Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Teste nº 2 /Março/Textos dos Media

Related Books

Free with a 30 day trial from Scribd

See all

Teste nº 2 /Março/Textos dos Media

  1. 1. TRABALHO ESCRITO INDIVIDUAL DE PORTUGUÊS <br />10º ANO/Março 2011<br />Aluno:___________________________________Nº:____Turma:_______<br />Professor:______________________Classificação:___________________<br />Texto<br />Revista crítica dos jornais 1 2 “O jornalismo, na sua justa e verdadeira atitude, seria a intervenção permanente do País na sua própria vida política, moral, religiosa, literária e industrial. Mas esta intervenção nos factos, nas ideias, para ser fecunda, elevada, para ter um carácter de utilidade pública e largas vistas sociais, deve ser preparada pela discussão e pelo esclarecimento da direcção governativa, do estado geral dos espíritos, do vigor das consciências, da situação pública, da virtude das leis. É o grande dever do jornalismo fazer conhecer o estado das coisas públicas, ensinar ao povo os seus direitos e as garantias da sua segurança, estar atento às atitudes que toma a política estrangeira, protestar com justa violência contra os actos culposos, frouxos, nocivos, velar pelo poder interior da Pátria, pela grandeza moral, intelectual e material em presença das outras nações, pelo progresso que fazem os espíritos, pela conservação da justiça, pelo respeito do direito, da família, do trabalho, pelo melhoramento das classes infelizes (...). O jornalismo não sabe o que é o abatimento moral, o cansaço, a fadiga, o repouso. Se ele repousasse, quem velaria pelos que dormem? Há homens, há trabalhadores de ideias, filósofos, que fazem o mesmo áspero trabalho incessante: mas esses têm a glória, que é como um bálsamo divino derramado nos seus cansaços.O jornalista não: trabalha, luta, derrama ideias, sistemas, filosofias sociais e populares estudos reflectidos, improvisações, defesas eloquentes, nobres ataques da palavra e da ideia, pois bem, tudo isso passa, morre, esquece: aquela folha delgada e leve, onde ele põe o seu espírito, a sua ideia, a sua consciência, a sua alma, perde-se, desaparece, some-se, sem esperanças de vida, de duração, de imortalidade, como uma folha de árvore ou como um trapo arremessado ao monturo(…) O jornalismo ensina, professa, alumia sobretudo; é ele o grande construidor do futuro; não é só o facto de hoje que o prende - isso é o menos - é o facto que o futuro contém: ele vai das relações presentes às relações futuras e mostra a revolução lenta, serena, imensa, pela qual a humanidade transforma e refaz o seu destino no sentido da justiça.É por isso que ele contradiz muitas vezes a opinião recebida; e com razão; nem sempre a grande massa tem a consciência do bem, do direito e da sua verdadeira razão; é necessário que o jornalismo a esclareça, que a avise quando ela se transviar, que a sustenha, quando ela for a cair. (...)”Eça de Queirós, in Páginas de Jornalismo - "O Distrito de Évora" (n.º 1, 6 de Janeiro de 1867), vol. II, Lello e Irmãos EditoresJosé Maria Eça de Queirós (Póvoa de Varzim, 1845 - Paris, 1900) - Formou-se em Direito na Universidade de Coimbra. Participou nas Conferências do Casino e teve um importante papel na Geração de 70. Foi nomeado cônsul em Havana (1872), tendo viajado muito. Algumas obras: "O Crime do Padre Amaro" (1875-1876), "O Primo Basílio" (1878), "A Relíquia" (1887), "Os Maias" (1888), "Contos" (1902) e "Prosas Bárbaras" (1903). É considerado um dos maiores romancistas portugueses do século XIX.<br />GRUPO I<br />Responda às questões que se seguem, de acordo com as orientações que lhe são dadas.<br />1. Identifique o tema abordado neste artigo.<br />2. No terceiro parágrafo, o autor enumera aquelas que considera serem as grandes funções jornalismo.<br />2.1. Refira, por palavras suas, as três que lhe parecem mais significativas, justificando a sua escolha.<br />3. A determinado momento do texto, Eça de Queirós compara os jornalistas com os filósofos.<br />3.1. Refira o que têm em comum e o que os distingue.<br />4. Explique, por palavras suas, por que motivo o jornalismo é "o grande construidor do futuro".<br />5. Eça de Queirós faz uma apreciação do trabalho dos jornalistas. <br />5.1. Esclareça, justificando a sua resposta, se se trata de uma apreciação marcadamente positiva ou negativa.<br />6. Classifique, morfologicamente, a classe e subclasse das palavras sublinhadas no texto :”mas”;”se” e “quando”. <br />7. Releia o último parágrafo do texto.<br />7.1. Identifique o antecedente da palavra sublinhada e a negro. <br />7.2. Diga qual foi o mecanismo de coesão utilizado pelo autor.<br />8. Divida e classifique as orações seguintes:<br />a) O nosso jornal regional, cujos jornalistas são muito conhecidos, está na falência.<br />b) O jornal cuja tiragem foi elevadíssima, ganhou imenso dinheiro.<br />9.Identifique o acto ilocutório presente na afirmação seguinte:<br />Gosto muito do jornalismo.<br />GRUPO II<br />Apresente, de forma completa e fundamentada, a sua opinião acerca da importância dos meios de comunicação social, num texto de 100 a 150 palavras.<br />Bom Trabalho!<br />O Professor<br />__________________<br />Cotações:<br />Grupo I Grupo II<br />1.2.13.14.5.16.7.17.28.9.1.Total1010202015151515201050200 pontos<br />

    Be the first to comment

    Login to see the comments

  • smbmn

    Nov. 19, 2011
  • madalenafonseca7

    Apr. 20, 2013
  • AnabelaMartins1

    Jan. 29, 2015
  • tanianina

    Jun. 26, 2017
  • vandacoelho3

    Apr. 15, 2020
  • denisezambujo

    Jan. 26, 2021

Views

Total views

14,117

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

7

Actions

Downloads

576

Shares

0

Comments

0

Likes

6

×