. 17-8). O serviço oferecido é gratuito, recursos adicionaisdevem ser comprados. a) Blogger – www.blogger.com.br - extensão do servidor Blogger (www.blogger.com), criado pela Pyra Labs, São Francisco, Califórnia, em 1999. A versão brasileira é de propriedade da Globo.com e existe desde 2002. O Blogger é visivelmente a ferramenta mais usada no mundo inteiro. Hoje, o serviço brasileiro é pago e o internacional tem a opção de gratuidade, que disponibiliza menos recursos. b) Weblogger – www.weblogger.com.br – pertence ao servidor de internet Terra.com.br. Outra ferramenta brasileira de bastante popularidade. Existe desde maio de 2001. c) Blig – www.blig.com.br – pertencente ao portal IG. (http://www.ig.com.br). É uma ferramenta recente e, por isso, menos popular. Também, conta com um número menor de opções de divertimento para os usuários. Não há dados precisos sobre a data de sua criação. (DREVES, 2004, p. 17-8) Os serviços gratuitos e que ganharam uma grande publicidade pelo fatode terem sido pioneiros, como é o caso do site do Terra, possuem bastantepopularidade. Pode-se considerar que a gratuidade é um fator que provocamaior adesão, diante da liberdade que possibilita aos seus usuários, sites maiselaborados no geral são pagos e tem mais aplicativos.3.1.3.3 Características do Blog Para Aguiar (2006, p. 4), o que mais atrai as pessoas para criar um blogé a facilidade de criar e manter a página. Não é necessário conhecer nem
  29. 29. 28entender as linguagens da programação HTML, pois a modelos prontos quedevem ser seguidos, o que facilita todo o processo de criação e manutenção. A principal atração dos blogs é a facilidade para se criar e manter uma página. O blogueiro não precisa conhecer e entender linguagens de programação (HTML). Ele tem a sua disposição templates (modelos ) prontos que devem ser seguidos. Esses modelos facilitam todo o processo de criação e manutenção que passa a ser, então realizada de uma forma intuitiva e visual, sem a necessidade de códigos complicados. (AGUIAR, 2006, p. 4) Recuero (2009, p. 78) fala de outras duas características, por um lado éo espaço que se tem para comentar, debater alguma notícia, um espaçodemocrático aonde é possível haver a interação entre os leitores e autor. Poroutro lado, também destaca a lista de links que é disponibilizada tanto para verarquivos anteriores do blog quanto para se entrar em outra página. A maioria dos blogs disponibiliza um espaço de interação, de debate, de “arena Pública”, em que visitantes podem deixar seus comentários, criticar, interagir com o/a blogueiro/a, e com os/as demais visitantes. Os blogs geralmente oferecem uma lista de indicação com links internos e externos que apontam para conteúdos de arquivo, outros blogs recomendados e conteúdos que guardam afinidade com o tema de interesse do grupo. (RECUERO, 2009, p. 78) A personalização também pode ser considerada uma característica doblog. Efimova e Hendrick (apud RECUERO, 2009, p.33), discutem essaquestão da definição estrutural dizendo que mesmo que haja uma forma prontaque a pessoa possa utilizar, a autores que criam a formatação da sua página,assim criando sua própria identidade. Apesar de definidos a partir de sua estrutura, os autores dos blogs também especificam o que faz de um blog uma forma diferenciada de publicação na web. (EFINOVA e HENDRICK, 2005 apud RECUERO, 2009, p.33). Trammell e Keshelashvili (apud RECUERO, 2009, p.33), reforçam a tesede que a pessoas que criam a personalização de seu blog, e ressaltam dizendoque é a partir dela da página que os autores expressam as suas escolhas depublicação. O blog é uma personalização de seu autor que é expressa a partir de suas escolhas de publicação. Assim apesar de não podermos considerar os blogs unicamente como diários pessoais, há em sua apropriação, um forte elemento de personalização. (TRAMMELL e KESHELASHVILI, 2005 apud RECUERO, 2009, p.33)
  30. 30. 29 O autor do blog escolhe os assuntos que publica, demonstrandocaracterísticas individuais da forma como enxerga o mundo, descrevendo pormeio de uma lente virtual. Os autores elegem as postagens de elementosvisuais e escritos pelo que eles consideram importante, dessa forma,analisando um blog pessoal pode-se reconhecer as preferências do autor, e/ouvisualizar um canal á sua vida pessoal.3.1.3.4 Classificações primárias Barbosa e Silva (2003, p.3), relata duas variantes estruturais e degêneros de blog, apresentados pelos autores como as únicas possibilidades deque dispõem os programas e as ferramentas para a criação da página. a) Variantes: Weblog Individual e Coletivo: Um weblog individual, como o próprio nome já diz, é de autoria de umasó pessoa, que fica totalmente responsável pelo conteúdo que será publicado,e é a variante aonde as vezes pode ser percebido com mais clareza a suapersonalidade. Weblog individual: Onde somente o criador do blog pode postar conteúdos. O conteúdo de um weblog individual esta sob a responsabilidade de um única pessoa ( embora visitantes tenham a possibilidade de publicar comentários em espaços determinados) e ate certo grau reflete a personalidade do indivíduo que o mantém. Para