Projeto Didático de Gênero PDG
DEBATE REGRADO- POSSIBILIDADE DE
TRABALHO COM UM GÊNERO DO DOMÍNIO
DO ARGUMENTAR EM UMA TUR...
Onde tudo começou...
 Foi a partir da minha participação no Projeto
“Por uma formação continuada cooperativa: o
processo ...
 O projeto tem base no trabalho
desenvolvido por Dolz e Schneuwly (2004),
desenvolve a noção de projetos didáticos
de gên...
OBJETIVO
Mostrar e comprovar de que é
possível produzir textos em diferentes
gêneros também nas séries iniciais.
DEFININDO PDG(Projeto Didático de Gênero)
 “Projeto Pedagógico que propõe atividades de
leitura que levarão à produção te...
COMO E POR QUE TRABALHAR UM
GÊNERO DO DOMÍNIO DO
ARGUMENTAR EM UMA TURMA DO
3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
?
A escola é, e deve continuar sendo
um espaço democrático que visa a
formação de sujeitos reflexivos e
críticos para atuar...
 De acordo com os professores Dolz e
Schneuwly(2004) que trouxeram o ensino
de gêneros a partir de uma proposta por
agrup...
POR QUE A ESCOLHA DE UM
GÊNERO ORAL ?
Os alunos tinham em torno de 7 e 8
anos e ainda não estavam
totalmente inseridos no mundo da
escrita e da leitura.
A ORALIDADE PRECISA SER
ENSINADA ?
Ensinar a oralidade na escola, não é
ensinar a fala cotidiana, porque esta
já pertence ao indivíduo.
 “(...)há uma queixa entre os educadores
de que os alunos não conseguem tomar
a palavra em público, posicionar-
se, discu...
 “(...)ensinar a língua oral exige ação
pedagógica que venha a garantir a
reflexão sobre a língua”(BRASIL, 1º ao 5º
ano, ...
 “(...)Saber falar, não importa em que língua,
é dominar os gêneros que nela
emergiram(DOLZ ,SCHNEUWLY,2004, p.138).
O QUE É O DEBATE REGRADO?
 De acordo com o Dicionário de Gêneros
Textuais:
 “o debate permite expor livremente
nossas ideias, mas também exige que...
No debate regrado é preciso que se
estabeleça regras e objetivos, o
tempo limite para a participação de
quem está de poss...
O debate pode desenvolver as
capacidades argumentativas, além
de cultivar valores como respeito
pela opinião dos outros.
 RELATO DE UM DESAFIO
 TEMA DO DEBATE REGRADO “Violência no
Bairro”
DE ONDE SURGIU O TEMA?
Surgiu das FALAS que diariamente as
crianças traziam do que
presenciavam. Contavam porque
era uma ...
O QUE RELATAVAM ?
CENAS DE VIOLÊNCIA :
ROUBOS, TRÁFICO DE
DROGAS, DEPENDÊNCIA DE DROGAS
E ÁLCOOL, IMPUNIDADE
, ASSASSINAT...
TRANSFORMANDO A FALA EM
APRENDIZAGEM DE UM GÊNERO DE
TEXTO
O começo
 Explicação da proposta- Motivação para a
aprendizagem de algo novo . Expliquei que
eles estariam participando d...
Após a PRODUÇÃO INICIAL ,
SURGE, A 1ª OFICINA
Assistiram o vídeo de um
debate. Este vídeo era de um
debate realizado na t...
A segunda oficina
Um texto explicativo sobre o que
é, e como se faz um debate
regrado.
Nesta oficina, lemos o texto e
ho...
A terceira oficina
Leitura de uma notícia veiculada em
um jornal local que que se referia ao
grande número de homicídios ...
A quarta oficina
Preparação para a produção final –
Escolha dos debatedores, do
mediador, das perguntas e que
papel faria...
A quinta oficina
Reflexão sobre a língua padrão e a
língua não padrão – Exemplos da
fala cotidiana dos alunos e presente
...
A PRODUÇÃO FINAL
Preparação do ambiente da sala de
aula para que todos pudessem
participar:
debatedores, mediador, platei...
Avaliação das produções
Assistimos as duas produções e
através de uma grade avaliativa
feita em conjunto com os alunos,
c...
GRADE DE AVALIAÇÃO
Sempre Às vezes Nunca
O mediador conseguiu manter
a ordem entre os debatedores.
Os debatedores consegui...
CONSIDERAÇÕES FINAIS
 É necessário e POSSÍVEL diversificar as aulas
de Língua Materna;
 Já no início da vida escolar, os...
“A MENTE QUE SE ABRE A UMA NOVA IDEIA JAMAIS
VOLTARÁ AO SEU TAMANHO ORIGINAL” Albert
Einstein
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 BAKTIN, Michael. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins
Fontes,2000.
 BAZERMAM, Char...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Debate Regrado: Possibilidade de trabalho com um gênero do domínio do argumentar em uma turma do 3º ano do Ensino Fundamental

10,552 views

Published on

Jane Engel Correa, professora da rede municial de Novo Hamburgo e participante do projeto, apresentou este trabalho na IV SIMELP. O tema que gerou o debate foi "A violência no Bairro".

