Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Criptococose  pulmonar     Marcus Libonati     R1 Infectologia
Introdução Criptococose        –      torulose,    blastomicose européia, doença de    Busse-Buschke   Micose sistêmica...
Introdução   Cryptococcus neoformans   Cryptococcus neoformans   Cryptococcus gattii
Introdução   Criptococose            oportunista,    cosmopolita    –    imunodepressão    celular causada predominanteme...
Introdução   Meningoencefalite     de   evolução    grave e fatal   Lesão pulmonar evidente   Fungemia e focos secundár...
Agentes etiológicos   Cryptococcus       neoformans      e    Cryptococcus gatti   Correspondem a forma assexuada –    b...
Agentes etiológicos   Colônia de cor branca a creme,    brilhante,  de     textura mucóide,    margem lisa e inteira   C...
Agentes etiológicos
Eco-epidemiologia   Cryptococcus        neoformans         é    cosmopolita, frequentemente associa-se    a habitat de av...
Eco-epidemiologia    Cryptococcus gatti: isolado do    ambiente      principalmente    de    regiões tropicais e subtropi...
História natural da doençaInalação de                   EventoBasidiósporos ou              pulmonarleveduras desidratadas...
Interação fungo-hospedeiro    Fatores       de      virulência:    termotolerância, componentes da    parede celular e da...
Interação fungo-hospedeiro    Mecanismos       imunossupressores    (presença da cápsula): inibição da    fagocitose, ini...
Interação fungo-hospedeiro   Padrão de resposta Th1   Liberação de citocinas   Estímulo de macrófagos
Diagnóstico da criptococose    Microscopia : visualização direta –    escarro, lavado brônquico, LCR, pús de    abscesso,...
Imagens microscópicas
Diagnóstico da criptococose    Diagnóstico imunológico – detecção    do antígeno capsular polissacarídeo    pela aglutina...
Diagnóstico da criptococose   Qual o valor do teste de sensibilidade    aos antifúngicos pelo Cryptococcus?Não tem aplica...
Comprometimento pulmonar 2°   mais   frequente      após  o acometimento do SNC. Complexo     primário     pulmonar- lin...
Comprometimento pulmonar   AIDS e doença criptocócica:    pulmões envolvidos em 30%    Não-infectados   pelo    HIV   e ...
Comprometimento pulmonar Lesão pulmonar primária: nodular, em     qualquer   das    3    zonas pulmonares (cortical, medu...
Comprometimento pulmonar Assintomático em 1/3 dos casos Sintomáticos: febre (26%) tosse com expectoração mucóide (56%), ...
Comprometimento pulmonar Insuficiência respiratória aguda: AIDS, mostra-se semelhante clínica e radiologicamente a pneumo...
Radiologia Massas e nódulos predominam em pacientes         imunocompetentes, enquanto em imunossuprimidos há o      pred...
Radiologia Infiltrados intersticiais: imunossuprimidos – diagnóstico diferencial com pneumocistose. Padrão miliar Derra...
Radiologia             Padrão Intersticial
Radiologia  Padrão miliar   Adenopatia hilar bilateral
Radiologia    Massa
Diagnóstico do acometimentopulmonar   Exames de imagem    Cultura e pesquisa direta de    fungos no escarro, hemocultura...
Tratamento Tabela 1 – Roteiro para o tratamento das formas pulmonares de Criptococose em HIV negativo. Paciente com pesqui...
Tratamento  Tabela 2 – Roteiro para o tratamento das formas pulmonares de  Criptococose: HIV+ ou cultura positiva de espéc...
Tratamento     Manejo    do    nódulo    pulmonar:     ressecção     cirúrgica    não    é     recomendada de forma rotin...
Obrigado!!!
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Criptococose pulmonar

7,658 views

Published on

Aula criada e apresentada por Marcus Libonati, R1 de Infectologia. Mês de Maio de 2012.