eles o grande poder da ferramenta estaria justamente em habitar o individuo a se expressa da forma que ele bem deseja. (BARBOSA e SILVA, 2003, p. 3) No coletivo também como o próprio nome indica é de autoria de uma oumais pessoas que tenham interesses em comum e que são autorizadas pelocriador do weblog a postar com uma senha individual, ou seja, cada umpossuirá uma senha. Weblog coletivo: Onde mais de uma pessoa pode postar. Nesta categoria, o criador/administrador do blog tem a opção de controlar ou não quem pode escrever, permitindo que múltiplos autores participem da manutenção do mesmo site, motivados por interesses semelhantes. Os participantes tem acesso as interfaces de edição e configuração da página através de uma senha individual, onde seus membros podem enviar links, arquivos ou comentários promovendo um cultura de grupo, ou “uma voz informal de um projeto, ou um departamento para intrusos. (BARBOSA e SILVA, 2003, p. 3). b) Gêneros: Temáticos e Livres
  31. 31. 30 O gênero temático é constituído por um único tema e produzidoindividualmente ou em grupos que são formados por pessoas que tambémpossuam interesse pelo assunto que será tratado no weblog. Weblogs Temáticos: Produzido individualmente ou em grupos, este tipo de weblog é concebido com base em um tema específico ou numa área de interesse em comum. Uma subdivisão dos weblogs temáticos é denominada K-logs (Knowledge weblogs), que são as páginas compostas por informações e temas específicos, voltados para grupos de interesse. Nesta categoria, podemos incluir weblogs com propósitos educacionais e pedagógicos, jornalísticos, metablogs, entre outros. (BARBOSA e SILVA, 2003, p. 3) O livre possuí a característica de uma página mais pessoal, pois podemser comentados e postados todos os assuntos que a pessoa desejar inserir noBlog. Weblogs Livres: Como o próprio nome já diz, são publicações que não procuram se deter a um único tema e, talvez por isso, estejam associados as características próprias de uma página pessoal, por se tratarem de formas livres de anotações, que podem incluir criação literária, comentários sobre o que se passa na cabeça do autor, criticas, fofocas, atualização de noticias, diários, entre outros. (BARBOSA e SILVA, 2003, p.3) Com isso, então, pode-se citar como característica do blog a grandefacilidade de criação e manutenção da página. Ele é democrático já queoferece a oportunidade de outras pessoas opinarem sobre o que esta escrito elinks de indicações de outras páginas interessantes para entrar assim criandouma grande teia de informações, podendo se encontrar de vários tipos eestilos. O Blog desenvolvido no presente projeto pode ser classificado navariante de weblog coletivo, pois as duas pesquisadoras do projeto poderão teracesso e inserir matérias, e no gênero temático, porque ele se restringe a umassunto especifico, animais de estimação, tendo como foco o cachorro.3.1.4 Linguagem no Webjornalismo Até algum tempo atrás, mais exatamente ate aproximadamente noséculo XIX, o único tipo de escrita que se estudava e escrevia no jornalismoera a da pirâmide invertida que nasceu durante a Guerra da Secessão nosEstados Unidos da América. Canavilhas (2006, p. 5) explica que essa técnicabaseia-se na redação da notícia, que começa dos dados mais importantes
  32. 32. 31aonde devem ser respondidas seis perguntas, o quê, quem, onde, como,quando e por que, e termina com os dados menos importantes aonde entraminformações complementares. A figura abaixo representa a pirâmide invertida, que se baseia do maisimportante para o menos importante. Ela começa pelo Lead, aonde sãorespondidas as seis perguntas básicas para começar a escrever uma noticia. Oquê, quem, onde, como, quando e por que. Depois, segue-se para dadossecundários, ou seja, informações complementares que são dadas em ordemdecrescente de interesse. Figura 6. Pirâmide invertida – Fonte: Canavilhas (2006,p.5) Com o surgimento do webjornalismo viu-se a necessidade de criar umanova técnica de escrita, pois assim como o leitor tem a oportunidade deabandonar a leitura a qualquer momento quando esta lendo o seu jornal, eletambém devera ter a oportunidade de navegar dentro da noticias sem que elafique sem sentido. Depois de vários estudos chegou-se a “pirâmide deitada” de JoãoCanavilhas (2006, p. 15). Ela é dividida em quatro níveis, (Unidade Base, Nívelde Explicação, Nível de Contextualização e Nível de Exploração) e sua técnicaé começa do menos informação ao mais informação. Observe na próxima figura , a Unidade Base, que é a ponta da pirâmidevai responder a quatro das seis essenciais perguntas (O quê, Quando, Quem eOnde), o nível de explicação vem logo depois e responde as duas últimasperguntas (Por que e Como). Em seguida, vem o nível de contextualização,aonde é oferecido ao leitor mais informação sobre o assunto, seja em forma devídeo, texto ou foto e para finalizar temos o nível de exploração aonde pode serpossível ligar a noticia ao arquivo da publicação, ou seja, a noticias já