Published in: Education
1 Comment
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
10,552
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
55
Actions
Shares
0
Downloads
73
Comments
1
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Debate Regrado: Possibilidade de trabalho com um gênero do domínio do argumentar em uma turma do 3º ano do Ensino Fundamental

  1. 1. Projeto Didático de Gênero PDG DEBATE REGRADO- POSSIBILIDADE DE TRABALHO COM UM GÊNERO DO DOMÍNIO DO ARGUMENTAR EM UMA TURMA DO 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Jane Engel Correa
  2. 2. Onde tudo começou...  Foi a partir da minha participação no Projeto “Por uma formação continuada cooperativa: o processo de construção de objetos de ensinos relacionados à leitura e produção textual”, que é desenvolvido junto a Universidade do Vale do Rio do Sinos, no Programa de Pós Graduação em Linguística Aplicada, com apoio do Observatório de Educação da CAPES, que surgiu a proposta que será apresentada. 
  3. 3.  O projeto tem base no trabalho desenvolvido por Dolz e Schneuwly (2004), desenvolve a noção de projetos didáticos de gênero- PDG(Guimarães e Kersch, 2012) que aliam o ensino de gêneros do discurso(Bakhtin,2003) a práticas sociais.
  4. 4. OBJETIVO Mostrar e comprovar de que é possível produzir textos em diferentes gêneros também nas séries iniciais.
  5. 5. DEFININDO PDG(Projeto Didático de Gênero)  “Projeto Pedagógico que propõe atividades de leitura que levarão à produção textual. O PDG funciona como um guarda-chuva para, a partir de uma escolha temática ou uma demanda da turma, trabalhar-se um ou mais gêneros em um dado espaço de tempo, sempre com a preocupação de relacioná-lo a uma prática social”(GUIMARÃES e KERSCH, 2012,p.23).
  6. 6. COMO E POR QUE TRABALHAR UM GÊNERO DO DOMÍNIO DO ARGUMENTAR EM UMA TURMA DO 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ?
  7. 7. A escola é, e deve continuar sendo um espaço democrático que visa a formação de sujeitos reflexivos e críticos para atuarem em sociedade.
  8. 8.  De acordo com os professores Dolz e Schneuwly(2004) que trouxeram o ensino de gêneros a partir de uma proposta por agrupamento, dizem que: “(...) cada agrupamento seja trabalhado em todos os níveis de escolaridade...”(p.62)
  9. 9. POR QUE A ESCOLHA DE UM GÊNERO ORAL ?
  10. 10. Os alunos tinham em torno de 7 e 8 anos e ainda não estavam totalmente inseridos no mundo da escrita e da leitura.
  11. 11. A ORALIDADE PRECISA SER ENSINADA ?
  12. 12. Ensinar a oralidade na escola, não é ensinar a fala cotidiana, porque esta já pertence ao indivíduo.
  13. 13.  “(...)há uma queixa entre os educadores de que os alunos não conseguem tomar a palavra em público, posicionar- se, discutir problemas com os outros ...”(DOLZ ,SCHNEUWLY,2004, p.83).
  14. 14.  “(...)ensinar a língua oral exige ação pedagógica que venha a garantir a reflexão sobre a língua”(BRASIL, 1º ao 5º ano, 1997, p.38,39).
  15. 15.  “(...)Saber falar, não importa em que língua, é dominar os gêneros que nela emergiram(DOLZ ,SCHNEUWLY,2004, p.138).
  16. 16. O QUE É O DEBATE REGRADO?
  17. 17.  De acordo com o Dicionário de Gêneros Textuais:  “o debate permite expor livremente nossas ideias, mas também exige que saibamos respeitar as opiniões dos outros ...desenvolve a linguagem oral e é um exercício da cidadania.(COSTA, 2008, p.94)
  18. 18. No debate regrado é preciso que se estabeleça regras e objetivos, o tempo limite para a participação de quem está de posse da palavra.
  19. 19. O debate pode desenvolver as capacidades argumentativas, além de cultivar valores como respeito pela opinião dos outros.
  20. 20.  RELATO DE UM DESAFIO  TEMA DO DEBATE REGRADO “Violência no Bairro”
  21. 21. DE ONDE SURGIU O TEMA? Surgiu das FALAS que diariamente as crianças traziam do que presenciavam. Contavam porque era uma forma de desabafo.
  22. 22. O QUE RELATAVAM ? CENAS DE VIOLÊNCIA : ROUBOS, TRÁFICO DE DROGAS, DEPENDÊNCIA DE DROGAS E ÁLCOOL, IMPUNIDADE , ASSASSINATOS e MUITO MEDO ...
