Clipping 19 a 31.12

290 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
290
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Clipping 19 a 31.12

  1. 1. Clipping de Notícias Socioambientais 19 a 31 de Dezembro de 2011Observação: Aqui você encontra os principais EVENTOS e NOTÍCIAS relacionadas aos temas ÁGUA e FLORESTAS, no município de Piracicaba (SP), interior de SP e Brasil.
  2. 2. Notícias - Dezembro 2011 Data: 19/12/2011 - Veículo: Agência Brasil Ministério do Meio Ambiente promove campanha para reduzir uso de sacolas plásticasO Ministério do Meio Ambiente lançou consequência do padrão de consumo quenesta segunda-feira (19), na Rodoviária de temos e de como tratamos essa questão”,Brasília, a segunda fase da campanha Saco é disse Laura Valente.um Saco, que tem por objetivo conscientizar A campanha agradou a estudante dea população para a redução do uso de administração Adriana Batista. “Gosteisacolas plásticas. muito da iniciativa das sacolas reutilizáveis.A diretora do Departamento de Produção e As pessoas precisam se conscientizar sobreConsumo Sustentável da Secretaria de preservação do meio ambiente para asPolíticas Ambientais do MMA, Laura próximas gerações”. Já a contadora ElzaValente, distribuiu sacolas reutilizáveis. Nascimento defende ações mais eficazes dosSegundo ela, é preciso mostrar à população órgãos que promovem a campanha. “Oalternativas para que as sacolas plásticas governo não faz campanhas suficientes. Elasnão sejam mais utilizadas. “A melhor coisa a sempre são deixadas de lado depois dese fazer é consumir só aquilo que precisa. algum tempo. Deveria haver maior cobrançaUse uma opção retornável em vez de uma e fiscalização. Mas essa campanha é um bomque é danosa ao meio ambiente”, disse. passo”, defendeu.Ela defendeu campanhas mais efetivas para Uma sacola reutilizável de cinco metros,que a população se conscientize de evitar o feita de banners reciclados, foi instalada nouso de sacolas plásticas. “A conscientização dia 15 de dezembro na Rodoviária deé importante quando aliada com campanhas Brasília, onde ficará exposta por duasefetivas no setor de mercados, para que não semanas. Foram distribuídos tambémdisponibilize mais sacolas. A gente tem que panfletos informativos sobre açõesreverter esse hábito de 50 anos”. sustentáveis. Esta segunda fase faz parte daA estratégia de lançar a segunda fase da campanha Vamos Tirar o Planeta do Sufoco,campanha no Natal é para chamar a atenção iniciada em São Paulo, em parceria com adas pessoas quanto ao uso das sacolas Associação Brasileira de Supermercadosplásticas nas compras de fim de ano. “A (Abras) e a Associação Paulista deescolha da sacola plástica implica problemas Supermercados (Apas). Em São Paulo, maispara todos, como poluição do solo e mares e de 100 municípios aderiram à campanhaa degradação da biodiversidade. Tudo isso é
  3. 3. Notícias - Dezembro 2011Data: 21/12/2011 - Veículo: Jornal de Piracicaba
  4. 4. Notícias - Dezembro 2011Data: 21/12/2011 - Veículo: Jornal de Piracicaba
  5. 5. Notícias - Dezembro 2011 Data: 21/12/2011 - Veículo: Ambiente BrasilRoyalties do petróleo e Código Florestal ficam para o primeiro semestre de 2012Além do fim do fator previdenciário, do segurança jurídica para os agricultoresreajuste dos aposentados que ganham mais continuarem produzindo, ao mesmo tempode um salário mínimo e da reforma política, o que é um instrumento de real proteção dopresidente da Câmara dos Deputados, Marco meio ambiente”, disse Maia,Maia (PT-RS), garantiu nesta terça-feira (20) desconsiderando as críticas ao textoque os projetos da distribuição dos royalties aprovado.do petróleo e do novo Código Florestal Sobre a partilha dos royalties da exploraçãoBrasileiro serão votados no primeiro semestre do petróleo, Maia espera que o projeto sejado próximo ano. um dos primeiros a entrar em votação no ano“Queremos pautar a votação final do Código que vem. “Os royalties são uma prioridadeFlorestal já na primeira semana de março”, absoluta para o próximo ano. Quem sabe,disse o deputado ao apresentar o balanço dos ainda em fevereiro, mais tardar na primeiratrabalhos dos deputados federais este ano. quinzena de março, tenhamos condições deSegundo Maia, há acordo dos líderes nesse votar uma proposta definitiva. Não queremossentido. nem ser açodados, de forma a não permitir oA Câmara aprovou em maio o texto-base do debate, nem lentos demais”novo Código Florestal, que regulamenta asáreas de proteção e preservação ambiental,impõe deveres aos produtores rurais emrelação às áreas de mata das propriedades edefine punições para os desmatadores. Comoo projeto sofreu alterações no Senado,retornou à Câmara para apreciação final.“Era uma matéria muito controversa. Noinício, havia uma grande preocupação com onível de desacordo em relação ao textoapresentado pelo relator [deputado AldoRebelo], mas, ao final, se não chegamos àunanimidade, ao menos construímos umacordo que é bom para o país e que dá