  33. 33. 32publicadas sobre o assunto ou a arquivos externos. (CANAVILHAS, 2006) Figura 7. Pirâmide deitada – Fonte: Canavilhas (2006, p.15)3.1.4.1 Jornalismo ou Ferramenta Existe uma discussão sobre as possibilidades das características doblog, sendo ele classificável de alguma forma fixa ou não. Existe uma liberdadepara os conteúdos postados nos blogs, e a partir dessa afirmativa pode-se abrirpara um leque infinito de possibilidades de classificação, podem ser desdeinformativos sobre determinado assunto, até diários pessoais de seus autores.Para estas pesquisadoras, diante disso, não há dúvidas que o blog pode serde cunho jornalístico. Para Barbosa e Silva (2003, p. 5) que trazem essa importante discussão,fazer um blog é ou não uma atividade jornalística, se considerarmos que osblogueiros, a medida que escrevem nos seus respectivos webolgs, trazemembutidas, de alguma forma, atividades de gerenciamento, produção e filtro deinformação? Para tentar explicar á autora utiliza Hiler, que faz o uso de elementosemprestados da biologia para explicar metaforicamente como se da asrelações entre blogueiros e jornalistas, e Chris Laphan, que faz uma colocaçãoaonde diz que o novo e velho jornalismo podem se complementar, mas quenada substitui o velho jornalismo. (BARBOSA, 2003) Para Hiler (apud BARBOSA, 2003, p.6), jornalistas e blogueiros estão setrabalhando juntos para conseguirem as notícias e com isso ambos estão sebeneficiando. A verdade é que os blogueiros e jornalistas são ambos organismos parasitários. Em biologia, nós temos um termo para a relação parece materialmente parasitária: simbiose, onde ambos os organismos se
  34. 34. 33 beneficiam ao trabalharem juntos. Blogueiros e jornalistas estão mutuamente em uma relação simbiótica, de varias formas trabalhando juntos para relatar, filtrar e “furar” noticias. (HILER apud BARBOSA e SILVA, 2003, p.6 ). Algumas vezes fundem-se as notícias meio às postagens dos blogs,uma vez que a internet possibilita que a informação circule com a máximaeficiência (data e hora), e todas as pessoas que acessam as redes sociaispodem comentar e publicar sobre atualidades que lhes interessam. Fazem deforma individual, tornando-se informador, podem, inclusive, ser formador deopinião. Laphan (apud BARBOSA e SILVA, 2003, p. 6-7), diz que a tecnologiaatual tem facilitado muito para que qualquer um possa se transforma em umeditor, mas que não se pode deixar para trás o velho modelo, ou seja, a boareportagem escrita. O melhor é unir os dois. A tecnologia atual, especificamente a transmissão digital de texto, áudio e vídeo, tema alterado o tradicional modelo de comunicação um para muitos. Em vez disso, audiências estão tornando-se produtores tão bem quanto consumidores de informação, e um novo modelo de comunicação muitos para muitos tem emergido. Hoje, qualquer um com um modem, um computador pessoal e uma linha telefônica pode transforma-se em um editor, como nós conhecemos o termo. Mas é um erro eliminar totalmente o velho modelo em favor do novo modelo. Pela justaposição do melhor do novo modelo- acesso computadorizado, entrega e pacotes de informação- com o melhor do velho modelo- reportagens cheias de insights em uma estória bem escrita- é criado um modelo hibrido melhor, que combine o melhor de ambos. (LAPHAN apud BARBOSA e SILVA, 2003, p.6-7) Não quer significar que ter um blog é ser jornalista ou exercer ojornalismo, devem ser tomados os devidos cuidados, pois as postagensconstantes em blogs podem ser falsas ou então não possuir fontes confiáveis.A atividade de jornalista requer profissionalismo, identidade e deve satisfazerregramentos básicos da profissão. Todavia, na via que segue a internet, não se pode rejeitar informaçõesque não estejam exatamente de acordo com os padrões jornalísticos, existeuma variável livre dentro das publicações de blogs. Pode estabelecer umcontato informativo com um público específico a respeito de um conjunto deinformações específicas, como é o caso do blog deste projeto, o Informacão,que diz respeito à informações sobre cães. Rodrigues (2006, p. 46), diz que o blog é utilizado para os mais variados
  35. 35. 34fins desde uma página pessoal a jornalística, mas que a profissão de jornalistaexige regras para o seu exercício. Os blogs são um meio que pode ser utilizado para os mais diversos fins e nesse âmbito podem ser utilizados para publicação de um diário pessoal, para a exposição de opiniões, para a divulgação de fotografias e ate para a prática jornalística. Mas o jornalismo é uma actividade profissional, que deve obedecer a regras especificas em qualquer meio em que seja exercida. (RODRIGUES, 2006, p. 46). Ou seja, ainda não se pode considerar que qualquer página éjornalística, é preciso responsabilidade para o exercício da profissão, poiscomo em qualquer outro campo profissional é preciso obedecer saber e seguiralgumas regras. Para explicar o que é jornalismo a autora usa NelsonTraquina. Poeticamente poder-se dizer que o jornalismo é a vida, tal como é contada nas noticias de nascimento e óbitos, como sejam o nascimento o primeiro filho de uma cantora famosa ou a morte de um sociólogo conhecido mundialmente. É a vida em todas as suas dimensões. (TRAQUINA apud RODRIGUES, 2006, p. 47) Os fatos relevantes ao mundo jornalístico, de