Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Fisiologia da dor

8,242 views

Published on

  • Be the first to comment

Fisiologia da dor

  1. 1. PRIMER SIMPOSIO VIRTUAL DE DOLOR, MEDICINA PALIATIVA Y AVANCES EN FARMACOLOGÍA DEL DOLOR Atualização em Mecanismos e Fisiopatologia da Dor Luiz Fernando de Oliveira, TSA – SBA Professor Titular de Anestesiologia – Faculdade de Medicina – UERJ - Rio1.INTRODUÇÃO -A dor é experiência sensorial e emocional de caráter desagradável provocada por lesão tissular, ouatribuída a tal (IASP). Fisiologicamente funciona como sinal de alerta desencadeando reações de defesae preservação, tendo importante função de defesa.Do ponto de vista clínico podemos distinguir dois tipos de dor, aguda e crônica. A dor aguda é de caráterfisiológico, é deflagrada por lesão corporal e tem função de alerta e defesa contribuindo para apreservação da vida. Normalmente é de breve duração, provocada por estímulo nociceptivo periféricoe/ou reação inflamatória e tem relação causa-efeito bem determinada. A dor crônica tem caráterpatológico, não apresenta relação causa-efeito bem definida, freqüentemente não se encontrando causaperiférica que a justifique. Insidiosa, não tem função de alerta ou defesa, é gradativamente incapacitante eestá relacionada a alteração dos mecanismos centrais de nocicepção, que acarretam sua progressivacentralização. Pode existir ou persistir na ausência de lesão real, produz alterações persistentes nocomportamento psicomotor (emocional) e pode levar à incapacidade física e mental permanente. Podemosdizer que a dor aguda, fisiológica, é útil e cumpre uma função de preservação, enquanto a dor crônica,patológica, ao contrário, é inútil e incapacitante.2. MECANISMOS ANÁTOMO-FISIOLÓGICOS -2.1. – ORIGEMFisiologicamente a dor é deflagrada por estímulos intensos e potencialmente lesivos que ativam osnociceptores, lesam o tecido e desencadeiam reação inflamatória (humoral e celular) com liberação demediadores químicos como a Bradicinina (BK), Prostaglandinas (PGI e PGE2), IL-1, NO e substância P(sP). Esses mediadores a par de desencadearem as alterações vasculares e imunológicas inflamatórias,ativam os nociceptores (como a Bradicinina - BK), ou reduzem seu limiar de excitabilidade,sensibilizando-os (Hiperestesia ou Hiperalgesia primária) como a PGE e a PGI. Do equilíbrio da açãodos vários mediadores pró-inflamatórios (algogênicos) e de mediadores antiinflamatórios (opióidesperiféricos) resulta o estado de sensibilidade do nociceptor. Esse mecanismo permite uma sintonia fina daexcitabilidade dos nociceptores às condições locais do tecido.A ativação dos nociceptores, não depende assim apenas da natureza e intensidade do estímulo lesivo, mastambém da extensão e intensidade da hiperestesia primária gerada pelo processo inflamatório a nívellocal. Por isso, a dor gerada por ativação nociceptiva periférica responde às drogas antiinflamatórias,mesmo quando não é gerada primariamente por processo inflamatório.2.1.1. HIPERALGESIA PRIMÁRIA E SECUNDÁRIAAo observarmos a área lesada verificamos a presença de duas zonas distintas de hipersensibilidade. Ahiperalgesia que se observa na área inflamada é denominada de Primária. Ao redor da zona de lesãoPRESIDENTE COMITÉ ORGANIZADOR PRESIDENTE COMITÉ CIENTÍFICODr. Edgardo Schapachnik Dr. Horacio Daniel Solísedgardo@schapachnik.com.ar solis@germania.com.ar
