Projeto Didático de Gênero 'Diálogo com a mídia'

2,313 views

Published on

O trabalho apresentado por Iris Lisboa na IV SIMELP consiste em um relato do Projeto Didático de Gênero 'Diálogo com a mídia', elaborado a partir do estudo do gênero textual carta do leitor, envolvendo a temática do uso de eletrônicos em sala de aula.

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,313
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
54
Actions
Shares
0
Downloads
45
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Projeto Didático de Gênero 'Diálogo com a mídia'

  1. 1. IV SIMELP Goiânia 2013 O PROJETO DIDÁTICO DE GÊNERO NA CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA ÍRIS LISBOA MESTRANDA EM LINGUÍSTICA APLICADA UNISINOS – RS
  2. 2.  O Projeto Didático de Gênero a) A proposta didática b) O gênero de texto c) A leitura e a escrita  O uso do telefone celular em sala de aula: um problema ou um desafio? a) Uma situação recorrente: o celular toca durante a aula! b) A relação entre escola e contemporaneidade  Uma proposta de trabalho com o gênero carta do leitor: a) A proposta b) O trabalho c) Os resultados INTRODUÇÃO
  3. 3.  Proposta didático-pedagógica construída em um contexto de formação continuada (Formação Continuada Cooperativa) envolvendo a Universidade do Vale do Rio dos Sinos e professores da rede municipal de ensino de Novo Hamburgo.  Projeto de didatização do gênero, ampliando o foco das Sequências Didáticas, de Schneuwly e Dolz, da Universidade de Genebra. PROJETO DIDÁTICO DE GÊNERO (PDG)
  4. 4. Gênero textual Prática social Leitura e escrita Leitura extensiva ASPECTOS CONSTITUTIVOS DO PDG
  5. 5. Como escolher o gênero a ser trabalhado? Prática social Tema Conteúdo gramatical Gênero E por que o gênero carta do leitor? Relação com a situação da sala de aula: confronto de opiniões Desenvolvimento da argumentação Circulação nos materiais de leitura cotidianos SOBRE O GÊNERO TEXTUAL
  6. 6.  Discute ideias divulgadas em jornais e revistas.  Apresenta estrutura flexível, normalmente com a retomada do assunto a ser discutido e a finalidade da carta. Pode apresentar, também, aspectos da carta pessoal.  Normalmente apresenta apenas um parágrafo (edição).  Linguagem clara, objetiva, com maior ou menor impessoalidade.  Relação com o material em que é divulgada CARTA DO LEITOR: QUE GÊNERO É ESSE?
  7. 7.  “Aprender a produzir uma diversidade de textos, respeitando as convenções da língua e da comunicação, é uma condição para a integração na vida social e profissional.” (DOLZ, GAGNON E DECÂNDIO, 2010, p.13)  “[...] o cidadão que não sabe escrever também depende dos que sabem para ficar vivo.” (FARACO E TEZZA, 2003, p.10)  Leitura e escrita como objetivos das aulas de língua portuguesa, considerando a gramática a serviço desse propósito. A LEITURA E A ESCRITA COMO EIXO DO ENSINO DE LÍNGUA MATERNA
  8. 8.  Constante uso de aparelhos celulares em sala de aula  Necessidade de novas culturas a partir de culturas já existentes e de novas tecnologias.  O uso do celular dialoga com as culturas e representações que circulam, ainda, de forma hegemônica nas salas de aula, mas também impõe novas regras, novas ações e novas alternativas metodológicas. COMO SURGIU ESTE PDG... O USO DE ELETRÔNICOS EM SALA DE AULA
  9. 9.  Prática social  Situação recorrente em sala de aula: uso do celular sem autorização do professor, muitas vezes tocando durante as explicações.  A partir dessa situação, propor como temática os argumentos dos alunos em relação às posições tomadas.  Divulgação desses argumentos em material de divulgação na escola, em forma de carta do leitor, acompanhando o relato do Projeto. O PDG: DIÁLOGO COM A MÍDIA
  10. 10.  Debate coletivo a partir de algumas questões levantadas pelos professores no Conselho de Classe no que diz respeito ao uso de eletrônicos em sala de aula, em especial o uso de celulares.  Atividade de leitura I: leituras e reflexões sobre o uso de eletrônicos na escola.  Produção inicial a partir da atividade de leitura anterior.  Oficina I: análise de cartas do leitor.  Oficina II: análise linguística: fato/opinião; verbos introdutores de opinião; substituição vocabular  Produção final  Autoavaliação e avaliação da produção final e reescrita. ETAPAS DO PROJETO
  11. 11.  Situação vivida em sala de aula  Argumentação de professores e alunos  Atividade de leitura com texto para análise: Celular em sala de aula. O que fazer?, de João Luiz de Almeida Machado, Doutor em Educação pela PUC- SP, educador e editor do Planeta Educação  Proposta de redação Elaborar uma carta de leitor dialogando com as ideias do texto, em uma simulação de divulgação midiática. OS ARGUMENTOS DOS ALUNOS NA PRODUÇÃO INICIAL
  12. 12.  Conhecendo o gênero: em grupo, análise de cartas do leitor de diferentes jornais e revistas  Elaboração de quadro comparativo das características do gênero OFICINA 1 Texto Assunto Argumento Objetivo Referências ao jornal ou revista Carta 1 Carta 2 Carta 3 Carta 4
  13. 13.  Apresentação das análises dos grupos, com auxílio do retroprojetor.  Ao final das apresentações, a professora monta um quadro síntese com os aspectos contemplados pelos grupos.
  14. 14. Análise linguística Aspectos apresentados na produção inicial: concordância verbal; substituição vocabular. Aspectos previamente planejados: verbos introdutores de opinião; e substituição vocabular. OFICINA 2
  15. 15. Análise do texto Escolas da Inglaterra deverão banir o uso de telefones celulares Proposta de elaboração de uma carta do leitor, simulando um diálogo com o texto analisado. Autoavaliação, avaliação e reescrita PRODUÇÃO FINAL
  16. 16. GRADE DE AVALIAÇÃO Critérios Cumpriu Não cumpriu Observações Deixa claro o tema em discussão? Expõe a finalidade da carta de forma clara? Apresenta argumentos que sustentam sua opinião? Apresenta aspectos referentes ao interlocutor ou outro referente? Há correção na linguagem?
  17. 17. É inegável o prestígio da escola quando o assunto é aprender a ler e escrever, assim como apresentar ao aluno as diversas possibilidades de trabalho com a sua própria língua. Pensar novas metodologias enriquece o trabalho do professor e motiva o aluno a compreender a importância da leitura e da escrita em sua vida. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  18. 18. O Projeto Didático de Gênero constitui-se em uma dessas possibilidades, promovendo a cidadania em sala de aula, pois permite que o aluno se aproprie de duas importantes ferramentas: a leitura e a escrita, meios de agir no mundo.
  19. 19.  BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.  DOLZ, Joaquim; GAGNON, Roxane; DECÂNDIO, Fabrício. Produção escrita e dificuldades de aprendizagem. Campinas: Mercado de Letras, 2010.  FARACO, Carlos Alberto; TEZZA, Cristovão. Oficina de texto. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2003.  GUIMARÃES, Ana Maria de Mattos; KERSCH, Dorotea Frank (orgs). Caminhos da construção: projetos didáticos de gênero na sala de aula de língua portuguesa. Campinas: Mercado de Letras, 2012.  SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim (orgs). Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2011. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

×