acordo com os valores-notícias que são propostos na parte deste trabalho que será descrito adiantenos critérios de noticiabilidade nortearão os fatos que serão contados pelojornalista (pode ser de forma escrita, só oral e/ou oral e visual). O que é importante? O que é relevante para o mundo jornalístico? Ojornalista deve saber identificar as informações importantes, por intermédio detato e técnicas. Pode-se considerar que o jornalista pode ser contratado paratratar de determinados assuntos como esportes, por exemplo. Deve narrar osfatos de uma determinada forma, para que os valores-notícia do assunto sejamevidenciados, afim de que os receptores das informações possam ter oentendimento necessário àquele tipo de informação. Recuero (2009, p. 223) fala que o jornalismo também vemacompanhando as inovações relacionadas a tecnologia e que essas inovaçõespromovem renovações e configurações da pratica. O webjornalismo é um dosnovos suportes midiáticos citados pela autora que faz algumas consideraçõespara que um blog seja considerado jornalístico ou não. Blogs jornalísticos são aqueles cujos endereços são publicados, estando acessível a qualquer pessoa com acesso a internet, que se destinem, na totalidade ou na maior parte do tempo, a divulgar
  36. 36. 35 acontecimentos reais dotados de atualidades, novidades, universalidade e interesse, e, ainda, cujos blogueiros tenham a preocupação e se esforcem para: a)disponibilizar frequentemente conteúdos novos, ainda que sem peridicidade fixa ou determinada. b) e divulgar seus “blogs/lugares” tornando-os endereços na web amplamente conhecidos com intuito de atrair um número expressivo de internautas, ou seja, uma grande audiência que na internet é expressa por número de page views. (páginas visitadas). (RECUERO, 2009 , p. 225 - 6) Em outras palavras, o jornalismo como todo o mundo esta evoluindo, eumas dessas formas de evolução é o jornalismo on-line, e o blog com todas assuas características que permite isso, mas que ainda tem que se adequar aojornalismo que é feito no dia a dia, é uma dessas ferramentas para se fazer umnovo modelo de jornalismo, mas que não substitui o já chamado velho modelode jornalismo, então é possível unir os dois modelos usando a tecnologia quesurgiu com uma das suas maiores características que é o acesso rápido, comas reportagens cheias de insights em uma estória bem escrita. Os blogueirosviraram parceiros dos jornalistas, juntos tem o propósito de relatar, filtrar e“furar” notícias. Mattoso (2003, p. 33), diz que o que se percebe desde o ano de 1999, éque os blogs jornalísticos não apenas imprimem uma visão pessoal sobre umfato corriqueiro, mas centenas de milhares deles irão discutir e debater anotícia, o fato que é trabalhado na grande mídia. Então o editor do weblogestará alimentando mesmo sem querer uma prática metajornalistica. Uma dascaracterísticas que leva a isso é o grande número de links de outros sites quesão colocados na página. Para esse autor o weblog pode ser considerado umaespécie de metajornalismo, muitas vezes comentado, com liberdade inclusivepara alinhavar fontes distintas em uma única atualização, citando econfrontando veículos concorrentes ou pontos de vista conflitantes. O metajornalismo é uma forma de jornalismo que não se baseia diretamente nas fontes de informação, mas nas notícias, nas opiniões e no trabalho realizado pela imprensa em geral. (MATTOSO, 2003, p. 34) Uma construção jornalística através dos olhos de outros leitores,formando uma opinião sobre determinado assunto, irradiando por meio depostagens utilizando a linguagem pessoal provoca uma “sociedade eletrônica”de opinião, formando outras opiniões, incitando novos problemas ou novas
  37. 37. 36soluções, conflitando informações. Os blogueiros remetem às redes sociaisuma transformação no mundo das informações, gerando ao mesmo tempo umturbilhão de novas ideias para os leitores e os autores, causando umrompimento com a forma tradicional de noticiar um evento consideradorelevante para o meio social, tratando-se sob diferentes aspectos determinadoassunto. Aguiar (2006, p. 5), comenta que o que surgiu tendo como únicafinalidade vista um “querido diário” virtual ou uma nova navegação estacomeçando a se torna uma nova forma jornalística. Pois há blogs que tratamde assuntos de caráter informativo, como política, economia, esporte, trazemtambém suas opiniões, e têm-se espaço para debates, divergências deopiniões e interpretações. Mas para essa autora pelo suporte midiático aindaser ressente ele ainda esta longe de alcançar o seu alge tanto no meiojornalístico como acadêmico. Como toda novidade, os blogs estão longe de serem unanimidade no meio acadêmico e jornalístico. Por se tratar de um veiculo ainda novo e em pleno processo de construção, eles ainda são encarados como ressalvas tanto por jornalistas quanto por pesquisadores da área de comunicação. (AGUIAR, 2006, p. 5) As ressalvas podem ser consideradas em razão da veracidade ou nãoda informação prestada, ou seja, não são confiáveis por serem editadas sem ocompromisso da verdade. Pode ser citado, relativo à adesão, a enormevariedade de redes sociais (inclusive crescentes) disponíveis, pela eleição ounão deste meio (o blog) para sua utilização no meio jornalístico e acadêmico. Mas apesar de concordar que os blogs constituem uma forma dejornalismo, acredita que rompe alguns pressupostos do jornalismo como atransmissão da informação, que é construído de acordo com o enterre dapopulação e no blog é construída coletivamente além de outros fatores como aobjetividade e a neutralidade. Partindo do pressuposto de que o jornalismo se assenta sobre a publicação periódica de informações de interesse da coletividade através de meios de comunicação massiva, pode-se dizer que os blogs constituem, de fato uma forma de jornalismo. Em contrapartida, alguns pressupostos do jornalismo estão ausentes dessa pratica, como a transmissão de informações, que nos blogs não são meramente fornecidas, mas construídas coletivamente por jornalistas/ blogueiros e leitores/visitantes. A ênfase na objetividade e na neutralidade, como já foi comentado anteriormente, é outro aspecto
  38. 38. 37 considerado relevante no jornalismo e que rompe no blog. (AGUIAR, 2006, p.6) Com isso, pode-se considerar então que o blog pode sim ser uma novaferramenta para se fazer jornalismo, mas como explica Recuero (2009), exigealgumas condições, e que com o tempo ele vai sim ser aceito por todos. Comose pode perceber, ele possui sim características de um novo modo de se fazerjornalismo. Como explica Aguiar (2006), é um jornalismo feito coletivamente,sem que deixe de existir a informação sobre vários assuntos e sem deixar dehaver a reciprocidade das pessoas. Muito pelo contrário esse é espaço maisdemocrático que se possui hoje em dia para expressar a opinião, debater e daro se ponto de vista de interpretação.3.1.4.2 Os blogs como fonte É evidente que a confiabilidade dos blogs e outros sites da web sãoquestionáveis, em virtude do fato de que qualquer pessoa tem a liberdade depostar o que desejar em seu conteúdo. Não é conveniente que se julgue oconteúdo do blog como verdade, mas pode-se levar em consideração que ele éuma composição da individualidade daquele que o “posta”, isto é, mostra umpouco das preferências de seus autores, revelando algumas faces do indivíduoque podem não ser percebidas em público. Rodrigues (2006, p.86), traz dois exemplos de Portugal, aonde o blog foimuito utilizado para ajudar a desencadear investigações sérias e tambémdenuncias. Um é do blog coletivo “A Nova Casa de Quedes”, uma polêmicaque envolveu o licenciamento de uma moradia do então ministro do ambienteNobre Guedes, no Parque Natural da Arrábida. No blog foram publicadasdetalhes da casa com fotografias mostrando os pormenores. O materialpublicado foi utilizado por vários jornalistas de diversos meios de comunicação. O “Random Precision” escrito por Luis Rodrigues, advogado e autor depublicações informativas sobre o caso em primeira mão, publicadasposteriormente por jornalistas e usuários das redes sociais não o citavam comosua fonte. O “Diário de Notícias” durante as campanhas presidenciais de 2006publicava esse conteúdo na sua revista o os fatos expostos pelos blogs.
  39. 39. 38(RODRIGUES, 2006) Para a autora, esses são os primeiros passos para que as pessoasreconheçam o trabalho de quem escreve um blog. “São assim dados passosimportantes na consideração existente face as vozes que ecoam na blogosfera.Resta esperar e observar o que reserva o futuro a este respeito.”(RODRIGUES, 2006, p. 87) Como já visto, o blog é o espaço mais democrático que se tem hoje emdia para se expressar e colocar o que quiser, até como no caso citado acimaprovas de um assunto grave e que chegou a ser usada por outros jornalistasque ainda não tinham provas para mostrar. Está aí, então, mais uma coisa emque o blog beneficia não só a população, mas os próprios jornalistas.3.1.4.3 O “quinto equivoco” Rodrigues (2006, p. 88), traz uma reflexão do quarto poder e fala sobre oblog, será que está surgindo um novo poder, ou seja, o quinto poder? A autoracomenta que o jornalismo tornou-se o “quarto poder” para fiscalizar os outrostrês poderes, legislativo, executivo e judiciário com o intuito de mostrar arealidade. Mas com o tempo isso foi se perdendo. A invocação do jornalismo enquanto poder conduz, alias, a resultados perversos do ponto de vista da afirmação da legitimidade da presença do jornalista no espaço público. (RODRIGUES, 2006, p. 88). A imprensa é vista como uma “instituição” que além de informar,denuncia alguma ilegalidade seja ela na política, na sociedade, etc. pois é oideal de “esclarecer os cidadãos” que deu ao jornalismo a denominação dequarto poder e a imprensa de ser reconhecida como uma instituição “dasociedade”. “O jornalismo assim é visto pelos cidadãos como uma espécie de“guardião” que expõe a verdade e relata os acontecimentos tal qual eles são.”(RODRIGUES, 2006, p.88 - 9). Ou seja, o jornalismo é um ente participativo da sociedade e formador deopinião, é aquele que vigia e divulga os acontecimentos que tentam serescondidos do grande público, protegendo e zelando pelos direitos doscidadãos, ele existe verdadeiramente e nos contando fatos relevantes ao meioe convivência social.