  6. 6. Notícias - Dezembro 2011 Data: 23/12/2011 - Veículo: Ambiente Brasil Expansão do manejo pode evitar “apagão florestal” de madeira nativa legalA produção de madeira nativa da Amazônia em aquecido no Brasil, puxado pelo crescimento da a criação de florestas nacionais, afirma Cláudiaáreas privadas segue em queda e se mantiver o economia e por programas de infraestrutura. A Azevedo-Ramos.ritmo dos últimos anos, em duas décadas deve produção em áreas privadas, porém, tende a Segundo o relatório, há cerca de 15 milhões dechegar a 5 milhões de metros cúbicos, quando decrescer devido ao aumento da fiscalização, hectares de florestas federais não destinadasa demanda deve ser de 21 milhões de metros dificuldade de expansão em função dos com capacidade para a produção florestal, e 25cúbicos, em uma perspectiva conservadora. problemas fundiários na Amazônia, milhões de hectares em florestas estaduais nãoUma publicação elaborada pelo Serviço substituição da madeira por outros produtos, e destinadas na mesma condição. Esses valoresFlorestal Brasileiro (SFB) e pelo Instituto de poucas áreas privadas com floresta e situação já excluem áreas com potenciais conflito de usoPesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), fundiária regular, diz o gerente de da terra.lançada nessa quarta-feira (21), mostra que Planejamento do SFB, José Humberto Chaves. A conservação dessas áreas tem aindapara ampliar a produção legal e sustentável Esse panorama coloca as florestas públicas importante papel para evitar emissões de gasesserá necessário disponibilizar áreas para como uma das principais fontes para gerar do efeito estufa, diz a coordenadora do Ipam emanejo em florestas públicas, principalmente madeira nativa legal nas próximas décadas, uma das autoras do estudo, Ane Alencar. “Aaquelas ainda na categoria de não destinadas. criar empregos, renda e reduzir a pobreza. As destinação destes 15 milhões de hectares paraExistem mais de 64 milhões de florestas florestas não destinadas ocupam um papel a produção florestal tiraria as terras públicaspúblicas não destinadas (sem uso definido) especial, pois o potencial produtivo das áreas ainda não destinadas sujeitas à invasão esegundo dados do SFB e estima-se que seriam destinadas – florestas nacionais federais desmatamento do mercado ilegal de terras,necessários 36 milhões de hectares, em um (flonas) e estaduais (flotas) e reservas evitando a emissão de cerca de 2 Gton C ouciclo de 30 anos, para gerar 21 milhões de extrativistas (resex) – não permite atingir, 20% da emissão anual do mundo”, afirma.metros cúbicos anuais de madeira para o sozinho, a demanda esperada de 21 milhões de A sustentabilidade do mercado de florestasmercado. A produção atual de madeira no País metros cúbicos de madeira. nativas, porém, depende também de políticasestá em torno de 14 milhões, segundo estudo As áreas com potencial para extração florestal públicas assertivas e estruturantes, ações parado SFB e Imazon. em unidades de conservação de uso modernizar a indústria relacionada às florestasA publicação oferece uma perspectiva da sustentável, que têm como objetivo a nativas e captar investidores, além dademanda e da oferta de madeira de florestas produção e o manejo florestal, somam em disponibilização de instrumentos de incentivosnativas para nos anteciparmos a um problema torno de 11 milhões de hectares, com uma econômicos. Outro tema importante é umde escassez que já aconteceu no setor de produção mínima estimada em 6 milhões de ajuste da gestão florestal em nível federal queenergia. No caso florestal, existe uma demanda m³ por ano. resulte na clareza do papel de cada instituição,que vem do mercado e precisamos saber de A conta só fecha se o manejo puder se expandir e que não tenham vários balcões públicos paraonde vai sair a oferta de madeira para que para as florestas não destinadas, que precisam o empreendedor atuar na área, afirma Claudiavenha de fontes legais e sustentáveis, afirma a ser transformadas em áreas específicas para Azevedo-Ramosdiretora de Fomento e Inclusão do SFB, Claudia produção. Isso pode ocorrer por meio daAzevedo-Ramos. destinação direta de parte dessas áreas paraFontes atuais – O mercado para madeira segue concessão florestal ou, alternativamente, com
