Tecnologias de Informação e Comunicação no Suporte aos Sistemas de Informação na Visão Hierárquica Informacional DIKW

2,713 views

Published on

Apresentação sobre Tecnologias de Informação e Comunicação no Suporte aos Sistemas de Informação na Visão Hierárquica Informacional DIKW, desenvolvida por alunos da Universidade Federal de Sergipe para a disciplina de Sistemas de Informação.
Este trabalho tem o intuito de apresentar as tecnologias de informação e comunicação nos sistemas de informação, estruturando estes conceitos dentro da hierárquia Informacional DIKW (Data, Information, Knowledge, Wisdow).

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,713
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
246
Actions
Shares
0
Downloads
82
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Tecnologias de Informação e Comunicação no Suporte aos Sistemas de Informação na Visão Hierárquica Informacional DIKW

  1. 1. Universidade Federal de Sergipe Departamento de Computação Sistemas de Informação Tecnologias de Informação e Comunicação no Suporte aos Sistemas de Informação na Visão Hierárquica Informacional DIKW Diego Armando, Felipe J. R. Vieira, Roberto Pizzi
  2. 2. Hierarquia DICS “Onde está a sabedoria que perdemos no conhecimento? Onde está o conhecimento que perdemos na informação?” T.S. Eliot, "The Rock", F
  3. 3. Ciência da Informação Estuda a informação desde a sua gênese até o processo de transformação de dados em conhecimento. Principais áreas de estudo: ● Logística da informação ● Planejamento de informação ● Modelagem de dados ● Análise de dados
  4. 4. Gestão do Conhecimento Possui o objetivo de controlar, facilitar o acesso e manter um gerenciamento integrado sobre as informações em seus diversos meios. É um processo sistemático, articulado e intencional, apoiado na geração, codificação, disseminação e apropriação de conhecimentos, com o propósito de atingir a excelência organizacional.
  5. 5. Gestão do Conhecimento Processo cíclico de conversão do conhecimento
  6. 6. Hierarquia Informacional ● Informação, Conhecimento, Sabedoria ● Dado, Informação, Conhecimento ● Ruído, Dado, Informação, Conhecimento, Compreensão, Sabedoria
  7. 7. Hierarquia DICS Information is not knowledge, Knowledge is not wisdom, Wisdom is not truth, Truth is not beauty, Beauty is not love, Love is not music, and Music is THE BEST. “Packard Goose”, Frank Zappa (1979)
  8. 8. Hierarquia DICS A hierarquia DIKW (DICS) é um modelo teórico que se mostra útil na análise e no entendimento da importância e limites das atividades dos trabalhadores do conhecimento. ● Dados (Data) é o nível mais básico; ● Informação (Information) acrescenta contexto e significado aos dados; ● Conhecimento (Knowledge) acrescenta a forma como usar adequadamente a informação; ● Sabedoria (Wisdow) acrescenta o entendimento de quando utilizá-los.
  9. 9. Hierarquia DICS
  10. 10. Dado Dados são pedaços de informação que representam os atributos qualitativos ou quantitativos de uma variável ou um conjunto de variáveis. Podem consistir de: ● Números ● Palavras ● Imagens
  11. 11. Informação Enquanto conceito, carrega uma diversidade de significados, do uso cotidiano ao técnico. ● Mensagem ● Padrão ● Estímulo sensorial ● Uma influência que leva à transformação ● Uma propriedade na física ● Registros
  12. 12. Conhecimento “Um conjunto de todos os valores culturais, intelectuais, morais, religiosos, artísticos, emocionais e tecnológicos da espécie humana.” Aurélio – Nova Fronteira Pode ser: ● Tácito ● Explícito
  13. 13. Sabedoria "Por sabedoria entendo a arte de tornar a vida o mais agradável e feliz possível." (Arthur Schopenhauer) "Ciência é conhecimento organizado. Sabedoria é vida organizada." (Immanuel Kant) "A sabedoria é filha da experiência." (Leonardo da Vinci) "A sabedoria é a parte suprema da felicidade." (Sófocles)
  14. 14. Fonte: Revista The Futurist
  15. 15. Tecnologias de Informação e Comunicação
  16. 16. Tecnologia “Conjunto complexo de técnicas, artes e ofícios capazes de modificar/Transformar o ambiente natural , social e humano em novas realidades.”
  17. 17. XML ● XML Schema ● XML Security ● XSLT
