Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Trauma ocular

1,200 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Trauma ocular

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS Liga Acadêmica Tocantinense de Trauma e Emergência - LUTTE - Trauma ocular Júlia Barbosa & Natália Pinheiro Basan - 05/03/2015
  2. 2. ANATOMIA Imagem: http://www.laboratoriorigor.com.br/anatomia.html TRAUMA OCULAR
  3. 3. ANATOMIA • Músculos retos (medial, lateral, inferior e superior)-origem: anel fibroso que circunda o forame óptico e o terço médio da fissura orbitária superior. Imagem: http://www.oftalmologiausp.com.br/imagens/capitulos/Capitulo%201.pdf TRAUMA OCULAR
  4. 4. ANATOMIA • Músculo oblíquo inferior • Músculo oblíquo inferior Imagem:NETTER,F.H.;Ed.5 TRAUMA OCULAR
  5. 5. ANATOMIA: Inervação • Motora: • M. oblíquo superior -nervo troclear (IV); • M. reto lateral - abducente (VI); • M. oblíquo inferior e Mm. retos (medial, inferior e superior)-oculomotor (III). • Sensitiva: • Os nervos sensitivos dentro da órbita são ramos das duas primeiras divisões do trigêmeo (Oftálmico e Maxilar). TRAUMA OCULAR
  6. 6. ANATOMIA • Órbitas – espaços simétricos entre o esqueleto facial (base anterior) e a base do crânio (extremidade posterior). • Relação com o ducto nasolacrimal, a fossa pterigopalatina, os seios paranasais . Imagem: http://www.lookfordiagnosis.com/mesh_info.php?term= Aparelho+Lacrimal&lang=3 TRAUMA OCULAR
  7. 7. Imagem: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000 • Teto (2 ossos): asa menor do esfenóide e osso frontal. • Parede lateral (2 ossos): asa maior do esfenóide e zigomático. • Parede medial (4 ossos): maxilar, lacrimal, etmóide e esfenóide. • Assoalho (3 ossos): zigomático, maxilar e palatino. TRAUMA OCULAR ANATOMIA
  8. 8. FRATURAS DE ÓRBITA • Acidentes automobilísticos • Fraturas de órbita podem ser: -“blow-out” / intra-sinusais (explosão do assoalho- seio maxilar) -“blow-in”/ intra-orbitárias (própria órbita) Imagem: Fraturas de órbita: sinais e sintomas baseados nas estruturas anatômicas envolvidas. Kuhnen,RB; Martins da Silva,F; Scortegagna,A; Cabral,RJB. INTERNATIONAL JOURNAL OF DENTISTRY, RECIFE, 1(1): 20-24 JAN/ MARÇ 2006 TRAUMA OCULAR
  9. 9. FRATURAS DE ÓRBITA: Diagnóstico • Histórico • Radiografia/tomografia/exploração cirúrgica • Exame clínico/sinais e sintomas: -assimetrias faciais, edemas, equimoses e hematomas; -globos oculares: verificar a movimentação (diplopia e enoftalmia); -por comprometimento nasal pode haver epistaxe no lado correspondente; -paciente pode vir a apresentar exo ou enoftalmia, de acordo com a elevação ou abaixamento do assoalho de órbita, respectivamente; -distúrbios sensoriais, devido à compressão ou ruptura do feixe nervoso; -perda da visão TRAUMA OCULAR
  10. 10. FRATURAS DE ÓRBITA: Observações • Fibras mielínicas Aβ (mecanismos de mecanorecepção /toque): mais susceptíveis à compressão e isquemia quando comparadas com as fibras Aδ e C (sensibilidade à dor e a temperatura). • A presença do blefarohematoma (olhos de guaxinim), é o sinal clinico mais comumente observado nos pacientes com este tipo de fratura. • Enfisema palpebral em cavidade orbitária por comprometimento dos seios paranasais (80%). • Tratamento: geralmente cirúrgico. TRAUMA OCULAR
  11. 11. LESÃO PALPEBRAL • Comum nos acidentes de trânsito; • Os ferimentos que atingem o tarso são os mais sérios; • Contusões palpebrais – Primeirsas24h compressas de gelo; – Após compressas quentes. TRAUMA OCULAR
  12. 12. LESÃO PALPEBRAL Atenção especial nas lesões de margem palpebral (garantir a aposição das bordas e evitar alteração no contorno palpebral). nas lesões que envol- vem canalículo lacrimal (lesão de canto medial) e nas com perda de substância. TRAUMA OCULAR
  13. 13. CORPOS ESTRANHOS • Localizam-se na córnea, na esclerótica e debaixo da conjuntiva palpebral superior. • São os ferimentos mais comuns. • Devem ser removidos sempre que possível. TRAUMA OCULAR
  14. 14. CORPOS ESTRANHOS • Causam dor e irritação pela abrasão do material no tecido ocular. • Teste com fluoresceína. TRAUMA OCULAR
  15. 15. TRAUMA GLOBO OCULAR • Se houver a ruptura óbvia do globo, sua manipulação deve ser evitada. – Colocar uma proteção em torno do olho, e iniciar a administração de antibiótico parenteral de amplo espectro. TRAUMA OCULAR
  16. 16. TRAUMA GLOBO OCULAR • O hifema é um sinal frequente; • O hifema deve ser cirurgicamente evacuado se: – A pressão ocular permanecer elevada (> 35 mm Hg durante 7 dias ou 50 mm Hg durante 5 dias) para evitar danos ao nervo óptico e impregnações corneanas. TRAUMA OCULAR
  17. 17. QUEIMADURAS • As queimaduras químicas são causadas por substâncias alcalinas ou ácidas. • A lavagem imediatamente com água deve ser iniciada no local da lesão. TRAUMA OCULAR
  18. 18. QUEIMADURAS • Sinais de gravidade: tipo de substância, tempo de exposição, isquemia limbar e melting corneano. • Complicações: iridociclite, perfuração do globo ocular e deformidades da pálpebras. TRAUMA OCULAR
  19. 19. OBRIGADO www.LUTTEUFT.com lutte@uft.edu.br • Fraturas de órbita: sinais e sintomas baseados nas estruturas anatômicas envolvidas. Kuhnen,RB; Martins da Silva,F; Scortegagna,A; Cabral,RJB. INTERNATIONAL JOURNAL OF DENTISTRY, RECIFE, 1(1): 20-24 JAN/ MARÇ 2006 • NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000 • http://www.oftalmologiausp.com.br/imagens/capitulos/C apitulo%201.pdf • http://www.laboratoriorigor.com.br/anatomia.html Referências

×