  2. 2. PRIMER SIMPOSIO VIRTUAL DE DOLOR, MEDICINA PALIATIVA Y AVANCES EN FARMACOLOGÍA DEL DOLORobservamos um segundo halo de hiperestesia que é denominada de Hiperalgesia Secundária. Enquanto ahiperalgesia primária é devida à sensibilização periférica dos nociceptores pelos mediadoresinflamatórios, a secundária deve-se a sensibilização espinhal. Esta é conseqüência do alargamento docampo receptor dos nociceptores, da sensibilização dos neurônios de largo espectro da lâmina V (“widedinamic range”- WDR) com conseqüente “wind-up” (aumento) da freqüência de disparo dos neurôniosnociceptivos medulares, e ativação de sinapses silentes o que acarreta facilitação da ativaçãoespinotalâmica inclusive pelos neurônios não-nociceptivos. A hiperalgesia secundária é de naturezaprogressiva e a longo prazo é responsável por alterações plásticas do sistema nervoso que levam àcronificação da dor.2.2. - VIAS NOCICEPTIVAS -O sinal gerado no nociceptor é conduzido pelas fibras nociceptivas finas (C-amielínicas e Adelta-mielinizadas finas), cujo corpo celular se localiza no gânglio sensorial da raiz dorsal e que terminam namedula espinhal ou núcleo sensitivo do trigêmeo, e daí se projeta para a Formação Reticular, Tálamo eCórtex .A estimulação nociceptiva converge no corno posterior medular sôbre duas populações celulares distintas,os neurônios da lâmina I e os da lâmina V. Estes últimos recebem tanto inervação nociceptiva quantonão-nociceptiva, daí sua designação de neurônios de largo espectro (“WDR”) e dão origem às fibrasespino-talâmicas e espino-reticulares responsáveis pela projeção da estimulação nociceptiva para o troncocerebral e tálamo. Além desses dois sistemas de projeção, um sistema próprio-espinhal cursa pelasubstância cinzenta interligando metâmeros vizinhos e pode, quando da lesão dos sistemas primários,passar a exercer importante papel na condução do estímulo nociceptivo até a Formação Reticular doTronco.As fibras neoespinotalâmicas se projetam para o núcleo ventro-póstero-lateral (VPL) do tálamo, e daí parao neo-córtex somato-sensorial (parietal). Este sistema é oligossináptico, direto, sofre menor influênciamoduladora inibitória, e está envolvido com a percepção (componente neuro-sensorial) da dor e suaanálise cognitiva. Já as fibras paleo-espinotalâmicas e espinoreticulares, assumem posição mais medianano tronco cerebral, projetando-se para a formação reticular na qual fazem múltiplas sinapses,especialmente na zona reticular central do tegumento em torno do Aqueduto de Silvius (PAG), e na áreaperiventricular (PVG) do hipotálamo, projetando-se a seguir para os núcleos centro-mediano eintralaminares do tálamo, neo-córtex frontal (área pré-frontal) e sistema límbico. Esse sistema émultisináptico, indireto e mais sensível à modulação inibitória. Está envolvido com as reaçõesneurovegetativas e de alerta, bem como com o afeto aversivo (sofrimento) e a resposta emocional(psicomotora) à dor.2.3.- MODULAÇÃO -2.3.1. LOCAL - A excitabilidade dos nociceptores é modulada químicamente por mediadores liberados localmente pelos macrófagos, terminações nervosas e células endoteliais vasculares como as Prostaglandinas (PGI e PGE2), TNF, BK, sP, que induzem Hiperestesia (Hiperalgesia primária) dos nociceptores.PRESIDENTE COMITÉ ORGANIZADOR PRESIDENTE COMITÉ CIENTÍFICODr. Edgardo Schapachnik Dr. Horacio Daniel Solísedgardo@schapachnik.com.ar solis@germania.com.ar
  3. 3. PRIMER SIMPOSIO VIRTUAL DE DOLOR, MEDICINA PALIATIVA Y AVANCES EN FARMACOLOGÍA DEL DOLOR2.3.2. SEGMENTAR - Modulação Inibitória Espinhal - A transmissão do impulso nociceptivo entre os aferentes periféricos e os neurônios de transmissão (Lâminas I e V) é mediada pelo Glutamato, que é responsável pela transmissão excitatória nociceptiva e pela Substância P (sP), que atua como neuromoduladora da excitabilidade pós-sináptica.A transmissão do sinal nociceptivo é modulada por mecanismos inibitórios e facilitadores a nível espinhale reticular.A nível segmentar os aferentes não-nociceptivos (fibras grossas) ativam os neurônios inibitórios da S.Gelatinosa (lâminas II e III) dificultando a ativação dos neurônios nociceptivos centrais.Sistema central inibitório originário da Formação Reticular (PAG/PVG) e Bulbo (região do núcleoreticular mago – NRM e do Locus Coeruleus – LC) se