  7. 7. Notícias - Dezembro 2011 Data:23 /12/2011 - Veículo: MMA MMA abre consulta pública para o plano sobre biodiversidadeO Ministério do Meio Ambiente está com para cada uma das 5 reuniões) contendoconsulta pública aberta pela internet para o proposta de metas nacionais dePlano Estratégico da Convenção sobre biodiversidade para 2020 e de submetasDiversidade Biológica para 2020. O intermediárias para serem alcançadas nosdocumento foi preparado e discutido ao anos de 2013 a 2017.longo deste ano em reuniões presenciais com A consulta pública fica aberta do dia 19 deos setores empresariais, sociedade civil dezembro de 2011 até o dia 31 de janeiro deambientalista, academia, governo (federal e 2012.estadual) e povos indígenas e comunidadestradicionais. A fase atual busca obter maiscontribuições da sociedade brasileira para aelaboração das metas nacionais debiodiversidade para 2020.As propostas em consulta foram consolidadasum único documento chamado “Documentobase da consulta pública” a partir dascontribuições do encontro “Diálogos sobreBiodiversidade: construindo a estratégiabrasileira para 2020″, promovido peloMinistério do Meio Ambiente este ano, emque reuniu cinco setores da sociedade.O documento considera as 20 Metas Globaisde Biodiversidade (Metas de Aichi) e as visõese necessidades específicas de cada um deles,tendo como orientação geral a necessidadede um conjunto de metas para maiorefetividade no seu alcance e monitoramento.Como resultado dos trabalhos das reuniõessetoriais, foram gerados 25 documentos (5
  8. 8. Notícias - Dezembro 2011Data: 25/12/2011 - Veículo: Jornal de Piracicaba
  9. 9. Notícias - Dezembro 2011Data: 28/12/2011 - Veículo: Jornal de Piracicaba
  10. 10. Notícias - Dezembro 2011Data: 28/12/2011 - Veículo: Jornal de Piracicaba
  11. 11. Notícias - Dezembro 2011Data: 28/12/2011 - Veículo: Jornal de Piracicaba
  12. 12. Notícias - Dezembro 2011 Data: 28/12/2011 - Veículo: Agência BrasilGoverno vai dialogar muito com deputados para buscar acordo sobre Código Florestal, diz ministraA ministra do Meio Ambiente Izabella Teixeira completou.disse hoje (28), em São Paulo, que o governovai buscar “convergência” com os deputadosfederais para fechar um acordo sobre oCódigo Florestal. O projeto foi aprovado pelaCâmara em maio. No Senado, ele recebeumodificações e foi aprovado no último dia 6.Agora, o projeto será apreciado mais uma vezpara a Câmara dos Deputados.“Acho que vai existir muita conversa [com aCâmara dos Deputados], muito diálogo, muitapostura construtiva. Entendo que temsegmentos que querem mexer [no projeto],mas, do nosso ponto de vista, o texto temavanços muito expressivos se comparado aotexto anterior da Câmara”, disse a ministra,durante encontro com o maestro João CarlosMartins, a quem convidou para compor otema da Conferência Rio+20, que serárealizado no próximo ano no Rio de Janeiro.Segundo a ministra, ainda há pontos doprojeto que devem gerar “inquietação”, talcomo o que trata sobre a transparência naquestão envolvendo a regularizaçãoambiental. “Queremos que o CadastroAmbiental Rural seja acompanhado online portodas as pessoas”, disse a ministra. “Minhadisposição é de dialogar e de manter as APPs[áreas de preservação permanente], a reservalegal e tudo o que tivemos no Senado”,
  13. 13. Notícias - Dezembro 2011 Data: 28/12/2011 - Veículo: Agência BrasilNível do mar sobe cada vez mais rápido no litoral norte de São Paulo ameaçando cidades costeirasSobe cada vez mais rápido o nível do mar existem ocupações urbanas. Vai começar defesa costeira. “Tem que ter nessesno litoral norte de São Paulo, aponta a solapar e erodir muros”, disse. governos municipais, principalmente,pesquisa coordenada pelo professor do “Tubulações que passem perto da praia, que estão em áreas de extremo risco,Departamento de Engenharia Hidráulica e como emissários de esgoto, consciência de que isso é umaAmbiental da Universidade de São Paulo interceptores de águas pluviais, podem realidade”.