Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

O significado da retomada do crescimento em 2017

92 views

Published on

Em 2017, a economia brasileira voltou a apresentar sinais positivos nas suas principais variáveis macroeconômicas, após dois anos nos quais o País atravessou a maior recessão de sua história. Assim, segundo o Instituto Brasileiro de Economia e Estatística (IBGE), o Produto Interno Bruto (PIB) apresentou um crescimento de 1,0% em relação a 2016, sendo esse crescimento resultado do incremento tanto da produção agropecuária quanto das indústrias extrativas e de transformação. A inflação, por seu lado, foi significativamente reduzida, ficando, inclusive, ligeiramente abaixo da banda mínima estabelecida pelo regime de metas da inflação. Tal fato permitiu ao Banco Central reduzir substancialmente a taxa nominal de juros. Pelo lado do mercado de trabalho, verificou-se uma redução na taxa de desemprego e um incremento no número de ocupados. No setor externo, o País apresentou o seu maior superávit em dólares na balança comercial, enquanto a taxa de câmbio apresentou pequenas oscilações, em torno de R$ 3,2.

Published in: Economy & Finance
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

O significado da retomada do crescimento em 2017

  1. 1. O significado da retomada do crescimento em 2017 André Luis Contri NEPE/CEES/FEE
  2. 2. 60.00 80.00 100.00 120.00 140.00 160.00 180.00 200.00 220.00 240.00 260.00 Indice de Volume do Produto da Indústria de Transformação e da Extrativa Mineral Brasil, 1991-2017 Transformação Extrativa Mineral Estagnação Estagnação e Crise
  3. 3. 80.00 100.00 120.00 140.00 160.00 180.00 200.00 220.00 240.00 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 Indice de Volume do Valor Adicionado Bruto da Agropecuária, da Indústria Total, dos Serviços e do PIB, Brasil, 1995 - 2017 PIB Agropecuária Industria Serviços
  4. 4. 20.00 70.00 120.00 170.00 220.00 270.00 320.00 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 Indice de Volume do PIB e dos componentes da demanda agregada, Brasil, 1991-2017 PIB FBKF Exportações Consumo das Famílias Administração Pública Importaçoes
  5. 5. 80.00 100.00 120.00 140.00 160.00 180.00 200.00 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 Indice do Produto da Construção Civil, Brasil, 1995-2017.
  6. 6. 0 2 4 6 8 10 12 14 16 Mar-2012 Mai Jul Set Nov Jan-2013 Mar Mai Jul Set Nov Jan-2014 Mar Mai Jul Set Nov Jan-2015 Mar Mai Jul Set Nov Jan-2016 Mar Mai Jul Set Nov Jan-2017 Mar Mai Jul Set Nov Taxa de Desemprego, Brasil, 2012-2017 Series1 Fonte: IBGE. PNAD
  7. 7. 20.0 30.0 40.0 50.0 60.0 70.0 80.0 90.0 Janeiro Maio Setembro Janeiro Maio Setembro 2004-… Maio Setembro Janeiro Maio Setembro Janeiro Maio Setembro Janeiro Maio Setembro Janeiro Maio Setembro Janeiro Maio Setembro Janeiro Maio Setembro Janeiro Maio Setembro Janeiro Maio Setembro Janeiro Maio Setembro Janeiro Maio Setembro 2015-… Maio Setembro 2016-… Maio Setembro 2017-… Maio Setembro Divida Liquida do Setor Publico Consolidada e Divida Bruta do Governo Geral, % do PIB, Brasil, 2002-2017 DLPS Divida Bru
  8. 8. Alguns Indicadores da Conjuntura Econômica Brasileira PIB. Em 2017, encerrou 6,0% abaixo de 2014. Ou seja, apesar de tecnicamente o país ter saído da recessão, o volume de bens e serviços produzidos em 2017 ficou abaixo do que foi produzido três anos atrás. O volume do Produto foi menor em 2017 do que em 2011, seis anos de estagnação. FBKF. Apresentou queda no seu volume por quatro anos consecutivos (2014- 2017). Com isso, o volume dos investimentos, em 2017, está 27% abaixo do que foi em 2013. Com o atual volume de investimentos, a FBKF terá que crescer cerca de 38% para alcançar o patamar de 2013. O volume dos investimentos encontra-se abaixo do patamar alcançado em 2008. Consumo das Famílias. Apesar do crescimento de 1,0% verificado em 2017, o volume de consumo das famílias ainda está 6,5% abaixo do seu montante em 2014.
  9. 9. Construção Civil. Apresentou queda no volume de produção nos últimos quatro anos (2014-2017). Com isso, o volume de obras da Construção Civil encerrou 2017 estando 20,0% abaixo do que esteve em 2013. A Construção Civil inclui não apenas empreendimentos imobiliários, mas também as obras de infraestrutura e serviços associados à construção. Trata-se de um setor com importantes efeitos de encadeamento com outras atividades e gerador de empregos. Indústria de Transformação. Apesar do crescimento de 1,7% verificado em 2017, o volume do produto encontra-se abaixo do volume de 2004. Em 2017 o crescimento esteve presente na maioria das atividades industriais. No entanto, este crescimento foi puxado pela Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias, cujo crescimento foi no volume de produção foi de 17,2% em 2017. Este setor representa cerca 7,0% do VTI da Indústria de Transformação Brasileira. Seu crescimento, em 2017, foi impulsionado pelas exportações, cujo volume cresceu 28,2% em 2017,
  10. 10. Dívida Pública: a DLSP, em setembro de 2014, representava 32,0% do PIB. Em dezembro de 2017 este percentual elevou-se para 51,6% do PIB. Um crescimento de cerca de 20 pontos percentuais em 2 anos e 3 meses. No que se refere à Divida Bruta 69,7% e 83,1%, respectivamente. 61,6% em dezembro de 2014. Desemprego. Apesar da redução nas taxas de desemprego observadas a partir de abril de 2017, em dezembro de 2014 o país tinha cerca de 6,5 milhões de desempregados. Em Março de 2017 este valor foi superior a 14 milhões de trabalhadores. Em dezembro de 2017 este número havia sido reduzido para 12,3 milhões. Setor Externo. Apesar do crescimento de 5,2% nas Exportações, em 2017 verificou-se um crescimento de 5,0% nas importações.
  11. 11. Questões Qualitativas para a análise da Conjuntura Estagnação da atividade industrial por mais de 13 anos, com reflexos sobre toda a cadeia produtiva. Isto acaba por aumentar a dependência do país em relação aos produtos importados. Questão do emprego. O país precisou de 11 anos para trazer a taxa de desemprego de 11,9% para um pouco mais de 4,0%. A precarização nas relações trabalhistas que irão ocorrer a partir da Reforma trabalhista, com impacto sobre a renda e qualificação da mão de obra. O projeto que está sendo implementado no país tem por objetivo reduzir substancialmente os custos com o trabalho, no sentido de buscar uma concorrência com China e India. Este é um projeto extremamente nefasto do ponto de vista social.
  12. 12. Problemas com a desnacionalização de nossas indústrias: setor da Construção, Petrobras, Indústria naval e Embraer. Do ponto de vista social, tal projeto é insustentável em função do aumento da Pobreza e do crescimento na desigualdade e, por consequência, da violência. Deterioração dos Serviços Públicos.

×