Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Apresentação Stuart Hall e Barbosa & Campbell

34,841 views

Published on

Apresentação desenvolvida por Daniela Pontes, Dinara

  • Be the first to comment

Apresentação Stuart Hall e Barbosa & Campbell

  1. 1. Cultura, Consumo e IdentIdade Lívia Barbosa, Colin Campbell a IdentIdade Cultural na Pós-modernIdade Stuart Hall Bruna Remus • Daniela Pontes • Dinara Dal Pai
  2. 2. sobre os autor a IdentIdade Cultural na Pós modernIdade stuart Hall • Nasceu na Jamaica em 1932 em uma família de classe média. • Estudou na Universidade de Oxford, onde obteve seu título de mestrado (M.A.). • Trabalhou na Universidade de Birmingham e foi professor de sociologia na Open University. • Seu trabalho é centrado principalmente nas questões de hegemonia e estudos culturais.
  3. 3. sobre os autores Cultura, Consumo e IdentIdade lívia barbosa • Doutora em Antropologia Social pela Museu Nacional - Universidade Federal do Rio de Janeiro , pós-doutorado pela Universidade de Tóquio (1996) e pós-doutorado pela Museu Nacional - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. • Diretora de Pesquisa do Centro de Altos Estudos da ESPM - Escola Superior de Propaganda e Marketing. Colin Campbell • Colin nasceu no Reino Unido, em 1940. • Estudou em Londres e mudou-se para Nova York onde teve vários períodos como acadêmico visitante em universidades no país e no estrangeiro: Brasil, Austrália, etc. • Sua produção científica é focada na sociologia (sociedade, cultura, consumo e significado)
  4. 4. Consumo x moral
  5. 5. HIstórIa • Consumo afeta o • O desejo de caráter do homem: • Consumo é visto consumir é carregado torna-o fraco, como pecado. de CulPa. covarede e incapaz • Críticas ao de lutar. individualismo. História Clássica Cristianismo xVI xVIII xIx (Gregos e Romanos) Humanismo Iluminismo Renascentista • Período que alavancou o sistema social da “modernidade”: Indivíduo soberano barbosa, CamPbell / Hall
  6. 6. etImologIa latim Consumere Inglês usar - esgotar Consumo Consummetion destruir somar - adicionar barbosa e CamPbell
  7. 7. trabalHo x Consumo trabalHo x Consumo criatividade alienação identidade falta de identidade orgulho culpa barbosa e CamPbell
  8. 8. reVolução IndustrIal Homem trabalhador reVolução IndustrIal reVolução reVolução do Consumo ComerCIal mulher consumidora barbosa e CamPbell
  9. 9. neCessIdades • Necessidades Básicas Mínimo necessário para viver em sociedade. não representa culpa. • Necessidades Supérfluas Ligadas ao prazer e à estética. São dispensáveis e associadas ao excesso e ao desejo. O consumo gera culpa e requer uma justificativa (trabalho, economia, oportunidade). • As necessidades são definidas de maneira distinta pelas diferentes sociedades. barbosa e CamPbell
  10. 10. justIfICatIVas
  11. 11. sujeIto e IdentIdade
  12. 12. ConCePções de IdentIdade • Sujeito do Iluminismo - “Eu” Indivíduo masculino, soberano, racional e contínuo ao longo de sua existência. descartes - Mente e matéria - explicadas pela redução aos elementos essenciais. - Sujeito racional e situado no centro do conhecimento - sujeito cartesiano. locke - Identidade contínua do sujeito. Hall
  13. 13. À medida que a sociedade moderna tornava-se ainda mais complexa, adquiria formas mais coletivas e sociais. Estutura de estado-nação e grandes massas Hall
  14. 14. ConCePções de IdentIdade • Sujeito Sociológico - “Eu” e a Sociedade Formado pela relação do indivíduo com a sociedade que fornece sentidos, valores e símbolos. Biologia Darwiniana - Sujeito biológico - razão com base na natureza e a mente como fundamento no desenvolvimento físico do cérebro Ciências sociais - Desenvolveu uma explicação alternativa para o modo como o indivíduo é formado subjetivamente pelas relações sociais. Hall
  15. 15. Surge a figura do indivíduo isolado, alienado e perdido na multidão (anonimato). Hall