(USP), Paolo Alfredini. Com base nos vir a ser descalçados e eventualmenteregistros feitos de 1944 a 2007 pela até romper”, completou.Companhia Docas do Estado de São Outro fator que ameaça as construçõesPaulo, em Santos, Alfredini constatou costeiras, verificado no estudo, é ouma elevação do mar de 74 centímetros aumento da altura das ondas naspor século. Também foi analisada a ressacas e tempestades marítimas, alémdocumentação de outras instituições em do aumento da frequência dessesUbatuba, São Sebastião e Caraguatatuba fenômenos. “Havendo um. recrudescimento das ondas, issoNas últimas décadas, no entanto, o também vai provocar mais erosões [nasavanço das águas marítimas foi mais praias]”, alertou o pesquisador.rápido. “Nos últimos 20 anos, analisando A elevação do nível do mar poderá ainda,esses dados, a gente nota que tem segundo Alfredini, causar problemashavido uma aceleração. Isso para o abastecimento de água emaparentemente está ligado ao fato que as algumas cidades. Segundo ele, essetemperaturas têm aumentado mais nesse processo tende a causar um aumento noperíodo”, ressaltou o professor. Com volume de água que se infiltra nos rios. “isso, a estimativa de Alfredini é que neste Portanto, as tomadas de água paraséculo o nível do mar suba cerca de 1 abastecimento público e industrialmetro. poderão começar a receber água comUm aumento desse nível significa, maior teor de salinidade. E isso podesegundo Alfredini, a perda de 100 metros começar a complicar ou inviabilizar ode praia em áreas com declividades tratamento da água”.suaves. Essa aproximação das águas Para amenizar esses problemas, opode colocar em risco construções à pesquisador aponta a necessidade debeira-mar. “A quebra da onda vai ficar preparação das cidades afetadas, com amuito mais próxima das avenidas, onde construção, por exemplo, de obras de
  14. 14. Notícias - Dezembro 2011 Data: 29/12/2011 - Veículo: Ambiente Brasil Rio+20 deve discutir redução da pobreza e da fome e promoção da economia sustentável, diz ministraA ministra do Meio Ambiente, Izabella pelo Brasil para a Rio+20. “Esperamos ser fazer parte da equipe brasileira que estáTeixeira, disse nesta quarta-feira (28), que os exitosos na questão da governança e preparando a Rio+20. “Criei uma categoriaprincipais desafios da Rio+20 vão envolver evoluirmos com a proposta de criação de um que chamei de embaixadores ou amigos daquestões sobre como reduzir a pobreza e a Conselho sobre Desenvolvimento Rio+20 (da qual o maestro fará parte), quedesigualdade no mundo, a promoção do Sustentável nas Nações Unidas”. Segundo são pessoas que, por intermédio da cultura,desenvolvimento com bases mais ela, atualmente existe apenas uma comissão, vão ajudar o governo e a sociedade parasustentáveis e como coordenar as políticas criada em 1992, que não tem a desenvolver o maior encontro depúblicas do setor. A Rio+20, conferência da representatividade de um conselho. desenvolvimento sustentável desse século”.Organização das Nações Unidas (ONU) sobre Izabella disse que as propostas que foram O maestro também foi convidado para fazerdesenvolvimento sustentável, ocorrerá no enviadas por vários países para uma primeira a contagem regressiva para a conferência,Rio de Janeiro a partir do dia 20 de junho do conferência, que vai ocorrer em janeiro, que terá início em 5 de junho, dia mundial dopróximo ano. mostram caminhos convergentes. “É meio ambiente.“Há uma expectativa muito grande de que os absolutamente convergente a discussão O encontro contou também com aeventos (da Rio+20) não permaneçam sobre inclusão social e sobre a erradicação participação de Denise Hamú, chefe dosomente enquanto eventos, mas tenham um de pobreza e da fome”. Outro tema comum, Programa das Nações Unidas para o Meiodia seguinte e que aconteçam em bases que que deve ser apresentado na Rio+20, é a Ambiente (Pnuma) no Brasil.melhorem a qualidade de vida, da discussão sobre geração de energia.infraestrutura urbana e da vida nas cidades e “Certamente as energias renováveis e ade cada cidadão brasileiro”, disse a ministra. inovação tecnológica são temasSegundo ela, os “desafios são enormes”, mas estratégicos”.há, “uma sensação internacional de que é Hoje a ministra se reuniu com João Carlospossível sim explorar esse caminho e termos Martins, regente da Orquestra Bachianas, nana conferência um êxito em relação ao casa do maestro, em São Paulo. No encontro,desenvolvimento sustentável”. a ministra solicitou ao maestro para que eleA ministra disse esperar que a Rio+20 traga componha um tema para a conferência queresultados e “que o planeta inteiro assuma aborde a “riqueza do planeta e os desafios”.objetivos sobre desenvolvimento O maestro disse que o tema está sendosustentável, estabelecendo metas criado e será inspirado na 6ª Sinfonia demensuráveis”. De acordo com Izabella isso Beethoven.está dentro da proposta que foi apresentada A ministra também convidou Martins para
