ANÁLISE ELETROMIOGRÁFICA DA FADIGA
MUSCULAR E RECUPERAÇÃO DA FORÇA MÁXIMA
APÓS CRIOTERAPIA POR IMERSÃO
Fernando S. S. Barb...
INTRODUÇÃO
 Níveis de força máximo ou quase máximo e o esporte
 Restrição na função contrátil de músculos esqueléticos
(...
OBJETIVO
Avaliar a fadiga e recuperação muscular após diferentes
protocolos de CI com base em parâmetros eletromiográficos...
MÉTODO
 N=60; adultos jovens; sexo masculino
 Idade 28.00±7.07 anos, massa corporal 80.12±32.52, altura
178.50±0.70 cm, ...
MÉTODO
 Protocolo de recuperação e formação dos grupos
 R40%; R80%
 CI5°5’40%; CI5°10’40%;
 CI5°5’80%; CI5°10’80%;
 A...
RESULTADOS
Variável R40% CI5º5'40% CI5º10'40% R80% CI5º5'80% CI5º10'80%
FIM-1 48.2 53.8 59.0 56.5 49.7 44.77
FIM-2 40.4 46...
CONCLUSÕES
1. O protocolo de exaustão proposto demonstrou ser efetivo para
indução da fadiga muscular utilizando esforço c...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

ANÁLISE ELETROMIOGRÁFICADA FADIGA MUSCULAR E RECUPERAÇÃO DA FORÇA MÁXIMA APÓS CRIOTERAPIA POR IMERSÃO

121 views

Published on

Trabalho apresentado no XV CONGRESSO INTERNACIONAL DE CIRURGIA EXPERIMENTAL SOBRADPEC.

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

ANÁLISE ELETROMIOGRÁFICADA FADIGA MUSCULAR E RECUPERAÇÃO DA FORÇA MÁXIMA APÓS CRIOTERAPIA POR IMERSÃO

  1. 1. ANÁLISE ELETROMIOGRÁFICA DA FADIGA MUSCULAR E RECUPERAÇÃO DA FORÇA MÁXIMA APÓS CRIOTERAPIA POR IMERSÃO Fernando S. S. Barbosa; Paula F. Martinez; Charles Taciro; Silvio A. de Oliveira Júnior. XV CONGRESSO INTERNACIONAL DE CIRURGIA EXPERIMENTAL SOBRADPEC II FÓRUM PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA REGIÃO CENTRO-OESTE Apoio Financeiro:
  2. 2. INTRODUÇÃO  Níveis de força máximo ou quase máximo e o esporte  Restrição na função contrátil de músculos esqueléticos (Westerblad et al., 2010)  Fadiga muscular (Bigland-Ritchie et al., 1978; 1985)  Diferentes modalidades de recuperação pós-esforço (RPE)  crioterapia por imersão (CI) (Yeung et al., 2016)  Escassez de estudos que avaliem a fadiga muscular e a RPE com a CI utilizando a eletromiografia de superfície
  3. 3. OBJETIVO Avaliar a fadiga e recuperação muscular após diferentes protocolos de CI com base em parâmetros eletromiográficos (EMG) e de força.
  4. 4. MÉTODO  N=60; adultos jovens; sexo masculino  Idade 28.00±7.07 anos, massa corporal 80.12±32.52, altura 178.50±0.70 cm, sem lesão musculoesquelética (Leal Junior et al., 2011)  Determinação da força isométrica máxima (FIM)  Protocolo de indução à exaustão (Petrofsky e Laymon, 2005) VL RF VM  FIM antes e após exaustão  FIM 15’ e 30’ após exaustão  Critérios de inclusão e exclusão (Hernadez, 2010)
  5. 5. MÉTODO  Protocolo de recuperação e formação dos grupos  R40%; R80%  CI5°5’40%; CI5°10’40%;  CI5°5’80%; CI5°10’80%;  Aprovação no Comitê de Ética em Pesquisa local  Parecer nº 1.151.455  Identificador ReBEC  RBR-9gnxv3  Análise estatística  ANOVA com teste post hoc de Tukey ou Friedman com teste post hoc de Dunn  nível de significância p<0.05
  6. 6. RESULTADOS Variável R40% CI5º5'40% CI5º10'40% R80% CI5º5'80% CI5º10'80% FIM-1 48.2 53.8 59.0 56.5 49.7 44.77 FIM-2 40.4 46.2 53.6 49.3 48.2 38.772 FIM-3 48.0 48.1 57.9 56.8 51.6 43.178 FIM-4 46.6 49.58 57.7 54.7 49.3 44.8 RMS-1 418.0 367.6 477.6 388.8 437.2 355.6 RMS-2 416.0 344.6 476.8 417.8 457.4 362.8 RMS-3 438.4 390.4 548.4 424.0 463.0 372.6 RMS-4 413.1 411.0 480.2 402.5 472.2 362.2 FM-1 81.2 97.8 91.0 86.7 97.8 97.4 FM-2 73.6a 88.8a 83.8a 76.9 83.2a 82.2a FM-3 87.8b 92.4 73.2a 88.3 82.6a 83.2a FM-4 81.8c 90.2 88.0a 88.0 89.4a 85.4a Tabela 1 – Comportamento dos parâmetros de força muscular (FIM) e EMG (RMS e FM) obtidos a partir de teste de contração isométrica voluntária máxima realizado antes (1), imediatamente após (2), 15 e 30 minutos após exaustão Nota: aDiferença significativa em relação ao momento 1 (p<0.05); bdiferença significativa em relação ao momento 3 (p<0.001); cdiferença significativa em relação ao momento 3 (p<0.05).
  7. 7. CONCLUSÕES 1. O protocolo de exaustão proposto demonstrou ser efetivo para indução da fadiga muscular utilizando esforço correspondente a 40% da FIM apenas quando a variável EMG FM é utilizada. 2. No tocante a RPE a este nível de esforço apenas a recuperação passiva e a CI utilizando água a 5°C por 5 minutos foram capazes de promover recuperação significativa do músculo RF.

×