Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Plano De AvaliaçãO

5,755 views

Published on

Metodologias de operacionalização - parte 1

Published in: Travel, Technology
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Plano De AvaliaçãO

  1. 1. Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar – Metodologias de Operacionalização (Parte I) PLANO DE AVALIAÇÃO ___________________________________________________________ Práticas e Modelos de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares Teresa Valente 2009
  2. 2. Modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar – Metodologias de Operacionalização (Parte I) Sumário: 1. Nota introdutória; 2. Situação de partida – Diagnóstico (Pontos fortes e Pontos fracos) 3. Objecto de Avaliação: . Domínio a avaliar; . Indicadores; . Justificação da escolha; 4. Metodologia a Implementar para o Processo de Auto-Avaliação 5. Análise e Registo da Performance da BE no Domínio Seleccionado: . Reflexão sobre os resultados da avaliação; . Identificação do nível de desempenho . Registo da auto-avaliação; 6. Relatório Final da Avaliação da BE; 7. Bibliografia. __________________________________________________________ Práticas e Modelos de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares Teresa Valente 2009
  3. 3. 1. Nota introdutória A aplicação do modelo de auto-avaliação da Biblioteca Escolar, pressupõe a apreensão adequada por parte da equipa do modelo em causa e dos vários aspectos que lhe estão subjacentes, nomeadamente no que diz respeito à organização estrutural e funcional do modelo bem como a metodologia a seguir em termos da sua implementação. A implementação do processo implica o envolvimento dos órgãos de gestão pedagógica e executiva da escola bem como a formalização de alguns procedimentos no sentido de uma co-responsabilização de todos os intervenientes. Desde a análise da documentação sobre a auto-avaliação, à selecção do domínio a avaliar e ao acompanhamento de todo o processo de operacionalização, o órgão de gestão deve revelar interesse e participação. O sucesso da aplicação do modelo dependerá ainda do envolvimento da comunidade educativa. Assim, é fundamental comunicar ao Conselho Pedagógico, de acordo com uma calendarização adequada, quer o processo em si e o modo como cada agente educativo será nele envolvido, quer os resultados e respectivas implicações.
  4. 4. 2. Situação de Partida Diagnóstico Pontos Fortes: Pontos Fracos: . Empenho e dedicação da . Falta de formação equipa; específica em biblioteconomia; .Espaço e horário de funcionamento adequados; . Formação de utilizadores pouco profunda; . Formação consolidada na área das TI, por parte de . Fraca utilização da BE alguns elementos da por parte dos docentes; equipa; . Fraca articulação .Boa receptividade da curricular com os comunidade educativa à departamentos; BE; . Falta de títulos em certas . Fundo documental áreas temáticas; razoável; . Pouca optimização da sala . PAA relativamente de informática; diversificado; . Participação pouco . Diversas actividades de empenhada dos docentes na promoção da leitura; elaboração de propostas de aquisição de materiais. . Alguma disponibilidade orçamental para enriquecimento da colecção; . Apoio da Direcção Executiva.
  5. 5. 3. Objecto da Avaliação Domínio a avaliar B – Leitura e Literacias Indicador de Processo B.1 Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura na escola/agrupamento Indicador de Impacto B.3 Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e da literacia. Justificação da escolha Trata-se de uma área de intervenção prioritária, no âmbito do plano de acção da BE, para os próximos quatro anos. Pretende-se implementar acções que levem a uma melhoria das competências na área da leitura, e de incentivo à leitura em diversos suportes e contextos. 4. Metodologia a implementar para o processo de auto-avaliação O que se pretende . Aferir a disponibilização de uma colecção variada e adequada aos gostos, interesses e necessidades dos utilizadores; Indicador de Processo .Aferir acções de promoção e gosto B.1 pela leitura; Trabalho da BE ao Detectar os pontos fracos e priorizar serviço da promoção necessidades e acções para a melhoria. da leitura na escola/ agrupamento Acções a avaliar . Realização de avaliações periódicas da colecção, no sentido de identificar eventuais limitações; . Promoção de actividades de leitura em voz alta, de leitura partilhada ou animações que cativem as crianças e os jovens e induzam comportamentos de leitura; . Definição de um plano integrado de actividades que melhorem os índices de leitura, apresentando sugestões que envolvam a colaboração de docentes.