projeta à medula espinhal pelo Funículo Dorso-Lateral e inibe as sinapses nociceptivas na substância cinzenta espinhal por: a) mecanismo opióidedependente (mediado por 5-HT e Dinorfina/met-Encefalina); e b) mecanismo não-opióide, mediado porNoradrenalina (receptores alfa 2) e ACh. Esses mecanismos controlam a excitabilidade da sinapsenociceptiva medular, funcionando como um "portão", que ao se abrir ou fechar, regula o acesso dainformação nociceptiva ao SNC, bloqueando a entrada de estímulos não-nociceptivos e regulando asensibilidade dessas sinapses ao estímulo nociceptivo, estabelecendo o que poderíamos denominar de umlimiar medular à estimulação dolorosa. Sistema central eferente facilitador, originário da FormaçãoReticular e mediado por colecistocinina (CCK) e óxido nítrico (NO), exerce influência antagônica.Resultados recentes demonstram que a ativação continuada dos aferentes nociceptivos leva aoaparecimento de hiperexcitabilidade espinhal (Hipersensibilidade), com facilitação da ativação dosistema espinotalâmico. Esse fenômeno se contrapõe à modulação inibitória, e parece contribuir de formadecisiva, não só para aumentar e prolongar a dor, como também para a sua consolidação, centralização ecronificação.A transmissão excitatória nas sinapses espinhais é mediada por mecanismo Glutamato/NMDAdependente. O mecanismo pelo qual o Glutamato transmite informação é complexo. Três tipos dereceptor estão envolvidos, o AMPA, o NMDA, e o Metabotrópico. Os dois primeiros são ligados a canaliônico, respectivamente de sódio (Na - AMPA) e cálcio (Ca - NMDA), e o último é ligado a proteína G eFosfolipase C da membrana, ativando produção de DAG e IP3.Em condições normais o Glutamato interage principalmente com o receptor AMPA e devido a sua meia-vida muito curta, produz apenas rápidos potenciais Na-dependentes, responsáveis pela ativação doneurônio nociceptivo espinhal. O cálcio pouco participa desse processo pois o canal de cálcio-NMDA-dependente está normalmente bloqueado por íon Magnésio.No caso de uma ativação repetitiva ou prolongada dos neurônios nociceptivos a liberação repetitiva de sPe Glutamato pelas terminações aferentes espinhais acarreta despolarização prolongada da membrana dosneurônios espinhais (WDR e lâmina I). Essa prévia despolarização da membrana desloca os íonsmagnésio do canal de Cálcio do receptor NMDA, ativando o receptor NMDA e gerando grande fluxo decálcio para o interior do neurônio. Isto leva a aumento da concentração intracelular do cálcio, com grandealteração na função do neurônio pós-sináptico. O aumento do cálcio intracelular, por exemplo, ativaproteíno-cinases responsáveis pela fosforilação e ativação dos canais iônicos AMPA e NMDAprolongando sua ativação e aumentando as correntes iônicas. Ativa também a NO-Sintase e a produção deóxido nítrico (NO) que estimula a liberação de Glutamato, aumentando em intensidade e duração aPRESIDENTE COMITÉ ORGANIZADOR PRESIDENTE COMITÉ CIENTÍFICODr. Edgardo Schapachnik Dr. Horacio Daniel Solísedgardo@schapachnik.com.ar solis@germania.com.ar
  4. 4. PRIMER SIMPOSIO VIRTUAL DE DOLOR, MEDICINA PALIATIVA Y AVANCES EN FARMACOLOGÍA DEL DOLORativação da sinapse, gerando longas e sustentadas despolarizações (Potenciação de Longa Duração - PLD)que acarretam disparo repetitivo dos neurônios nociceptivos espinhais (“Wind up”).Estudos experimentais revelam também que o aumento do cálcio intracelular estimula a transcrição deproto-oncogenes (genes reguladores do processo de transcrição do ADN) como o c-fos e o c-jun. Asproteínas resultantes ativam a síntese de ARNm controladores da síntese de proteínas fundamentais aofuncionamento do neurônio tais como receptores do Glutamato (aumentando sua densidade na membranae tornando o neurônio mais sensível ao Glu), canais iônicos (aumentando sua densidade na membrana), eenzimas como