  18. 18. XML ● Sistema Integrado de Bibliotecas ACAFE Modelo de Arquivo XML para a captação e importação de dados <biblioteca> <id_ies></id_ies> <obra> <titulo></titulo> <autor Tipo="xx"></autor> <assunto></assunto> <colaborador></colaborador> <editor></editor> <data></data> <tipo></tipo> <formato></formato> <identificador></identificador> <idioma></idioma> <edicao></edicao> <id_bibliodata><id_bibliodata> <id_campus id_legado="xx"></id_campus> <cod_mov></cod_mov> </obra> <biblioteca>
  19. 19. XML ● DATAPREV - SICADI Layout do Arquivo de Demonstrativo Estatístico <?xml version="1.0" encoding="UTF-8"?> <xsd:schema targetNamespace="http://arquivo.xml.modelo.comum.estatistico.dataprev.gov.br" elementFormDefault="qualified" xmlns:xsd="http://www.w3.org/2001/XMLSchema" xmlns="http://arquivo.xml.modelo.comum.estatistico.dataprev.gov.br"> <xsd:complexType name="MovimentacaoType"> <xsd:sequence> <xsd:element name="inicial" type="xsd:int" maxOccurs="1" minOccurs="1"> </xsd:element> <xsd:element name="entradas" type="xsd:int" maxOccurs="1" minOccurs="1"> </xsd:element> <xsd:element name="saidas" type="xsd:int" maxOccurs="1" minOccurs="1"> </xsd:element> <xsd:element name="observacao" type="xsd:string" maxOccurs="1" minOccurs="0"> </xsd:element> </xsd:sequence>
  20. 20. XML ● Estrutura básica de um feed RSS 2.0 < ?xml version="1.0"?> <rss version="2.0"> <channel> <title></title> <link><;/link> <description></description> <item> <title></title> <link></link> <description></description> </item> <item> <title></title> <link><;/link> <description></description> </item> <item> <title></title> <link></link> <description></description> </item> </channel> </rss>
  21. 21. RFID ● Indentificação e Rastreamento por rádio frequência ● Algumas Aplicações: ● Localização no Estoque ● Identificação ● Conferência
  22. 22. RFID – Exemplo da HP Sorocaba ● Inicio do estudo e utilização do RFID em 2004 ● Produção anual superior a 1 milhão de equipamentos ● 99,5 % da produção e registrada com o RFID ● 65 leitoras espalhadas pela produção ● Potencial de queda 17% nos inventários ● Eliminação de Erros nas transações ● Redução de 12% nos embarques dos produtos ● Identidade do Produto – Ao Longo da vida útil
  23. 23. QRcode ● Código de barras bi-dimensiona(2D) ● Pode ser lido diretamente por uma câmera digital ● Interpretado por programas específicos ● Algumas Aplicações: ● Apoio à comunicação escrita tradicional ● Realidade Aumentada ● Campanhas Publicitárias
  24. 24. QRcode - Exemplos ● No Brasil ● Cervejaria Nova Schin ● Anúncios durante o São Paulo Fashion Week ● Traziam mensagens surpresas ● Claro ● Códigos impressos em jornais, revistas e folhetos ● Fornece um link para o Claro Idéias ● Acesso à música da campanha ● No Mundo ● FaceBook ● QRcode do perfil colocado em uma camisa
  25. 25. IPv6
  26. 26. SOA ● Arquitetura de Software orientada a serviço ● Funcionailidades do sistema disponibilizadas na forma de serviço ● Serviços dispoinibilizados através de web services ou outras formas de comunicação (Interface) ● Utilizam as Tecnologias de Web Service ● SOAP , UDDI e WSDL
  27. 27. SOA - Importante ● Utilização de Arquitetura SOA com ERP ● ERP feitos pensando em robustez ● Lógica e regras de negócio do processo dentro da aplicação ● Flexibilidade usando SOA ● Arquiteturas arrojadas ● Preço.
  28. 28. DATA WAREHOUSE ● OLAP ● Data Mining
  29. 29. DATA WAREHOUSE – Exemplo do SES-SP Escopo do projeto foi delimitado pelos sistemas de informação provedores de dados da saúde pública. - SIA (Sistema de Informação Ambulatoriais) - SIH (Sistema de Informações Hospitalares) - CNES (Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde) Definição das Ferramentas (Robustez) - OWB(Oracle Warehouse Builder) da Oracle, Construido um Cubo OLAP pra cada Sistema de Informação (SIA,SIH,CNES) Primeira fase - identificação de muitos desafios e dificuldades. Ex : Salto tecnológico muito alto; Qualidade dos dados;Altíssimo grau de expectativa do usuário final; Saldo final foi positivo - Utilização das informações nas tomadas de decisão do SES-SP
  30. 30. Tecnologias que proporcionam o conhecimento Blog Microblog RSS Wiki Redes Sociais Social Bookmarking Outros