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

Criptococose pulmonar

  1. 1. Criptococose pulmonar Marcus Libonati R1 Infectologia
  2. 2. Introdução Criptococose – torulose, blastomicose européia, doença de Busse-Buschke Micose sistêmica Porta de entrada inalatória
  3. 3. Introdução Cryptococcus neoformans Cryptococcus neoformans Cryptococcus gattii
  4. 4. Introdução Criptococose oportunista, cosmopolita – imunodepressão celular causada predominantemente por Cryptococcus neoformans Criptococose primária – hospedeiro imunocompetente, endêmica em áreas tropicais e subtropicais, causada predominantemente por Cryptococcus gattii
  5. 5. Introdução Meningoencefalite de evolução grave e fatal Lesão pulmonar evidente Fungemia e focos secundários para pele, ossos, rins, supra-renal...
  6. 6. Agentes etiológicos Cryptococcus neoformans e Cryptococcus gatti Correspondem a forma assexuada – basidiomicetos zoopatógenos Leveduras globosas ou ovaladas, 3 – 8 mcm, com brotamento único ou múltiplo de colo estreito, envolvida por característica cápsula mucopolissacáride
  7. 7. Agentes etiológicos Colônia de cor branca a creme, brilhante, de textura mucóide, margem lisa e inteira Componente capsular: glucoronoxilomanana Sorotipos: A, B, C e AD A capacidade de produção de melanina – colônias marrons (meios com extratos de semente de niger)
  8. 8. Agentes etiológicos
  9. 9. Eco-epidemiologia Cryptococcus neoformans é cosmopolita, frequentemente associa-se a habitat de aves, excretas secas, ricas em fontes de nitrogênio, notadamente em centros urbanos e relacionados a pombos – O ambiente domiciliar, poeira doméstica, pode apresentar positividade.
  10. 10. Eco-epidemiologia Cryptococcus gatti: isolado do ambiente principalmente de regiões tropicais e subtropicais, associado a restos vegetais de Eucalipto, porém não representam habitat natural específico, observando-se diferentes padrões geográficos fungo-árvore-madeira em decomposição
  11. 11. História natural da doençaInalação de EventoBasidiósporos ou pulmonarleveduras desidratadas inicial Quadro regressivoFocos residuais, Eventuaisinfecções latentes focospodem reativar extrapulmonares
  12. 12. Interação fungo-hospedeiro Fatores de virulência: termotolerância, componentes da parede celular e da cápsula, capacidade de adesão e a produção de enzimas.
  13. 13. Interação fungo-hospedeiro Mecanismos imunossupressores (presença da cápsula): inibição da fagocitose, inibição da ligação de IgG, bloqueio da fixação de C3 e da via da ativação de complemento pela via clássica, supressão da proliferação da expressão de molécula de adesão.
  14. 14. Interação fungo-hospedeiro Padrão de resposta Th1 Liberação de citocinas Estímulo de macrófagos
  15. 15. Diagnóstico da criptococose Microscopia : visualização direta – escarro, lavado brônquico, LCR, pús de abscesso, urina, aspirado de medula óssea e de gânglios, fragmentos de tecidos. Cultura é o exame comprobatório da doença – hemocultura + na doença disseminada
  16. 16. Imagens microscópicas
  17. 17. Diagnóstico da criptococose Diagnóstico imunológico – detecção do antígeno capsular polissacarídeo pela aglutinação do látex pode ser realizado no sangue, urina, lavado brônquio alveolar e no LCR. LCR e soro: > 90% (meningite), fora do SNC, estes espécimes fornecem menor positividade do teste – títulos 1:4 (infecção) e > ou = 8 (doença), > 1: 1024 (alta carga fúngica, déficit imunitário)