fosforilases e proteíno-cinases. Essas mudanças resultam em alteração plástica neuronal,são duradouras e eventualmente permanentes, tornando esses neurônios hipersensíveis por longosperíodos, capazes até de atividade espontânea, eventualmente para o resto de sua vida, ou seja da vida dopróprio indivíduo. Esse mecanismo parece ser o responsável pela consolidação da ativação das sinapsesnociceptivas nos processos dolorosos crônicos, estabelecendo o traço de memória da dor queacompanhará o indivíduo pelo resto de sua vidaEstudos recentes de Ferreira e cols., sugerem a existência também de uma "memória" periférica da dor,caracterizada por estado de hipersensibilidade do nociceptor, e que provavelmente também contribui deforma significativa para a consolidação de estados de dor crônica.3. CONCLUSÃO-Podemos concluir assim que dois fatores fundamentais estão envolvidos na dor :a. AGRESSÃO – determina a intensidade e a extensão da lesão e funciona como estímulo para ativação,em condições normais, da via nociceptiva;b. SENSIBILIDADE – modula a reatividade dos nociceptores e das sinapses centrais ao estímulonociceptivo aferente e depende de mecanismos inibitórios e facilitadores locais e espinhais;O sistema nervoso é capaz assim de se adaptar funcional (de maneira temporária) ou permanentemente(plasticidade) à estimulação nociceptiva, ajustando sua sensibilidade aos estímulos nociceptivos etornando-se mais ou menos sensível à dor ao longo do tempo.Ao longo de toda a via nociceptiva parece existir um equilíbrio entre os aferentes excitatóriosnociceptivos e os aferentes não nociceptivos e inibitórios. A rutura desse equilíbrio, quer pelodesenvolvimento de hipersensibilidade das sinapses excitatórias nociceptivas, ou pela redução daestimulação não-nociceptiva concorrente ou falência das sinapses inibitórias, pode determinar oaparecimento de hiperatividade nociceptiva central, hiperestesia, centralização da dor e sua consolidação.Assim, a alteração do processamento nociceptivo central resultante tanto de deaferentação comsubseqüente desequilíbrio entre os impulsos nociceptivos e não-nociceptivos (inibitórios), quanto adecorrente do aparecimento de hiperssensibilidade central devida a hiperatividade Glutamato - NMDAdependente, exerce papel relevante na Dor Central e é responsável pela progressiva centralização dosprocessos de dor crônica.ReferênciasPRESIDENTE COMITÉ ORGANIZADOR PRESIDENTE COMITÉ CIENTÍFICODr. Edgardo Schapachnik Dr. Horacio Daniel Solísedgardo@schapachnik.com.ar solis@germania.com.ar
  5. 5. PRIMER SIMPOSIO VIRTUAL DE DOLOR, MEDICINA PALIATIVA Y AVANCES EN FARMACOLOGÍA DEL DOLORCoderre T J, Katz J, Vaccarino A L, and Melzack R. Contribution of central neuro-plasticity to pathological pain: review of clinical and experimental evidence, Pain, 52 :259-285,1993Dougherty P M, Palecek J, Paleckova V, Sorkin L S, and Willis W D. The role of NMDA and non-NMDA excitatory amino-acid receptors in the excitation of primate spinothalamic tract neurons, J Neuroscience 12(8):3025-3041, 1992Fields H L, and Rowbotham M C. Multiple mechanisms of neuropathic pain: A clinical perspective, Progress Pain Res Manag, 2:438-453, 1994Jessel T M , Kelly D D , Pain and Analgesia, in Principles of Neural Science, Ed. Kandel, Schwartz e Jessel, Ed.Elsevier, 3a. ed.,1991Meller S T and Gebhart G F. Nitric oxide and nociceptive processing in the spinal cord, Pain, 52 :127-136, 1993Woolf C J. A new strategy for the treatment of inflamatory pain: Prevention or elimination of central sensitization, Drugs 47( suppl.5 ):1-9, 1994Tohyama M e cols. Glutaminergic Neurotransmission, Proto-Oncogenes, and Pain. Progress Pain Res Manag, vol 2, 1994; 395- 407PRESIDENTE COMITÉ ORGANIZADOR PRESIDENTE COMITÉ CIENTÍFICODr. Edgardo Schapachnik Dr. Horacio Daniel Solísedgardo@schapachnik.com.ar solis@germania.com.ar

×