  31. 31. Tecnologias SOA SOA SOA
  32. 32. Sistemas de Informação
  33. 33. Papel dos Sistemas de Informação ● Controlar o funcionamento global da organização; ● Coordenar atividades de interação entre departamentos; ● Contribuir para a eficiência das funções vitais da organização
  34. 34. Tipos de Sistemas de Informação
  35. 35. Transaction Processing Systems ● Suporte às atividades do dia a dia da organização; ● Automação de tarefas repetitivas e transacionais; ● Devem ser rápidos e conviáveis.
  36. 36. Knowledge Management Systems ● Foco na gestão do conhecimento como um bem e desenvolvimento de canais por flui o conhecimento; ● Gerar melhoria de performance; ● Desenvolvimento de vantagens competitivas; ● Inovação.
  37. 37. Management Information Systems ● Base para as funções de planejamento, controle e tomada de decisão em nível gerencial; ● Está orientado quase exclusivamente para eventos internos; ● Apresentam uma estrutura conhecida de direcionamento para questões propostas.
  38. 38. Decision Support Systems ● Atende necessidades do nível estratégico da organização; ● Auxilia a direção a tomar decisões semi-estruturadas ou com rápidas mudanças; ● Devem responder a cada uma das mudanças que ocorrem ao longo de um único dia, se necessário; ● Além das informações internas, utiliza informações de fontes externas; ● São interativos, podendo mudar condições e bases de dados
  39. 39. Executive Support Systems ● Sistemas de Apoio a Decisão para a presidência da organização; ● Com acesso a mais informações; ● Está direcionado a proporcionar a mudança de cenários sobre quais os problemas atuam.
  40. 40. Lembrete Implantar ferramentas para automatizar um processo caótico, resulta em automatizar o caos
  41. 41. Estudo de Caso envolvendo RFID: Cadeias de suprimentos no varejo
  42. 42. Cadeia de suprimentos no varejo com recursos RFID
  43. 43. Cadeia de suprimentos no varejo com recursos RFID
  44. 44. Cadeia de suprimentos no varejo com recursos RFID
  45. 45. Cadeia de suprimentos no varejo com recursos RFID
  46. 46. Cadeia de suprimentos no varejo com recursos RFID
  47. 47. Cadeia de suprimentos no varejo com recursos RFID
  48. 48. Estudo de Caso envolvendo Web 2.0: O ibope do Boticário
  49. 49. Monitoramento dos Consumidores Patrícia Müller, fala de percepções sobre pessoas, produtos de opiniões em seu blog. Em alguns destes post comentou sobre uma linha de produtos da Boticário. Vinte dias depois, Patrícia recebeu um e-mail de agradecimento do centro de relacionamento com o cliente da Boticário.
  50. 50. Monitoramento dos Consumidores “O boca-a-boca virtual é poderoso e, por isso, é preciso estar atento a ele” Ana Júlia Oliveira Baumel Coordenadora do centro de relacionamento com o cliente do Boticário
  51. 51. Monitoramento dos Consumidores Para isto, o Boticário contratou a empresa e.life que faz uma classificação prévia dos comentários. A prioridade são os assuntos negativos e de ação imediata, mas elogios também são respondidos
  52. 52. Estudo de Caso envolvendo Business Intelligence como Instrumento de Apoio à Controladoria
  53. 53. Cenário Precedente à implantação ● Diretoria tomava ações sem informações ● Áreas não sabiam como estavam afetando outras ● Tarefas eram executadas sem avaliação ● Valores da controladoria questionados ● Tempo gasto em tabulação de dados operacionais ● Atraso em procedimentos da controladoria
  54. 54. Implantação das Ferramentas de BI Principais medidas: ● Implantação do custo integrado contábil ● Mudança de filosofia na gestão de TIC ● Descentralização das decisões ● Disponibilização da informação ● Implantação de ferramentas de controle específicas da área de controladoria
  55. 55. Implantação das Ferramentas de BI
  56. 56. Cenário Posterior à implantação ● Maior visibilidade sobre operações ● Muito menos tempo de monitoramento da operação ● Custos organizacionais mais bem examinados ● Melhor apuração de gastos de eventos contábeis ● Maior possibilidade de controle sobre cada área ● Tornou-se possível o target costing ● Possibilidade de implantação da Pricing Também foram observadas melhoras em TI, Vendas e Produção
  57. 57. Cenário Posterior à implantação

×