  18. 18. Diagnóstico da criptococose Qual o valor do teste de sensibilidade aos antifúngicos pelo Cryptococcus?Não tem aplicabilidade na práticaclínica, reservando-o nos casos defalência terapêutica recomendada ounos pacientes com recaída frequente eque fizeram uso de anti-fúngicos porrepetidos ciclos
  19. 19. Comprometimento pulmonar 2° mais frequente após o acometimento do SNC. Complexo primário pulmonar- linfonodo, pode ser assintomático e com potencial risco de disseminação em vigência de imunossupressão
  20. 20. Comprometimento pulmonar AIDS e doença criptocócica: pulmões envolvidos em 30% Não-infectados pelo HIV e imunossuprimidos: transplantados de órgãos.
  21. 21. Comprometimento pulmonar Lesão pulmonar primária: nodular, em qualquer das 3 zonas pulmonares (cortical, medular ou cernal), característica gelatinosa, raramente evolui para calcificação. Nódulos gelatinosos com cápsula abundante: cavitação Nódulos gelatinosos com cápsula diminuta ou ausente: caseificação
  22. 22. Comprometimento pulmonar Assintomático em 1/3 dos casos Sintomáticos: febre (26%) tosse com expectoração mucóide (56%), hemoptóicos, hemoptise (18%), sintomas constitucionais, dor ventilatório dependente e derrame pleural (<10%) Pneumonia multifocal, segmentar ou lobar com broncograma aéreo. Massas focais: lobos superiores
  23. 23. Comprometimento pulmonar Insuficiência respiratória aguda: AIDS, mostra-se semelhante clínica e radiologicamente a pneumonia por P. jiroveci. Pneumotórax e pneumomediastino – formas clínicas inusitadas Sempre realizar punção lombar
  24. 24. Radiologia Massas e nódulos predominam em pacientes imunocompetentes, enquanto em imunossuprimidos há o predomíno de infiltrado intersticial. Nódulos uni/bilaterais: achado mais comum, bem definidos e não calcificados, solitários ou múltiplos.
  25. 25. Radiologia Infiltrados intersticiais: imunossuprimidos – diagnóstico diferencial com pneumocistose. Padrão miliar Derrame pleural Adenopatia hilar e mediastinal
  26. 26. Radiologia Padrão Intersticial
  27. 27. Radiologia Padrão miliar Adenopatia hilar bilateral
  28. 28. Radiologia Massa
  29. 29. Diagnóstico do acometimentopulmonar Exames de imagem Cultura e pesquisa direta de fungos no escarro, hemocultura, histopatologia e antígeno criptocócico sérico Investigação de acometimento do SNC através do exame de LCR
  30. 30. Tratamento Tabela 1 – Roteiro para o tratamento das formas pulmonares de Criptococose em HIV negativo. Paciente com pesquisa de antígeno criptocócico e cultura em LCR negativos Estado Forma Tratamento Duração imunológico clínica totalImunocompetente ou Leve/ Fluconazol 200-400 6 a 12imunodeprimido HIV moderada mg/dia ou mesesnegativo Itraconazol 200-400 mg/dia VO ou Anfotericina B 0,5-1 mg/Kg/dia Grave Tratar como meningoencefaliteFonte: consenso de criptococose 2008
  31. 31. Tratamento Tabela 2 – Roteiro para o tratamento das formas pulmonares de Criptococose: HIV+ ou cultura positiva de espécime respiratório, sem envolvimento do SNCForma leve/ moderada Dose e duraçãoAntifúngicoFluconazol 200-400 mg/dia VO por 6 a 12ou mesesItraconazol 200-400 mg/dia VO por 6 a 12 mesesManutenção Fluconazol 200-400 mg/dia ou Itraconazol 200-400 mg/diaForma grave Tratar como meningoencefaliteFonte: consenso de criptococose 2008
  32. 32. Tratamento Manejo do nódulo pulmonar: ressecção cirúrgica não é recomendada de forma rotineira, exceto nas seguintes condições:1. Lesões pseudotumorais2. Derrame pleural intenso e exsudativoLobectomia parcial ou completa
  33. 33. Obrigado!!!

×