Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Profa. Dra. Maria Helena Pereira                          FrancoSociedade Brasileira de Psico-Oncologia Pontificia Univers...
EQUIPE     S           OAMIGOS           CFAMILIA    I           EPACIENTE   D           A           D           E
 Transições   psicossociais são os períodos  mais sensíveis na vida que:- requerem que as pessoas revejam seus  conceitos...
Perdas decorrentes da doença podem ser um trauma psicológico importante. Pesar: emoção que nos dirige a algo ou alguém  q...
Perdas pela doença ocasionam um processo de luto:   o mundo presumido é afetado;   a dor da mudança:   difícil deixar t...
   De quê se despedir?   Significados atribuídos à experiência de viver e de    morrer   Qualidade do tratamento durant...
 Fatores   que influenciam o processo: circunstâncias do evento de transição; personalidade e experiência prévia da  pe...
Luto: fenômeno complexo que abrange cinco dimensões:1) Intelectual: confusão, desorganização, falta de concentração,intele...
LUTO ANTECIPATÓRIO- Processo de construção de significado, apresenta a possibilidade deelaboração do luto, a partir do ado...
   Considerando-se que o luto coloca o indivíduo    em situação de vulnerabilidade e estendendo-se    esse risco para o f...
 O processo de luto implica a reconstrução de um  mundo com significado que tenha sido desafiado pelas  perdas do adoecim...
   Buscar a integração de significado, assim    como sua construção.   Facilitar a construção de significados como    um...
mhfranco@pucsp.br
45   a intervenção psicológica na terminalidade, voltada para paciente e família
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

45 a intervenção psicológica na terminalidade, voltada para paciente e família

1,823 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

45 a intervenção psicológica na terminalidade, voltada para paciente e família

  1. 1. Profa. Dra. Maria Helena Pereira FrancoSociedade Brasileira de Psico-Oncologia Pontificia Universidade Católica de São Paulo 4 Estações Instituto de Psicologia
  2. 2. EQUIPE S OAMIGOS CFAMILIA I EPACIENTE D A D E
  3. 3.  Transições psicossociais são os períodos mais sensíveis na vida que:- requerem que as pessoas revejam seus conceitos sobre o mundo- tem implicações duradouras e não transitórias - acontecem em um período curto de tempo, com algum tempo para preparação
  4. 4. Perdas decorrentes da doença podem ser um trauma psicológico importante. Pesar: emoção que nos dirige a algo ou alguém que está faltando. Discrepância entre o que é e o que deveria ser. O mundo que deveria ser é um constructo interno, o que torna a experiência de luto única e individual. A magnitude dessa transição é tamanha que inclui disfunções simultâneas.
  5. 5. Perdas pela doença ocasionam um processo de luto: o mundo presumido é afetado; a dor da mudança: difícil deixar tudo o que era conhecido; reações diferentes ao longo do processo; mecanismos de defesa podem ser acionados para proteger alguém de se dar conta de uma perda.
  6. 6.  De quê se despedir? Significados atribuídos à experiência de viver e de morrer Qualidade do tratamento durante o período da doença “Não morro sozinho” Morrer é solitário? Morrer: pessoal e intransferível
  7. 7.  Fatores que influenciam o processo: circunstâncias do evento de transição; personalidade e experiência prévia da pessoa à morte; suporte emocional; assistência para descobrir novas perspectivas de significado apropriadas para a situação emergente.
  8. 8. Luto: fenômeno complexo que abrange cinco dimensões:1) Intelectual: confusão, desorganização, falta de concentração,intelectualização, desorientação, negação.2) Emocional: choque, entorpecimento, raiva, culpa, alívio, depressão,irritabilidade, solidão, saudades, descrença, tristeza, negação, ansiedade,confusão, medo.3) Física: alterações no apetite e no sono, inquietação, dispnéia,palpitações cardíacas, exaustão, boca seca, perda do interesse sexual,alterações no peso, dor de cabeça, mudanças no funcionamentointestinal, choro.4) Espiritual: sonhos, impressões, perda da fé, aumento da fé, raiva deDeus, dor espiritual, questionamento de valores, sentir-se traído por Deus,desapontamento com membros da igreja.5) Social: perda da identidade, isolamento, afastamento, falta deinteração, perda da habilidade para se relacionar socialmente.
  9. 9. LUTO ANTECIPATÓRIO- Processo de construção de significado, apresenta a possibilidade deelaboração do luto, a partir do adoecimento.- Permite absorver a realidade da perda gradualmente, ao longo do tempo;resolver questões pendentes com as pessoas significativas (expressarsentimentos, perdoar e ser perdoado); iniciar mudanças de concepçãosobre vida e identidade; fazer planos com as pessoas significativas, paraque o futuro delas não seja vivido como traição ao doente.O processo de luto tem início, portanto, a partir do momento em que érecebido o diagnóstico de uma doença fatal ou potencialmente fatal, pelasperdas, concretas ou simbólicas, que esse diagnóstico traga para apessoa e sua família.As perdas decorrentes estão relacionadas a: segurança, funções físicas,imagem corporal, força e poder, independência, auto-estima, respeito dosoutros, perspectiva de futuro.
  10. 10.  Considerando-se que o luto coloca o indivíduo em situação de vulnerabilidade e estendendo-se esse risco para o funcionamento familiar, é possível delinear-se, de acordo com Walsh e McGoldrick (1995) os objetivos para cuidar da pessoa à morte e de sua família. ◦ - obter e compartilhar o reconhecimento da realidade da morte ◦ - compartilhar a perda e colocá-la em contexto ◦ - reorganizar o sistema familiar
  11. 11.  O processo de luto implica a reconstrução de um mundo com significado que tenha sido desafiado pelas perdas do adoecimento. Seis objetivos são, portanto: Encontrar ou criar novo significado na vida assim como na morte da pessoa querida. Encontrar vias de continuidade na relação com a pessoa próxima da morte, assim como pontos de transição . Estar atento a significados pré-verbais ou tácitos, assim como explícitos e articulados .
  12. 12.  Buscar a integração de significado, assim como sua construção. Facilitar a construção de significados como um processo tanto interpessoal como pessoal . Ancorar a construção de significados em contextos tanto culturais como íntimos . Usar a narrativa como método assim como um conceito-guia, para facilitar a afirmação ou uma nova autoria do self, a partir do adoecimento.Ou seja: dar voz a uma história que não foi contada ou encontrar coerência em um senso de continuidade que tenha sido rompido pela doença ou pela
  13. 13. mhfranco@pucsp.br

×