  23. 23. TRANSFORMANDO A FALA EM APRENDIZAGEM DE UM GÊNERO DE TEXTO
  24. 24. O começo  Explicação da proposta- Motivação para a aprendizagem de algo novo . Expliquei que eles estariam participando de um projeto que os ajudaria a aprender uma nova forma de produção de textos.  SITUAÇÃO INICIAL - A primeira produção–O 1º DEBATE- Os alunos falaram sobre a violência no bairro, e “eu” servi como mediadora- Houve a filmagem desta produção.
  25. 25. Após a PRODUÇÃO INICIAL , SURGE, A 1ª OFICINA Assistiram o vídeo de um debate. Este vídeo era de um debate realizado na televisão, com o tema “Bullying e violência nas escolas”.
  26. 26. A segunda oficina Um texto explicativo sobre o que é, e como se faz um debate regrado. Nesta oficina, lemos o texto e houve a explicação do gênero.
  27. 27. A terceira oficina Leitura de uma notícia veiculada em um jornal local que que se referia ao grande número de homicídios em uma determinada rua do bairro onde está localizada a escola.
  28. 28. A quarta oficina Preparação para a produção final – Escolha dos debatedores, do mediador, das perguntas e que papel fariam os demais alunos da turma.
  29. 29. A quinta oficina Reflexão sobre a língua padrão e a língua não padrão – Exemplos da fala cotidiana dos alunos e presente no primeiro DEBATE foram trazidas e juntos discutimos a forma mais apropriada para o momento do DEBATE.
  30. 30. A PRODUÇÃO FINAL Preparação do ambiente da sala de aula para que todos pudessem participar: debatedores, mediador, plateia – Filmagem do momento do debate .
  31. 31. Avaliação das produções Assistimos as duas produções e através de uma grade avaliativa feita em conjunto com os alunos, conseguimos avaliar a PRODUÇÃO FINAL.
  32. 32. GRADE DE AVALIAÇÃO Sempre Às vezes Nunca O mediador conseguiu manter a ordem entre os debatedores. Os debatedores conseguiram ouvir os demais sem interromper. Houve clareza na fala dos debatedores, falaram corretamente as palavras e conseguiram explicar suas opiniões. Os debatedores defenderam sua opinião com clareza. Os debatedores mantiveram o assunto. Os debatedores não repetiram o que o outro falou. As perguntas da plateia foram feitas de acordo com o assunto. As perguntas do mediador foram respondidas pelos debatedores. O mediador soube passar a palavra para os debatedores e controlar o tempo. O mediador encerrou o debate com uma conclusão sobre o assunto.
  33. 33. CONSIDERAÇÕES FINAIS  É necessário e POSSÍVEL diversificar as aulas de Língua Materna;  Já no início da vida escolar, os alunos precisam conhecer e aprender a diversidade de gêneros de textos;  É preciso que a oralidade seja ensinada na escola de forma sistematizada;  O ensino de um gênero textual deve fazer sentido para o aluno e estar ligado a uma PRÁTICA SOCIAL.
  34. 34. “A MENTE QUE SE ABRE A UMA NOVA IDEIA JAMAIS VOLTARÁ AO SEU TAMANHO ORIGINAL” Albert Einstein
  35. 35. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  BAKTIN, Michael. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes,2000.  BAZERMAM, Charles. Gêneros Textuais – Tipificação e Interação. São Paulo: Cortez, 2006.  BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa, área de linguagens, códigos e suas tecnologias. 1º ao 5º ano Brasília: MEC/SEF. 1997.  COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais,.Belo Horizonte: Autêntica,2012.  DOLZ, J. et SCHNEUWLY, B. Gêneros Orais e Escritos na Escola (Tradução provisória de Roxane Rojo).São Paulo:Mercado da Letras,2004.  GUIMARÃES,A. M. DE M.; CAMPANI-CASTILHOS,D. e DREY,R. Gêneros de texto no dia-a-dia do Ensino Fundamental.Campinas: Mercado de Letras, 2008.  GUIMARÃES, Ana M.de M., KERSCH, Dorotea F.Projetos didáticos de gênero na sala aula de Língua Portuguesa, São Paulo:Mercado das Letras, 2012.  MARCHUSCHI, Luis Antônio. A produção Textual Análise de Gêneros e Compreensão. Parábola Editorial, 2008.

×