  40. 40. 39 Contudo, não é sempre essa a realidade principalmente quando osinteresses econômicos e comerciais adquirem grande importância. Comorelata a autora, muitas vezes o quarto poder é utilizado como instrumento dosoutros poderes, mas também exercem um grande poder. “Muitas vezes osmeios de comunicação social são instrumentos usados pelos demais poderes,mas os grandes media são também eles grandes centros de poder.”(RODRIGUES, 2006, p.89 ). Relembre-se que nos primórdios, tinha o poder quem tinha a força física,depois foi a vez da política significar o poder, exercido pelos reis e rainhas deantigamente, e já há algum tempo, a mídia e os meios de informação tem sidocolocados como formas de poder, mas acima disto está o poder de compra, odinheiro em si. Isto significa que, dito de forma simples, quem tem maisdinheiro possui as mais variadas formas de poder. Nenhuma entidade socialsobrevive sem valor econômico, seja um hospital ou uma empresa jornalística. As expressões mais associadas ao jornalismo segundo a autora, são“cães de guarda da sociedade”, “quarto poder” e o “princípio daresponsabilidade”. O que, em tese, comprometeria o jornalista com asociedade e com os valores democráticos na vigia dos poderes institucionaisestabelecidos. Para a autora o avanço da tecnologia trouxe grandes vantagens não sóa mídia, mas principalmente a população. “A verdade jornalística, aindependência dos seus profissionais, as práticas utilizadas e a lealdade com opúblico passaram a estar sob uma análise constante.” (RODRIGUES, 2006, p.89 ). Observa-se que, diante de uma sociedade ruída e contaminada pelacorrupção, manifesta-se a necessidade de vigília da própria mídia. O que édivulgado pode não ser a verdade, pode não ser tão relevante quanto a outrosfatos, e divulgados fatos errôneos que levem a uma falsa interpretação podemestar sendo vinculados aos meios de comunicação em massa exercendo umpoder ainda maior através da corrupção. Se a mídia é capaz de “vender-se” atal ponto, como a verdade pode aparecer? Os blogs estão exercendo cada vez mais um poder de vigia tanto sobreos poderes estabelecidos quanto a mídia e trabalho desempenhado por ela,
  41. 41. 40pois muitas vezes eles tratam de assuntos que passam ao lado das mídiastradicionais. “Os blogs chamam muitas vezes a atenção para assuntos quepassam ao lado das mídias tradicionais.” (RODRIGUES, 2006, p. 89). É uma questão de interesses, e então a mídia passou a ser um meioduvidoso ou falho no seu compromisso quanto à sua vigília A mídia pode terpassado a se interessar a veicular valores e notícias que podem lhes garantiruma grande “fatia” econômica ao invés de proteger os cidadãos trazendoinformações que lhes possam beneficiar apenas a si própria. Com o blog ficou mais fácil de tornar público uma opinião, umcomentário, uma informação, uma crítica, ou seja, existem novas maneiras demanifestações sobre qualquer assunto, é um novo poder que aproxima oscidadãos da vida pública. Já se ele vai se tornar o quinto poder, é difícil deafirmar, mas perante a esse novo cenário não se pode descartar essa hipótese. A blogosfera não parece ser uma moda, condenada a desaparecer como outras. A sua relevância é crescente, e estimável, particularmente na esfera política. Mas, por enquanto, dada a sua reduzida dimensão e influência, é pelo menos excessivo falar num “novo poder”. Só o tempo pode dizer se algum dia o será. (RODRIGUES, 2006, p. 90). O que se percebe, então, é que não pode-se descartar a hipótese deestar surgindo um novo poder, mas como ressalta a autora a sua dimensão einfluencia são poucas, e so o tempo poderá responder essa pergunta.3.2 Categorias e Gêneros Jornalísticos Tratar-se-á da divisão dos gêneros e categorias existentes dentro dojornalismo, identificando suas características específicas, descrevendo-as apartir da divisão que propõe analisar seus tipos. A necessidade da divisãoproposta cinge-se pela técnica explorada em cada uma delas, utilizando-asadequadamente em seus referidos contextos. Segundo Melo (2003, p.59-60) existem três tipos de categoria dejornalismo, o Informativo, aonde entram os gêneros nota, notícia, reportagem eentrevista, o Opinativo que é dividido nos gêneros, editorial, comentário, artigo,resenha, coluna, crônica, caricatura e carta, e Interpretativo que é umareportagem em profundidade. Abaixo serão definidas as categorias e gênerosque vão ser utilizadas no Blog Informacão.