  15. 15. Notícias - Dezembro 2011 Data: 29/12/2011 - Veículo: Ambiente BrasilProjeto brasileiro traçará retrato 3D de tempestadesEsmiuçar as nuvens por dentro, medindo as das nuvens desses locais”, diz Rodrigues. de sensores espalhados pela região, ondegotas de chuva, o granizo e entendendo Essas informações, depois, vão alimentar os estão caindo muitos raios e para onde oscomo os raios se formam, é o trabalho diário modelos matemáticos usados pelos núcleos de tempestade vão se deslocar nade um grupo de pesquisa brasileiro. meteorologistas para refinar a previsão do meia hora seguinte.Desdobramento a médio e longo prazo desse tempo no país. No entanto, ainda que em cinco ou dez anosesforço, que vai até 2014: tornar mais “Estamos terminando também as medições a previsão do tempo no Brasil possa ser maisconfiável a previsão das tempestades que na região do Vale do Paraíba”, diz Luiz precisa, em parte por causa dos dados doassolam o país. Augusto Toledo Machado, pesquisador do Projeto Chuva, o avanço pode ser menor doAlém de mapear as chuvas mais violentas, os Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas que o esperado se uma rede de radares nãopesquisadores também investigam por que Espaciais) e coordenador do Projeto Chuva, o estiver olhando com mais frequência para oos raios tendem a aparecer em maior qual vai fazer mais três campanhas para território nacional.quantidade em determinadas regiões. coleta de dados. “Hoje, temos apenas 24 radares que cobremTridimensional – “Temos equipamentos, Rumo ao sul - “Em 2012, vamos para Santa o país”, afirma Rodrigues.como sensores e câmeras filmadoras, que Maria (RS) e, nos anos seguintes, paraestão acompanhando em tempo real as Brasília e Manaus”, diz Machado. O projetodescargas elétricas. Temos um retrato 3D termina em 2014. Ele vai custar cerca de R$dos raios”, diz Carlos Augusto Morales 1,5 milhão, contando com verbas estaduais eRodrigues, do Instituto de Astronomia, federais.Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP. No caso específico da campanha de campoNo futuro, diz o pesquisador, que integra a em andamento na região do Vale do Paraíbaequipe do Projeto Chuva (como é conhecido e litoral norte de São Paulo, as medições queo grupo que está “escaneando” as nuvens), estão sendo feitas já ajudam, em tempo real,será possível montar um eficiente sistema a Defesa Civil de cidades como São José dosde alerta contra descargas elétricas. Campos (interior de SP).O mesmo raciocínio vale para a questão das “É possível saber onde está chovendo etempestades. O grupo já fez campanhas de onde, por exemplo, existe um acúmulomedições nas regiões de Alcântara (MA), significativo de chuva”, diz Machado, paraFortaleza (CE) e Belém (PA). quem o sistema de alerta está se“O objetivo é fazer uma espécie de banco de comportando bem até agora.dados com as informações coletadas dentro É possível saber, também, a partir da rede
  16. 16. Notícias - Dezembro 2011Data: 30/12/2011 - Veículo: Jornal de Piracicaba
  17. 17. Você possui uma boa sugestão de EVENTO ou NOTÍCIA? Então, envie sua sugestão para o e-mail beatriz@florespi.org.br e ela poderá aparecer no nosso próximo calendário ou clipping.
  18. 18. O que é a Florespi? É uma ONG (Organização Não Governamental), fundada em 1988 e com qualificações de OSCIP e Utilidade Pública Municipal. Sua sede é em Piracicaba, mas sua atuação ocorre em todo Estado de SP.Por que a Florespi existe?Para contribuir com o desenvolvimento de sociedades sustentáveis, por meio da proteção, recuperação eampliação das florestas e dos recursos hídricos.Para alcançar esta missão, a Florespi atua nos seguintes 7 temas/programas: Recuperação de Áreas Degradadas Arborização Urbana e Áreas Verdes Licenciamento Geração de Renda Cursos, Oficinas e Eventos Políticas Públicas Gestão de ResíduosQuer saber mais sobre a Florespi?Acesse nosso site: www.florespi.org.brAcompanhe-nos no Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=100001591080573Acompanhe-nos no Twitter: http://twitter.com/florespi_oscip

×