  6. 6. 4. Metodologia a implementar para o processo de auto-avaliação (cont.) Recolha de .Registos que comprovem o evidências levantamento de limitações na colecção; (Métodos e .Registos das propostas de aquisição de Indicador de Processo instrumentos a usar materiais por parte dos departamentos_ e respectiva Ao longo do 1º período B.1 calendarização) .Registos das aquisições efectuadas -Final do 1º período/ Janeiro; Trabalho da BE ao .Estatísticas de utilização da BE para serviço da promoção actividades de leitura da leitura na escola/ programada/articulada com outros agrupamento docentes – Final do ano lectivo; .Estatísticas de utilização informal da BE – Final do ano lectivo; . Registos de actividades/ projectos - Ao longo do ano lectivo; . Questionário aos docentes (QD2) - Maio; . Questionário aos alunos (QA2) – Maio. . Equipa da BE Intervenientes . Docentes . Alunos Análise dos dados . Grelhas de Registo recolhidos, de . Estatística forma qualitativa e . Documentos quantitativa . Questionários . Registo de contactos informais
  7. 7. 4. Metodologia a implementar para o processo de auto-avaliação (cont.) O que se pretende . Aferir o impacto do trabalho da BE No incremento da leitura recreativa; . Aferir progressos ao nível das competências da leitura e da literacia; Indicador de Impacto . Detectar pontos fracos e priorizar necessidades e acções para a melhoria. B.3 Acções a avaliar . Os alunos usam o livro e a BE para ler de forma recreativa, para se Impacto do trabalho informar ou para realizar trabalhos da BE nas atitudes e escolares; competências dos . Os alunos, de acordo com o seu alunos no âmbito da ano/ciclo de escolaridade, manifestam leitura e da literacia progressos nas competências de leitura, lendo mais e com maior profundidade; . Os alunos desenvolvem trabalhos onde interagem com equipamentos e ambientes informacionais variados, manifestando progressos nas suas competências no âmbito da leitura e da literacia. Recolha de . Estatísticas de utilização da BE para evidências actividades de leitura – Final do ano lectivo; ( Métodos e . Estatística de requisição domiciliária instrumentos a - Trimestralmente; utilizar e respectiva .Observação da utilização da BE calendarização) ( 03, 04 ) - Trimestralmente; . Trabalhos realizados pelos alunos – Ao longo do ano/ determinados momentos do ano lectivo; . Análise das avaliações – Final do período lectivo; . Questionário aos docentes ( QD2); . Questionário aos alunos (QA2) . Equipa da BE Intervenientes . Docentes .Alunos . Estatística Análise dos dados . Questionários recolhidos de forma . Grelhas de observação qualitativa e . Trabalhos quantitativa . Documentos
  8. 8. 5. Análise e registo da performance da BE no domínio seleccionado Reflexão sobre os Os resultados da avaliação devem ser objecto de análise e resultados da reflexão em Conselho Pedagógico para que sejam definidos avaliação rumos estratégicos e acções para a melhoria, sempre em conformidade com o Projecto Educativo da Escola/Agrupamento e a missão e objectivos da BE; A auto-avaliação deve ajudar a melhorar o desempenho e a utilização da BE, promovendo a sua importância na comunidade educativa. Identificação do Situar a BE num dos níveis de desempenho definidos pelo nível de documento da auto-avaliação concebido pela RBE desempenho Registo da Auto- Registar a auto-avaliação no quadro – síntese referente ao avaliação domínio seleccionado, apontando acções para a melhoria do desempenho; Registar os resultados da auto-avaliação realizada no relatório anual da BE. 6. Relatório final da avaliação da BE Instrumento de descrição e análise dos resultados da auto-avaliação; de identificação do conjunto de acções a ter em conta no planeamento futuro e de difusão desses resultados e acções junto dos órgãos de gestão e de decisão pedagógica. Deve integrar o relatório anual de actividades do Agrupamento e o relatório da avaliação interna do mesmo. 7. Bibliografia Texto da Sessão. url: http://forumbibliotecas.rbe.min-edu.pt; Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares. Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares. url: http:// www.rbe.min-edu.pt;

×