  42. 42. 41 Melo (2003, p.64-65), nos explica sobre duas das categorias propostas:Jornalismo Informativo e Jornalismo Opinativo. Ele fala que o jornalismo informativo, anuncia o acontecimento real paraas pessoas, ou seja, informa elas sobre os fatos que acontecem no dia a dia eno momento de seu consumo. Sendo assim, o Jornalismo Informativo: anuncia os acontecimentos(real), a expressão jornalística (relato) e a reação da coletividade (leitura). Éexterior a instituição jornalística. Depende da eclosão dos fatos e da relaçãoque os mediadores (jornalistas) tem com os protagonistas (fontes ou geradoresdos fatos). (MELO, 2003, p. 64-5). Já o opinativo mostra mais a opinião de uma pessoa geralmentedeterminada pelo veículo de comunicação que entenda sobre o fato que estaacontecendo e já repercutiu perante a sociedade. Em outras palavras, o Jornalismo Opinativo: a estrutura da mensagem éco-determinada pela instituição e apresenta duas feições: autoria (quem emitea opinião) e angulagem (perspectiva temporal ou espacial que dá sentido aopinião). (MELO, 2003, p. 65) Com isso, então, o jornalismo informativo é informação, saber o queestá acontecendo e o jornalismo opinativo é opinião, saber o que se pensasobre o acontecimento. Melo (2003, p. 65-177), define os gêneros de cada categoria: Jornalismo Informativo: Nota, Notícia, Reportagem e Entrevista. (MELO,2003, p. 65-67) Segundo ele Nota: ... corresponde ao relato de acontecimentos que estão em processo de configuração, ou seja, algo que vai acontecer. (MELO, 2003, p. 65). Pode-se dizer então que a nota anuncia algo que está para acontecer,como pode se perceber na nota do Jornal Santa Catarina On Line do dia 20 deabril de 2010, onde está sendo anunciada a 8º edição da Cãominhada naregião de Blumenau, Santa Catarina, e explica como as pessoas podemparticipar, aonde vai se realizada e o que vai acontecer no dia do evento. Pauta 1: como mostra o exemplo a seguir, a nota divulgada no dia 20 de
  43. 43. 42abril de 2010.11 A Cãominhada ocorre na Rua Alberto Stein, em frente ao Setor 3 do Parque Vila Germânica, das 8h (recepção dos animais) até as 12h. Durante o evento haverá apresentações de Agility (cães passando por obstáculos), orientações aos participantes e feira de adoção de animais. Cães de grande porte e de guarda deverão usar focinheira. No local haverá um veterinário de plantão para atendimento mediante apresentação da carteirinha de vacinação do animal. A nota se difere da reportagem principalmente quanto à descrição dosfatos. A nota se refere a fatos futuros enquanto a reportagem narra fatos jáocorridos, e também relativo à questão social da descrição do fato e suarepercussão social, dentro dos parâmetros dos valores notícias. Reportagem: é o relato ampliado de um acontecimento que já repercutiu no organismo social e produziu alterações que são percebidas pela instituição jornalística. (MELO, 2003, p.66) A reportagem já é o acontecimento que foi anunciado pela notaampliado, ou seja, fala como foi a repercursão do fato sobre as pessoas. É oque se pode perceber na reportagem do Jornal Santa Catarina On-Line do dia16 de maio de 2010, logo após a realização da 8º edição da Cãominhada,aonde traz o número de participantes e cães inscritos e ainda ressalta que oevento já faz parte do calendário das pessoas. Como mostra o exemplo aseguir de editoria geral, do dia 16 de maio de 2010. 12 Cãominhada reúne 4 mil pessoas em Blumenau Número de participantes é recorde nas oito edições do evento Com 1.052 cães inscritos, a 8ª Cãominhada de Blumenau reuniu cerca de 4 mil pessoas na manhã de domingo, em frente ao Parque Vila Germânica. O público era composto, principalmente, por donos de animais de estimação e aficionados pelos bichinhos. O número de participantes é considerado recorde. De acordo com a coordenadora do evento, Margaret Nascimento, os números expressivos da Cãominhada provam que o evento já faz parte do calendário da cidade e caiu no gosto da população. A próxima edição ocorre em agosto. Jornalismo Opinativo: Editorial, Comentário, Artigo, Resenha, Coluna,Crônica, Caricatura e Carta. (MELO, 2003, p. 103-177)11 Abertas inscrições para 8ª Cãominhada em Blumenau. Evento ocorre dia 13 de maio,em frente ao Parque Vila Germânica. Os interessados em participar da 8ª edição daCãominhada, que ocorre no dia 16 de maio, já podem se inscrever. O cadastro deve ser feitopelo e-mail aominhadablu@blumenau.sc.gov.br ou pelo telefone 3326-6901 até 13 de maio.Fonte: http://www.clicrbs.com.br/especial/sc/jsc/19,6,2878389,Abertas-inscricoes-para-8-Caominhada-em-Blumenau.html12 Fonte: http://www.clicrbs.com.br/especial/sc/jsc/19,6,2905652,Caominhada-reune-4-mil-pessoas-em-Blumenau.html
