Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Estética

12,210 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

Estética

  1. 1. 1- A Experiência Estética e o Juízo Estético<br />
  2. 2. 1.1 O que é a Estética?<br />Termo inventado em 1750 por Baumgarten.<br />Este filósofo considera a estética uma forma de analisar como os sentidos são afectados por determinados objectos, quer artísticos quer naturais. O termo “estética” deriva da palavra grega aesthesis, que significa “percepção.” <br />As perguntas fundamentais são:<br />O que é o Belo?<br />Como justificamos os nossos gostos?<br />O que é a arte?<br />
  3. 3. Hípias Maior, Platão<br />O problema: O que é o Belo?<br />Estrutura do argumento:<br />O que é o bem?<br />O que é a justiça?<br />O que é o Belo?<br />O bem existe pelo Bem<br />O justo é justo pela justiça<br />O belo existe pelo Belo<br />O Belo é real<br />A Justiça é real<br />O Bem é real<br />Para Platão, só a Ideia de Beleza é realmente bela, dado que tudo o mais é apenas belo num aspecto ou num dado momento e não noutro, ou por comparação com uma coisa e não com outra. As pessoas e as coisas belas só podem aproximar-se da Forma da Beleza.<br />
  4. 4. Objecções<br />Todas as crenças acerca da realidade são justificadas pelas noções de verdade ou de bem: Por que acredito em P? Porque é verdadeiro. Por que quero X? Porque é bom. Porque estás interessado em Y? Porque é belo.<br />Qual das proposições é mais discutível?<br />A beleza tem uma natureza subversiva: A beleza é, por vezes, inimiga da verdade e da bondade. <br />
  5. 5. A beleza é inimiga da verdade e da bondade.<br />Porque:<br />Uma pessoa seduzida por um mito pode ser tentada a acreditar nele. Por isso, a beleza é inimiga da verdade.<br />Um homem atraído por uma mulher pode ser tentado a fechar os olhos aos vícios desta. Por isso, a beleza é, por vezes, inimiga da bondade.<br />
  6. 6. Não há juízos de gosto em segunda mão<br />A beleza é objecto de um juízo de gosto<br />A beleza traz-nos comprazimento<br />Truísmos à volta da Beleza<br />O juízo de gosto faz-se sobre o objecto belo e não sobre o estado de espírito do sujeito<br />A beleza é sempre uma razão para prestarmos atenção às coisas que a possui<br />Há coisas mais belas do que outras<br />
  7. 7. O Juízo de Gosto<br />Acto mediante o qual formulamos uma proposição que atribui determinada qualidade estética (beleza, sublimidade, fealdade) a um objecto.<br />
  8. 8. O que justifica estes juízos?<br />O Objectivismo<br />Tese: Dizemos que um objecto é belo em virtude das suas propriedades intrínsecas e independentemente do que sentimos quando o observamos. Dizer «a catedral de Milão é bela» é diferente de dizer «gosto da catedral de Milão»<br />Argumento: Se não houvesse características objectivas não era possível qualquer consenso alargado acerca da beleza ou fealdade de um objecto.<br />
  9. 9. Objecções e virtudes<br />Então por que razão discordam as pessoas em relação à beleza ou ausência dela de muitas outras coisas?<br />Esta posição objectivista tem a virtude de difundir a ideia de que não vale tudo.<br />
  10. 10. Principal representante<br />Segundo Beardsley, as características estéticas são objectivas e são de um tipo:<br />1- Intensidade, Unidade e Complexidade<br />Estas características promovem a estética do objecto.<br />
  11. 11. B- O Subjectivismo<br />Tese: Dizemos que um objecto é belo em virtude do que sentimos quando o observamos. O juízo estético depende exclusivamente do sujeito.<br />Argumento: A beleza decorre de um juízo de gosto, isto é, depende dos sentimentos de prazer do observador. Dizer «x é belo» é o mesmo que dizer «gosto de x»<br />
  12. 12. Objecções e Virtudes<br />Se assim for, é verdadeiro um sujeito dizer «gosto de x», tal como é verdadeiro dizer «não gosto de X».<br />Gostar é uma condição necessária da beleza mas não suficiente. Posso gostar de coisas feias.<br />
  13. 13. E agora…? David Hume<br />Segundo David Hume existe um padrão de gosto: qualquer pessoa atenta sabe distinguir uma obra de Eça de Queirós de uma obra de José Saramago.<br />Assim, de acordo com Hume, dizer que «x é belo» é o mesmo que dizer que «gosto de X» porque está de acordo com o padrão de gosto.<br />
  14. 14. Somos todos constituídos de um modo que sentimos deleite com os mesmos géneros de objectos da natureza e das obras de arte, mas não temos todos a mesma experiência de fundo, delicadeza de gosto, bom senso, capacidade para fazer comparações e ausência de preconceito que idealmente poderíamos e deveríamos ter.<br />
  15. 15. Francisco de Goya. O Fuzilamento de 3 de Maio<br />
  16. 16. VanGogh – As Botas<br />
  17. 17.
  18. 18.
  19. 19. Como se caracteriza o padrão de gosto?<br />O padrão de gosto é formado ao longo do tempo. Há características que são naturalmente percebidas como agradáveis. <br />Para compreender o padrão de gosto é necessário treino. A sensibilidade pelo belo varia consoante a delicadeza com que certos objectos são apreciados. O estético é indissociável do padrão de gosto e este é algo que se mantém ao longo do tempo. Tal com há odores a que o nosso olfacto reage naturalmente mal, Há características dos objectos que são naturalmente percebidas como agradáveis.<br />
  20. 20. O Juízo de gosto é subjectivo I. Kant<br />Quando digo «este objecto é belo», esta apreciação não diz respeito a inclinações ou a desejos. Quando assim afirmo estou a ter um juízo de gosto subjectivo e, simultaneamente universal. Não podemos dizer por que razão algo é belo, mas também não podemos dizer que as nossas avaliações sejam meras expressões de gosto.<br />
  21. 21. 1.2 A Experiência Estética<br />Estas diferentes formas como os sentidos são afectados remete-nos para a Experiência Estética. O tipo deexperiência depende do objecto a que se refere. Assim…<br />
  22. 22. Distinção entre experiência estética da não estética<br />A questão é, pois, quando temos uma experiência estética? Como se caracteriza?<br />Perante uma apreciação do estético existem duas posições: contemplativa e desinteressada.<br />Mesmo esta contemplação é relativa ao objecto que está diante de nós. De qualquer forma, a experiência estética é contemplativa porque nos entregamos à percepção e isso dá--nos prazer. É desinteressada porque o prazer esgota-se nessa situação.<br />
  23. 23. Obra de arte<br />
  24. 24. Imagem da natureza<br />
  25. 25. Um objecto do quotidiano<br />
  26. 26. Universalidade da expressão estética<br />Simetria<br />Ordem<br />Proporção<br />Novidade<br />Excitação<br />Factores objectivos que desencadeiam juízos subjectivos<br />

×