  16. 16. ConCePções de IdentIdade • Sujeito Pós-Moderno O sujeito assume identidades diferentes em diferentes contextos, em muitos casos até mesmo contraditórias. marx - Os homens constrói sua história a partir das condições já determinadas por quem o antecedeu. freud - A identidade, sexualidade e desejos do homem tem como base processos psíquicos e simbólicos do incosciente (nega a razão). Hall
  17. 17. saussure - A língua como sistema social preexistente e carregado de significados - não podemos ser seus autores. - Significado surge nas relações de similaridade e diferença - “eu sei quem eu sou em relação ao “outro”. foucault - Teoria do “Poder disciplinar” - preocupação com a regulação e vigilância (base no poder dos regimes administrativos) - A organizaçnao coletiva propicia o isolamento, a vigilância e a individualização do sujeito individual. movimento feminista - Abordou questões como família, sexualidade, trabalho etc. - Discutiu questões de gênero, destacando o pertencimento à “humanidade”. Hall
  18. 18. CrIse de IdentIdade Sujeito único Sujeito fragmentado d e t n e IdentIdade I a d d I Classe • Gênero • Sexualidade • Etnia • Raça • Nacionalidade Hall • Argumento das teorias sociais
  19. 19. IdentIdades ContradItórIas
  20. 20. Culturas naCIonaIs
  21. 21. a Cultura naCIonal • As culturas nacionais constituem uma das principais fontes de identidade cultural. • Criam um conjunto de significados - sistema de representação e símbolos culturais. • É um discurso que possui o poder de influenciar a nação. Produzir sentidos com os quais nos identificamos. • Comunidades Imaginadas - Diferenças entre nações se dá pelas diferentes formas como são imaginadas (estratégias para a idéia de pertencimento). Hall
  22. 22. a Cultura naCIonal • Como é contada a narrativa da cultura nacional? 1. Narrativa da nação nas literaturas nacionais; 2. Ênfase nas origens e na continuidade; 3. Invenção da tradição; 4. Mito fundacional (estória que se perde em tempo distante); 5. Povo puro e original. • Cria-se noções de patriotismo, de pertencimento à nação como forma de buscar uma perpetuação da mesma. Hall
  23. 23. globalIzação
  24. 24. soCIedade de mudanças • Transformação do tempo e do espaço. • “Extração” das relações sociais do contexto local - interconexão global. • Descontinuidade, fragmentação, deslocamentos e ruptura. • A globalização ou fortalece identidades locais, ou produz novas identidades. barbosa, CamPbell / Hall
  25. 25. soCIedade de mudanças “Como conclusão provisória, parece então que a globalização tem, sim, o efeito de contestar e deslocar as identidades centradas e fechadas de uma cultura nacional”. Hall
  26. 26. HIbrIdIsmo (fusão entre diferentes tradições culturais) tradução HIbrIdIsmo fonte de criatividade possui custos e perigos Fortes tentativas de reconstruir identidades purificadas (tradição) Problema minorias que se identificam com culturas diferentes Hall
  27. 27. fundamentalIsmo ex: inglesismo e movimentos islâmicos Percebe-se em paralelo com a globalização, uma reversão notável dos acontecimentos, no qual ressurgem os nacionalismos Hall
  28. 28. fundamentalIsmo Entretanto, a globalização não parece estar produzindo nem o triunfo do “global” nem a persistência, em sua velha forma nacionalista, do “local”. Os deslocamentos ou os desvios da globalização mostram-se, afinal, mais variados e mais contraditórios do que sugerem seus protagonistas ou seus inimigos. (...) a globalização pode acabar sendo parte daquele lento e desigual, mas continuado, descentramento do Ocidente. Hall
  29. 29. Consumo e sIgnIfICado
  30. 30. IndIVíduo e soCIedade Desejo sociedade Indivíduo Identidade estabelece relações Diferenciação Consumo Confere status sentido Delimita grupos emoção autoconhecimento barbosa e CamPbell
  31. 31. IndIVíduo • Relação da Metafísica (ser e saber) com o consumo. • Autodefinição através de desejos e preferências (gosto). • necessidade constante de estímulos e desejos - moda, status. barbosa e CamPbell
  32. 32. soCIedade • O consumo classifica as pessoas de acordo com o que elas consomem, cria o “estilo de vida” (definições sociais). barbosa e CamPbell

×