  44. 44. 43 O Jornalismo opinativo abre espaço para a exposição de opiniões, comoo próprio nome já diz, sobre certos assuntos, revelando uma roupagemindividual da linguagem e valores intrínsecos do jornalista que a redige. Estetipo de jornalismo incita a crítica e forma opinião de seus receptores, devendoser responsável o jornalista que as emite, veja-se: Comentário: emerge como gênero definido, realizando uma aparição valorativa de determinados fatos. A ótica utilizada não é necessariamente a da empresa. Abre-se a oportunidade para que o jornalista competente possa emitir suas próprias opiniões, responsabilizando-se naturalmente por elas. (MELO, 2003, p. 105) O blog Informacão utilizará, basicamente, as categorias informativoaonde entrarão os gêneros nota, reportagem e opinativo, principalmente ocomentário, já que o blog proposto no presente projeto experimental, terá comosua principal função a interação, ou seja, a reciprocidade dos leitores peranteas reportagens e notas postadas. Além de possuir uma linguagem coloquialpara que todos os leitores internautas possam entender.3.3 Meio Ambiente e Comunicação: a raça canina em questão Antigamente o homem não se preocupava com a natureza, já queutilizava sem a menor preocupação toda aquela riqueza que lhes era oferecidada terra do mar e do ar, para sua própria sobrevivência e não há prejudicavapara obter isso. Segundo Plautz (2008, p.26), a natureza cuidava além de simesma do próprio homem. a natureza não era objeto de responsabilidade humana-ela cuidava de si mesma e, com a persuasão e a insistência necessárias, também tomava conta do homem: diante dela eram úteis a inteligência e a inventividade, não a ética. (PLAUTZ, 2008, p.26) Considerando-se ausente de qualquer responsabilidade de preservar oque a natureza lhe oferecia e com isso achando-se no direito de usá-la semnenhum cuidado, sem se preocupar quais danos que causaria, o homempassou a avançar para o processo da civilização, o primeiro deles, a cidade. Jáque desde aquela época não havia preocupação com a natureza não chegou-se a pensar que por causa do seu uso desenfreado poderiam haver recursosque pudessem ser denegridos ou ate mesmo extintos. Toda aquela riquezaoferecida para que se tivesse as condições mínimas de sobrevivência acabou
  45. 45. 44se tornando peça chave para que o homem acabasse com ela. A invulnerabilidade de todo, cujas profundezas permanecem imperturbadas pela impertinência humana, ou seja, a imutabilidade essencial da natureza como ordem cósmica foi de fato o pano de fundo para todos os empreendimentos do homem mortal, incluindo suas ingerências naquela própria ordem. Sua vida desenvolveu-se entre o que permanecia e o que mudava: o que permanecia era a natureza, o que mudava eram suas próprias obras. A maior dessas obras era a cidade, a qual ele podia emprestar um certo grau de permanência por meios que inventava e aos quais dispunha a obedecer. (JONAS, 2006 apud PLAUTZ, 2008, p.26) A grande produção de comércio por obtenção da matéria prima damadeira como, por exemplo, para a construção de casas e móveis, são asmaiores causadoras de desmatamento de áreas florestais, pois elas abrigamvárias espécies de árvores. As espécimes de árvores conservadas hoje são emrazão de leis que as exigem, e levam em consideração à destruição ocorrida jáà muito tempo perdida. É sabido que uma árvore nativa do Brasil, que é o pau-brasil está em vias de extinção no território nacional em razão da suaexploração irresponsável puramente extrativista a partir da colonizaçãobrasileira. As florestas tropicais abrigam, de longe, a maioria das espécies de animais e plantas, e a maior biomassa da terra. Na floresta úmida tropical, que é a parte úmida da floresta tropical, costuma-se encontrar centenas de espécies de árvores no raio de umas poucas centenas de quilômetros quadrados. (LOMBORG, 2002 apud PLAUTZ, 2008, p.29) Hoje, por influência da mídia, consumimos não porque precisamos, masporque temos a cabeça de que precisamos ter o que os outros têm, tudo issopara conseguirmos a aprovação das outras pessoas para ser aceito nasociedade e saciarmos a ansiedade provocada pela necessidade te ter.Campos (2007, p. 8-9) explica isso utilizando a “teoria da agulha hipo-dérmica”,as informações são injetadas direto na mente, ou seja, a pessoa écondicionada a aceitar,por exemplo, padrões de consumo que aparecem nasnovelas e filmes não por necessidade e sim só porque os autores e atrizesestão usando. A grande verdade é que embevecido diante da televisão, por três horas, em média, por dia, o homem moderno revive o Mito da Caverna e passa a acreditar muito mais na imagem do que na realidade. As cores e sons-tal qual o próprio ambiente parecem falar

×