Filosofia <br />Persuasão e Manipulação<br />
introdução<br />No âmbito da disciplina de Filosofia e atendendo à matéria dada elaboramos um trabalho de grupo.<br />O tr...
Dois Usos da Retórica <br />
Os dois usos da retórica <br />A retórica é caracterizada pela arte de bem falar e vai da vontade de agradar à persuasão p...
A persuasão e a manipulação<br />persuasão<br />Manipulação<br />A persuasão é o bom uso da retórica;<br />Tenta levar o a...
Mentira e Engano <br />
A mentira e o engano<br />Ao contrário do erro, estes dois são causados intencionalmente mas mesmo assim existem diferença...
Princípios Éticos <br />
Princípios éticos<br />Qualquer tipo de texto argumentativo representa uma situação de cumprimento de princípios éticos qu...
Princípio da quantidade;
Princípio da qualidade;
Princípio da precisão;
Princípio da coerência;
Princípio do modo;
Princípio da livre expressão;
Princípio da prova.</li></li></ul><li>A sedução<br />
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Grupo 3

1,680 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,680
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
9
Actions
Shares
0
Downloads
29
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Grupo 3

  1. 1. Filosofia <br />Persuasão e Manipulação<br />
  2. 2. introdução<br />No âmbito da disciplina de Filosofia e atendendo à matéria dada elaboramos um trabalho de grupo.<br />O trabalho de pesquisa engloba os seguintes temas: os dois usos da retórica, a manipulação e a persuasão, a sedução, o discurso publicitário, o discurso político, a mentira e o engano.<br />Existem duas formas de usar a retórica: a manipulação e a persuasão – estas têm em comum o objectivo fazer com que as pessoas adiram a algo tendo como principal diferença a forma como tentam atingir este objectivo.<br />
  3. 3. Dois Usos da Retórica <br />
  4. 4. Os dois usos da retórica <br />A retórica é caracterizada pela arte de bem falar e vai da vontade de agradar à persuasão pois para os antigos a retórica era como o estudo das técnicas de persuasão e manipulação. <br />Existem portanto dois tipos de retórica, a retórica branca ou bom uso da retórica e a retórica negra ou mau uso da retórica. <br />Estamos perante o bom uso da retórica quando o auditório se pode expressar de modo crítico. Estamos perante o mau uso da retórica quando esta impede a argumentação do auditório em função de manipulação. <br />
  5. 5. A persuasão e a manipulação<br />persuasão<br />Manipulação<br />A persuasão é o bom uso da retórica;<br />Tenta levar o auditório á adesão da tese;<br />Dá liberdade de reflexão aos ouvintes; <br />Relação de igualdade entre orador e ouvintes;<br />Objectivos claros e explícitos; <br />A persuasão é moralmente aceitável porque há um uso racional da palavra.<br />A manipulação é o mau uso da retórica;<br />Tenta convencer os outros contra os seus próprios interesses;<br />Impõem-se á liberdade de reflexão dos ouvintes;<br />Relação desigual, o orador é superior ao auditório;<br />Objectivos escondidos e confusos;<br />A manipulação é moralmente inaceitável porque há má fé e desrespeito pelos outros.<br />
  6. 6. Mentira e Engano <br />
  7. 7. A mentira e o engano<br />Ao contrário do erro, estes dois são causados intencionalmente mas mesmo assim existem diferenças entre si.<br />Quando há engano então pressupõe-se que houve mentira mas aqui está a grande diferença, para haver mentira não é necessário o engano pois o mentiroso pode mentir e não enganar ninguém, o engano é portanto o sucesso da mentira.<br />
  8. 8. Princípios Éticos <br />
  9. 9. Princípios éticos<br />Qualquer tipo de texto argumentativo representa uma situação de cumprimento de princípios éticos que nos permite saber se os participantes estão a agir de boa fé. Existem os seguintes princípios:<br /><ul><li>Princípio da cooperação;
  10. 10. Princípio da quantidade;
  11. 11. Princípio da qualidade;
  12. 12. Princípio da precisão;
  13. 13. Princípio da coerência;
  14. 14. Princípio do modo;
  15. 15. Princípio da livre expressão;
  16. 16. Princípio da prova.</li></li></ul><li>A sedução<br />
  17. 17. sedução<br />Para que haja persuasão e para que o auditório adira é necessário argumentação, que envolve o raciocínio e a eloquência da oratória, que procura seduzir recorrendo a afectos e sentimentos. A sedução é essencial aos discursos político e publicitário.<br />O discurso político é tão antigo quanto a vida do ser humano em sociedade.<br />
  18. 18. Recursos icónicos<br />
  19. 19. Discurso linguístico<br />Tentam convencer através de promessas; <br />Usam músicas que fiquem no ouvido e imagens marcantes;<br />Por vezes o uso da comédia para que o auditório adira melhor;<br />
  20. 20. Discurso político<br />O discurso político advém de um texto argumentativo com finalidade persuasiva em nome do bem comum , fundamentado nos pontos de vista do emissor e por conhecimentos partilhados sobre valores políticos, sociais, religiosos entre outros.<br />Durante as eleições, a flexibilidade do discurso político permite que este apresente sempre uma resposta que balance entre os interesses pessoais e os objectivos sociais. É um texto persuasivo que envolve o raciocínio e a eloquência da oratória <br />
  21. 21. Conclusão <br />Com este trabalho concluímos que a argumentação estabelece uma relação com o auditório sendo que este tem uma participação activa no que toca a aderir ou não, a um determinado assunto ou ideia. <br />Na publicidade e nas campanhas o orador recorre à manipulação e à sedução com esse mesmo objectivo, tendo a primeira uma relação íntima com o uso da retórica, ainda que incorrecto, pois visa enganar, e a segunda é exercida maioritariamente na publicidade, apelando aos desejos do ouvinte.<br />Com isto podemos constatar a importância da argumentação e como ela está influentemente presente no nosso dia-a-dia.<br />
  22. 22. Professor: SandrinaLage<br />Disciplina: Filosofia <br />Trabalho realizado por<br />Ana João A. Fonseca Nº 2, 11ºB<br />Ana Lúcia S. Franco Nº3, 11ºB<br />Davide Rafael S. Lagoa Nº8, 11ºB<br />

×